História My Candy Love - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Erza Scarlet, Jellal Fernandes, Levy McGarden, Lucy Heartfilia, Natsu Dragneel
Tags Nalu
Exibições 58
Palavras 2.147
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Ecchi, Escolar, Famí­lia, Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá pessoas!!! Aqui estou eu para mais uma fic. Devo avisar que essa não é longa, ela não passará de no máximo cinco capítulos. Eu estava com a ideia na cabeça então resolvi escreve-la. Realmente espero que vocês gostem.
Algumas palavras aparecem em francês. Deixarei a tradução nas notas finais.
Tenham uma otima leitura!!

Capítulo 1 - Chapter 1


Fanfic / Fanfiction My Candy Love - Capítulo 1 - Chapter 1

☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆

            – Turma a partir de hoje teremos uma nova aluna. –o homem alto e forte de estranhos cabelos azuis falou chamando a atenção de toda classe os fazendo ficar quieto. – Por favor, entre.

            Deu permissão para que ela entrasse. Devagar a nova aluna abriu a porta da sala. Os olhos curiosos não conseguiram deixar de acompanhar o movimento elegante da garota até a frente da classe. Os cabelos loiros dela voavam e os olhos castanhos emitiam um brilho diferente. Ela tinha a pose de uma jovem dama rica, além de ser bela como uma modelo provavelmente escondia um grande talento por tras daquela face calma. De longe parecia uma boneca cara de porcelana. Os raios solares vindo da janela dava maior destaque a sua pele branca.

            – Meu nome é Lucy Hearthfilia. – disse seu nome com um belo sorriso amigável cativando os garotos da sala. – Passei um ano estudando em Paris, por isso peço desculpas adiantadas, pois posso ter problemas para me comunicar com vocês. Nice à les rencontrer!

            – É um prazer conhece-la também senhorita Hearthfilia. Eu sou Jellal Fernandes, professor de Educação artística. Qualquer duvida não hesite em me consultar. – apresentou-se ligeiramente sorrindo com simpatia. Lucy sentiu de imediato que se daria bem com aquele professor. – Vejamos... Você irá se sentar ao lado da Srta. McGarden, que também é a representante de turma.

            – Obrigada!

            Agradeceu ao professor que somente sorriu. Voltou à atenção para frente até ver uma garota baixinha azulada em pé no fundo da sala, está acenou e apontou para o acento vago ao seu lado. Lucy caminhou até seu novo lugar da mesma maneira que entrou na sala, nenhum movimento era desperdiçado e os garotos não conseguiam desviar atenção de sua figura “majestosa”. Parecia uma princesa. Os olhares sobre si começaram a deixar nervosa e constrangida.

            Assim que alcançou seu lugar se sentou imediatamente e em poucos minutos a aula havia se iniciado. O assunto em questão era tão interessante que se viu absorta na explicação do professor. Ah! Como sentiu saudade daquilo, ouvir sobre arte em sua língua de origem. Passar um ano fora do país foi mais cansativo do que o imaginado. Estava tão concentrada na aula que nem sequer prestou atenção ao seu redor, tanto é que deu um pequeno pulo da cadeira quando foi acertada por uma borracha.

            Olhou para os lados em busca do responsável que a fez perder o foco. Viu a representante de turma lhe olhando culpada, suspirou em alivio por não ter sido um garoto, mas havia de certa forma ficado irritada com aquela atitude. Devolveu a borracha e continuou a olhando em busca de uma explicação, já havia perdido a concentração mesmo, não custaria nada escutar o que a colega tinha a dizer.

            – Desculpe... – sussurrou a azulada arrependida.

            – Tudo bem! Deseja algo? – sussurrou de volta.

            – Bem... quer que eu te mostre a escola durante o intervalo? – indagou, parecia ansiosa por aquilo.

            – Eu... – iria negar, mas ao ver o brilho nos olhos dela não pode recusar. – Ao invés da escola, poderia me acompanhar até a classe 3-C?

            – Claro!

            Sua voz soou alto demais o que chamou a atenção do professor que as olhou com interesse. Mal havia se transferido e já estava chamando atenção. Lucy afundou na cadeira suas bochechas e orelhas ficaram imediatamente vermelhas.

            – Há algo que a senhorita Lucy e Levy queiram compartilhar com a classe? – indagou ele sorrindo abertamente vendo o terror se abater sobre a loira.

            – Não professor. Pode continuar com a aula. – pediu Levy sorrindo torto.

            Jellal nada disse, apenas virou-se para o quadro negro dando prosseguimento a sua aula. A oportunidade de se aproximar do professor e fazer com que ele lhe desse conselho e tirasse suas duvidas após a aula morreu naquele exato momento, pensou que talvez ele tenha ficado com uma má impressão ao seu respeito já que logo no primeiro dia interrompe a aula com conversas triviais.

