História My Daddy Masochist (Imagine Taehyung) - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jungkook, Personagens Originais, V
Tags Abuso, Daddy, Escrava Sexual, Imagine Taehyung, J-hope, Jungkook, Masoquismo, Mestre, Personagens Originais, Sadomasoquismo, Taehyung, Você
Visualizações 306
Palavras 1.361
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Aqui está mais um capítulo fresquinho pra vcs.
Espero que gostem...

Capítulo 17 - Dark Past


Fanfic / Fanfiction My Daddy Masochist (Imagine Taehyung) - Capítulo 17 - Dark Past

My Daddy Masochist

Capítulo 15-Dark Past


(S/N) On

Meu corpo todo doía e ardia, principalmente minhas costas. Não conseguia e nem queria abrir meus olhos; os raios de sol batendo em meus ferimentos, fazendo-os arder ainda mais. Rangi os dentes, soltando um baixo gemido de dor enquanto abria lentamente meus olhos.

Senti todos os meus ossos doerem ao me sentar em cima dos lençóis úmidos pelo meu suor e... Sangue.

Lágrimas já saíam em abundância dos meus olhos sem minha permissão, nenhum soluço saía de minha garganta, mas eu me engasgava em meu as lágrimas. Retirei o fino lençol de cima de meu corpo e olhei para o mesmo; as minhas roupas estavam manchadas de sangue, principalmente a blusa de Taeshin.

Levantei-me de minha cama lentamente, quase dando de cara com o chão. Arrastei-me até o banheiro apoiando-me em qualquer coisa que eu via em minha frente, entrei dentro do box ainda vestida e liguei o registro na água fria.

As feridas passaram a arder e sangrar mais um pouco, retirei as vestes que agorandavam encharcadas e as joguei no chão de azulejos brancos, vendo o sangue escorrer pelo ralo junto da água.

Peguei o sabonete e passei a esfrega-lo nas roupas, tentando tirar o máximo possível do sangue que estava nelas. Assim que consegui tirar boa parte do mesmo, deixei as roupas em um canto e me sentei no chão frio, sentindo a água me molhar por inteira.

Abracei meus joelhos e enterrei minha cabeça no meio destes; a lágrimas já não escorriam mais sobre minhas bochechas vermelhas, pois não havia mais lágrimas para derramar. Fiquei debaixo do chuveiro durante um bom tempo, não percebendo que os minutos se passavam.

Fechei o registro e sai do box, enrolando a toalha felpuda de cor roxa em meu corpo, voltei para o meu quarto a passos lentos e trôpegos, indo em direção ao guarda!-roupa. Peguei e vesti apenas um conjunto se lingerie branca florida e um moletom cinza do Mickey que ia até metade das minhas coxas.

Deixei a toalha em qualquer canto do meu quarto e andei até minha cama com a intenção de trocar os lençóis da mesma. Retirei os lençóis brancos manchados e coloquei lençóis roxo-claros, arrumando minha cama em alguns minutos.

Joguei-me em cima da mesma, abraçando um de meus travesseiros brancos e me encolhendo debaixo do edredom azul-escuro cheio de estrelas amarelas. Fechei meus olhos, pois seria-me cansada e exausta mesmo tendo "dormido" o restante da tarde inteira.

[...]

Eu andava lentamente pela casa que no momento estava silenciosa. Minha mãe havia colado um bilhete na porta de meu quarto, informando-me que ela e Taehyung iriam passar a noite fora.

Eu parecia uma morta-viva, um zumbi a procura de mais um vítima para cravar os dentes e me alimentar de sua carne... Minha pele estava pálida igual papel, olheiras roxas e profundas se encontravam ao redor de meus olhos e minhas coxas estavam repletas de band aid.

Parei ao me encontrar em frente a porta do quarto de minha mãe. Não sei o que eu estava fazendo ali, mas eu preferiria colocar na minha cabeça que eu estava atrás de alguma resposta para tudo aquilo... Uma resposta para todo aquele sofrimento.

Girei a maçaneta lentamente, abrindo a porta e ouvindo o barulho irritante que a mesma produziu. Entrei dentro do enorme quarto, passando a correr até o guarda-roupa e revirando tudo, tentando achar alguma coisa que pertencia a Taehyung.

Cheguei até a vasculhar a gaveta se roupas intimas do ruivo. Enquanto e revirava suas cuecas boxers em busca de alguma coisa, um médio caderno de capa vermelha e aveludada caiu no chão, provocando um baque surdo.

Olhei para o mesmo e me agachei, pegando-o em minhas mãos. Sentei no carpete do quarto, encostando minhas costas machucadas na madeira fria e incomoda do guarda-roupa, soltando u baixinho gemido de dor. Abri o caderno e passei a ler o que tinha escrito nele.


Querido Diário,

Appa acabou me batendo quando o peguei em seu quarto, se tocando e proferindo alguns som e palavras estranhas e desconhecidas por mim, mas tenho quase certeza que eram palavrões.

