História My Beloved Teacher - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Exibições 249
Palavras 3.072
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Luta, Orange, Romance e Novela, Saga, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


NOTAS FINAIS.

Capítulo 16 - Decisão.


Fanfic / Fanfiction My Beloved Teacher - Capítulo 16 - Decisão.

‘Danielle Woodley.

 

Eu ouvia passos ao longe, mas eu me sentia tão dolorida que se proferisse qualquer palavra desmaiaria novamente.

―Julian! ―Ouvi alguém gritar.

―Céus, será que ela está morta? ―Outra voz mais grossa soou, mexi minha mão o que fez ambos soltarem outro grito, puta que pariu, custava chamar uma ambulância logo? Tentei abrir meus olhos, mas apenas a tentativa me fez desmaiar novamente.

++

―A paciente está com uma costela fraturada, ela precisa de oxigênio! ―Ouvia vozes altas enquanto sentia meu corpo chacoalhar levemente.

―Céus Danielle... ―Ouvi alguém murmurar meu nome ―Vai ficar tudo... ―Reconheci a voz de Oliver o que me fez começar a chorar, mesmo que conseguisse abrir os olhos direito, eu via flash do rosto de várias pessoas enquanto corriam ao meu lado.

Foquei minha atenção para cima vendo o flash de lâmpadas passando rapidamente, soltei um gemido de dor quando pararam com tudo e me tiraram da maca me colocando em outra, mas dessa vez mais gelada.

A dor foi tamanha quando esticaram meu corpo que além de um grito de dor meus sentidos foram se dispersando e logo cai na enorme escuridão.

++

Quando eu voltei a mim, eu queria poder dizer que tive um sonho lindo ande eu estava no céu e tinha coelhinhos saltitando, mas não, eu não sonhei com nada, eu apenas apaguei, nada que fizesse sentido preencheu minha mente a ponto de me fazer sonhas.

Abrindo meus olhos com dificuldade ouvi um barulho soar o que fez minha cabeça latejar e a porta do meu quarto abrir rapidamente.

―Opa, senhorita você se sente bem? ―Uma mulher toda de branco perguntou me fazendo apenas encara–la, eu não conseguia falar nada ―Vou chamar seu médico ok? Não se mexa. ―A mulher saiu rapidamente.

Em poucos minutos Oliver entrou em meu quarto com uma prancheta na mão, o mesmo me encarou abatido por alguns instantes até fechar a porta atrás e sentar em uma poltrona ao lado da cama.

―Se sente melhor? ―Uma lagrima escorreu por meu rosto o fazendo levar a mão até o local e seca–la ―O que houve com você Danielle? ―Perguntou acariciando meu rosto.

―E... ―Nada saia, minha garganta ardia de mais para que eu pudesse falar.

Passar por aquilo era o cumulo, mas não iria ficar assim, não mesmo, Bieber não sabia com quem estava mexendo.

―Tudo bem... não precisa falar nada agora... você está muito fraca... ―O mesmo anotou algumas coisas na prancheta, analisou algumas maquinas que estavam ao lado da cama anotando mais algumas coisas até voltar sua atenção a mim.

―Liguei para seu celular, sua mãe atendeu e está a caminho junto a seu pai. ―Outra lagrima escorreu, além de estar toda arrebentada teria que ouvir sermão ―Não se preocupe princesa. ―O mesmo beijou minha testa ―Vou te dar um calmante ok? Para que você possa dormir e se recuperar... ―Assenti bem fraquinho o que o fez sorri fraco e sair do quarto voltando pouco depois com uma agulha, o mesmo pegou um tubinho que estava em meu braço inserindo a agulha nele e despejando o liquido dentro.

Oliver ficou ali comigo até eu pegar no sono, o que não demorou muito, mas por sorte ele estava ali quando eu fechei meus olhos.

Confesso que aquilo me alegrou, quando a escuridão me tomou eu pude adormecer com a melhor cena na minha cabeça, os olhos deles fixos em mim.

++

Eu não sei ao certo quanto tempo passou, mas quando eu acordei podia ouvir vozes por todo o quarto, cerrei meus olhos tentando ver quem estava ali, mas assim que meus olhos bateram nos fios platinados do meu lado, meu coração se acelerou o que fez a máquina ao meu lado começar um barulho alto e continuo chamando a atenção de todos.

