História My Capital Sin - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook
Tags Bagntan Boys, Bts, Jeongguk, Jungkook, Você
Exibições 38
Palavras 3.699
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Festa, Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oieee espero que gostem! boa leitura.

Capítulo 7 - I Love You


Fanfic / Fanfiction My Capital Sin - Capítulo 7 - I Love You

 Eu e ele estávamos deitados na cama, grudados. Quando o telefone dele começa a tocar. Ele lutou pra pegar o telefone sem se mexer mas foi em vão. O telefone do Jeon não parava de tocar desde ontem. Eu estava ficando curiosa pra saber quem era. Ele teve que sair do quarto para atender, isso ficava mais suspeito ainda. Mas eu estava esgotada demais para ir escutar a conversa. Ele voltou me abraçando por trás e me beijando. Pude sentir meu cheiro misturado com o cheiro dele e sexo, combinação maravilhosa. Resolvi virar para ele e ele me olhava com uma cara tão doce. De puro... "Amor"? Não sei se essa palavra se encaixa mas ele estava tão sereno desde ontem à noite.
  - Nós temos que almoçar, bela adormecida. Você dormiu até 11:00 hoje.
  - Culpa sua. - mostrei a língua e ele se prontificou em pegá-la e me beijou.
  - Por que minha?
  - Porque você me cansou bastante ontem.
  - Você não gostou? Eu gostei.
  - Eu sei que você gostou. - sorri. - eu também gostei.
  - Queria repetir hoje à noite, o que você acha?
  - Acho uma ótima ideia.
  - Acha? - falou e voltou a me beijar.

  Já eram 12:00 e decidimos tomar um banho, quando saímos eu fui me trocar, o Jeon disse que tinha uma reunião com amigos importantes hoje, e queria que eu fosse. Coloquei um vestido preto solto e uma flatform prata. Fiz uma maquiagem bonitinha pra dia e eu estava pronta. Quando voltei, dei de cara com o Jeon com uma roupa super descontraída. Nunca tinha o visto com roupas além de sociais. Ele estava lindo. Estava com uma calça boyfriend cinza e um moletom preto. Parecia que ele tinha 20 anos, eu estava amando.
  - Nossa, oi como é o seu nome? - não me segurei. - prazer, sou a (S/N).
  - Prazer te conhecer (S/N), sou Jeon Jeongguk. - falou muito bem humorado. O tempo estava ruim hoje mas a áurea ao redor dele estava ótima.

  Entramos no carro e fomos para Pyeongchang, outra cidade. Não sabia que iríamos viajar. Estava chovendo, peguei meu blaiser preto e saí do carro com a ajuda de Jeongguk. Estávamos em frente uma casa branca muito grande. O portão abriu e nós entramos, era uma reunião bem intima com alguns amigos dele, mais ou menos uns 17. Nós comemos e ficamos as meninas e eu na sala enquanto eles foram jogar e beber.
  - Você e o Jeon estão namorando? - perguntou uma delas.
  - Não exatamente.
  - Você é de onde? - perguntou uma com muita cara de antipatia.
  - Brasil. - respondi sorrindo para a mesma.
  - Você faz o que? - perguntou a mesma mocréia de antes.
  - Sou modelo.
  - Ah, você é mais uma do Jeon. - me assustei com esse comentário e aposto que a minha cara de espanto denunciou tudo.
  - Não liga não, a Rachel é assim mesmo. Ela ficou um tempo com ele e não gosta das outras que se envolvem com ele. - falou uma menina que esqueci o nome.
  - Não, Cha Eun Sang. A propósito (S/N), sabia que eu estive com ele ontem no escritório? - meu mundo caiu. Eu sei que não temos nada, mas essa revelação me fez tremer as bases e estruturas. Ela mantinha uma pose de vencedora para mim. É, ela tinha ganhado. Estava bom demais pra ser verdade, eu feliz e Jeongguk apaixonado. Isso só acontece em contos de fada e o meu não permite isso.
  - Rachel!! - todas estavam chocadas assim como eu. Então era isso! Todo aquele sentimento era realmente um pedido de desculpas.
  - Tudo bem, nós não estamos juntos. - sorri e me levantei. Na minha vida como modelo, aprendi a respeitar bastante os outros mesmo que pisem em mim. Manter a postura e não descer do salto era essencial. Fiz o que toda modelo faz quando cai na passarela. Me levantei e continuei andando como se nada tivesse acontecido. Fui de encontro a Jeongguk e o chamei.
  - Jeongguk, quero ir embora. - fiz uma cara sem expressão.
  - Claro, mas você me espera terminar essa partida?
  - Tudo bem. - forcei um sorriso e voltei para a mesa. Passei os braços envolta da cabeça dele e pousei minhas mãos em seu peitoral. Eu observava a jogada, mas eu estava remoendo aquilo que aquela mulher falou. Ele transou com outra e depois comigo. Eu sentia como se estivesse pegando em lixo. Quando ele terminou de jogar, nos despedimos de todos.
  - Tchau, querida. Passar bem. - disse para a Rachel. Como disse, não descer do salto é essencial. Ela tinha agora uma cara de espanto e eu pensei. " fecha a boca querida, porque mosquito não tem freio." Ri muito desse pensamento e fiquei me perguntando se na Coréia existem ditados como este.

