História My beloved ex boyfriend. - Capítulo 4


Escrita por: ~ e ~Titia_katy

Exibições 67
Palavras 1.302
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Científica, Harem, Magia, Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 4 - Uma nova voz?


Fanfic / Fanfiction My beloved ex boyfriend. - Capítulo 4 - Uma nova voz?


Um nome familiar passou igual flash na mente dele, um nome que ele conhecia muito bem, mas não se lembrava.

– Harley...- Sussurrou.

– Deve ser o nome de alguma parente.- Shannon revirou os olhos pensativo.– Sua mãe, sobrinha, prima, irmã, tia ou até mesmo avó?.

O rapaz negou.

– Sua namorada ou esposa?.- Tomo.

– Não, eu não sei.- O rapaz suspirou nervoso.

                   [Pov.Harley]

Fui pra casa da June e do Flag em plena madrugada, os dois moram juntos à dois anos. Com certeza eu incomodaria o casal esse horário, mas eu preciso saber onde magia deixou meu puddin, sei que não deveria estar preocupada com ele agora, jurei a mim mesma que me livraria do Coringa de uma vez por todas, me livraria do sentimento obsessivo que sinto por ele, no entanto o problema é que eu não consigo...

Bati na porta umas quatro vezes ate finalmente acorda-los, Flag abriu a porta com uma cara de sono que chegava a dar dó, ele estava com sem camisa e com os cabelos bagunçados.

– Harley?.- Sussurrou com a voz sonolenta.– O que faz aqui uma hora dessas?.

Empurrei ele para o lado e entrei na casa sem ao menos esperar o convite, ele não me deixaria entrar se eu falasse o motivo verdadeiro.

– Bebê eu vim conversar com minha amiga Juju, coisa de mulher sabe?.- Subi correndo a escada para o segundo andar onde ficava o quarto do casal, e logo em seguida entrei e tranquei a porta atrás de mim, Flag vai ficar puto, mas fazer o que?

June estava dormindo calmamente na cama, ela parecia um anjinho lindo e abençoado, nem parece que tem um demônio poderoso no corpo.

– June! June! JUNE!.- chacoalhei a morena até ela acordar, assustada ela pegou o revólver que estava embaixo do travesseiro e aprontou para minha cabeça.– Calma miga sou eu.

Ela suspirou aliviada e me olhou com cara feia, apenas sorri sem graça.

– Puta merda Harley que susto, que caralhos esta fazendo aqui? Cadê o Rick?.- Se deitou na cama de novo.

– Mandei seu maridinho esperar lá fora enquanto conversamos assunto de mulher pra mulher, já fez noite das garotas?.- sentei na cama fingindo animação, ela me olhou desconfiada.

– Me poupe Harley fala logo oque quer e vai embora.

– Que mal educada, tratar uma amiga assim é tão feio.- Fingi ofendida e fui logo ao assunto.– É o seguinte meu bem, eu preciso falar com a magia tem como chamar ela por favor? É um assunto muito importante.

– Sem chances.

– Por favorzinho, June é rápido.- Fiz minha carinha fofa extremamente irresistível.

– Promete não causar problemas? Promete não destruir o mundo ou acabar com a raça humana?.- Perguntou meio insegura.

– Que isso? Ta me chamando de louca é?.

– Você é louca.

– Ta ta prometo.

Então ela suspirou fundo e fechou os olhos se concentrando, seus lábios sussurram o nome da entidade "Magia" que logo toma total posse do corpo da morena, deixando ela com uma aparência bizarramente sexy e medonha, sorri vendo a cena... Eu realmente sou irresistível.

– Humana sorridente.- Disse com a voz grossa e assustadora.

– Oi pra você também gostosa.- Me aproximei e ela me olhou desconfiada.

– Por que me procuras?.

– Preciso que me leve no exato lugar onde deixou meu puddin e me diga o que fez com ele.

No mesmo estante ela tocou meu ombro e em um passe de mágica estamos no alto de uma avenida flutuando perto de um posto, me assustei um pouco com a altura e vários carros em movimento.

– Aqui foi o lugar onde deixei ele antes de sugar todo tóxico e memórias do corpo dele.- Disse olhando para a rua.– Humanos são tão frágeis.

– Mas não vejo ele em lugar nenhum.- Procurei com os olhos, e uma vontade imensa de chorar me invade só de pensar como pude ser tão rude em manda-lo para um lugar assim sem memórias, pobrezinho deve ter passa frio.– Onde ele esta?.

