História My daddy boss - Capítulo 1


Escrita por: ~ e ~Angry98

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Suga
Tags Bts, Daddy, Daddykink, Hopega, Hoseok, Lemon, Sobi, Sope, Texting, Yaoi, Yoongi, Yoonseok
Visualizações 495
Palavras 7.628
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Ecchi, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Mais uma ficzinha nossa de 2 capítulos!
:3

Capítulo 1 - Um rolex vale mais que a minha vida.


Meu pai é  um grande idiota, ele deixou a minha mãe quando eu ainda era criança e só dava dinheiro para a pensão, eu nunca liguei pra isso apesar de me revoltar, porém agora ele voltou a namorar e morar com a minha mãe e quer pagar de pai protetor depois de dezesseis anos sendo mau pai! Ele até tomou meu celular, pegou enquanto eu dormia. Mas isso não vai ficar assim! Que se foda a aula eu vou na empresa dele e faço barraco até ele devolver o meu celular!
 

Perguntei pra uma mulher que trabalhava ali qual era o andar dele e peguei o elevador até o 7 aguardando chegar lá. Quando a porta se abriu eu vi meu pai sentado em uma cadeira mexendo em uns papéis, acho que ele devia ser secretário de alguém aqui.

 

—Pai. — O chamei vendo ele virar a cabeça e me olhar assustado.

 

—Yoongi o que faz aqui? — Ele perguntou. — Deveria estar na escola!

 

—Eu não vou pra escola sem antes estar com o meu celular, você o pegou né ou pensa que eu não sei. — O encarei olhando sua cara de pau. — Quero meu celular agora.
 

— Não irei devolver o seu celular, sua mãe disse que você anda dormindo na sala de aula. — Falou.

 

— Isso não é  da sua conta e uma coisa não tem nada a ver com a outra. Devolve meu celular! — Disse nervoso já. Alterei um pouco minha voz. Ele podia ser meu pai mas ele não me criou e eu não vou respeitar ele, ainda mais esse cara tentando mandar em mim depois de tudo!
 

—É da minha conta sim, eu sou seu pai estou te educando.
 

Olha que cínico, que desgraçado, que miserável.

 

—Você ficou 16 anos longe de mim, época de me educar era pra me ensinar a falar e limpar minha bunda mas nem isso você fez, não venha querer pagar de bom samaritano aqui, eu vivi minha vida muito bem longe de você e já sou responsável, não preciso de um velho arrependido querendo bancar o bonzinho não.
 

— OLHA O JEITO QUE VOCÊ FALA COM O SEU PAI! — Berrou levantando a mão e eu me afastei quase correndo. Ele ia bater na minha cara! Se ele encostar o dedo em mim eu fico louco!
 

— O que está acontecendo aqui? — Um homem apareceu na sala após abrir a porta  e meu pai ficou com cara de fantasma deve ser o chefe dele e que fodido cara, o chefe dele deve ser bem mais jovem que ele.
 

— Eu não vou embora enquanto não me devolver o celular. — Avisei. Se ele fosse despedido era até melhor. Minha mãe chutava a bunda desse velho de novo.

 

—Eu não vou devolver seu celular agora, está de castigo. — Falou tentando me passar algum medo o que só fez eu rir mais sarcástico com isso.
 

—Vai castigar seu filho de 16 anos se nunca o castigou quando criança? porque será? Ah é mesmo, porque você não tava lá, tava bebendo pagando prostitutas ao invés de cuidar de mim enquanto minha mãe me criava sozinha. — Respondi.
 

—Quem é você? — O outro cara perguntou pra mim.
 

—É meu filho, senhor. — Meu pai respondeu por mim. — Me desculpe por essa confusão, ele está na fase rebelde sabe como é  esse adolescentes de hoje né. Yoongi vá embora. — Mandou.
 

— Eu não saio daqui até devolver o que é  meu! — Falei. Foda-se ele! Que perca o emprego dele logo. Meu pai já estava vermelho de raiva e então ele pegou o celular na gaveta  me olhando irado. Tomei da sua mão e sai daquela sala encarando o chefe dele só porque ele estava me olhando também, parecia mais que estava segurando a vontade de rir. Rindo do meu desespero! Mas deixa pra lá. Sai da sala  finalmente.
 

—Se esse desgraçado quisesse bancar o bom pai deveria me dar um celular novo isso sim. — Falei murmurando pelos corredores pegando o elevador e saindo da empresa.
 

Meu celular já era velhinho, um modelo ultrapassado com a memória toda gasta e a tela quebrada, mas pelo menos servia pra alguma coisa não é mesmo? Eu não ia pedir um novo pra minha mãe, já seria vacilagem demais explorar dela que fazia tudo por mim, mas do meu pai eu não tinha dó não, se quisesse me conquistar teria que dar pelo menos um iphone 7 dourado...
 

Eu acabei descendo demais naquela merda e quando vi abriu no estacionamento, como ali também tinha por onde sair,  não quis voltar ao primeiro andar não.  Sai do elevador meio perdido naquele estacionamento.
 

— Ei garoto! — Escutei alguém me chamando quando estava no meio do estacionamento.  Ih fodeu vão achar que tô tentando roubar  um carro e vão chamar a polícia!
 

—JURO QUE NÃO SOU LADRÃO, ESTOU SÓ PROCURANDO A SAÍDA. — Respondi pra voz fantasma logo ouvindo uns risinhos.
 

—Tudo bem senhor não ladrão.
 

Olhei pra trás  e vi que era o cara que tava na sala do meu pai agora pouco, ele vestia um terno cinza que parecia ser importado feito todo sobre medida e uma gravata vinho.
 

— Por que está me chamando? — Perguntei confuso, ele se aproximou de mim sorrindo, será que despediu meu pai e veio me parabenizar por ser o culpado?
 

—Vamos ir no shopping? —  Ele perguntou.
 

— Que? — Como assim o cara tá me chamando pra ir no shopping?
 

—Entra no meu carro eu te levo lá.
 

— Pra que eu vou querer ir ao shopping com você? — Que cara estranho. — Além do mais eu não pego carona com desconhecidos. — Respondi.
 

—Ah, mas eu não sou desconhecido! Prazer, Jung Hoseok chefe do seu pai e de todo mundo aqui, dono dessa empresa.
 