  Quando entramos no carro o Jeon deu partida e fomos para Seul. Ele pousou as mãos em minhas coxas e eu tirei com brutalidade.
  - O que aconteceu? - perguntou preocupado.
  - Quero ir para casa. - preferia discutir em casa, melhor do que correr o risco de capotar o carro.
  - (S/N), não me esconda nada!
  - Eu não estou escondendo, Jeon. Mas talvez você esteja.
  - Eu não estou escondendo nada. - disse voltando sua atenção para o volante e ficando tenso.
  - Tudo bem.

  Chegamos no apartamento dele e eu fui direto para o quarto arrumar minhas coisas dentro da mala. Me bateu uma vontade de chorar, mas não eram lágrimas de tristeza e sim de ódio, muito ódio. Eu não derramei uma gota e acabei de arrumar minhas coisas. Saí do quarto e estava indo para a porta quando ele segurou meu braço.
  - O que aconteceu? - ele perguntou sério.
  - O que aconteceu? Você ainda tem coragem de me perguntar isso? Você é muito cínico. - estava começando a ficar com nojo.
  - (S/N), me fala o que aconteceu realmente.
  - O que você estava fazendo que chegou atrasado ontem? - perguntei e a minha raiva era capaz de ser sentida no Brasil.
  - Eu estava na empresa, trabalhando.
  - Tem certeza, Jeon? Desde quando você trabalha fodendo? Virou garoto de programa?
  - (S/N), por favor me escuta. Ela chegou sem avisar no meu escritório e foi pra cima de mim.
  - Coitadinho né?! Você é tão fraco que não conseguiu tirar ela de cima de você. - falei fazendo uma voz de dó muito irônica.
  - (S/N), me perdoa. - pediu de cabeça baixa.
  - Perdôo Jeongguk, mas não precisa vir atrás de mim mais. Não quero te ver nem pintado de ouro.
  - (S/N), por favor. Eu gosto muito de você.
  - Não, você não gosta. Se gostasse não tinha feito isso.

  Eu disse e apenas saí do apartamento. Meu coração estava apertado por isso, talvez ele goste de mim. Mas, ele está gostando de mim erroneamente. Eu preciso ligar para o Victor, fazer as "pazes" e confirmar a minha ida para o desfile na Rússia.

  Quando liguei, pedi ao Victor que ele viesse ao meu quarto no hotel. Afinal, ele ainda continua sendo meu melhor amigo e eu preciso de alguém para desabafar. Ouvi a campainha e nem perguntei quem era, apenas o abracei e pedi para ele entrar. Contei tudo o que havia acontecido e ele diferente de mim, não demonstrava nenhuma reação de surpresa ou algo do tipo.
  - Victor... - eu não sabia o que falar.
  - (S/N), eu acho que mais cedo ou mais tarde isso aconteceria. O Jeongguk nunca foi de ficar com uma só. Ele é "famoso" entre as modelos por isso. Todas gostam dele, essa Rachel também é modelo. Mas com nenhuma ele chegou ao ponto que vocês estão. Ao passo que você "morou" com ele por uns dias. E se ele disse que gostava de você... Talvez seja verdade.
  - Victor, ele estava tão carinhoso comigo desde quando chegou do escritório aquele dia. Fizemos amor pela primeira vez, e eu gostei tanto. Eu sei que ele também gostou, mas por quê? Por que ele fez isso?
  - Homens, minha querida. Homens! Eles são imaturos às vezes. Iguais à uma criança. Fazem as coisas, arrependem mas pensam que vai ficar tudo bem. Ele deve te procurar antes de irmos para a Rússia.
  - Não sei não, fui bem clara quando disse que não queria vê-lo nem pintado de ouro.
  - Eu ainda acho que ele vem te procurar.

