História My Boss - Capítulo 44


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Justin Bieber, Personagens Originais
Tags Comedia, Drama, Justin Bieber, Romance, Sexo, Suícidio, Tragedia, Violencia
Visualizações 835
Palavras 5.097
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá pessoas, boa leitura! Capítulo curtinho.

Capítulo 44 - Laisla Again!


24 de novembro, segunda-feira. 02h40min

Alyssa p.o.v

- Caralho! - Justin resmunga e eu me posiciono em seu colo fazendo nossas intimidades se grudarem. Desço minha boca para o seu pescoço deixando um chupão ali e ele apalpa a minha bunda, em seguida começa erguer minha camisola deixando meus seios à mostra, me deito sobre seu tórax mais uma vez e ele passeia a língua pela minha boca iniciando um beijo quente.

Quando penso em retirar sua cueca ouvimos um choro fino e agudo. Me levanto rapidamente vestindo a camisola e corro para o nosso quarto - já que escolhermos o quarto de hóspede para fazer umas sacanagens, não quero transar com minha filha ao lado - abro a porta e vou até o bercinho vendo seus olhos azuis cheios de lágrimas e sua mãozinha para cima.

- A mamãe está aqui, amor - Pego ela no colo, estou feliz por ser a primeira noite da minha pequena na nossa casa, olho para Justin que revira os olhos e sorri fraco vindo até mim com dificuldade, já que o volume está bem evidente.

- Atrapalhou meu momento com a mamãe - Ele diz e eu reviro os olhos - Mas como é a minha filha eu abro uma exceção - Beija as bochechas da Emy e eu sorrio, em seguida ela para de chorar segurando meu dedo.

- É só ver seu pai que você para de chorar - Faço uma voz fininha e ela ri de lado mostrando uma covinha fofa.

- Ela reconhece que eu sou lindo demais. - Justin pega ela no colo passando o nariz em seu rostinho redondinho - Não é,  Princesinha? - Apoia a cabeça dela em seu ombro e ela começa a sugar a pele fina da sua clavícula. - Filha esse é o papel da mamãe - Ele me olha malicioso e eu gargalho.

- Ela está com fome, vamos descer, vou fazer a mamadeira e ela dorme. - Digo e ele assente - Consegue trocar a fralda dela?

- Sim, já troquei meus irmãos - Sorrio e assinto, essa cena dele com ela é a mais linda  que eu já vi - Depois eu deixo você beber leite também, bem quentinho, okay? - Morde os lábios e eu o repreendo :

- Não quero que a Emy escute nós dois falando disso, se ela crescer ouvindo esse tipo de coisa, imagina o trabalho na adolescência!

- Não está mais aqui quem falou - Diz e eu assinto fazendo carinho nos fios claros da neném.

- Já disse que eu amo vocês? - Ele pergunta e eu sorrio largo selando seus lábios - Vocês são as melhores coisas que já me aconteceram.

[...]

10h

- Aly, ela não para de rir um minuto! - Justin diz e ela solta uma gargalhada.

- Para com isso! - Pego ela no colo - Vai dar dor na barriguinha dela - Faço carinho em seu rostinho e ela boceja - Seu pai é um bobão - Digo e ela fecha os olhinhos colocando a cabeça no meu ombro.

- Vai entrar com ela no consultório? - Ele pergunta.

- Sim, vou mostrar minha filha para a doutora Megan. - Digo satisfeita, faz um bom tempo que eu não venho no psicólogo, para a minha sorte, Megan está atendendo alguns pacientes aqui em Seattle, e como meio mundo já sabe que eu estou casada com Justin e estamos morando em Seattle, ela me ligou logo pela manhã me avisando.

- Como quiser - Ele passa as mãos pelo meu cabelo e beija o topo da minha cabeça, Emily solta um suspiro e eu concluo que ela dormiu. - Muito preguiçosa - Comenta rindo e eu faço carinho nas costas dela ajeitando a manta e o casaquinho, já que está muito frio.

- Senhora Bieber? - Ouço a moça da recepção chamar - Pode entrar, sala dois. - Assinto e agradeço indo para o corredor, e em seguida entramos na sala dois.

- Olá! - Digo animada e ela ergue o olhar.

- Ah Meu Deus! - Ela se levanta e me abraça - Como você está, Aly?

- Estou bem, e você? - Pergunto.

