História My choice. - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Originals, The Vampire Diaries
Personagens Caroline Forbes, Klaus Mikaelson
Tags Candice Accola, Delena, Drama, Haylijah, Joseph Morgan, Klaroline, Mabekah, Stebekah, Violência Doméstica
Exibições 165
Palavras 2.515
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Voltei \o/\o/
Obrigada pelos comentários e favoritos.
Esse capítulo é mais morninho, mas tem algo que eu acredito que vocês vão gostar.
A partir do próximo capítulo as coisas vão começar a ficar tensas.
Desculpa qualquer erro.
Boa leitura.

Capítulo 9 - Outra parte.


Acordei sentindo um frio repentino e minha cabeça latejava feito nunca. Abri os olhos lentamente enquanto tateava o lado oposto da cama a procura de Klaus. Ele não estava lá, me levantei abruptamente o que foi uma péssima idéia por que tudo começou a girar e minha cabeça doeu mais ainda. Sentei na cama passando as mãos em minha testa na tentativa de diminuir a dor. Por que eu inventei de beber mesmo? Quando senti tudo voltar ao normal senti um delicioso cheiro de café. Klaus?

Fui em direção a cozinha e pude ter uma belíssima visão de um britânico sem camisa de costas para mim, olhei para a mesa e lá aparentava está o melhor café da manhã que eu tenha visto, meu estômago roncou só de pensar nisso.

Klaus se virou e sorriu ao me ver, mas pude notar que era um sorriso um pouco forçado. 

O olhei envergonhada por ontem a noite. Ele veio em minha direção e me deu um leve selinho.

- Fiz o seu café.  -  falou enquanto me dava uma xícara cheia do liquido preto.

- Não precisava, mas estou contente que tenha feito. Obrigada.  -  levei o líquido a boca mas quase cuspi para fora fazendo uma careta, estava forte e sem doce nenhum. Klaus gargalhou alto me fazendo rir também. 

-  Vai te ajudar a se recuperar e tem umas aspirinas aqui também. Vamos tomar café. 

Nós sentamos e começamos a comer e eu não estava enganada era o melhor café da manhã que se podia ter. Klaus permaceu em silêncio apenas me observando devorar tudo, vez ou outra eu pegava sua boca em movimento como se fosse dizer algo mas desistia no caminho. Não me lembro de ter feito algo para deixá-lo tão estranho.

- Não sabia que Klaus Mikaelson cozinhava tão bem? - falei tentando quebrar o clima tenso que estava se esbeirando pela cozinha.

-  Eu tenho muitos talentos que você desconhece. - falou olhando para o nada. -  ....assim como acredito que você também tenha muitas coisas das quais eu desconheço.  -  ele ergueu o olhar para mim, me fazendo estremecer um pouco. Indireta entrega com sucesso. 

-  Não seja bobo.

Klaus suspirou e passou as mãos em seus cabelos.

- Do que tava falando ontem a noite? -  Sua voz estava firme e cansada ao mesmo tempo. Não devia ser fácil se relacionar com alguém que não te deixa chegar perto o suficiente para você desvendar tudo que necessita. Juntando que esse alguém sou eu as coisas já vão ladeira abaixo. Eu sei que chegaria uma hora em que eu teria que contar tudo sobre mim, mas esse dia não poderia ser hoje. Contar para Bonnie já foi um grande passo, eu não queria força tanto.

- Eu me lembro de pouca coisa. Minha cabeça esta uma bagunça....mas me desculpe se fiz algo que não lhe agradou. -  falei disfarçando, eu me lembrava muito bem de ter quase comentado sobre Lucien, eu não queria mentir pra ele mas estava sem opção.

- Sabe eu até acreditaria se não soubesse que você é mestre em tentar afastar as pessoas que tentam arrancar um pouco mais de você.  -  Eu abaixei o olhar tentando pensar em uma resposta, enquanto senti o clima amistoso e divertido por causa de minha ressaca sumir rapidamente.  

- Não é bem assim, Niklaus.  

- Nós estamos juntos agora não acha que eu preciso saber um pouco mais sobre você? Você não quer deixar eu te conhecer?