            Mudou rapidamente o pensamento ao lembrar-se do clube de artes. O diretor ficou durante longos vinte minutos recomendando os membros do clube dizendo o quanto eram competentes e talentosos, não duvidava de maneira nenhuma sobre isso, mas basicamente aqueles que o frequentavam tinham a sua mesma idade. Sentia a necessidade de ouvir sobre o assunto que mais lhe interessava por pessoas mais experientes e tinha absoluta certeza que conseguiria passar bastante tempo conversando com o professor Jellal sobre isso, afinal dessa vez estava em uma escola media.

            Durante dezesseis anos estudou nas melhores escolas de artes, por isso passou um ano em Paris estudando com uma bolsa, era o maior orgulho dela e dos pais. Desde pequenininha já sabia o que queria fazer da vida, porém tinha um motivo maior para retornar ao Japão e se matricular na Fairy Tail que comparada a suas antigas escolas esta era “inferior”. Não se preocupava com isso tinha certeza de que se divertiria bastante em seu ultimo ano do colegial.

            As aulas foram se passando. O primeiro horário foi o que se passou mais rapidamente, provavelmente por estar se divertindo. Após a aula de educação artística se iniciou a aula de línguas que tinha como professora a simpática Mirajane, ela não parecia ter pulso firme com a turma, mas no assim que os alunos elevam a voz durante uma conversa sua atitude amigável mudava imediatamente. A aura sombria e a imposição de respeito fazia Lucy se lembrar de imediatamente de sua melhor amiga, mal poderia esperar para vê-la novamente.

            E para completar antes do intervalo foi aula de Estudos sociais tendo como professor o estranho Hibiki, atraente, mas gostava de dar em cima de garotas independente de ser aluna ou não. Essa é uma das matérias que Lucy mais gosta de estudar, tinha prazer em pegar um livro didático e ler sobre os mais diversos assuntos, em sua concepção era divertido. Assim que o forte sinal tocou anunciando o fim da aula.

            O silêncio foi rapidamente substituído por murmúrios. Todos se apressavam para arrumar as coisas e ir para a lanchonete comprar lanche, o mínimo para se manter até o horário de almoço. Na cadeira a loira se espreguiçou, sentiu o cansaço começar a tomar conta de seu corpo. Desde que chegou não teve tempo para descanso, foi sempre saindo de casa o tempo inteiro para poder concluir todas as papeladas de transferência, e também se disfarçando para que não fosse reconhecida enquanto andava pelas ruas, não queria encontrar nenhum conhecido, pelo menos não até esse dia. Tinha duas pessoas a quem gostaria de surpreender.

            – Lucy-san? – chamou Levy

            – Sim? É...

            – Levy!

            – Isso! Chame-me somente de Lucy, sim? É meio estranho ter o honorifico no nome depois de tanto tempo sem utilizar. Em troca te chamarei somente de Levy – sorriu com simpatia vendo a representante retribuir da mesma forma.

            – Certo então. Quer lanchar primeiro antes de ir a classe C?

            – Não! É provável que se eu for comer algo agora eu terei que esperar até o almoço para vê-lo – murmurou inquieta. Estava tão ansiosa no momento que até mesmo ignorava a fome.

            – Conhece alguém de lá?

            – Digamos que sim...

            – Vai ter sorte se conseguir entrar naquela sala nesse momento. – comentou enquanto caminhava para fora.

            – Como assim? – questionou Lucy curiosa.

            – A sabe... o capitão do time de baseball é bem popular. Nesse horário as garotas do primeiro e segundo ano se juntam para vê-lo é uma grande confusão. – disse pensativa como se estivesse lembrando-se de uma experiência passada. – Sofri um arrastão ano passado por causa do Natsu, fui arranhada e pisoteada por essas garotas, isso por que eu só estava de passagem. Quase não me viram, ser baixinha tem suas desvantagens. – reclamou ela irada.

            Por breves minutos Lucy riu imaginando a cena, ao mesmo tempo em que sentiu um incomodo ao ouvir do grupo de garotas psicopatas indo histericamente atrás do principal membro com time de baseball. Não gostou nenhum pouco de saber aquilo, sua expressão se tornou um pouco rígida, tentou disfarçar a tensão em seu rosto e voltou a prestar atenção no que Levy dizia.

            – Acredita que ele tem até mesmo fã clube? – perguntou retoricamente, nem esperou uma resposta. – Mas por incrível que pareça ele não parece ter interesse nenhum nelas, eu esperava que ele fosse algum tipo de pegador. Talvez ele seja bem leal a sua namorada. – o ultimo comentário definitivamente deixou Lucy feliz, não conteve o sorriso que veio aos seus lábios. – Você não vai acreditar, a namorada dele é uma bela líder de torcida. É irmã mais nova da professora Mira... Acho que o nome dela é Lisanna.

            Aquele foi definitivamente um balde de agua fria. Lucy não teve reação, ficou chocada diante aquela informação, tanto é que acabou se engasgando com o próprio ar. Tentou acalmar seus nervos, mas não conseguiu, nem iria conseguir. Não estava triste, nenhum pouco, estava com raiva, que enquanto esteve fora, alguém intrometido estava tirando proveito da situação.