- Muito bem- Sorri e cumprimenta Justin - Pra quem disse que nunca mais queria ver a cara do Justin Bieber… - Deixa no ar e eu reviro os olhos.

- Passado - Digo e Justin me olha com as sobrancelhas arqueadas - Qual é, eu te odiava! - Explico e ambos dão risada.

- Odiava tanto que hoje está casada com ele - Megan comenta - E tem uma filha linda! - Sorrio agradecendo.

- Ela chegou ontem - Comento.

- Parabéns - Sorri e Justin diz :

- Daqui nove meses chega o outro - Pousa a mão na minha barriga e eu sorrio assentindo.

- Ah eu não acredito! - Ela sorri animada. - Sério!?

- Sim, parece que a minha fertilidade voltou.

- Nossa, Meus parabéns - Deseja e nós voltamos a agradecer. - Agora vamos para o lado profissional - Coça a garganta - Remédios?

- Não mesmo - Justin responde por mim e eu o encaro.

- Não, não sei mais o que são - Digo e ela assente.

- Ainda tem vontade de se cortar?

- Até um tempo atrás eu tive e me cortei, mas agora eu não vejo necessidade.

- Não há necessidade, entendido? - Assinto e ela continua - Teve algum surto ou algo psicótico?

- Não, às crises não apareceram mais.

- Mesmo assim, já sabe; sem sustos e brigas que mexam com o seu emocional, ainda mais agora que você está grávida e os hormônios estão se aflorando, você já esteve em situações desastrosas, não queremos isso, certo?

- Certo - Digo e sinto as mãos de Justin na minha coxa fazendo carinho.

- Está tendo dificuldades para dormir?

- Não - Sorrio e Justin, com sua inconveniência de sempre, diz :

- Só as vezes, tem dia que ela nem dorme - Dou um tapa em seu braço e Megan ri alto.

- Eu tinha me esquecido do quanto você gosta de sexo - Justin me olha e eu fecho os olhos reprimindo o riso.

-  Acho que sexo não é o assunto principal - Digo constrangida.

- Bom - Ela ri - Vejo que está muito melhor desde a vez que nos vemos, quando você teve a última consulta estava bem magra e alterada.

- Pois é, eu estou muito bem - Suspiro sentindo Emy se mexer no meu colo esticando o corpinho, toda preguiçosa. Em seguida ela solta um grunhido fininho e fofo nos fazendo rir.

- Vem cá, filha - Justin pega ela no colo, em faz uma caretinha e leva o indicador na boca.

- Quantos meses ela tem? - Megan pergunta.

- Cinco - Falo - Ela faz seis no sábado.

- Ela é um anjo, fico feliz por vocês - Sorri largo e eu sorrio de volta - Ele tem te tratado bem? - Diz em um tom brincalhão se referindo à Justin.

- Dá pro gasto - Dou de ombros brincando e Justin bufa revirando os olhos.

- Eu nunca te vi com os olhos brilhando, se estão assim é porque você está muito feliz! - Ela sorri - Eu queria ver como você estava, e estou satisfeita com o que estou vendo.

- Se estou assim é graças à ele - Suspiro - É ele que me deixa assim.

- Nossa! - Ele ri - Que declaração! - Me manda um beijo e eu mando outro beijo ouvindo Megan fazer um barulho de nojo.

- Argh! - Ela faz careta - Como são grudentos!

Rimos e ela olha no relógio - Foi ótimo rever você, Aly, mas eu tenho sete consultas pendentes.

Nos levantamos e eu a abraço forte, em seguida ela se despede de Justin fazendo carinho na Emy, que abre a boca babando em Justin.

- Até, Meg! - Digo saindo da sala de mãos dadas com Justin.

- Até! - Sorri e nós saímos.

- Agora vem a parte que tem uns setenta fotógrafos lá fora - Justin bufa e eu pego Emy no colo beijando sua cabeça - Não desgruda as mãos de mim - Passa a mão pela minha cintura e nós saímos rapidamente até o carro, protejo o rostinho da bebê e Justin me olha suspirando. Eu sei o quanto isso deixa ele esgotado.

Entramos no carro e ele faz sinal para o motorista sair.

- Desculpa por isso - Sorri sem graça e eu deposito um beijo em sua bochecha - E obrigado por dizer que eu te faço feliz.

[...]

