História My controversial World - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Drama, Violencia, Yaoi
Exibições 84
Palavras 1.286
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Violência, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Chegueeeeei nesta porra !!!! Aproveitem o capítulo e desculpe por qualquer erro ❤

Capítulo 7 - Cap 7: Gente Patética


Fanfic / Fanfiction My controversial World - Capítulo 7 - Cap 7: Gente Patética

~Leandro Terça feira 9:21 da manhã

 Tínhamos chegado em casa e meu pai avia se levantado do sofá rapidamente (mais um que eu posso acabar matando)
-Você tá bem filho ? - ele falou assustado
-Pai eu estou na sua frente então significa que eu estou bem - Falei calmo
-Você quase me mata moleque - ele respirou fundo
-E percebi
-Fez amigos ? - ele falou animado
-Não estou na escola pra fazer amigos pai e sim pra estudar, vou lá pra cima.
-Ah... vê se não fica trancado nesse quarto o dia todo. - ele falou cruzando os braços
-Tá!!! - gritei lá de cima do meu quarto
    Fechei a porta tirei a roupa e fui tomar um banho quente eu estava agoniado pelo motivo do meu peito ter batido fortemente naquele momento eu nunca tive reações diferentes desde que era criança por que isso agora ?, terminei de tomar banho vesti um short uma blusa qualquer coloquei um tênis e fui descendo as escadas.
-Aonde vai ? - falou minha mãe saindo do banho
-Vou em uma nova livraria que abriu aqui perto
-Já não tem livros suficientes ?
-Livros nunca é suficente - Falei abrindo a porta e saindo
-Leandro! - minha mãe me chamou
-Que ? - Olhei para ela esperando ela falar
-Você não perdeu seus remédios né? - viu ? Não posso mentir pra essa mulher ela pode ser vidente ou ter uma bola de cristal
-E claro que perdi porque seria outro motivo ?
-Ah... - A interrompi
-Nem precisa responder estou indo tchau - fechei a porta rapidamente - não deixarei minha mãe saber dos meus problemas já dou dor de cabeça até demais - sussurrei para mim mesmo coloquei meus fones simples botei uma música e sai andando com os braços atrás da cabeça tranquilamente.
   Quando cheguei na Livraria era um lugar enorme as paredes eram de mármore branco o piso era branco aquarela, as prateleiras eram pratiadas e tinha mais uma andar em cima que dava para ver todos os livros lá de cima. Fiquei maravilhado com aquele lugar.
-A caramba vão ter que aumentar a minha mesada - Comecei a vasculhar os livros quando encontro a prateleira de livros da minha editora prefira "Dark Side" praticamente todos os livros que eles publicaram eu já tinha na minha estante, logo encontrei o livro que avia se esgotado nos sites que eu comprava, era o único que estava naquela prateleira quando ia pegá-lo a garota que sentava atrás de mim avia pegado o livro é a encarei.
-Não sabia que um garoto como você gosta de livros de terror - a garota de cabelos rosas avia dado um sorriso no canto da boca
-Garoto como eu ? - A olhei confuso
-Hora você na aula inteira só o que você sabia fazer era praticamente ler o livro da matéria inteiro palavra por palavra e você respondia o professor de matemática em menos de um segundo achei que você era uma máquina nerd - ela riu
-Máquina Nerd ? E tão difícil pra vocês decorar o que lê ?
-Você tá zoando né ? Vai me dizer que é só você lê e aí você decora ? - Ela regulou os olhos
-Sim...
-Ah falando nisso meu nome é Larissa - ela avia sorrido
-Ah bom pra você - Ia virando as costas mas ela avia segurado meu braço.
-Você não vai ficar com o livro ? - Ela me olhou curiosa
-Não, pode ficar - tirei sua mão do meu braço e acabei rondando pelos cantos silenciosos ate ficar tarde e resolver ir para casa, enquanto voltava pra casa me perguntava porque aquela garota fingia estar feliz se de algum jeito conseguia ver seu desespero. Quando eu cheguei em casa vi meus pais jantando e rindo enquanto conversavam.
-Aonde você estava até a essa hora da noite Leandro ? - Minha mãe me olhou seria
-Resolvi andar por aí - fui até a cozinha pegar um prato
-Devia ter ligado e avisado né Leandro
-Não sou mais uma criança eu sei me virar aliás por tanto que eu toma meus remédios sou um adolescente normal - avia sentado e me servido enquanto minha me olhava com cara feia, eu apenas ignorei e comi rapidamente e fui pra cama liguei minha TV do quarto e fiquei ali no vazio vendo o teto branco, apenas pensava que foi apenas em um dia que passei por várias coisas, em questões de minutos eu quase morri ou seria hospitalizado, mais não posso dizer que foi ruim aliás finalmente eu estou livre.

 ~Leandro Quarta-feira 6:45
 
  Logo abri os olhos ouvindo meu celular tocar eu já estava atrasado, no meu criado mudo avia meus remédios e um bilhete da minha mãe "Fui para o escritório terminar a planta de um prédio em construção e seu pai teve uma viagem para Portugal fazer uma gravação não sei do que tome cuidado e tome seus remédios!!!
-Mães.... - Revirei os olhos me levantei fiz minhas higienes tomei banho vesti uma blusa preta uma calça jeans preta rasgada e um vans cor vinho peguei minha mochila desci e a joguei ela na cadeira da sala de jantar fiz pão com presunto e queijo peguei minha mochila e meu casaco vermelho cor vinho no sofá e sai correndo para o metro perto da minha casa posso parecer uma pessoa que acabou de sair de quarentena mas sempre me mantive informado e decoro as coisas em um piscar de olhos então não era um problema.
       Peguei o trem e como era um pouco distante a escola demorava uns 20 minutos pra chegar lá estava lendo um livro como sempre enquanto o metro estava cheio eu nem me preocupava já que estava fazendo frio não tinha que ver gente suada e fedorenta mas após ler umas três páginas do livro meus olhos são atraídos por outra direção uma mulher de cabelos medianos loiros e ondulados corpo cheio de curvas usava uma saia longa e um pequeno decote perto de peito parecia ser uma secretaria ou algo assim ela estava agoniada de alguma forma foi aí que percebi que avia um homem alto moreno de cabelos rapados encostando nela e praticamente ela ficava quieta enquanto ele esfregava seu membro contra ela, eu já estava perto da parada e da forma que ela estava me irritava guardei meu livro me levantei de vagar empurrei o cara pro lado e coloquei a mulher no banco.
-O que você pensa que está fazendo pirralho ? - ele avia me pegado pelo colarinho em quanto todos do metrô nos olhavam
-Não seria eu que tinha que perguntar ? Está molestando uma mulher em um lugar público você não sabe o quanto isso é incomodo para mim ? Fico pensando minha mãe passando por isso mas não é ela pois se fosse você já estava morto nesse chão gelado e pela sua cara de velho deve ter filhos e uma esposa que não te satisfaz né velho ? - Eu avia o olhado sem reação alguma é minhas palavras saia como balas atravessando sua cabeça cavando sua própria cova, tirei suas mãos do meu colarinho e ia saindo do metrô quando a mulher fica na minha frente.
-Muito Obrigado - ela avia sorrido
-Não fiz para te ajudar apenas me senti incomodo e se na próxima algo assim acontecer não seja burra e grite, por acaso não sente que isso é asqueroso mulher? deveria saber pela sua idade - avia saído do trem.
-E só tenho 29 anos!!!! - ela avia gritado quando a porta tinha se fechado.
-Gente patética - Sussurrei e andei rapidamente até chegar na escola.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...