―Preciso que todos saiam! ―Ouvi a voz de Oliver se aproximando.

―O que está havendo com a minha filha? ―Ouvi a voz da minha mãe soar amargurada e rouca.

―Preciso que saiam. ―Era a voz de uma mulher.

Logo o quarto ficou quieto a não ser pelos médicos conversando sobre o que estava havendo, tentei abrir meus olhos e dizer que estava tudo bem, mas minha garganta arranhava, meus pulmões pareciam não receber oxigênio.

―Vamos Danielle, respire! ―Ouvi a voz de Oliver e logo meu corpo amoleceu sem oxigênio.

++

Senti algo quente batendo contra meu rosto, abri meus olhos sentindo os raios de sol baterem contra meu rosto.

―Aí... ―Murmurei levando a mão bem pouco, mas aquela porcaria estava me irritando, céus, como ninguém se liga que eu estava dormindo não morta para me deixarem fritando com esse sol.

―Danielle... ―Ouvi a voz de Chris soar enquanto o mesmo se levantava vindo até mim.

―Sol... ―Disse o fazendo entender e cerrar a cortina.

―Dani, eu sinto muito você estar aqui... ―Murmurou sentando ao meu lado na cama ―Eu não imaginei que Bieber fosse fazer isso... ―Mordi o lábio inferior mantendo a calma.

A culpa não era de Christian, nem ao menos minha, era daquele babaca.

―Olha quem acordou! ―Ouvi a voz de Olive preencheu meus ouvidos ―Se sente melhor? ―Sorri sem mostrar os dentes para ele que arqueou a sobrancelha com seu típico sorriso encantador. Oliver apertou um botão fazendo a cama sentar bem pouco, mas ainda assim era uma posição diferente, meu corpo já estava ficando dolorido naquela posição.

Olhei para frente vendo minha perna em cima de um travesseiro enquanto um gesso ia até meu joelho, olhei para Oliver que mordeu o lábio inferior se mantendo calado.

―Espelho. ―Disse olhando para os dois que se entre olharam sem saber o que fazer ―Agora! ―Meus batimentos aceleraram o que fez Chris pegar seu celular e ligar na câmera, respirando fundo ele colocou o celular em frente ao meu rosto me permitindo ver meu rosto machucado, eu estava horrível com um lado do rosto roxo e pouco abaixo meio esverdeado.

―Dani, mantenha a calma... ―Oliver segurou minha mão enquanto lagrimas escorriam por meu rosto.

―Filha... ―Minha mãe entrou correndo no quarto assim que me viu acordada, logo atrás dela veio papai correndo até minha cama ―O que houve com você querida? ―Mamãe perguntou chorando ao meu lado.

―Bem, ela ainda não está em condições para falar muita coisa, mas eu tenho muito o que falar com os senhores e ela. ―Oliver disse coçando a nuca ―Os exames de Danielle constaram que ela fraturou uma costela, quebrou a perna e pelas marcas ao redor do seu pescoço sabemos que foi asquifixiada, os hematomas em algumas partes do seu corpo deixam claro que é o agressor não se importou com a força. ―Disse entre os dentes.

―Minha bebe... ―Bufei ao ouvir aquilo, sério mãe, na frente dos dois caras que eu pego?

―Isso não é tudo... ―Oliver me olhou abatido ―Os exames de Danielle constaram que ela está com um tumor no cérebro... ―Mordi o lábio inferior ao ver todos me olharem sérios, abaixei minha cabeça não querendo ver os olhares de pena, mas o grito da minha mãe fez meu coração acelerar.

Mamãe caiu de joelhos chorando enquanto meu pai a abraçava a retirando do quarto logo em seguida. Chris segurou minha mão sorrindo falso para mim, eu via o choque em seus olhos, céus porque todos me olhavam com pena, é ridículo.

―Sinto muito Dani... ―Oliver murmurou me olhando ―Está em um es...

―Estágio avançado? Eu sei... ―Disse o cortando ―Eu já sei a um tempo Blaise... ―Disse olhando para qualquer coisa que não fosse seus olhos ou de Christian ―Podem me deixar sozinha. ―Disse esgotando minhas forças, eu ainda não consegui falar muito.

