História My Chest is Your Garden - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Seventeen
Personagens Boo Seungkwan, Hansol "Vernon" Chwe, Jeon Wonwoo, Junghan "Jeonghan", Kim Mingyu, Seungcheol "S.Coups"
Tags Hanahaki Disease, Hansol, Jeongcheol, Jeonghan, Meanie, Mingyu, Scoups, Seungcheol, Seungkwan, Seventeen, Verkwan, Vernon, Wonwoo
Visualizações 56
Palavras 1.311
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Romance e Novela, Seinen, Shonen-Ai, Shounen, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Suicídio, Tortura
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi, meus amores, voltei com mais um

Desculpem os erros e boa leitura :))

Capítulo 2 - Semeando II


 

A partir daquele dia, todas as segundas e quintas eu ia para a aula de reforço para ajudar Mingyu.

Não que eu realmente gostasse disso, mas quando eu percebia, já estava na porta daquela sala. Mas também não é como se eu odiasse isso completamente, de qualquer forma.

Sempre que Mingyu estava por perto, as horas passavam voando. É como dizem: quando estamos fazendo algo de nosso agrado, o tempo passa num piscar de olhos.

Eu e Mingyu nos aproximamos de uma forma tão rápida, que em menos de um mês, eu poderia dizer que ele estava quase no topo da minha lista de melhores amigos. Não que eu tenha muitos amigos, mas mesmo assim, podemos dizer que ele conseguiu ultrapassar meus poucos amigos num estalar de dedos.

Para a nossa alegria, minha principalmente, Mingyu conseguiu avançar uma turma em poucos meses, e começou a estudar na mesma sala que nós. E claro, não precisamos mais colocar os pés na sala de reforço.

Poderíamos caracterizar Mingyu como sendo aquele cara legal, bonito e inteligente que todos querem ser amigos, que todas as garotas, e alguns garotos, sonham em dar um pega, pelo menos uma vez na vida. 

E foi com essa simpatia toda, que ele conquistou nossos pais. 

Oh, não se engane, nossos pais que eu digo, não são os nossos verdadeiros pais. 

Seungcheol hyung e Jeonghan hyung. São namorados desde o ensino médio, e agora fazem faculdade e moram juntos. 

Nossa família é composta da seguinte forma (cada um escolhido especialmente por Jeonghan hyung): Seungcheol o pai, Jeonghan a mãe, eu o filho mais velho, e o Boo e o Hansol são os filhos mais novos que cometem incesto. E agora o Mingyu, mas ele provavelmente será o primo, já que Jeonghan hyung diz não aguentar mais parir filho, como se ele fizesse isso mesmo, mas relevamos esse fato. Além do cachorro deles, um Golden lindo chamado Mikkie.

Eu já deixei avisado que se um dia, ele sumir, nem adianta procurar no Caribe que ele não vai estar lá comigo.

Todos os fins de semanas nós nos reuníamos no apartamento deles para jogar vídeo games, brincar com jogos de tabuleiros, assistir filmes ou simplesmente jogar conversa fora.

E foi assim durante todo o resto do meu terceiro ano.

A cada dia, minha confiança em Mingyu apenas aumentava, e se você está se perguntando se ele virou meu melhor amigo, BINGO!, isso mesmo, minha vida é clichê à esse nível e sim, eu e Mingyu não nos desgrudávamos mais.

No final daquele ano, eu já estava certo de que não estudaria mais, aquela não era a minha praia, eu odiava sentar na cadeira e ficar horas e horas ouvindo o professor falar. Eu poderia apenas herdar a empresa do meu pai e pronto, não precisaria ficar mais quatro ou cinco anos atrás de uma mesa ouvindo um cara falar, falar e falar, enquanto eu quase babo nos livros didáticos.

Mas claro, Kim Mingyu sempre acaba com os meus planos antecipados. Ele conseguiu, não sei como, me convencer de que eu precisava fazer faculdade, pelo menos um curso de administração, já que eu herdaria os negócios de meu pai. 

Ele optou por Biologia, já que era tão apaixonado pela natureza. Hansol escolheu Educação Física e o Boo ficou nas Artes Cênicas, o que Jeonghan hyung adorou, dizendo que ele era o orgulho da família.

E para o orgulho de nossos pais, agora sim, nossos pais biológicos, e os dois adotivos também, todos nós quatro conseguimos ingressar na faculdade de Seoul. O que queria dizer que nós não precisaríamos nos mudar para longe, e que continuaríamos todos perto.