- Você já me conhece. - disse enquanto largava o talher em cima da mesa, eu estava ficando nervosa. Será que essa era a semana " Vamos descobrir o passado de Caroline? "

- Não não conheço. Eu tenhor que ir trabalhar. Fique bem.  

Antes que ele pudesse se levantar eu segurei sua mão firmemente fazendo com que ele me encarasse.

-  Não precisa ir, nós não nos viamos a um bom tempo.  Fica. -  a idéia de vê-lo se afastar por eu ser tão quebrada me assustou.

-  Eu não posso, Care.  -  levantei dando a volta na mesa, até que pudesse sentar em seu colo abraçando seu pescoço. Ele hesitou um pouco mas logo em seguida passou os braços por minha cintura.

- Eu não queria ser assim. Não queria te fazer sentir assim...como se eu estivesse tentando te afastar. Eu não queria.....mas eu juro que to tentando me adaptar. Por favor, não desista de mim.  -  Eu sei que seria mais fácil se eu tirasse Klaus de minha vida, seria o melhor para ele e isso já era o suficiente para mim. O problema é que eu não queria isso não queria perder a única coisa boa que realmente me aconteceu. Era como se ele fosse uma droga completamente viciante na qual eu havia me tornado usuária.

Klaus deslizou o seu nariz pela minha bochecha, descendo para meu queixo e parou em meu pescoço, onde depositou leves beijos, me fazendo fechar os olhos e aproveitar seus toques.

- Eu não vou. Você me avisou que não séria fácil estar com você, mas é o quero. Então você ainda vai ter que me aguentar. - Klaus disse tudo com o rosto ainda escondido em meu pescoço, seu tom de voz surgiu baixo e denso. 

Posso dizer que um tremendo alívio se apossou de mim, apesar de ainda notar o seu tom ressentido mesmo que ele tenha tentado esconder para me tranquilizar.

Fiquei um tempo com a cabeça apoiada em seu ombro, sentindo seu dedos passearem lentamente por minha coxa enquanto ouvia nossas respirações. Klaus se remexeu e me afastou um pouco para se levantar.

- Você está indo embora? Não precisa ir, achei que estava tudo bem agora.

- Eu não vou desistir, mas isso não quer dizer que eu estou contente também. Preciso ir trabalhar nos vemos depois. - falou se despedindo com um selinho.

 

Fui trabalhar totalmente de mau humor, Niklaus me deixava completamente doida. Se eu achava que estava ruim, Elena e Bonnie estavam pior, meu deus parecia que elas tinham sido atropeladas. Elas me perguntaram sobre como tinha sido minha noite, disse que foi ótimo dormir nos braços dele, mas que a manhã se tornou um saco já que havíamos nos desentendido. 

Eu não pude deixar de comparar a discussão que tivemos com as que eu tinha com Lucien, mesmo estando bravo comigo Klaus se preocupava em me deixar bem e eu simplesmente não podia ignorar isso. Apesar de que ficar mais  dois dias sem falar com ele não tenha me deixado nada satisfeita. Eu não estou em uma fase de recomeço?  Então estava na hora de colocar tudo em prática.

Liguei para Elijah e perguntei se iria prejudicar muito a empresa se eu sequestrasse o irmão dele por umas horas, ele disse que não e que também estava disposto a ajudar, ele estava se divertindo com a situação. Elijah organizou tudo na empresa, se certificou de que a secretária de Niklaus soubesse de tudo e colaborasse. Enquanto eu organizava tudo que precisava dentro de uma cesta para pequenique.

 

Fui para a empresa e eles me deixaram passar sem nenhum problema, comprimentei e agradeci Davina por tudo. Fiquei na sala de Niklaus esperando que ele aparecesse. Quando Klaus entrou eu sai de trás da porta tampando seus olhos e sussurando um " adivinha quem é?" em seu ouvido.

- Caroline, o que está fazendo aqui?  - perguntou enquanto me puxava para ficar em sua frente. 

- Vim te sequestrar, então vamos logo.  - o puxei em direção a porta rindo, mas ele hesitou um pouco.

- O que ta fazendo? Nós não combin....