Os dois homens trocaram algumas farpas pelos olhos até se retirarem da sala em silencio, e novamente eu me encontrava sozinha, uma coisa que me fazia muito bem no momento.

++

Alguns dias se passaram, tão lentos que me fazia querer morrer naquele momento, era um saco ficar no hospital, mas uma coisa legal foi ver Oliver todos os dias e várias vezes no dia, ele sempre fugia para ir me ver, além do que eu pensei, ele não me achava feia naquele estado, sem maquiagem e descabelada, muito pelo contrário, ele fazia piadas sobre mim que me faziam rir bocados. Sempre que estávamos sozinhos nos curtíamos, mesmo correndo o risco de alguém entrar e nos pegar no flagra, sempre que podíamos nos beijávamos, e conversávamos.

Chris também vinha me ver várias vezes nessas três semanas que passei internada, diferente de Oliver, eu e Chris criamos um laço mais intimido, não relacionado a sexo, mas a amizade, ele vinha me trazer doces escondidos, mesmo Oliver nos pegando no flagra várias vezes, Chris jogava a culpa em mim dizendo que eu era gorda e o chantageava. Ridículo.

―Vai Danielle! ―Chris murmurou me empurrando para o lado na cama ―Você ta ficando enorme... ―Disse deitando ao meu lado e dando play no filme ―Nem consigo deitar mais com você... ―Disse emburrado colocando o braço e baixo do meu pescoço.

―Cala boca babaca. ―Disse batendo em seu peito ―E Bieber? ―A pergunta saiu meio que sozinha, quando vi Chris já tinha pausado o filme e me encarava.

―Está falando sério? ―Arqueei a sobrancelha o fazendo bufar revirando os olhos.

―Ele parece arrependido, apesar de Luciana insistir em dormir na sua casa com ele toda noite e ele a chutar na maioria das vezes eles ainda estão juntos. Bieber quer se livrar do julgamento logo, então ele pretende pedi–la em casamento logo, pelo menos foi o que Ryan comentou comigo, Bieber não quer nem olhar na minha cara e eu muito menos na dele, a última vez que nos falamos não acabou muito bem. ―O mesmo disse bravo ―O lado bom é que logo meu apartamento fica pronto e eu vou poder me mudar.  ―Ele disse sorrindo fraco ―Se você quiser morar comigo... te deixo dormir na banheira! ―Abri a boca chocada, mas ainda assim não consegui segurar a gargalhada.

―Idiota. ―Disse deitando a cabeça em seu peito.

―Vem cá nanica! ―Chris me apertou em seus braços recebendo uma mordida de volta, filho da mãe, sabia que não podia me apartar, panaca.

Não sei exatamente em que parte do filme eu dormi, só me lembro que Chris já roncava ao meu lado, mas quando despertei ele não estava mais la, Oliver que estava ao meu lado me chacoalhando para que eu acordasse.

―Está na hora de comer... ―Disse me olhando de canto ―Seu amigo já foi embora. ―Disse seco, Oliver morria de ciúmes de Chris, sempre o que o via aqui, ambos trocavam farpas, mesmo eu e Chris mantendo uma relação amigos, ele sabia que havíamos transado pelo fato do exame de delito para ter certeza que eu não havia sido estuprada constou que o semem do Chris, o que gerou uma briga entre nós dois, mas, contudo, ele relevou, mesmo sabendo que ele odiava me ver perto de Chris por achar que dormiríamos juntos novamente.

―Oliver, por favor... ―Disse frustrada com aquela cena ridícula, céus.

―Vocês têm que dormir agarrados daquele jeito Danielle? ―O mesmo disse colocando a bandeja na minha frente.

―Somos amigos Oliver! ―Disse como se fosse obvio.

―Mas já...

―Já falamos sobre isso. ―O cortei ouvindo ele bufar ―Já almoçou? ―Negou me olhando.

Oliver, desde que eu cheguei aqui passou a fazer hora extra para cuidar de mim, eu podia imaginar as poucas horas que ele via Sophie, aquilo me apertava, eu não queria que ela visse o pai tão ausente.

―Seu tratamento começa amanhã... ―Oliver disse sem me olhar.

―Não, não começa. ―Disse firme o fazendo cerrar os olhos.

―Começa sim Danielle, você vai fazer o tratamento! ―O mesmo disse me olhando sério.