  O Victor foi embora e eu estava com vontade de chorar. Queria esquecer isso tudo e ir para a cama com ele outra vez. Não sei se consigo ficar longe dele. É um pensamento idiota, eu sei. Mas estou apaixonada por ele, e quando se gosta realmente de uma pessoa, nem a gente mesmo se entende. Estava rezando para o Jeon me ligar. PORRA. Não da, eu preciso dormir.

  POV JEONGGUK

  Eu queria ligar para a (S/N) e pedir desculpas e fazer ela voltar ao meu apartamento. Mas ela precisa de um tempo, e terei que dar isso a ela. Já era de madrugada e eu não conseguia dormir, eu ficava lembrando de tudo o que já fizemos nessa cama, do cheiro dela, da textura da pele, dos olhares, dos gemidos, das respirações descompassadas. Queria pedir perdão mais uma vez, ajoelharia se precisasse. São 04:00 da manhã, mas eu preciso falar com ela.

  Peguei a chave do meu carro e fui dirigindo por Seul. Não como na maioria das vezes, eu estava dirigindo preguiçosamente, precisava de tempo para formular o que falar para ela. O porteiro do hotel estranhou a minha presença essa hora no hotel, mas como já tinha me visto antes aqui me deixou subir. São 04:50 da manhã agora, mas eu preciso falar com ela. Tomei o elevador e subi para o décimo andar, quarto 612. Eu queria ter a chave, para subir e entrar de uma vez. Toquei a campainha e escutei:
  - Quem é? - a voz dela me fez tremer, parecia estar chorando, sinal de que nem ela dormiu essa noite. - Quem é? - escutei ela perguntar novamente. Eu não iria responder, iria esperar ela abrir primeiro.

  Escutei o barulho das Chaves e nesse momento eu já estava suando frio. Outra primeira vez com ela. Nunca devi desculpas a mulheres, se aborreciam e eu as mandava embora. Ela abriu e pude ver lágrimas em seus olhos, tive vontade de limpar todas e envolvê-la em um abraço. Ficamos um tempo nos encarando até que ela tenta fechar a porta mas eu a impeço.

  - (S/N), precisamos conversar.
  - Você está louco Jeon? São cinco da manhã e eu fui bem clara quando disse que não queria ver você nunca mais! - ela estava certa, mas eu não consigo satisfazer esse desejo, preciso dela demais agora. Estiquei meu braço e limpei suas lágrimas, ela se esquivou um pouco mas depois cedeu. Tocá-la me acalma, eu preciso disso até morrer, preciso dela. Eu fui entrando devagar quando ela se deu conta eu já estava quase beijando-a.

  - Jeon, por favor. Não faça isso, está recente demais e a ferida ainda dói muito. - eu me senti um lixo escutando essas palavras. Talvez eu seja mesmo, eu traí a única mulher que eu gostei de verdade na vida.
  - Deixa eu curar esse machucado, (S/N). Me deixa ter você, provar que eu não quero nenhuma outra, só você.
  - Não posso, você preferiu a Rachel há menos de 72h.
  - Sabe qual é a verdade? - disse me separando dela e tomando uma posição mais rígida. - esse desfile em Balashikha está me tirando do sério, (S/N). Eu fiquei com ela pra tentar te esquecer, tentar me desapegar, mas eu não consegui. Eu falhei, eu sou um homem falho. Eu não consegui ficar longe de você, eu preciso de você, ao meu lado. - ela se acalmou.
  - Jeon, eu preciso fazer esse desfile. Não dá para voltar aqui depois que acabar.
  - Por que não, (S/N)? Por que não da pra ficar comigo?
  - A questão não é ficar com você, eu preciso ficar com meus pais. Já tem alguns meses que estou viajando e o Natal está chegando, é uma data muito especial para a minha mãe.
  - Quanto tempo você vai ficar na Rússia?
  - Umas duas semanas.
  - Eu vou com você. - disse convicto.
  - Jeon, você não pode. Você tem que trabalhar.
  - Eu posso trabalhar lá. Por favor, (S/N). Me deixa ficar com você por mais tempo. - ela demorou um pouco para processar isso que eu falei.
  - Tudo bem. - sorriu docemente. A única coisa que pude fazer foi sorrir de volta para ela e levá-la para a cama. Estava precisando de uma boa maratona de sexo para tirar esse estresse todo.

  Terminamos era umas 07:00 da manhã. Não tínhamos nem força parar nos lavar, adormecemos grudados e com uma fina camada de suor em nosso corpo. Acordei com ela passando a mão em meu tórax e pensando. Puxei ela e a selei.

  - Bom dia dorminhoco. - disse ela sorrindo. - já são 15:00.
  - Eu acho que devíamos comer alguma coisa. - levantei com ela no colo indo para a banheira. - É tão reconfortante saber que estamos bem. Eu preciso tanto de você (S/N). - ela sorriu e me beijou enquanto eu ligava a banheira.