18h

Com Justin o dia todo no estúdio e eu cheia de compromissos para resolver e contratos para assinar, o meu dia se resumiu em uma correria fodida e eu tive que deixar a Emy no apartamento de Justin junto com a empregada, ele me garantiu com todas as forças que ela é ótima e que iria cuidar da minha menina, a questão é que; basta eu ficar umas horinhas longe dela e eu fico louca de saudade, me pergunto se ela está com fome ou se está com saudade de mim. Porque eu estou me descabelando, e com toda certeza, esse é um dos sentimentos mais desesperadores que uma mãe pode sentir : preocupação com o filho(a).

Entro voando na cobertura e bato na porta ouvindo um “Já vai!”. Cruzo os braços rezando para ver logo minha menininha e Clara abre a porta com ela nos braços.

- Boa tarde, Senhora Bieber! - Diz e eu cumprimento pegando minha filha em seguida - O senhor Bieber pediu para você ir pra casa e não esperá-lo, disse que vai chegar tarde.

Assinto e pego as coisinhas da Emy que estão no sofá.

- Ela mamou? - Pergunto.

- Sim, eu tentei dar papinha pra ela mais a danadinha quis só leite.

- Sapeca! - Beijo sua bochecha - Papinha é a partir de sete meses, não é?

- É sempre bom acostumar à partir dos quatro, mais se quiser que eu pare, não tem problema.

- Não, imagina! - Sorrio - Estou destruída, já estou indo pra casa. - Dou um beijo na bochecha da Clara e saio em seguida com Emy no bebê conforto. Entro no elevador e vejo meu celular.

Compromissos, compromissos e mais compromissos. Acho que esses dias fora acumularam muito trabalho. A vogue está com uma nova linha de inverno e a CK está pressionando pra ter as fotos de Jalyssa. Ninguém merece.

Olho para o bebê conforto e o elevador abre, saio em seguida voando para o carro, já que a mídia está caindo matando. Passo o cinto na cadeirinha e saio dali com a cabeça doendo.

A pior parte de ter que trabalhar vai ser deixar a minha filha com babá. Eu não confio em ninguém, imagina se alguém faz mal à ela!

Agora eu entendo o porquê que as mães ficam preocupadas, meu maior medo é que aconteça algo com minhas crianças. Eu sei que Justin se preocupa também, mais sentimento de pai é diferente.

Ando mais uns quinze minutos e logo estou passando pelos portões da casa/mansão. Vejo carros diferentes na garagem e estranho bastante, pego Emily no colo, a mesma sorri largo - eu amo esse sorriso - e coloca as mãos na boca. Travo meu carro e entro em casa vendo a luz acesa, estranho muito, já que estamos sem empregados e Justin vai chegar mais tarde.

Ando pela casa ouvindo algumas vozes e assusto um pouco prendendo Emy contra o meu peito. Vejo alguns balões cor de rosa pendurados e uma mesa enorme cheia de presentes.

- VAMPIRA! CADÊ A MINHA SOBRINHA! - Juro que pulo de susto ao ver William, Keila, Kevelyn, Anna, Matthew, Chris, Chaz, Nolan e mais um monte de amigos e familiares saindo do corredor vindo em minha direção, e claro, meu querido marido rindo encostado no pilar.

- Meu Deus! - Digo soltando o ar e dou risada.

- Ah! Minha netinha eu quero ver! - Minha mãe é a primeira a correr pra pegar Emy - Linda da vovó, filha eu estou tão feliz! - Me abraça e seus olhos ficam marejados - Olha Matthew, que linda! -  Diz com ela nos braços e eu sorrio para Matthew fazendo um toque com ele.

- Vampira, ela é perfeita! - William me abraça.

- Maravilhosa! - É a vez de Keila elogiar.

- Aqueles olhinhos são lindos! - Kevelyn dá dois pulinhos e me abraça - Senti saudades, vagabunda. - Aperta minha bunda e eu dou risada.

- Parabéns, estrupício!

- Sei que você me ama, Alexander - O abraço - Huh, então vocês dois estão se assumindo? - Sorrio maliciosa e Kevelyn olha para Alex rindo.

- Só amizade - Revira os olhos e Alex a abraça por trás.

- Uma bela amizade - Alexander  aperta ela em seus braços.

- Lá em cima tem camas - Reviro os olhos.