— Hm grande coisa hein? Parabéns aí boss. — Sorri cínico. — Mas hoje eu não vou aceitar ir com você em lugar algum, eu já perdi a primeira aula, acho melhor eu não perder mais nenhuma.  — Inventei qualquer desculpa. Eu ia era pra casa por meu bebê pra carregar, dormir um sono antes da minha mãe chegar do trabalho e depois ficar na Internet noite toda só pra irritar aquele trouxa do meu pai mesmo! Onde já se viu? Ele não mandava nem Oi no meu aniversário.
 

—Então você não quer que eu te compre um celular novo?
 

O que?  Como assim um celular novo, do que esse cara tá falando porque ele compraria um celular pra mim?
 

—Os que está falando?  Porque você compraria um celular pra mim? — Perguntei rindo irônico.
 

—Porque eu tenho dinheiro? — Ele me olhou. — Ah, o seu está muito velhinho né... Yoongi, Yoongi é esse seu nome né?
 

— É... É esse o meu nome...  — O olhei desconfiado. — Mas... Ninguém daria um celular pra alguém só por ter dinheiro. — Neguei. Nem meu pai me dá um, quem dirá alguém que nem me conhece. Aí tem coisa... Mas o que poderia ter?  Não faz sentido alguém dar algo que custa caro de graça pra você!
 

—Vai dizer que não quer um celular novo? — Perguntou tentando me persuadir.
 

—A questão não é essa, e sim porque alguém me daria um celular novo. — Falei desconfiado.
 

— Quais razões poderiam ser? — Sorriu de lado e eu inclinei a cabeça para o lado o olhando que nem idiota, porque eu realmente estava entendendo porra nenhuma e só não fui embora ainda porque há uma possibilidade de ganhar um celular, vejam só, não é que eu seja interesseiro, mas é um celular novo caralho.
 

— Não sei. Ninguém daria um celular pra outra pessoa sem mais nem menos.
 

—Por isso você deveria aproveitar as chances que a vida te dá, estou te oferecendo um celular só estou sendo um cara legal não é mesmo? Venha comigo vamos escolher um aparelho novo pra você, esse daí já está bem ultrapassado e tá até com a tela quebrada...
 

— Ok... — Assenti meio com receio. Se fosse um estranho eu diria não, mas se é  o chefe do meu pai, não deve ter problema.
 

Andei ao lado daquele Hoseok até um carro, realmente bonito e caro. Meu deus era tipo aqueles carro de cinema que eu não sei o nome porque eu cago pra carro. Gosto mais de motos, são mais práticas.
 

—Gostou? — Ele perguntou.
 

—É, é um carro muito bonito. — Eu respondi fascinado e ele sorriu abrindo a porta do passageiro pra mim. Claro que eu achei que ele só abriu a porta por não querer um adolescente relés batendo nela com força por estar desacostumado.
 

E cara quando eu sentei naquele banco de couro foi como se minha bunda se moldasse naquele assento, parecia que eu tava no céu sentado em um pedaço fofinho de nuvem, e ainda vinha aquele cheiro de carro novo.
 

Olhei em volta de tudo, nunca vi um carro com tantos botões. Hoseok entrou no carro e  o ligou, então tratei de por o cinto. E caralho ar condicionado é  coisa de outro mundo, estava tão fresco lá dentro enquanto ele dirigia o carro para fora do estacionamento seguindo pela rua principal.
 

Chegamos ao Shopping e novamente ele saiu e abriu a porta do carro pra mim, pegamos a escada rolante  e subimos até uma loja de celulares de última geração, eu nunca na vida teria dinheiro pra comprar uma coisa dessas.
 

—Pode escolher o que quiser. — Ele falou e eu fui olhando os modelos.
 

Eu tinha a opção de escolher o mais baratinho pra mostrar que sou uma pessoa legal e não quero abusar da boa vontade dele, ou escolher logo o que eu tava afim já que era ele quem ia pagar mesmo.
 

Se ele não quiser comprar, ele que fale, não estou o obrigando a me dar nada, eu vou é escolher o que quero, apontei para o aparelho e ele sorriu abertamente pondo a mão em meu ombro ficando em minhas costas falando para vendedora que íamos levar aquele que escolhi, ela me mostrou o celular e após está tudo certo, Hoseok entregou o seu cartão, se afastou de mim para digitar a senha e no fim saímos da loja e realmente eu havia ganhado aquele celular. MEU DEUS EU TO SURTANDO POR DENTRO. Mas por fora tô tentando ser normal, só sorrindo, eu não to conseguindo suprir minha animação. Foda-se a razão, eu que não vou ficar reclamando de estar ganhando algo de graça.
 

— Obrigado... Hyung. — Falei, nunca fui de chamar alguém que mal conheço de hyung, mas o cara merece, porra me deu o sonho em forma de celular!
 

—De nada baby! — Ele respondeu. — Me empresta seu celular novo um pouquinho.
 

—Ok... — Entreguei desconfiado pra ele e vi ele anotar alguma coisa. — O que você fez? — Perguntei curioso.
 

—Anotei meu número. — Deu uma piscadinha pra mim.
 

—Ah tá...
 

—Quer comer alguma coisa? — Perguntou.
 

—Não, não precisa, tenho que voltar pra casa e você deve voltar pro trabalho já que é chefe de uma grande empresa... — Falei enquanto passava ao lado de uma relojoaria vendo uns Rolex's lindos na vitrine.
 

—Eu sou meu próprio chefe, eu que pago as pessoas para trabalharem pra mim não preciso ir pra lá agora, e aposto que não tem nada de interessante pra você fazer em casa  agora.
 

— É, isso é verdade. — Concordei em ficar, se ele queria me pagar as coisas pra comer o problema é dele. Mas vamos ser educado porque o hyung é gente boa.
 

Ele sorriu abertamente passando o braço por cima dos meus ombros me puxando em direção a escada rolante novamente e subimos até a praça de alimentação.
 

— O que você quer comer? — Perguntou.
 