―Não quero me desgastar com isso Oliver... ―Empurrei a bandeja perdendo o apetite ―Não quero perder meu tempo...

―Danielle, você não pode brincar com a vida dessa maneira! ―Oliver me olhou sério.

―Oliver, por favor, não vamos brigar, eu já estou decidida! ―Disse o olhando.

―Não Danielle. ―Oliver se levantou irritado ―Você vai fazer o tratamento! ―Disse saindo do quarto.

A madrugada logo brilhou no céu, as estrelas preenchiam a imensidão escura, eu podia ver bem pouco dela pela minha janela, era lindo, confesso que me sentia melhor por saber que me juntaria a elas logo, por outro lado eu não quero mais ir, não quero morrer, não quero deixar Oliver, Chris ou meus pais.

Na manhã seguinte eu me sentia mais animada, Oliver não havia vindo me ver, uma enfermeira que checou como eu estava e avisou que eu receberia alta no dia seguinte, meu coração acelerou, talvez pelo fato que quando eu voltasse para casa estaria sozinha, não teria Oliver ou qualquer outra pessoa.

―Pode entrar. ―Disse para a pessoa que batia na porta.

Continuei pintando minhas unhas de vermelho escuro quando a pessoa parou ao meu lado, olhei–o dos pês a cabeça encontrando iras carameladas e fios loiros.

―Oi... ―Murmurou me olhando ―Como você está? ―Perguntou após ver que eu não iria responder ―Eu vim me desculpar... ―Disse se sentando na poltrona ao lado da minha cama.

―Não perca seu tempo. ―Disse voltando minha atenção para minhas unhas compridas.

―Danielle... são sérios. ―O encarei seria ―Eu sinto muito... ―Revirei os olhos ―Garota eu tento me desculpas e você me ignora, eu te bato e você me odeia, o que você quer? ―No momento meter a mão na cara dele.

―Que você vá embora Bieber. ―Disse seca.

―Você é marrenta para caralho. ―Disse bufando ―Eu estava com ciúmes Danielle, é isso que você quer ouvir? ―Revirei os olhos com tedio ―Eu ouvi ele te dando prazer, eu fiquei puto só em pensar nele te tocando, te fazendo dele, você é minha, não pode ser dele. ―Bieber disse entre os dentes ―Eu te quis primeiro, não ele. ―Bieber conseguia se explicar como uma criança de três anos que fez coisa errada.

―Eu não sou sua, não sou de ninguém Bieber! ―Disse seria ―E não ache que por que eu não dei queixa de você, você a liberdade de me tocar novamente, na próxima vez que você tentar me machucar, além de dar queixa, faço questão de assistir sua morte! ―Disse seria.

―Você é minha Danielle, você aceitou lembra? Na sala aquele dia! ―O mesmo disse se aproximando de mim ―Quando você pediu para ser fodida por mim, lembra? ―Desviei o olhar das iras carameladas dele.

―Va embora Bieber. ―Disse apertando todos os botões do controle.

―A gente ainda não terminou. ―Bieber disse se levantando.

Oliver entrou no quarto sendo seguido por vários enfermeiros que ao verem que estava tudo bem saíram resmungando o quanto eu sou irresponsável.

―O que está havendo? ―Oliver se aproximou de mim, retirando o controle de minhas mãos.

―Ele está me incomodando, já pedi para ir embora, mas ele não vai, pode chamar a polícia? ―Disse fazendo Bieber bufar e sair resmungando algumas coisas.

―O que aconteceu entre vocês? ―Oliver perguntou vindo até mim chegar como eu estava, o mesmo pegou uma lanterninha acendo a luz daquele treco e colocando em cima dos meus olhos ―Siga a luz Danielle.

―Ele veio encher o meu saco. ―Disse seguindo a luz com os olhos ―Vai dizer isso quando eu morrer? “Siga a luz Danielle”. ―Ri do meu próprio comentário estupido.

―Suas brincadeiras sobre sua vida não têm graça alguma. ―Disse seco.

―Oliver, você ainda está bravo comigo eu sei, mas por favor, entenda que eu não quero causar dor a ninguém... ―Disse o fazendo bufar frustrado.