- Parabéns! - Vejo Madson com Harry - Quanto tempo, a última vez que te vi foi no ensaio da CK há uns sete meses - Ela ri.

- Saudades também, Mad - Nós abraçamos.

- Mana! - Harry me ergue - Está mais pesada?

- Mais gostosa - Corrijo - Quanto tempo, huh?

- Nem fez falta!

- Eu sei - Bufo e abraço Chaz e Nolan, Chris começa a cantar e eu cantarolo buscando minha filha com o olhar, e não à vejo.

- Está com Justin falando com Pattie e Robert - Nolan diz e eu assinto indo até eles, arregalando os olhos ao ver minha filhas nas mãos de CAITLIN BEADLES.

- Atrapalho? - Pergunto e Pattie me cumprimenta dando gritinhos referentes à Emy (isso que ela ainda nem sabe do outro bebê). Caitlin me olha e entrega Emy para Pattie que sai dali com a pequena dizendo que vai ver onde as crianças estão, já que Jeremy não veio e preferiu deixá-las vir com ela.

- Vejo que já conheceu nossa filha - Destaco o “nossa” e Justin me lança um olhar de repreensão.

- Ela é linda, ja dei meus parabéns ao “pai”, faz aspas com os dedos. - Por que o verdadeiro pai eu…

- Chega, Cait - Justin diz e me puxa pela cintura - Pensei que ia ficar de boa.

- Só estou falando a verdade, parabéns “Mamãe” - Ri debochada e eu me seguro, não quero armar um escândalo na festinha da minha filha. Por esse motivo, olho para os balões pendurados na parede e sorrio ao ver “ Little princess”.

- Aproveite a festa - Justin me puxa e deixamos ela plantada. - Não fica brava.- Sela meus lábios e eu suspiro.

- Se eu fosse ela não ia mexer com uma garota que é ex presidiária, ex viciada em drogas, lutadora de Muay Thai e grávida com os hormônios aflorando.

- Tirando o grávida, você descreveu um ator de algum filme sangrento. - Diz e eu dou risada.

- Quando vamos falar do bebê? - Pergunto.

- Você que sabe - Caminhamos até Pattie e eu pego Emy no colo vendo ela com cara feia.

- Acho que ela está com cólica - Pattie diz e eu faço massagem na barriguinha dela. - Ser mãe dá trabalho.

- Até agora eu não tive nenhum trabalho anormal, ela é muito boazinha e… - Emily começa a chorar sem parar chamando a atenção.

- Vamos lá pra cima e eu te ajudo com a pequena - Ela diz e eu assinto selando os lábios de Justin, subo com Pattie para o meu quarto e nós deitamos a pequena na cama, ela continua a gritar e chorar. Confesso que está me desesperando.

- Aly, vamos dar um banho nela, acho que esse frio e a cólica não está dando certo.

- Claro, vai ser o primeiro banho dela que eu darei - Digo animada, já que Clara deu banho de manhã e ontem estava tão frio que eu apenas a perfumei e passei um lencinho corporal.

Emy solta um grito agudo seguido de soluços e eu começo a me desesperar quase chorando com ela.

E se eu tiver à machucado? Será que a minha filha está doente? Será que ela está com saudades da mãe?

- Alyssa, não precisa ficar preocupada - Pattie ri - Justin era exatamente assim quando criança, ele chorava e esperneava por qualquer coisa! - Sorrio fraco passando a mão várias vezes na barriguinha dela.

- Será que ela está doentinha?

- Não, é extremamente normal - apoia a mão no meu ombro e a porta abre, minha mãe entra fazendo um biquinho estranho e afinando a voz se aproximando de Emy, fazendo eu e Pattie gargalharmos.

- Cadê a coisinha mais linda da vovó? - Diz secando as lágrimas da pequena - Não chora, Emyzinha, a vovó Anna e a Vovó Pattie estão aqui pra ajudar a sua mãe.

Dou risada e Emily chora muito mais alto.

- Parece que ela está bem zangada - Começo a retirar sua roupinha e Pattie ajusta o ar condicionado deixando mais quente. - Vem com a mamãe - Pego ela apenas com fraldas e ela se contorce de tanto chorar.

- O que está acontecendo, filha?! - Justin abre a porta e corre até mim passando às mãos nos seus bracinhos.