—Hmm, não sei você quem sabe. — Geralmente quando eu vinha no shopping só pedia os lanches do mc por serem mais baratos, mas duvido que um empresário como Hoseok comesse isso, ele provavelmente deveria comer as comidas chiques que eu não sei pronunciar o nome e eu não queria passar vergonha na frente dele, só espero que ele não peça aqueles pratos de lesmas, qual o nome mesmo? Ah é Scargot credo!
 

—Conheço um restaurante ótimo aqui. — Ele disse.
 

Eu sabia! Comer um lanchinho normal esses ricaços não querem. Mas fazer o que, ele que está pagando, só espero ter comida normal. Andei com ele em direção a um restaurante italiano, ai sim, tem pizza, macarronada e... Ele virou pro lado, não, eu quero aquele ali, é normal. Ah que merda. Paramos em frente a um restaurante japonês. Ih peixe cru... Cê é louco cara? Inventaram o fogo já!

 

—Adoro sushi! — Ele disse animado e eu fiz a famosa cara meme do Sósia do Vin Diesel.
 

—Sushi é?... — Falei meio desanimado.
 

—Não gosta? — Ele me perguntou.
 

—Peixe cru é meio... arg... — Fiz uma careta descontente. — Não dá pra pedirem para eles fritarem? — Perguntei inocente e ele riu.
 

— Não é  assim que funciona. Você já comeu sushi? — Perguntou e eu neguei com a cabeça. — Então experimenta, se não gostar te levo em um outro lugar, que tal?
 

— Ok,  pode ser, mas se eu não gostar não vou comer. — Avisei.
 

Afinal como diabos peixe cru poderia ser bom?
 

Ele pediu uma mesa que ficava do lado da janela, acabei me sentando de frente pra ele enquanto aguardava nossos pedidos, aproveitei e fui fuçando no meu celular novo, mudando a foto do wallpaper e baixando uns aplicativos necessários pra mim, o wifi eu tinha roubado do shopping mesmo.
 

—Agora vai ficar só nesse celular não vai me dar atenção mais? — Ele perguntou.
 

— Mas eu estou te ouvindo. — Falei. Odeio esse lance de adulto que pensa que pra dar atenção a gente tem que olhar pra fuças.
 

— Mas olha pra mim também vai, você pode mexer nele depois o quanto quiser. — Falou e eu meio contra minha vontade travei o celular o guardando no bolso.
 

— Feliz? — Perguntei meio emburrado.
 

—Muito! — Deu um sorriso de orelha a orelha. — Bom então você é o filho do senhor Min é?
 

— Ele foi o portador do esperma que engravidou minha mãe se é isso que quer saber, mas nunca ajudou ela a cuidar de mim nem ia me visitar quando eu era criança, então depois de 16 anos ele voltou bancando o bom moço e começou a namorar minha mãe, agora fica dizendo por aí que é meu pai.
 

— Vejo que tem sérios problemas com o seu pai, tem problemas com outras coisas também?  — Perguntou.
 

— Eu não sou um garotinho rebelde se é  isso que está pensando. Eu só odeio aquele cara mesmo, é  o meu único problema na vida, isso e a minha escola que vive me entregando quando durmo na sala de aula sem querer...
 

—Hmm... Então você gosta de dormir na sala de aula?  
 

— Eu gosto de dormir em todo lugar. — Respondi.
 

—E na escola?  Como você é? tem muitos amigos, não sei quem sabe uma namoradinha? — Ele perguntou.
 

Que cara mais careta, parece aqueles tios que aparecem no Natal fazendo a piada do pavê.
 

— Amigos eu tenho, acho que todo mundo, até a pessoa mais chata do mundo tem ao menos algum amigo, mesmo que ele seja um falso e filho da puta. — Respondi. — Agora "namoradinha" — fiz aspas com os dedos. — Tenho não e nem quero ter.  — Respondi. — E você, é casado? — Perguntei direto, só pra fingir que me importo com a vida do cara, até porque ele me deu um celular bem fodão.
 

— Não não sou casado. —Ele parecia satisfeito com minha resposta mas acho que na verdade era pela comida que acabou de chegar. — Obrigado. — Ele falou pro garçom. — É estranho um adolescente da sua idade não querer namorar.
 

"Ah é é estranho um adulto rico como você não ser casado com uma piranha pra usurpar do seu dinheiro." — Pensei mas não podia falar isso pro cara que me deu um celular mais caro que o meu rim.
 

—E é estranho você dessa idade não ser casado.
 

Afinal ele devia ter quantos anos?  Uns 30? Chutei mesmo que não parecesse, na verdade ele parecia ser mais jovem mas como dizem gente rica parece ser mais conservada.
 

— Ah casamento não é pra mim — Respondeu rindo.
 

— E nem namoro é pra mim — Dei de ombros.
 

— Mas... Por que? Namoro não é tão sério como casamento, é bom e...
 

— E é algo que eu não quero, ao menos não com alguma garota da minha escola, elas são muito frescas, agora me diz, quem é que usa maquiagem vinte e quatro horas por dia? E fica retocando a cada meio segundo? Tá elas querem ficar bonitas, beleza, mas e o conteúdo? E a conversa? Bora falar de base a prova de água versus corretor líquido? — Revirei os olhos pegando os hashis, mas sem coragem de experimentar aquilo.
 

—Verdade, agora imagina ter que dividir o teto com uma.
 

O peixe cru me encarava e eu encarava aquela barca de peixe cru sem a devida coragem necessária, o chefe do meu pai por outro lado já foi atacando a comida com veracidade.
 

—Experimenta. — Ele falou.
 

—Hn... — Fiquei meio relutante.
 

— Vem cá, abre a boquinha! — Pediu pegando um dos sushi molhando no shoyu, ele achava o que? Que eu tinha três anos de idade para dar comida na minha boca?
 

A contra gosto entreabri os lábios aceitando aquele pedaço de peixe cru enrolado em alga e outras coisitas que não faço ideia do que é. Comecei a mastigar e a minha boca salivou, mas não foi tão ruim quanto pensei, tinha um gosto estranho e uma textura esquisita, mas o gosto do shoyu e do arroz que deveria ter ali anestesiava o sabor de peixe cru.
 

— O que achou? — Perguntou.
 

— Não é ruim, mas não é algo que eu vou querer comer todo dia. — Respondi. Aquilo não era ruim nem bom, era só bem estranho.
 