Antes que ele pudesse completar a frase eu o calei com um beijo de tirar o fôlego. Senti o aperto em minha cintura aumentar enquanto ele me empurrava contra uma parede. 

-  Nada disso mocinho. Nós precisamos ir.  -  falei o empurrando lentamente.

- Ir pra onde? Aqui parece estar mais divertido. Apesar deu estar irritado, dois dias pareceram uma eternidade. -  perguntou distribuindo beijos por meu pescoço.

-  Sabe para alguém que estava reclamando sobre distanciamento, você parece bem resistente em vim comigo. 

- O que está aprontando, em loirinha?  - perguntou enquanto colocava uma mão de cada lado de minha cintura. Ele estava começando a me deixar quente.

- Vamos logo, Klaus? 

O puxei mesmo ele estando relutante, o caminho dentro do carro foi silencioso, vez ou outra Klaus se a atrevia tocar minha coxa, mas rapidamente eu cuidava de tirar sua mão boba de mim o fazendo soltar risadas. Indiquei o caminho e percebi como ele havia ficado surpreso.

 

O lugar era lindo, estava no final da tarde, estava um frescor de primavera, as flores estavam aparentes. O puxei até achar um local adequado já que o parque estava um pouco cheio, eu queria um lugar mais afastado. Quando achei estiquei uma toalha no chão, tirei as coisas da cesta e apontei para que ele sentasse do meu lado.

Klaus tinha tirado a gravata e dobrado as mangas da camiseta social, estava dispojado e sexy. Ele não falava a alguns minutos o que me deixou meio inquieta. 

-  Você não gostou?  -  perguntei chateada.

-  Não é isso é que eu estou surpreso. Eu não costumo ficar em parques com dias ensolarados. 

-  Estava esperando algum restaurante gourmet? Sabe que eu sou garçonete não é Sr Mikaelson? 

-  Você é muito atrevida.  -  disse enquanto me dava um selinho.

-  Está fazendo aquilo....dá pra parar?  -  perguntei sem graça. Ele me olhou sem entender.  -  Vai me dizer que não sabe? Ta fazendo aquele negócio de me encarar com esses belos olhos e esta carregando as palavras com esse sotaque atormentador. Eu não consigo nem te olhar.  -  falei tampando o rosto com as mãos.

Ouvi a gargalhada de Klaus e depois tudo ficou em silêncio até que senti ele pegar minhas mãos e depositar em cada uma um beijo delicado, ele encostou sua testa na minha, eu podia sentir seu halito gelado em minha face.

- Odeio brigar com você. 

- Eu também, por isso te trouxe aqui. Eu queria me desculpar, mostrar que eu também me importo. Queria ficar um tempo com você...só você.

 

Klaus beijou meu queixo, minha bochecha, o canto de minha boca fazendo com que eu fechasse os olhos para apreciar seus toques....ahhh ele estava me torturando.  Agarrei seu rosto o trazendo para mais perto, não aguentava mais, esmaguei meus lábios contras os seus. Tivemos que parar por causa da falta de ar, mas ele não permitiu que eu me afastasse completamente, me fez sentar entre suas pernas, apoiando uma das mãos em minha cintura enquanto a outra pegava algumas uvas. 

-  Embora eu esteja adorando ter você se esforçando para eu te desculpar, eu não posso ficar muito tempo.

-  Ahhh pode sim. Conversei com Elijah ele vai cuidar de tudo por lá, ele me garantiu que a empresa não seria prejudicada pela sua ausência.

-  Você realmente cuidou de tudo. Fui traído pelo meu irmão. 

-  Ele só acha que você passa muito tempo infurnado lá. Não brigue com ele.  -  falei nervosa com a ideia de causar algum tipo de problema.

-  Na verdade eu estava pensando em agradecê-lo. -  disse beijando meu ombro.

Suspirei aliviada, enquanto minha cabeça trabalhava para deixar tudo perfeito nessa tarde.

-  O que quer comer eu trouxe de tudo um pouco. Não sabia exatamente do que você gostava.

- A sua companhia já é o suficiente. 