- Eu estou preocupada - Falo sentindo meus olhos arderem, não é possível que eu tenha machucado minha filha - Eu sou uma mãe horrível! - Justin pega ela no colo e ela… se acalma?

Exatamente, Justin pegou ela no colo e ela calou a boca?!

- Eu não acredito- Seco as lágrimas e minha mãe juntamente com minha sogra ficam estatísticas. - Justin, qual a mágica?

- Sei lá - Dá de ombros - E você é uma mãe perfeita - Sorri pra mim e Emy enfia as mãos na boca.

- Quer dar banho nela comigo? - Pergunto e ele assente.

- Filha, você toma cuidado com os olhinhos e os ouvidos, depois agasalha ela bem - Anna diz e eu assinto - Vamos descer, Pattie - Pattie concorda e elas saem do quarto.

- Vou preparar a água - Digo indo até o banheiro do quarto e encho a banheira colocando em cima de um suporte - Vem, amor. - Chamo Justin e ele entra com Emy já sem a fralda toda serelepe. - Vem com a mamãe - Digo e coloco ela na água quentinha, no princípio ela faz uma carranca, mais depois abre um sorriso fofo fazendo Justin sorrir. - Segura ela ok? - Peço e ele segura as costas dela. Pego o shampoo infantil e passo com cuidado, em seguida pego uma canequinha com água jogando delicadamente em seu cabelo cacheado, passo condicionador e alvo com cuidado. Ela grita e bate a mão na água me molhando toda.

- Ela gosta de água - Justin diz todo bobo e eu assinto me sentindo tonta - Algum problema? Ficou pálida de repente.

- Tontura - Coloco as mãos na barriga sentindo minha visão embaçar. - Esse neném aqui está insatisfeito com algo - Murmuro.

- Você comeu hoje? - Justin pergunta e eu assinto - Comeu mesmo?

- Só no café e no almoço - Suspiro e minha garganta seca me causando ânsia de vômito. Mais eu sei diferenciar enjoo de gravidez e a falta das drogas. E a segunda opção agora parece a mais propícia.

- Linda? - Justin me chacoalha.

- Eu estou bem - Sorrio voltando a dar banho na Emy e minha perna bambeia, porém eu mantenho as aparências puxando assunto :

- Como foi hoje?

- Scooter me parabenizou e eu estou trabalhando em uma música nova com Cody Simpson.

- Que legal! - Sorrio forçado - Parabéns!

- Obrigado - Ele beija minha testa e eu sinto meu estômago embrulhar, isso me faz lembrar que eu não estou tomando os medicamentos para aliviar a vontade da droga  que a médica mandou por estar grávida. - Tem certeza que está bem?

- Tenho - Molho os lábios e tiro Emy da banheira enrolando-a em uma toalha.

- Posso troca-la? - Pergunta e eu sorrio concordando. Deitamos ela na cama e começamos à vesti-la.

- Está do avesso - Corrijo e ele ri arrumando, vestimos Emily e logo saímos do quarto com ela toda embrulhadinha. Paro no caminho sentindo algo ruim dominar meu sangue me fazendo cambalear.

- Aly! - Justin me segura e nós voltamos pro quarto - O que foi?

- Coloca ela no berço, ela tá com sono - Tento tontear o assunto.

Ele faz o que eu mando e se senta ao meu lado.

- Qual o problema? - Segura meu rosto e eu mordo os lábios começando a chorar - Aly…

- Eu quero… quero drogas - Digo soluçando - Está me corroendo, eu estou com as sensações de abstinência - Ele me abraça e suspira pesadamente.

- Não pensa nisso, pensa em mim, em nós, na nossa família - Segura meu rosto e eu me aperto contra mim.

- Vou tentar - Respiro fundo - Vamos, ela dormiu -olho para o berço - Vamos falar sobre a gravidez.

- Está melhor?

- Vou ficar.

Descemos e eu cumprimento Scooter, Alfredo e mais alguns amigos de Justin vendo as pessoas pra lá e pra cá animadas com e perguntando sobre a Emy.

- Filha?! - Ouço a voz de Marcos e me assusto olhando pra Justin e não deixo de sorrir.

- Pai! - O abraço forte e ele sorri largo - Que saudade!

- Também estava, Aly - Suspira -  Bom, Emma está com Mikael no banheiro e eu queria ver a neném. - Ele diz e eu percebo seu olhar desviar para Anna, é uma situação um tanto confrangedora, afinal, eles foram casados por muitos anos e ficar assim como desconhecidos não é algo legal.