— Oh então você vai amar sushi.
 

— Que? Como assim? — Aquilo não fez menor sentido.
 

— Assim, normalmente a primeira vez você odeia e cospe, você já de cara achou mais ou menos, eu quase vomitei quando comi a primeira vez e hoje eu gosto muito, então você vai amar no futuro. — Explicou sua teoria.
 

—Hunf, quem sabe. — Não podia afirmar nada afinal eu não sabia sobre o futuro. Apenas dei os ombros começando a comer normalmente com os hashis enquanto Hoseok tentava puxar algum assunto clichê.
 

Em meio a todo aquele diálogo descobri que ele tinha vinte e oito anos e não trinta, o que nem fazia diferença, o cara é mais velho que eu, obviamente não tínhamos nada em comum, mas de boa, ele era um tio maneiro.
 

[...]
 

Quando eu coloquei um chip no celular mandei uma mensagem para Hoseok como prometido. Meu pai tomou meu celular antigo de mim e disse que nunca mais ia devolver, minha mãe até brigou com ele, mas eu só fingi estar puto e me tranquei no meu quarto. Quem precisa daquele ferro velho quando tem essa máquina mortífera?
 

Estava baixando umas músicas naquele cartão de memória lindo de 82gigas, caralho o que eu ia fazer com tanto espaço?
 

Estava tão entretido que nem notei as notificações de mensagem chegando.

 

Hoseok: Boa noite
                            ...
                           Oi
                           Tudo bem? xD
                           ...
                          Kkkk que vaco ;—;
 

Yoongi: Calma... Tudo sim e com você?
 

Sério que esse cara vai querer ficar falando comigo agora? Bem, ele é legal, mas.. É estranho, ele tem quase trinta anos e tals.
 

Hoseok: A câmera do celular é boa?
 

Yoongi: Não sei... Ainda não testei. Por que?
 

Hoseok: Manda uma foto ai.
 

Coloquei na câmera e tirei uma foto da parede do meu quarto cheia de pôsteres das bandas que eu gostava. E enviei pra ele.
 

Yoongi: (Arquivo)
 

Hoseok: Manda uma foto sua* ~corrigindo.
 

Franzi o cenho não entendendo o porque e com preguiça de perguntar também, eu estava deitado na cama, ergui o celular deixando na câmera frontal, olhei para a minha imagem, o cabelo todo bagunçado, eu estava de óculos dessa vez e com uma expressão de tédio tão comum. Tirei a foto assim mesmo e enviei. Eu normalmente não tiro foto de óculos, mal saio de casa com ele, prefiro as lentes, mas não to tentando ficar bonito, então foda-se. Só to mando a foto pro tio lá que quer saber se a câmera tem uma boa qualidade, vai ver ele tá pretendendo comprar um igual.
 

Hoseok: Awwwn como você é fofo :3
 

Yoongi: A câmera é mesmo boa...
 

Respondi achando que ele me elogiou pela qualidade da foto mesmo, também pelo preço que foi esse celular a câmera só podia ser boa.
 

Hoseok: Tem algo que você queira ganhar Yoongi?
 

Ele perguntou e aí sabe, veio aquela enorme lista de coisas que queria e que eu nunca teria, deu até uma pequena deprê.
 

Yoongi: ç.ç Sim, muitas coisas, que só vou ter em uma outra vida!
 

Hoseok: Tipo?
 

Yoongi: Tipo alguns jogos que saiu esse ano, ou um computador novo... Ou várias outras coisas que não vou ter!
 

Hoseok: Eu poderia dar um jeito nisso sabe...
 

Yoongi: Nem adianta aumentar o salário do meu pai, ele não ia gastar nada comigo, se pudesse me jogava no lixão.
 

Hoseok: Kkkk não vou aumentar o salário do seu pai bobinho.
 

Yoongi: Whatever.
 

Não sei o que um cara daqueles tava perdendo tempo conversando comigo, porra ele é um adulto, poderia curtir a vida ir em uma balada sair se divertir, e não ficar trocando mensagens com um adolescente.
 

Hoseok: Eu posso dar o que você quiser.
 

— Que? Qual a demência dele? — Me perguntei. Espera, ele não é casado... Será que ele não pode ter filho e quer um? Mas eu sou meio velho... Vai ver ele viu a pessoa mais nova que conhece e que não ia ficar parecendo um pedófilo pra dar presente e tratar como pai... Tá isso foi viagem demais, porém é o que mais faz sentido.

 

Yoongi: ç.ç Eu não posso ficar aceitando as coisas de você!
 

Hoseok: Mas se eu tenho condições e quero te dar qual o problema?
 

Bom, não era problema nenhum na verdade.
 

Yoongi: É estranho... Não tem motivos pra você fazer isso pra mim.
 

Hoseok: Amanhã eu vou te fazer uma surpresa Ok?
 

Yoongi: '------------' ...
                         Tudo bem...
                         Eu acho
 

Hoseok: Então você mata aula, ok? Me passa o endereço de sua escola pra eu te pegar lá.
 

Yoongi: Um adulto pedindo pra uma criança matar aula kkkkkkkkkkkkkkkkk eu vivi pra ver isso! Ok, ok, vou matar aula pra ver essa sua surpresa. Mas só dessa vez viu?
 

Hoseok: Você não é uma criança '-'
 

Yoongi: Eu sei, mas a vista de você eu ter 16 anos é ser um pirralho.

 

Hoseok: Você tem problemas com idade?
 

O que ele queria dizer com isso?
 

Yoongi: Não. Eu só estou brincando. Porque como você é 12 anos mais velho que eu poderia me tratar como criança, ai fiz piada.
 

Hoseok: Ah sim, por um momento achei que te incomodasse a idade kkkkkkkkkk.
 

Yoongi: Ah sim... Acho que entendi kkkkkkkkkk. Não ligo pra idade não.
 

Foi o que eu mandei, mas porra tô entendendo nada. Esse cara só me deixa confuso, mas tá me dando as coisas, vamos aturar neh.
 

Hoseok: Quem bom então xD
 

Ele usando emogis parecia aqueles professores que queriam parecer descolados pra chamarem mais a atenção dos alunos mas na verdade fica ridículo, espero que ele não mande aquelas imagens de bom dia com anjos tocando trombeta.
 