Ele me arrastou até o quarto depois que eu o vi e me bate tão forte que tudo ficou escuro durante um tempo. Isso continuou durante algum tempo até que ele visse meu sangue manchando suas mãos... Eu nem sabia se o sangue era meu ou dele.

Appa me ameaçou, falando que se eu contasse algo para a Omma ou para os Hyungs, eles iriam sentir muita dor. Estou morrendo de medo dele.


Senti meu coração falhar uma batida. Taehyung havia sido espancado e ameaçado pelo próprio pai após ter o flagrado se masturbando? Bom, isso explicava algumas coisas...


Querido Diário,

Appa está agindo estranho após passarem-se quase quatro semanas desde que aquilo aconteceu. Ele passou a ficar um pouquinho carinhoso comigo de repente; passou a me dar carinho físico, mas as vezes os seus carinhos são meio estranhos...

Ele começa a Fazer carinho em meu cabelo, depois em minhas bochechas e depois em minhas costas; até ai é normal, já que ele sempre fazia carinho em meu cabel antes de tudo acontecer... Mas depois suas mãos vão para partes do meu corpo que ninguém havia tocado antes.

Ainda estou levando a sério as ameaças de Appa...


Passo algumas páginas adiante.


Querido Diário,

Omma está doente e meus irmãos estão dizendo que nunca há dinheiro suficiente para conserta-la. Jungkook-Hyung chora baixinho quase todas as noites em nosso banheiro, com medo de que eu ou Hoseok-Hyung o veja chorando.

Hoseok-Hyung tenta nos reconfortar a todo custo; fazendo palhaçadas ou cócegas em nós apenas para nos ver sorrir.

Appa não parece muito preocupado com a Omma; ele passa muito tempo fora de casa e as vezes chega de madrugada em casa. Um dia, e ouvi Hoseok dizendo a Jungkook que ele está gastando nosso dinheiro com bebidas e mulheres, e por isso não há dinheiro suficiente para curar a Omma.

Após está violento; até parece o homem que me agrediu aquele dia... Tenho medo dele quando está assim.

~//~//~//~

Querido Diário,

Appa me machucou muito ontem a noite...

Não consigo falar, nem pensar e nem escrever em você o que ele fez comigo, mas posso lhe garantir que a dor foi horrível.

Primeiro começou com as carícias, e depois veio a dor. Eu tentava gritar por ajuda, chorava e tentava o chutar, tentava tira-lo de cima de mim... Mas de nada adiantava.

E mais uma vez as suas ameaças foram proferidas a mim...


Fechei o caderno antes mesmo de terminar de ler o que Taehyung havia escrito naquela parte de seu diário. Tudo fazia sentido agora... Ele era um monstro, porque um monstro também o transformou assim.

Guardei seu diário no lugar que eu o achei, saindo rapidamente do quarto de minha mãe e descenso as escadas até a cozinha, correndo até a geladeira. Precisava urgentemente de um copo de água extremamente gelada.

Tome a água e peguei um pote de nuttela que estava escondido -literalmente- e voltei a pressas para o meu quarto, trancando-me no mesmo.

Não sabia mais o que eu sentia por Kim Taehyung era ódio... Ou pena.

(S/N) Off

Taehyung On

Uma.

Duas.

Três estradas foram o bastante para eu me derramar dentro de (S/M). Cai ao seu lado na cama daquele hotel barato, exasto e com a respiração ofegante; meu coração estava a mil depois da morena ter me feito gozar duas vezes naquela mesma noite.

-Isso foi...-ela tentava dizer.

-Incrível...-a cortei, completando a frase que ela queria pronunciar.

A mulher de cabelos negros se aconchegou em meu peito, deitando sua cabeça no mesmo e passando a acariciar meu abdômen com suas longas unhas, causando-me arrepios.

-TaeTae...-ela me chama de um jeito extremamente manhoso.-Eu estava pensando em algumas coisas...

-Fale.-incentivo-a a continuar, passando a acariciar seu cabelo.

-Acha que daria certo... Se morassemos juntos?

Respirei fundo.

-Talvez...

Pensei naquelas palavras por um instante. Se eu passase a morar com (S/M), poderia ficar mais perto dela e de (S/N).

-Se que você precisa pensar um pouco sobre isso.-ela fala novamente.-Não irei lhe apressar. Pode pensar um quanto você quiser.

Sorrio para ela e dou um leve beijo no topo de sua cabeça.

-Tudo bem, querida.-digo.-Vou pensar sobre isso.

-E...-ela pareceu hesitar por um momento.-Você nunca me contou muito sobre o seu passado, ou sua família... Queria poder te conhecer mais um pouco.

Olho para ela.

-Eu lhe direi com o tempo.-minto para ela.-Agora...-levanto-me de cima dos lençol vermelho, ficando por cima dela.-Que tal uma terceira rodada?







Notas Finais


O que acharam??? Até o próximo capítulo...
Beijos♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...