  A medida que a água nos alcançava ela subia encima de mim. Ela estava rebolando no meu colo e eu já estava duro. Desci os beijos para o pescoço e ombro. Ela já estava suspirando. Fiquei apertando a cintura dela acompanhando os movimentos que ela fazia por cima do meu pau. Eu precisava dela e eu a penetrei. A pressão da água tornava tudo mais especial. Ela parecia uma Deusa grega cavalgando em mim.

  - Ahhh Jeon... Ahhh hummm ahhh. - ela revirava os olhos de prazer e eu não estava atrás. Estava gemendo igual um louco. Ela me engolia com o seu sexo e aquilo era maravilhoso. Tão quentinha, úmida e apertadinha. Não sei como ainda está assim, nós transávamos pelo menos 2 vezes por dia. Ela começou a beijar meu pescoço e eu tive que desligar a torneira, ela nem se mexeu estávamos ligados demais um ao outro. Eu a queria tanto que desconfio de amor. Ela cansou e eu troquei as posições. Ela ficou sentada na banheira com as pernas abertas enquanto eu a penetrava por cima com os braços apoiados na beirada da banheira redonda. Eu não queria parar, podia ficar assim até a próxima primavera. Ela estava quase gozando, então eu movimentei mais rápido e ela cravou as unhas em minhas costas, estava tão concentrado no prazer que não senti dor nenhuma. Ela gozou, se agarrando em mim fazendo entrar mais fundo do que eu pensei que iria. Eu continuei a estocá-la e voltamos à posição que estávamos. Estava longe de gozar e ela começou a se excitar novamente. Estava gravando cada detalhe do corpo dela, até a pintinha que ela tinha na virilha. Apertei a bunda dela e ela gemeu. Ficamos assim até gozarmos juntos. Ela estava sorrindo, satisfeita. Era tão bom saber que foi eu quem causou essa satisfação. Eu precisava falar o que estava sentindo, precisava botar para fora aquilo. Mas era tão difícil para mim, nunca fiz isso antes.

  POV (S/N)

 Depois do sexo maravilhoso que tivemos na banheira, o Jeon parecia querer me contar alguma coisa, ele aparentemente estava caçando palavras para tal.

  - Eu amo você. - aquilo veio como uma bomba para mim. Não esperava isso. Eu relaxei e sorri, verdadeiramente. Abri os olhos e ele parecia feliz consigo mesmo de expor aquilo.
  - Eu também amo você Jeon Jeongguk. - ele sorriu e me puxou para ele. Assim ficamos um bom tempo, até conseguirmos forças para tomar banho realmente.

  Depois de nos lavarmos, ele saiu do banheiro primeiro enquanto eu terminava de escovar os dentes. Fui para o quarto e escutei a coisa mais linda do mundo. Meu Deus, esse homem não cansa? Ele estava cantando "if you" a voz grave dele deixava a música tão bonita. Eu nunca tinha o visto cantar antes. Quando ele estava terminando de colocar a calça que ele veio, eu o abracei por trás e beijei suas costas. Ele me virou para ele e continuou cantando. Tão lindo, esse homem devia virar cantor, NÃO! Muitas mulheres iam dar encima e ele já me dá trabalho assim, imagina cantando.

  - Você canta tão bem, nunca te vi cantando antes.
  - Isso é porque estou feliz. Muito feliz.
  - Hm, qual o móvito dessa felicidade toda?
  - É porque agora eu vou ficar com a mulher que eu amo. - ele falou isso e me subiu um arrepio enorme. Sorri largamente.
  - Eu ainda preciso ir para o Brasil, Jeon.
  - Eu sei, você vai. Nós vamos na verdade.
  - Nós? - perguntei sorrindo animada.
  - Sim, nós meu amor! - pulei nele e ele me pegou e nos beijamos assim mesmo. Era tão bom beijá-lo, indescritível.

  Eu só tinha apresentado um namorado aos meus pais, aos 16 anos. Ele chama Arthur, nosso namoro durou 1 mês e 3 dias. O Jeon ia ser o segundo. Eu não sabia que amava o Jeon, mas quando ele falou, eu senti que era recíproco. Me senti a altura de falar "eu te amo também." O meu vôo para Moscou saía amanhã de manhã, e saber que ele vai comigo e a melhor coisa que esse mundo pode me oferecer. Já eram quase 17:00 quando terminamos de nos vestir para comer alguma coisa. Eu liguei para o Victor Hugo avisando que o Jeon iria conosco e ele ficou feliz por termos reatado. Descemos e o Jeon não tirou a não da minha nem um minuto. Quando chegamos no carro ele colocou meu cinto e me beijou. Ah, eu estou amando muito esse homem e me dá um pouco de medo. Mas o que importa é viver o momento, e este sim estava maravilhoso e não merecia interrupções. Ele colocou sua mão em minha coxa e a alisou, como sempre fazia. Fomos para o apartamento dele e ele trocou de roupa, descemos e fomos a um lugar que nunca tinha visto na minha vida. Quando entramos na casa, várias pessoas saíram o cumprimentando.