Hoseok: Porque não me manda outra foto sua uh? :3
 

Yoongi: Não gosto de tirar fotos minhas, mas obrigado por se preocupar a câmera é realmente boa.
 

Hoseok: Eu sei. Mas manda outras fotos, bebê.
 

Que coisa gay! Quem chama os outros de bebê? E já é a segunda vez. Porra cara. Pra que tá feio. Eu não queria mais tirar foto do meu rosto então tirei das minhas pernas, eu estava usando shorts, mas só depois que mandei que me toquei que o short é meio curto. Porra parecia perna de mulher, que ódio, quero ter pelo logo!
 

Hoseok: Uau... isso foi melhor do que eu esperava.
                           Parece as pernas das garotas do Girl Generation!
                           São suas baby? que lindas.
 

Yoongi: ¬¬ Obg por falar que minhas pernas parecem de menina.
 

Hoseok: Isso foi um elogio!
 

Yoongi: Dispenso ele.
 

Hoseok: AHHSHAHHSHA você é tão você.
 

Yoongi: Grosso?
 

Hoseok: Abusado eu diria.
 

Yoongi: ¬¬ Não to abusando de você!
 

Hoseok: bem que eu queria >.>
                           ...
 

Yoongi: Que?
 

Hoseok: Nada não, deixa xD
 

Yoongi: Olha, você não é um adulto, empresário, muito rico, responsável, bonito... Não deveria estar fazendo coisas melhores do que conversando com o filho do seu empregado?
 

Hoseok: Poderia se você estivesse aqui... :v
 

Yoongi: ...
 

Que? Como assim? Eu não sou uma criança, tô na pior fase da minha vida, como eu não ia ver malícia ali? Esse cara não bate bem da cabeça, certo?
 

Foi um engano ou... Ou ele é gay mesmo e tá querendo comer um garotinho doze anos mais jovem que ele, vulgo eu?
 

Yoongi: Eu acho que interpretei errado...
                          Não quero acreditar que estou pensando no que você está pensando...
                          Afinal do que você está falando?
 

 Perguntei logo direto sem cerimônias.
 

Hoseok: '-'  Não estou falando nada demais, pq?
 

Yoongi: AH! É que eu to com sono, não sei nem mais o que estou falando, desculpa! kkkkkkkkk
 

Meu deus que vergonha do caralho, eu to maliciando onde não tem! Senhor, mas a culpa não é minha, custava ele falar normalmente?
 

Hoseok: Kkkkk tudo bem nenê
                           Se está com sono é melhor ir dormir hein?
                          Não quero te ver com sono, amanhã, lembra? ç.ç
 

Yoongi: É, acho que vou dormir mesmo.
 

 Mandei logo para cortar a conversa com ele, não que eu realmente estivesse morrendo de sono mas depois do que eu pensei... deve ser a falta de dormir afetando meu cérebro, ou o sushi fez mal.
 

[...]
 

Estava ali na porta da escola, não sabendo se devia entrar ou não, eu sei que prometi que ia matar aula, mas pra que? Eu não posso ser amigo de alguém tão velho, posso? Não esta ninguém tá me impedindo, mas... OK eu quero ganhar mais coisas dele, e se ele quer só conversar por que não?
 

Quando eu ia repensar e entrar pelo portão ouço a buzina de seu carro e vejo ele me chamando.
 

Puta que pariu ele veio mesmo, e com um carrão daqueles! o cara era doido de andar com um carro assim no bairro da minha escola que era cheio de Zé droguinha. Como ele veio  eu não podia mais voltar atrás, agora era encarar de frente e aceitar seja lá qual for que seja a surpresa dele.
 

Só vi o povo que ainda tava no portão me olhando correr até o carro entrando no mesmo, porra o povo vai achar que tô rico agora. Enfim passei o cinto e fechei a porta olhando para Hoseok que estava sorrindo.
 

— Onde vamos? — Perguntei.
 

—Primeiramente... — Ele tirou uma caixinha do banco de trás e me entregou. — Toma, abre.
 

Olhei desconfiado para aquilo achando que poderia ser uma bomba, nunca se sabe onde vamos encontrar terroristas ainda mais Hoseok que era todo estranho. Desembrulhei a fitinha vermelha da embalagem e a abri revelando um PUTA ROLEX BANHADO A OURO QUE EU VI ONTEM.
 

—Isso é... Isso é...
 

—Sim,  eu vi que você ficou afim de um desses ontem então bem... Porque não te dar um não é mesmo?
 

Puta que pariu, eu nunca na vida imaginei ter um rolex, isso era coisa de música daqueles rappers ricos.
 

— Tá falando sério? — O olhei chocado. Um celular ainda vai, mas um rolex? Aquilo custava quase oito mil reais, era muito caro, eu nem podia aceitar uma porra daquela! Meu Deus!
 

— Estou. — Sorriu de lado.
 

— Você é maluco! — Falei incrédulo, eu sei que deveria devolver, mas eu queria tanto. Porra eu não sei fazer o certo não! Olha que relógio maravilhoso!
 

—Ah mas você ama relógios não é mesmo? E um rolex é lindo, acho que todo mundo devia ter um... Agora bote no seu pulso, veja como ele fica em você. — Ele falou.
 

Coloquei o relógio no meu pulso me sentindo a pessoa mais rica do mundo, aquela coisa já valia mais do que a minha vida, o dourado do ouro resplandecia sobre meus olhos.
 

—Muito obrigado hyung! — Falei. — Não sei onde você quer chegar com tudo isso, mas tem razão o relógio é mesmo lindo.
 

—E fica muito bem em você também. — Respondeu.
 

—Mas ainda não me disse aonde vamos...? — Perguntei confuso.
 

— Eu pensei em irmos até a minha casa, já que ainda é muito cedo para irmos em algum lugar. — Respondeu.
 

— Ok — Dei de ombros. Ele sorriu ligando o carro e bom, ele morava bem longe dali, levou meio século para ele parar seu carro em um estacionamento em um condomínio de gente bacana, só tinha casa show aqui!
 