Quando nós passamos, Seungcheol e Jeonghan decidiram ceder dois quartos do apartamento para nós, ou seja, um dos quartos seria de Seungkwan e Hansol, já que eram um casal, e eu teria de dividir com Mingyu, mas tudo bem, não é como se eu nunca tivesse visto aquela bunda pálida.

Tivemos que convencer nossos pais a deixarem nós nos mudarmos. Apesar deles também morarem em Seoul, o apartamento dos hyungs ficava muito mais perto da faculdade. 

E, depois de muita insistência e promessas de que sempre iríamos visitá-los, eles cederam e deixaram.

Eu e Mingyu sempre combinávamos um horário para sair da faculdade e voltarmos juntos. Apesar dos nossos horários não baterem, muitas vezes, por sinal, nós sempre tirávamos um tempo para nós, apenas para ficar conversando, nem que fossem cinco minutos. Era como um ritual para nós. 

- Ei, vamos dar uma volta? - eu chamei o Kim quando ele estava pronto para fazer outra trancinha nos pelos de Mikkie.

- Claro. - levantou prontamente e torceu o nariz ao olhar para o sofá e ver quase um filme pornográfico, mas ao vivo.

Saímos do apartamento sem sermos notados e fomos andar um pouco. Não levamos Mikkie junto porque eu tenho certeza que ele era um bicho preguiça em outras vidas.

Era um sábado a tarde e nós estávamos exaustos com a rotina da faculdade. Entrávamos às sete da manhã e saíamos às sete da noite. Os casais mal se viam durante o dia, e de noite, estavam tão cansados que se trocassem mais que cinco palavras antes de dormir, era muito. Eu até que entendia, não conseguia ficar muito tempo sem conversar com meu melhor amigo, imagina eles que eram namorados.

- Então, como vai o seu curso? - Mingyu perguntou quando sentamos no gramado.

- Bem, estou gostando mais do que imaginei. 

- Eu disse que você iria gostar. - estufou o peito, orgulhoso. 

- Claro, você sempre tem razão. - não tinha como não concordar. - Min, você tem algum sonho? - perguntei depois de um tempo.

- Hm, um dia, eu quero fazer uma estufa.

- Estufa? Mas você já tem uma em casa. - eu disse confuso.
- Mas aquela é uma estufa pequena. - explicou. - Eu quero fazer uma estufa com todos os tipos de flores. Onde todos possam entrar e apreciar sem precisar gastar um centavo. Um lugar onde as pessoas possam ver um pouco da beleza natural sem que seja em floriculturas ou em flores praticamente mortas em seus vasos com água. - sorriu satisfeito.

- Bonito da sua parte. - sorri também.

Mingyu é o tipo de pessoa que gosta de fazer com que todos vejam o lado positivo da vida. Sempre está sorrindo.

- E você? - perguntou ele, virando para me olhar.

Fitei o horizonte, o sol estava se pondo e o céu começara a se tingir com um alaranjado formando um degrade com o azul da noite, onde vários pontos brilhantes começavam a surgir em nossa vista.

- Não. - respondi simples.

- Meh, como você é sem graça, hyung. Qual é o sentido de viver a vida sem um objetivo? - Mingyu pendeu o corpo para trás e apoiou o peso nos braços.

- Nunca pensei nisso, as coisas apenas acontecem na minha vida. - dei de ombros.

- Você só precisa aprender a aproveitar a vida. Vem, eu vi uma floricultura quando estávamos vindo pra cá. - se levantou batendo de leve na própria calça pra retirar a sujeira inexistente.

- Outra flor não, Gyu! Nosso quarto já está cheio delas! - eu protestei mas acabei acompanhando-o.

Mingyu estava quase trasformando a sacada de nosso quarto numa mini estufa, onde ele havia feito um canteiro improvisado em vasos compridos e um jardim vertical na parede e parte de nossa janela.

- Se um dia você me trocar por elas, eu te mato. - eu alertei quando chegamos em casa e ele colocou sua nova flor junto com todas as outras, com tanto amor.

- Você está com ciúmes de flores?- ele olhou pra mim reprimindo um sorriso. - Elas são tão inofensivas. - disse e eu deitei na cama, não dando mais tanta atenção pra ele.

Elas eram inofensivas.
 


Notas Finais


Gente, eu sei que esses dois capítulos foram meio chatinhos mas eles vão melhorar, okay?
Uma pergunta: Vcs preferem capítulos mais compridos ou assim tá bom?

Até o próximo <33
XOXO


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...