            Rangeu os dentes, não adiantaria nada se conter. Olhou para frente e viu um bolo de garotas, uma veia apareceu em sua testa mostrando o quanto estava irritada. Aquela reação assustou Levy mais que o suficiente para fazê-la recuar um pouco. Sem ter como impedir a baixinha viu a nova colega marchar para a classe 3-C, com certeza muito furiosa, não sabia do motivo que a fez ficar daquela forma, somente a seguiu, teve um pressentimento de que algo ruim iria acontecer.

            Sem se importar em ter perdido a compostura, ou por estar sendo mau educada empurrando as garotas, Lucy mergulhou naquele mar de colônias fortes e enjoadas femininas, tinha certeza de que ficaria fedorenta mais tarde. Após um grande esforço para tentar entrar, ela finalmente pode encontrar a pessoa que tanto procurava. O ódio cresceu ainda mais ao vê-lo ao lado de uma garota de cabelos albinos curtos ela lhe sorria de maneira compreensível e ele parecia estar nervoso. Sem se conter gritou a estupefata.

            – NATSU DRAGNEEL!

            A voz estrondosa e familiar fez Natsu arregalar os olhos levemente, procurou pela sala por quem havia gritado seu nome, achou por um instante que estava sonhando, mas não, ficou chocado ao ver a figura loira e obviamente irritada em frente à porta da sala lhe olhando de maneira raivosa. Desejou profundamente que aquilo fosse um sonho, ou melhor, um pesadelo, afinal ainda não queria morrer tão cedo.

            Engoliu seco quando a viu se aproximar lentamente. Todos estavam em silêncio observando o que estava acontecendo, obviamente as garotas ficaram confusas e com raiva por seu amado “ídolo” ter sido chamado com tamanha intimidade.

            Quando estava perto o suficiente a garota albina se pôs na frente de Lucy para que esta não se aproximasse ainda mais.

            – Esqueceu das regras? Fãs não podem se aproximar do Natsu. – informou um tanto nervosa.

            – Regras? Fã? – riu a loira com desdém – Sortez fille!

            – O que? – a albina ficou confusa por um instante – Não posso permitir que se aproxime mais que isso

            – Você é o segurança dele por acaso? – perguntou retorica. Ela não respondeu, nem se mexeu provocando maior irritação de Lucy. – Natsu! Diz a ela. Diga não só a ela, mas a todas aqui quem eu sou.

            – Luce... – murmurou baixinho com medo. Natsu não sabia como agir.

            – Você a conhece Natsu? – questionou a albina.

            – Vamos Natsu, se você não disser, direi eu.

            Ele hesitou por um momento, mas dizendo ou não seria torturado da pior maneira mais tarde então decidiu abrir o jogo de uma vez.

            – Ela é a minha namorada. – declarou deixando todas chocadas.

            A garota se permitiu sair do caminho deixando que Lucy se aproximasse para fazer o que quer que seja. Não podia acreditar naquilo que ouviu. Achou seriamente ser uma brincadeira, até ver com os seus próprios olhos e ter seu coração quebrado. Eles estavam se beijando na frente de todos, sem pudor, como dois amantes que estão muito sem se ver repleto de saudades.

            Natsu e Lucy se beijavam com tal paixão que temiam ter que fazer qualquer besteira em publico, mas não podiam se conter. Durante um ano ficaram sem se abraçar, sem se beijar, o único meio de se comunicar era através de e-mail, com o fuso horário diferente não conseguiam se falar com frequência assim aumentando ainda mais a distância entre eles.

            Com a obvia falta de ar cessaram o beijo se olharam brevemente sorrindo. Lucy então agarrou a mão do rosado e levantou para o ar, mostrando então que era realmente serio, não somente isso no dedo anelar direito de ambos havia um anel de ouro, o de Lucy era encrustado com diamante uma clara demonstração de compromisso.

            – Não estamos somente namorando, estamos noivos. – Lucy declarou com convicção. – Compris? Il est mon petit ami.

            Declarou. As meninas ainda permaneciam em choque. Ainda não podiam acreditar completamente no que aquela estranha dizia. Observando o falatório irritante, Lucy resolveu apelar um pouco. Utilizou de sua melhor arma.

– Espero que os assédios terminem por aqui. Posso facilmente me livrar de vocês. Certo, Erza?

            – Heh! Com todo prazer.


Notas Finais


Espero sinceramente que tenham gostado. O que acha de me ajudar, deixando sua opinião nos comentários? Ficarei agradecida!!
Beijocas e até o próximo capitulo.

Traduções
1- Prazer em conhecê-los! ( Nice à les rencontrer! )
2- Caí fora garota! (Sortez fille!)
3- Entenderam? Ele é meu noivo. (Compris? Il est mon petit ami.)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...