Parecia aqueles condomínios de dorama onde tinham um jardim na frente e uma decoração grega que lembrava o Olimpo, fomos até sua casa e porra que porta linda, eu meio que amo portar e a porta da casa de Hoseok era muito chique... Logo que chegamos veio uma empregada nos recepcionar.
 

—Senhor Jung... Chegou cedo, vai querer alguma coisa? — A moça perguntou.
 

—Vai querer alguma coisa Yoongi? — Hoseok perguntou pra mim.
 

—Ahn não... — Neguei com a cabeça.
 

—Ok, prepare um suquinho de laranja pra gente e algum bolo para um lanche mais tarde. — Ele falou e a moça se retirou.
 

Sua sala era do tamanho de uma piscina olímpica, se não maior que a minha casa toda.
 

— Sabe Yoongi, eu estava pensando em uma coisa desde ontem. — Comentou.
 

— No que?
 

— Aquela foto era mesmo de suas pernas? — Perguntou desconfiado.
 

— Era sim, óbvio!
 

— Não consigo acreditar, você poderia me mostrar...
 

— É só olhar. — mostrei minhas pernas com as mãos.
 

— Mas está de calça...
 

— E?
 

—É que na foto você estava de short... — Ele falou.
 

—É, mas aqui eu não estou de short eu estou de calça.
 

—Mas assim eu não consigo olhar direito já que o tecido cobre...
 

—Então fica sem ver. — Respondi, que papo estranho.
 

— Mas eu queria confirmar se são suas mesmo — Mordeu o lábio inferior me olhando nos olhos.
 

— Eu não posso tirar a calça, eu estou sem cueca — Respondi. Tá se ele queria ver se eu estivesse de cueca mostrava de boa, mas eu não estava usando nada por baixo da calça.
 

—Porque você está sem cueca? — Ele perguntou desconfiado.
 

—Eu não gosto de usar cueca ué. Não é como se fosse tirar a calça por aí, ninguém nota.
 

—Ain... Mas mesmo assim eu quero ver suas pernas Yoongi...
 

—Então vai ficar querendo. — Respondi, aquele papo já estava estranho. — Eu nem devia ter te mandado aquela foto ontem, foi só pra testar a câmera mesmo.
 

— Tampa com a almofada e me mostra Yoongi,só pra ver — Pediu.
 

— Ai passa algum dos seus empregados e vê?  Não obrigado.  — Neguei.  
 

— Vem comigo.  — Pediu subindo as escadas e eu apenas o segui. Um pouco com medo de me perder naquele casarão.
 

Chegamos no que eu julguei ser seu quarto, aquela cama gigante dele dava de 10 a 0 no meu colchãozinho humilde de solteiro.
 

—Aqui ninguém entra pode mostrar...
 

—Pra que tanto interesse em ver minhas pernas? No que muda a sua vida saber se elas são iguais da foto ou não? — Eu não queria ter que abaixar minha calça e ficar sem nada na frente dele, mesmo que fossemos homens isso me deixava desconfortável.
 

— Eu só estou curioso — Respondeu.
 

— Que droga hyung!  — Se ele não tivesse me dado um rolex o que era loucura! Então mesmo que fosse estranho eu acabei cedendo em fazer aquilo pra ele. Mas não ia mostrar minhas partes íntimas não.  
 

Me sentei na cama puxando o lençol de seda tampando meu colo, abri a calça a tirando puxando para baixo deixando ela ficar presa em minhas canelas mostrando minhas pernas para ele.
 

— Satisfeito?  — perguntei  me sentindo desconfortável. Ele veio até mim tirando meus tênis e meias e terminando de arrancar minha calça.
 

—O que está fazendo? — Perguntei nervoso. — JÁ VIU MINHAS PERNAS NÃO PRECISA TIRAR TUDO. — Acabei chutando sua cara sem querer fazendo ele cair sentado no chão.
 

Porra eu bati no cara que me deu um rolex.
 

—Hey... Desculpa... — Eu pedi, estava com medo dele pedir o rolex e o celular de volta, mas quem ele pensava que era pra tirar minha roupa assim? — Não há necessidade de tirar isso se você já viu minhas pernas. — Bufei indignado. — São iguais as da foto não são? Satisfeito?
 

— Você foi muito agressivo — Reclamou segurando o rosto sentado no chão.
 

— Me desculpa eu fiquei nervoso. — Expliquei.
 

Segurei o lençol preso em minha cintura andando até ele esticando meu braço para ele pegar na minha mão e o ajudar a se levantar.
 

—Porque ficou nervoso baby? — Ele perguntou se levantando.
 

—Ué, você disse que queria ver minhas pernas e eu mostrei, ai você vem tirando minha calça toda e as meias? Qual a necessidade? — Perguntei confuso, afinal eu não ia ficar pelado ali pra sempre eu logo ia subir elas.
 

— Para poder ver suas pernas melhor, bebê.  —  Explicou pegando minha calça deixando em cima da cômoda em vez de me devolver.
 

— Da a minha calça — Pedi.
 

— Fica assim vai, por mim, eu sou um bom hyung para você não sou? Eu mereço você fazer minhas vontades não mereço?  — Perguntou.
 

Bom... Ele me deu um celular e um rolex. Não custava fazer essa vontade estranha dele.
 

— Merece hyung. Eu fico assim  por você. — Respondi me sentando na cama.
 

—Ownt que bonzinho meu baby... Então, vamos ver um computador novo pra você hein? — Ele falou pegando um notebook e se sentou do meu lado da cama ligando em um site de eletrodomésticos. — Que marca você prefere hein?
 

—Ahn? — Eu realmente não manjava muito de marcas. — Não precisa hyung, o rolex e o celular estão de bom tamanho já. — Respondi.
 

—Mas eu quero te dar baby, hein o que você acha de um da apple? e jogos? você gosta de xbox ou prefere um playstation 4?
 

— Hyung eu realmente não posso aceitar. Não teria nem como esconder tanta coisa cara e nova em minha casa... — Falei. Era a única razão pra eu não querer mesmo. Minha mãe não ia entender o porquê de um homem mais velho estar me dando tantas coisas. Claro que eu não podia falar nada.
 

— Mas eu quero te dar as coisa baby, tem certeza que não consegue esconder? — perguntou.
 

— Um computador e vídeo game fica difícil hyung.
 