Eu sorri enquanto pegava um sanduíche para mim e outro para ele.

-  Muito charmoso. Já posso deduzir que você me desculpou? 

-  Caroline, eu deixei de ficar bravo com você assim que passei pela porta de saida de sua casa. Eu disse para não se preocupar, mas confesso que é bom saber que você também se importa comigo. 

Me joguei em seus braços, o fazendo deitar comigo por cima, eu estava contente. Beijei seus lábios vermelhos sussurrando um obrigado depois. 

-  Eu prometo tentar deixar você se aproximar o máximo que eu consegui. 

Klaus apenas concordou com a cabeça, ele decidiu colocar isso em prática imediatamente por que me encheu de perguntas aleatórias e eu tentei responde las o mais sinceramente possível. Ficamos a tarde toda conversando, comendo as bobagens que eu trouxe e é claro roubando vários beijos. 

Estava tudo tranquilo como eu havia palanejado, até que Klaus avistou sua irmã mais nova, Rebekah, com Stefan que era o irmão de Damon. Pude notar como Klaus ficou irritado e sua cara assumiu uma carranca.  Rebekah e Stefan nos comprimentaram rapidamente logo depois eu e a loira iniciamos uma conversa. Era importante para mim que a família de Klaus e eu nos descemos bem. Klaus deve ter notado meu nervosismo por que segurou minha mão apertadamente. Eles foram embora e eu podia dizer com toda certeza que eles estavam apaixonados.

 

-  Acha que ela gostou de mim?  -  perguntei assim que sentamos em meu sofá.

-  Bem você praticamente me obrigou a deixá-la ir embora de lá com o Stefan, então posso dizer com todas as letras que ela já deve esta te considerando uma melhor amiga.

Eu tive que rir, estava me sentindo mais leve agora. Observei que Klaus estava nada contente.

-  Você é muito ciumento em relação aos seus irmãos. 

-  Eu me preocupo e se ela acabar se machucando?  -  perguntou irritado.

- Dá um desconto para eles, Stefan parece ser um bom partido e ta na cara que eles estão apaixonados....assim como nós.  -  as palavras sairam antes que eu pudesse controla--las.

Senti Klaus se enrijecer no sofá, não acreditando no que eu tinha acabado de dizer.

-  Fala de novo.  -  pediu segurando meus rosto entre suas mãos.

-  Que ele é bom partido?  -  perguntei tentando disfarçar.

- A outra parte....vai diz. - falou meio extasiado.

-  Nós estamos apaixonandos....Eu estou apaixonada por você. 

Klaus sorriu e foi o melhor sorriso de todos, ele me olhou de uma forma tão apaixonante que fez meus olhos marejarem. Ele me beijou carinhosamente, me fazendo derreter por dentro. 

-  Klaus eu preciso respirar sabia. Você não tá colaborando.  -  falei ofegante.

-  Não é todo dia que uma loira completamente complicada diz que está apaixonada por você. 

Klaus tinha o dom de me fazer rir com suas bobagens. Ele parecia tão alegre e saber que eu era a razão disso era totalmente satisfatório.

-  Fica aqui comigo? Eu durmo bem quando você está aqui e é tão bom. -  falei espalmando as mãos em seu peito tentando mantê-lo um pouco distante.

- Vou ficar até onde você desejar.  -  ele se inclinou para depositar um leve beijo em minha testa.

 

-  Sem mão boba.  -  falei enquanto puxava o edredom.

-  Não acha que já tá exigindo demais? - perguntou enquanto deslizava os dedos pela minha coxa exposta. 

- Niklaus !!!

-  Tá bom!!! Não precisa ficar nervosinha.

- Num se pode nem mais aproveitar a namorada.  -  resmungou enquanto me abraçava e começava a acariciar meus cabelos me fazendo ser dominada pelo sono rapidamente. 

 

 


Notas Finais


Eai gostaram?
Foi bem mais tranquilo.
Caroline admitiu estar apaixonada.
Klaus quer ter a Caroline de todas as formas possíveis e ele ta deixando bem claro isso com todas essas passadas de mãos nada inoscentes.
Até o próximo capítulo. Bjos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...