- Ela está dormindo - digo e vejo Justin rindo ao falar com seus irmãos e Caitlin passa por mim indo embora com Chris, com uma cara péssima.

- Que pena! - Ele diz e eu olho em volta sentindo uma sensação péssima - A filha da Emma veio, ela disse que ia atrás de você pra te conhecer!

- Nossa eu não à vi! - Digo curiosa.

- Ela subiu. - Aponta para as escadas.

- Emy está dormindo, acho que agora ela não vai conseguir brincar com ela.

- Que pena, ela ama crianças, ficou muito animada quando soube que iria ter uma “sobrinha”.

- Vou ver se Justin viu ela - Sorrio me retirando e caminho até Justin o abraçando. - Viu a enteada do meu pai?

- Não, como é o nome dela? - Diz curioso.

- Nem perguntei, vou ver se à encontro nos cômodos de cima - Beijou sua bochecha - volto já.

Subo para o segundo andar correndo ouvindo alguém murmurar.

- É linda… - Essa voz vem do meu quarto - Parece um anjinho. - Sorrio com os elogios e estranho pela luz estar apagada, talvez a garota não quis acordar a bebê, entro e acendo a luz vendo uma mulher com o cabelo chanel passando a mão na minha pequena. Forço o olhar e vejo ela rir e se virar.

- Sentiu saudades, Senhora Bieber?! - Ela diz vindo até mim e meu coração dispara.

- Saia de perto da minha filha! - Vou até ela bufando.

- Com medo, Alyssa? - Ela ri - Sempre soube que você era insegura! - Debocha - Realmente é uma criança  linda, apesar de não ser filha de uma Voguer e de um cantor de merda - Revira os olhos.

- O que quer?! - Vocerifico.

- Quero parabenizar você - Ela ri - Só que do meu jeito.

- Saia daqui!

- Ah, não mesmo! - Pega Emy no colo. - Eu quero ver a princesinha Bieber - Ela acaba acordando Emy que começa a chorar, avanço contra ela é ela ameaça deixar minha filha cair.

- Pelo amor de Deus, deixa ela no berço - Digo com medo sentindo meu coração se apertar e ela coloca a bebê no berço.

- Escuta bem o que eu vou te dizer : nós duas vamos sair pela porta dos fundos, você não vai dizer nada nem gritar.

- E se eu não quiser?! - Desafio ficando cara a cara com Laisla.

- Se não quiser eu posso sufocar sua bebê com um travesseiro - Ela ri diabólica e meu corpo se arrepia em desespero.

Se for pra alguém se machucar, que seja somente eu. Não meus filhos.

- Certo - Suspiro derrotada.

- Vamos, minha nova irmãzinha - Debocha e me abraça passando as mãos na minha cintura, onde eu sinto algo pontudo na minha barriga, julgo ser um estilete.

Meu filho não, eu não aguentaria perder meu bebê mais uma vez.

- Eu vou cooperar - Engulo o orgulho e tento não tremer.

- Assim que eu gosto - Entramos nas escadas dos fundos saindo na parte inferior do quintal - Sabe, eu passei um ano e alguns meses na prisão, mas eu sempre estive informada sobre você… perdeu um filho e a fertilidade, terminou com Justin e casaram, se viciou em drogas e teve uma abstinência - Ri repugnante - Pra onde vamos você vai adorar se deliciar nas drogas.

Dito isso, ela me enfia em um carro e sai pelo portão.

- Avise ao meu marido que eu fui tomar um ar - Digo ao porteiro.

- Sim senhora. - Sorri e eu forço um sorriso.

- Muito bem, mais não pense que se for boazinha eu vou diminuir a sua dor.

- O que quer de mim!? - Faço de tudo para manter a calma. Pelo meu filho.

- Eu quero que você sofra o que eu sofri! - Ela ri - Cadeia, decepção, eu perdi minha vida por sua causa! - Soca o volante e acelera o carro - Se você não fosse o obstáculo entre Justin e Selena eu estaria bem, não teria a ficha suja e Adam estaria vivo! - Me olha chorando - Ele me deixou e ao menos me citou naquela carta, ele se matou porque a culpa de ter te feito mal naquele sequestro estava o corroendo. Ele se foi e eu nunca aceitei, e quando eu comecei a aceitar a polícia me prendeu, eu devia ter te  matado!