—Que pena... — Senti sua mão abaixar até minha coxa e começou a alisá-la, mas julguei ser involuntário ele não iria fazer isso de propósito não é mesmo? — Então o que você acha mais que eu poderia te dar hein?
 

—Não sei hyung... — Chacoalhei minha perna pra ver se ele se tocava e tirasse a mão dali.
 

—E se eu falasse com seu progenitor? Assim você não precisar esconder...
 

— Não faz isso, ele é  um babaca se souber que tenho celular vai tomar de mim. — Reclamei.
 

— Acho que deveria despedir ele desse jeito...
 

— Deveria mesmo. Assim minha mãe dava um pé na bunda dele e voltava a ser como antes.  — Naquilo eu concordava.  
 

— Se você quer ele despedido, ele será despedido bebê. — Falou alisando minha coxa novamente dando um tapinha em seguida.
 

Porra tô estranhando ele. Eu tô maliciando ou ele que tá?
 

—Hm, obrigado então. — Eu respondi. Não queria passar mais vergonha do que já passei ontem.
 

—Já vou ligar pro meu RH para mandarem pedir a conta dele. — Hoseok falou pegando o celular discando um número e depois começou a falar com alguém. — Sim quero que demita Min Woozi... Que se dane se ele é um bom funcionário eu sou o chefe daí. Minha palavra é lei. Depois faça uma entrevista com outros candidatos para vaga de emprego... Obrigado.
 

A mãozinha dele continuava ali então eu meio que tentei empurrá-la tirá-lá pra ver se ele se tocava mas ele não tava nem ai. Assim que eu vi ele desligar o telefone eu falei:
 

—Será que o senhor poderia tirar a mão da minha coxa por favor? Acho que não percebeu que ela estava aqui...
 

— Eu percebi sim, bebê, mas a sua pele é macia. — Se justificou. Como se isso fosse uma justificativa plausível em algum lugar!
 

— Senhor Jung? — Escutamos uma batida na porta, era aquela empregada eu acho, ao menos parece pela voz. Hoseok se levantou e foi até a porta a abrindo pegando uma bandeja com comida antes de agradecer a mulher e fechar a porta vindo em direção colocando a bandeja sobre o colchão.
 

Tinha suco de laranja e vários tipos de pedaços de bolos gostosos. Será que o Hoseok não quer me adotar como filho não? Eu amo minha mãe, mas fujo pra cá facilmente!
 

—Olha, não sabia qual seu bolo favorito então pedi pra fazer vários diferentes! O que você prefere? — Ele disse apontando pra um de chocolate outro de cenoura, baunilha, uns recheados que pareciam uma festa gourmet.
 

Acabei por escolher um de chocolate que transbordava recheio e estava com uma cara muito boa. Oh god eu só como bolo desse tipo nas festas de aniversário dos meus vizinhos catarrentos.
 

— Está bom? — Ele perguntou.
 

—Maravilhoso! — Eu respondi com a boca. Meio aberta, oh droga agora ele vai achar que eu sou sem educação.
 

Ele riu e passou o polegar pelo meu lábio inferior e canto da boca que estava obviamente sujo de cobertura, até aí tudo bem, ele estava só limpando, mas então ele levou o dedo à boca lambendo o doce e me olhando nos olhos.
 

Agora me digam, como não maliciar isso?
 

—Gostou do bolo? — Eu perguntei arqueando a sobrancelha. Vai que ele queria experimentar antes de pegar um pedaço, só poderia ser isso.
 

— Muito bom... — Ele olhou no fundo dos meus olhos.
 

—Err...  Que bom então tem outro pedaço aí. — Apontei para bandeja.
 

— Você está ficando vermelho. — Comentou rindo e eu virei o rosto para o lado. Eu fico vermelho por qualquer coisa e como aquela situação estava embaraçante, fiquei corado mesmo. Odeio isso, odeio ser tão branco. Ah que saco!
 

— E daí? — Perguntei emburrado. Odeio ficar emburrado, odeio ficar vermelho. Oh shit to começando a me odiar e olha que sou narcisista.
 

—Você fica ainda mais fofo vermelho. — Ele falou.
 

— Eu não sou fofo. — Semicerrei os olhos ficando emburrado.
 

—Com essa carinha emburrada e esse biquinho nos lábios fica ainda mais fofo baby.
 

— Para de dizer isso! — Mandei pegando outro pedaço de bolo o mordendo, senti a mão de Hoseok deslizar um pouco para a parte interna da minha coxa apertando a gordurinha e isso me causou vários arrepios pelo meu corpo.
 

Foi tão confuso, eu nunca senti aquilo, foi gostoso de certa forma, mesmo sendo estranho, eu já havia me excitado, mas tipo, não foi excitação comum, foi uns arrepios, ou melhor, meu corpo estremeceu. Resolvi deixar ele fazer aquilo só mais um pouquinho, era bom sentir ele apertar a minha coxa naquela área, eu queria sentir só mais um pouco aquela sensação.
 

—Está gostoso? — Ele perguntou e eu corei.
 

Droga não dava pra não levar isso com segundas intenções. Espero que ele ainda esteja se referindo ao bolo.
 

—É-é-é t-ta gostoso. — Droga tive que falar gaguejando, agora ele vai achar que eu sou um retardado.
 

—Que bom então. — Ele sorriu pra mim e apertou ainda mais forte na parte interna da minha coxa fazendo com que um som estranho saísse da minha boca me matando de vergonha, mas eu consegui disfarçar socando todo o bolo pra dentro da minha boca boca parecendo realmente um morto de fome.
 

— Você se sujou todo baby. — Comentou passado o dedo pelo canto da minha boca mais uma vez. — Posso limpar?  — Pediu dessa vez e  eu assenti com a cabeça.
 

Hoseok então se aproximou do nada, e eu fiquei estático quando senti sua língua andar pelo canto da minha boca pegando em meus lábios
 

Afastei minha cabeça pra trás acabando por bater na cabeceira da cama. Ok agora eu to com medo, não era normal uma pessoa lamber a boca da outra assim. Olhei pra Hoseok me mantendo na defensiva, ok o que eu tinha pra me defender? Bolo. Eu podia tacar bolo na sua cara. Fiquei olhando pra ele meio vacilante esperando que ele entendesse o que eu estava querendo dizer, e esperando que ele me respondesse O QUE SIGNIFICAVA ISSO?
 