―Sophie terá que voltar com o tratamento. ―Franzi o cenho o encarando ―Sem a cirurgia que custa muito mais que o Hospital me paga, o tumor voltou a crescer. ―Abri a boca horrorizada.

―Sinto muito... ―Disse abaixando a cabeça.

―Se ela souber que você tem a mesma coisa que e ela e não quer lutar pela sua vida, ela também não vai querer lutar pela dela Danielle... ―A voz de Oliver saiu amargurada ―Então, se você não se tratar, não poderá mais vê–la. ―Disse me olhando sério.

―Tudo bem... ―Disse o fazendo abrir um sorriso fraco.

―Você vai ficar bem... ―Disse selando nossos lábios.

―Eu quero ir morar com vocês... ―Disse o encarando.

―O que? Mas sua mãe não vai deixar Danielle... você é muito mais você e...

―E, nada. ―Disse seria ―Mamãe vivia tentando me convencer a morar com Cathe na Inglaterra, dizia que seria o paraíso, então agora eu posso morar aonde eu quiser. ―Disse cruzando os braços ―A não ser que não me queira na sua casa, aí eu vou entender. ―Disse olhando para ele.

―Claro que eu quero. ―O mesmo disse me olhando ―Mas não quero que se sinta pressionada a morar comigo, por conta da Sophie... ou disso que nós temos. ―Sorri fraco selando nossos lábios.

―Eu quero estar com vocês... ―Disse sorrindo ―Sophie é muito especial para mim. ―Oliver assentiu sorrindo largo.

―Você da atenção de mãe para ela Danielle... ―O mesmo murmurou ―Quer mesmo tomar esse posto de mãe? ―Um no se formou em minha garganta.

―Por ela eu tomo o posto de mendiga na rua. ―Disse olhando para ele ―É sério besta! ―Disse quando ele começou a rir.

―Tudo bem senhorita Danielle, fale com seus pais e quando resolver e fale comigo. ―Assenti fraco ―Quer que eu esteja com você quando falar com eles. ―Arqueei a sobrancelha ―Tudo bem, já entendi, vou indo nessa! ―Oliver selou nossos lábios em um selinho rápido.

―Até amor... ―Murmurei para ele que saiu com um sorriso enorme da sala.

Me parte o coração ter de mentir a ele, mas se for pela Sophie, para ela ser feliz, eu faço qualquer coisa.

Peguei meu celular discando o número do meu pai, o mesmo atendeu no segundo toque.

―Filha? ―Sua voz parecia exaltada.

―Papai, lembra daquele carro esporte rosa que o senhor ia me dar? ―Ele confirmou do outro lado ―Quero um cheque com o valor dele, porque eu vi uma propaganda de um carro mais lindo e quero compra–lo. ―Disse manhosa.

―E que carro é esse Danielle? ―Papai perguntou bufando ―Temos coisas piores para se preocupar não acha? ―Ele disse seco.

―Por isso deixo a dor de cabeça para vocês, vai me dar o cheque ou não? ―Perguntei o fazendo bufar.

―Deixo aí mais tarde quando for te ver. ―Confirmei soltando um gritinho de animação ―Beijos princesa...

―Beijo papai! ―Disse animada.

Tudo estava no caminho que tinha que ser, agora eu só precisava dar um jeito no Bieber, não seria tão difícil. Ao menos espero que não.


Notas Finais


É QUASE QUARTA TABOM, RUUN, Nao aguentei gente, eu tive que postar o cap porque ele ta divo, eu mega amei esse cap entao quem gostou assim como eu comentem, estou mega feliz vendo voces comentarem em todos os cap, ainda nao pude responder o do cap anterior, mas estou indo responder agora, aproveitar que amanha nao levanto cedo, Graças a Deus, vou responder todos voces, ok? Beijos lindas obrigada mesmo por todo esse reconhecimento, estou mega feliz com isso, e animada para continuar a historia logo. Amanha tera sim BB, BT, TD e talvez, TALVEZ, outro cap de MBT, mas como eu ja postei hoje nao tenho certeza se vai dar tempo, porque nao tenho mais nenhum cap pronto, enfim, espero que voces gostem, nao esqueçam de comentar o que acharam e é isso, beijos lindas!
O TRAILER ESTA EM ANDAMENTO, HAHA VAI ARRASAR <3 MEGA ANIMADA.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...