- A MERDA DA CARTA NÃO SIGNIFICA NADA! VOCÊ USOU ADAM, VOCÊ O ENLOUQUECEU, SE ELE ENTROU NA SITUAÇÃO DEPLORÁVEL QUE ELE ESTAVA A CULPA É SUA! SE VOCÊ FOI PRESA POR ME ATROPELAR A CULPA TAMBÉM É SUA, VOCÊ É AMBICIOSA, LAISLA, TUDO FOI CONSEQUÊNCIAS DAS SUAS ATITUDES!  - Grito e ela vira uma cotovelada na minha face bem em cima do meu nariz e eu gemo de dor sentindo sangrar.

- Eu mandei espancarem a Selena, e com você vai ser pior. - Ela ri entre o choro - Vai ser um inferno!

- Eu tenho uma filha, por favor, pense direito - Respiro fundo e algumas lágrimas caem.

- Eu poderia ter tido filhos com ele!

- A culpa não é minha se você fazia ele de gato e sapato! - Vocerifico e ela freia o carro no meio da pista me enforcando.

- A culpa sempre foi sua, eu vou acabar com você!!

[...]

- Acorda princesa! - Sou chacoalhada e me sento passando a mão no pescoço me lembrando de como se respira, olho em volta e vejo que estou num apartamento simples e arrumado, o que eu estranho bastante  - Escolhe, água ou fogo? - Pergunta e eu congelo sentindo minha espinha se arrepiar, pra ajudar ainda estou passando mal pelas drogas.

- Morre, demonia! - Digo e ela acerta um tapa na minha cara me fazendo sentar direito no mini sofá sem me mexer, já que estou presa nas mãos e nos pés.

- Eu prefiro algo mais elevado - Mexe no bolso - LSD, Crack, maconha… escolhe.

Eu nunca poderia fazer isso, meu filho não pode ter isso no organismo.

- Água, quero água - Me refiro à sua primeira proposta.

- Essa não vale mais, heroína é uma boa - Retira uma seringa do bolso e leva até meu braço.

- Laisla, por favor - Peço e ela dá outro tapa na minha cara, ela está totalmente descontrolada!

- CALA A BOCA! - puxa meu braço e enfia a seringa injetando a substância e eu grito  de desespero. Meu cérebro martela um “ se acalma, pelo bebê”, mais é quase impossível.

Aos poucos a minha visão embaça e eu começo a escutar vozes, inclusive a de Laisla.

- Vadia - Murmura no meu ouvido enrolando um pano no meu pescoço - Se não fizer o que eu quero eu te enforco. - Para na minha frente. - Me diga a senha do seu cartão do banco. - Exige e eu fechos os olhos sentindo a droga correr pelo meu corpo, em seguida falo os números da senha e ela aplaude. - Agora, eu quero que você ligue para o seu marido e diga que foi embora de casa porquê estava infeliz.

- Não, não, não! - Nego e ela soca o meu rosto - Eu não posso - Sinto lágrimas escorrerem e meu olho doer - Não posso…

- Se não fizer isso eu mato sua filha, eu levei um amigo na festinha na sua mansão, o mesmo cara que bateu na Selena. - Dito isso eu sinto meu estômago  revirar e meu coração apertar.

Eu não posso fazer isso com Justin.

- Anda! - Mostra o celular e eu dito o número de Justin. - Boa garota, está chamando. - Sorri.

- Alô? - Ouço a voz de Justin e Laisla coloca o celular perto do meu rosto fazendo um sinal.

- JUSTIN! ME AJUDA, CUIDA DA EMY! - grito.
- Alyss...

- VOCÊ VAI SE ARREPENDER DE TER FEITO ISSO - Laisla grita desligando o celular - Vai se arrepender! - Sai dali e eu começo a chorar sem parar. Ela pode fazer mal à eles, ela pode fazer mal ao meu bebê e à Emy.

- Espero que goste de aranhas - Ela aparece com uma caixa cheia de aranhas enormes e solta elas na sala, meu coração dispara e eu fico ainda mais tonta. - E que goste de uma boa sessão de tormenta, porquê você acabou de entrar no inferno, vadia!


Notas Finais


É isso, comentem ai... bjos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...