  -Jeon! Meu filho, eu senti tanto a sua falta. - espera, estamos na casa dos pais dele? - quem é essa menina bonita?
  - Ela é a minha namorada, mãe. O nome dela é (S/N). - ele falou e eu gelei. Eu não esperava por isso nunca. Hoje está sendo um dia e tanto.
  - Ah, meu Deus!! Obrigada!! - falou olhando para os céus realmente agradecendo. -Pensei que você não desencalharia nunca! Ela é ocidental, muito bonita. É modelo?
  - Sou sim, senhora Jeon. - sorri muito simpática.
  - Ah, me chame de Irene. - disse ela, me tratando da melhor forma possível.
  - Tudo bem.
  - O prazer é todo meu, (S/N). Vem, vamos conhecer o pai do Jeongguk.
  - O papai está em casa? - perguntou Jeon surpreso.
  - Sim, ele voltou do exército hoje de manhã. Vem, vamos entrar.

  A casa era linda, muito chique. Entramos e vimos um senhor sentado na copa, comendo alguma coisa. Esse deve ser o senhor Jeon. Quando me viu, abriu um sorriso enorme como se já me conhecesse. Olhei para Jeongguk e ele sorriu e deu de ombros.

  - Olá! Você deve ser a (S/N). Prazer, sou Jeon Jungmin.
  - Prazer, senhor Jeon.
  - Até que enfim Jeongguk. Ele me falou muito sobre você.
  - Incrível como só eu não sabia. - disse a mãe dele brotando ao lado do marido. - ela não é uma princesa? Sempre soube que o Jeon iria se casar com uma ocidental, as garotas daqui nunca fizeram o tipo dele. - casar? Sorri.
  - É verdade, sempre gostei de ocidentais, principalmente brasileiras. - disse Jeon passando a mão pela minha cintura e me puxando.
  - Você é brasileira? Morro de vontade de conhecer o seu país. Tem tanta cultura, samba!!
  - Tem sim! Seria uma honra recebê-los em minha casa.
  - Ah querida, nós vamos!

  Depois de muita conversa, os pais dele nos chamaram para montar a árvore de natal. Tivemos que esperar os irmãos dele chegarem com suas esposas. O natal aqui não é comemorado em família, mas os Jeon eram diferentes. Faziam tudo juntos. Eles ficaram muito tristes em saber que o Jeongguk vai passar o natal comigo esse ano. E me fizeram prometer que no ano que vem, eu viria para cá passar junto à eles.

  O telefone do Jeon começou a tocar. Esses telefonemas estão me intrigando muito. Resolvo ir atrás dele sem que o mesmo perceba.

  - Sim, eu voltei com ela. Rachel, por favor me deixa em paz. Eu estou namorando com ela e não quero que você nos atrapalhe. - escutar aquele nome ferveu meu sangue. - tchau Rachel, não me ligue mais. - voltei para a sala rapidamente para ele não perceber que escutei o telefonema.
  Quando ele voltou, os pais dele já não estavam na sala, nem os irmãos. Ele me puxou para perto e me beijou, tão bom, tão calmo. Depois ficamos observando a árvore e cada pisca-pisca dela. Era tão mágico essa época para mim. Herdei isso da minha mãe, ela também ama natal.

  - Acho melhor voltarmos, já está tarde e eu tenho que arrumar as coisas para o vôo de amanhã, meu amor.
  - Tem razão, vamos nos despedir deles.

  Nos despedimos e fomos para o carro, apesar de tudo, eu amei conhecer os pais do Jeon, eles são muito amorosos. Fomos para o meu hotel e peguei tudo. Já estava indo com as malas para o aparamento dele. Iríamos para Moscou às 10:30. Ele juntou algumas roupas e colocou nas malas quando chegamos. E como sempre, transamos como se não houvesse amanhã, eu amo ir para a cama com o Jeongguk, não preciso dizer nada, ele sabe do que eu gosto. Tomamos um banho e fomos dormir, amanhã o dia seria bem longo.


Notas Finais


Comentem muuuuuuito! vou tentar postar um amanha tambem! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...