Só que sabe o que ele fez?
 

Se aproximou mais me dando um selinho. Mano eu paralisei.  Eu queria tocar bolo nele e sair correndo, mas meu corpo não correspondia a minha linha de raciocínio. Eu nunca beijei na vida e logo meu primeiro beijo é com um cara de vinte e oito anos. Eu tô quase surtando.
 

Então ele está me dando coisas realmente com intenção maliciosa? Meu deus como eu não percebi isso antes? Ele quer abusar do meu corpo.
 

Mas... eu não quero devolver o celular e nem o rolex. Na verdade eu queria ganhar mais coisas dele. Que droga!
 

—P-porque fez isso? — Eu perguntei. Devia estar mais vermelho que antes  porque porra, EU PERDI O BV.
 

Ainda queria ouvir uma explicação óbvia de sua boca, agora ele não tinha mais como fugir agora eu entendi,  eu já saquei tudo, agora todas as peças se encaixaram.
 

— Porque ver sua boquinha suja assim é  uma tentação! — Explicou lambendo meus lábios me deixando ainda mais envergonhado.
 

Meu deus esse hyung é  um tarado!
 

—V-você não tem vergonha de falar uma coisa dessas pra mim não? — O rosto dele brilhava, deveria ser o tanto de olho de peroba que passou pra ter essa cara de pau.
 

—Por que eu teria? Hein baby?
 

—Você é um adulto...
 

— Mas você falou que idade não importava. — Ele respondeu.
 

—Mas eu achei que você tava querendo só ser meu amigo, sei lá queria bancar um tio rico, padrinho, hyung... Sei lá... E-eu não achava que as suas intenções comigo eram logo...  Aish você nunca deixou claro e ainda me fez passar de BURRO quando eu suspeitei de algo.
 

— Você não é  burro, só é  ingênuo ainda. — Me deu mais um selinho. E por que diabos eu ainda não bati nele? Por que eu não fugia dali? Aff que saco eu não sei o que to fazendo mais. — Prometo ir com calma com você bebê. — Falou sugando meu lábio inferior criando um pequeno estalo ao soltar. Meu deus minha boca ficou formigando.
 

—E-então você me deu essas coisas... sempre querendo algo mais?
 

Porra Yoongi como você é burro, como você é ingênuo. Quem gastaria tanto dinheiro com você? Ele deve achar que eu sou um prostituto.
 

Me levantei segurando o lençol da cama pra cobrir minhas partes e corri até minha calça pra vesti-la, porra eu tava praticamente pelado no quarto com um cara mais velho que quer me comer, eu fui tão ingênuo ele deve pensar que eu estava aceitando aquilo de boa.
 

— Não vai embora, Yoongi, eu não estou lhe dando as coisas em troca de nada, eu só quero te fazer ficar ficar animado e feliz, não gostou? — Perguntou. Sim eu havia gostado de ganhar aquelas coisas, mas eu não foderia por isso. No máximo... No máximo deixaria ele me beijar e tocar como fez hoje, mostrar um pouco meu corpo... Deus eu sou deplorável, mas... Eu gostei tanto do celular e do rolex e queria tanto ganhar mais coisas.
 

Se eu fosse embora iria me arrepender e se eu ficasse iria também?
 

—Se não está fazendo em troca de nada então por que tirou minha calça e depois me beijou? — Perguntei, aish ele era tão cínico.
 

— Ah mas você gostou não foi? Eu ouvi seu gemidinho baby. — Que babaca.
 

—É claro que eu ia... gemer... Ninguém nunca me tocou daquela forma, foi um comando automático do meu corpo, agora diga logo suas intenções reais comigo, nem tente me enganar.
 

— Mimar meu bebê, não posso? — Perguntou segurando em minha cintura e me abraçando lentamente pelas costas como se não quisesse me assustar.
 

Eu teria coragem de fingir ser trouxa e cair naquele papo só pra ganhar mais alguns presentes?
 

Sim eu iria. Porque eu sou um puta interesseiro mesmo. Todo mundo tem defeitos.
 

— Jura que só quer me mimar? — Fingi acreditar.
 

—Sim... Só mimar meu baby! Vou dar tudo que você quiser...
 

—Sem nada em troca? — Perguntei.
 

—Apenas ver você feliz... — E beijou meu pescoço.

AAAAAAAAAAA DESGRAÇADO, FALA LOGO QUE QUER MEU CORPO NÚ NA SUA CAMA. Forcei uma tosse falsa e me afastei.
 

— Ok... se for assim tudo bem — Aceitei me sentando na cama vestindo a calça finalmente. Ele ficou me olhando com um sorrisinho e senhor,  é  muito errado achar essa situação excitante? Não que eu quero algo com ele, mas saber que ele me deseja e poder brincar com ele pra ganhar as coisas me deixa estranho.
 

—Sabia que ia escolher a resposta certa baby. Acho que merece uma recompensa por isso, então o que quer ganhar? — Ele perguntou.
 

Puta que pariu isso é igual um gênio da lâmpada onde eu posso pedir tudo que quiser, o ruim é que eu não podia coisas muito grande pois meus pais iam desconfiar.
 

— Eu não sei... Meus pais vão acabar percebendo...
 

— E se você fingir que está trabalhando depois da escola e passar o dia comigo? — Perguntou sentando ao meu lado, passando o braço pelos meus ombros mordendo minha orelha me deixando todo arrepiado.
 

—Um trabalho de meio período não pagaria tudo que eu quero... Só esse relógio já custou mais que o salário da minha mãe em um ano. — Mas até que era uma boa ideia, tirando o fato de que eu gostava de dormir a tarde e que provavelmente teria que vir na casa do Jung.
 

—Ah baby, com um trabalho eles não vão desconfiar...
 

—Tudo bem... — Eu concordei, só porque eu era alguém que sabia aproveitar as oportunidades da vida, se algo desse errado a culpa ia toda pro Hoseok afinal ele é o mais velho aqui e eu ainda nem sou o maior de idade, como diz aquele ditado: gente rica é doida.


Notas Finais


Até o próximo >.>


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...