– Em algum outro lugar, talvez morto ou talvez vivo... Como eu disse antes humanos são tão frágeis.- Ela revirou os olhos sinicamente.– Mas o desespero dele foi um ótimo entretenimento.

Ouvindo aquelas palavras comecei a chorar feito uma criança, como pude ser tão horrível com meu Puddin ao ponto de perde-lo.

– Perdi meu Puddin!

        
                   [Com Joker]

                       (Autora)

Tomo e Shannon levaram ele para o apartamento onde os dois amigos moravam, o apartamento era espaçoso e tinha exatamente três suítes.

Ele parecia confuso em tudo que fazia e não era muito bom em se lembrar das coisas, sempre precisava de ajuda para fazer atividades básicas por causa do braço quebrado, por isso Tomo e Shannon não saiam de perto dele nem por um segundo, acompanhavam ele ate no banheiro...

Os dois amigos simpatizam com o rapaz de cabelos bracos e olhos azuis com a personalidade inocente. No momento os três conversavam sentados no sofá tomando whisky, estranhamente o rapaz absorvia uma quantidade assustadora de Whisky.

– Não sei como você ainda tem figado.- Disse Tomo gargalhando.

– Eu também não faço a mínima ideia.

– Acho que já passou da hora de você se lembrar do seu nome, no caminho pra ca você disse que talvez começava com a letra J.- Shannon.

– Uhum com a Letra "J" mas é só isso que me vem a cabeça.

– Humm... Que tal James?.- Tomo.

O rapaz balançou a cabeça negando, ele nem de perto tinha cara de James.

– Jared cairia bem, eu tinha um irmão que faleceu antes do nascimento. O nome dele deveria ser Jared.- Disse Shannon.– Eu criava várias fantasias com a esperança de um dia conhecer meu irmão e montar uma banda com ele.

Um brilho surgiu nos olhos do rapaz, Jared realmente era um nome muito bonito e ate que se encaixava com o perfil dele.

– Jared.- Sorriu repetindo o nome.– Gostei, combina.

– Concordo.- Os dois amigos falaram juntos.

Alguns minutos se passaram e Jared começou ficar inquieto com um objeto grande encostado na parede da sala, estava coberto por um foro azul claro, seus olhos não saia daquele objeto, e logo a curiosidade tomou conta.

Ele se levantou e foi ate o objeto logo tirando o foro de cima revelando um piano empoeirado e velho, os dois rapazes não disseram nada apenas o acompanhava com os olhos, eles estavam curiosos para saber oque Jared viu de tão especial naquele piano.

Os dedos não machucados passaram na tecla do piano levemente, ele fechou os olhos e começou a tocar com uma mão só uma música calma, porém bastante complicada de tocar com uma mão só.

Os rapazes olharam aquela cena espantados com a agilidade de Jared e com a melodia maravilhosa do piano.

– Tive uma ideia bem louca.- Disse Tomo com um sorriso enorme de orelha a orelha.

– Eu também.- Shannon.

Shannon e Tomo se conhecem desde pequenos e os dois compartilhavam o mesmo sonho de formar uma banda, mas nunca encontraram uma pessoa qualificada como vocalista. Jared poderia se encaixar perfeitamente.

                    [Com Harley]

A loira chegou em casa quatro horas da manhã, seus olhos estavam vermelhos de tanto chorar, Floyd estava na cozinha ainda acordado esperando a moça.

– Harley que história é essa de sair uma hora dessas e ficar perambulando pela rua? Tem ideia do perigo?.- Ele cruzou os braços com uma expressão nada agradável.

Ela revirou os olhos pouco se importando com a preocupação dele e disse:

– Eu sei me cuidar sozinha.

Floyd notou os olhos vermelhos enchidos da moça, ela obviamente havia chorado litros.

– Estava chorando?.- Ele se aproximou dela e colocou uma mexe loira atrás da orelha dela.– Harley oque esta acontecendo?.

– Não é da sua conta.- Ela empurrou o moreno para o lado e secou as lágrimas, por um estante ele a encarou assustado.– E... E..eu perdi meu puddinzinho, eu perdi ele para sempre.

Novamente as lágrimas rolaram pelo rosto pálido borrando mais a maquiagem escura da loira.

                   

 


Notas Finais


Tadinha :(
Imagina quando ela descobri que o Joker virou Jared... Um Bebezão princeso.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...