História My Daddy My Brother- JungKook 2º temp. - Capítulo 15


Escrita por: ~ e ~Sarakookie97

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), G-Dragon
Personagens G-Dragon, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts
Visualizações 803
Palavras 1.833
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Festa, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Saga, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi leitoras lindas. ❤
Meus amores, perdoem a gente pela demora, okay? Nós duas estávamos sem ideia pra escrever, mas finalmente saiu algo. Estamos muito animadas por isso.
Enfim, espero que gostem.
Boa leitura.
Beijinhos da Toddy.
(≧∇≦)/

Capítulo 15 - I Like.


Fanfic / Fanfiction My Daddy My Brother- JungKook 2º temp. - Capítulo 15 - I Like.

~ S/N on ~

Senti o estômago revirar e me segurei para não vomitar e nem desmaiar diante do que estava vendo, era Jiyong cortado em pedacinhos dentro da mala. Vi o recado em seu braço e suspirei fundo, sentindo meus olhos lacrimejarem.

- Quando isso vai parar? Eu não aguento mais! – Me joguei no sofá e abracei a almofada, chorando assustada. Sinto Jin me abraçar e suspiro fundo.

- Temos que enterrar ele também. – Ouvi Jungkook falar e o olhei, ele parecia estar em choque com o que via. Eu temia por ele.

Yoongi fechou a mala e a colocou de pé, arrastando para perto da porta. Sem falar nenhuma palavra, ele pega as chaves do carro e dá sinal para nós, fazendo cada um levantar e se arrumar para sair. Minhas pernas ainda tremiam, era quase impossível ficar de pé. Ao perceber, Jungkook veio até mim e me abraçou, me levantando.

- Não quer ir pro hotel e descansar? – Balancei freneticamente a cabeça em negação a suas palavras e o olhei, enxugando meu rosto.

- Não quero ficar sozinha e nem sair de perto de você. Vamos. – Segurei em sua mão e em passos lentos, comecei a andar até a porta. Jin arrastava a mala até o carro e Yoongi carregava um ódio inexplicável, só em sua face já era perceptível.

A mala foi colocada no porta malas do carro e todos entraram, fazendo Yoongi dar partida. Me abracei a Jungkook e suspirei, o pensamento dos dois corpos vieram em minha mente, eu tremia só em pensar quem seria a próxima pessoa a ser cortada e colocada em uma mala ou um baú.

- Está tudo bem? – Ouvi a pergunta de Jungkook e assenti, suspirando fundo.

- Onde vamos colocar isso? – Perguntei com a voz fraca e olhei para todos, suspirando.

- Eu sei bem onde colocar. – Essas foram as únicas palavras que Yoongi falou desde que o corpo chegou em sua casa.

Paramos em um terreno vazio, um matagal, e no fim dele havia uma casa, parecia estar abandonada. Aquele lugar me assustava. Permaneci dentro do carro e os meninos saíram, pegando a mala e a jogando longe. Entraram no carro de novo e nós rapidamente saímos.

- Podem nos deixar no hospital? Jungkook tem que tirar os pontos hoje. – Falei e Yoongi assentiu, dirigindo até o hospital.

~ × ~

- Prontinho, senhor Jungkook. Lembre de limpar isso sempre, pode infeccionar. Está liberado.

- Obrigada, doutor. – Jungkook agradece e eu seguro sua mão, me despedindo do médico. Arrumo sua camisa e nós saímos do hospital, Yoongi e os outros ainda nos esperavam.

- Vamos pra minha casa, já está escurecendo novamente e nós precisamos decidir o que fazer. – Disse Yoongi quando entramos no carro, dando partida para sua casa.


~ Max On ~

Após saber de tudo que estava acontecendo, sai de casa sem que Jimin visse e fui até a casa de Jin, atrás de notícias. Bati na porta várias vezes, mas pareciam não ouvir. Quando peguei o telefone para ligar pro Jin, a porta foi aberta por Taehyung.

- Os meninos estão aqui? – Disse depois de praticamente empurrar Tae da porta e entrar na sala um tanto que desesperada.

- Não, estão na casa do Yoongi. – Falou Taehyung e fechou a porta.

- Ahh, então eu vou... – Estava andando em direção a porta novamente, quando meu corpo foi puxado por Tae. – Pra onde está me levando seu maluco?

- Caladinha! – Me assustei e fui jogada no chão do quarto, vendo ele fechar a porta. Se virou e veio até mim, estava somente com uma calça moletom e sem camisa, pude ver uma ereção se formar pela calça fina, mesmo sabendo que não deveria, aquilo me atraiu.

- Você está me assustando. Me deixa ir, o Jimin está esperando. – Me levantei do chão e tentei andar em direção a porta, mas ele segurou forte meu pulso e colou meu corpo ao seu com violência.

- Você não vai a lugar algum. – Seu rosto foi até meu pescoço e fortes chupões e mordidas foram depositados ali. Eu gemia pela dor, sabendo que com certeza aquilo deixaria marcas em mim.

- P...para... – Eu só conseguia pensar em Jimin, em como ficaríamos depois daquilo, eu aprendi a amá-lo. Usei minhas unhas e arranhei os braços dele, esperando que ele parasse.

- Vai pagar por isso, sua vadia! – Fui jogada com toda força na cama e tive minhas roupas praticamente rasgadas, considerando a força na qual ele as removeu de meu corpo. Tae mordeu o lábio ao ter a vista do meu corpo nú e eu tremi, a expressão maliciosa dele me assustava. Sua calça foi tirada, e para minha surpresa, ele não estava de cueca. – Quero ver o que sua boquinha pode fazer. – Meu rosto foi puxado e seu membro colocado em minha boca em questão de segundos.

Fiquei em choque com o que estava acontecendo, Taehyung estocava minha boca com força, enquanto segurava minha cabeça com uma das mãos. Seus gemidos eram roucos e graves, chegava a me causar arrepios, queria dar mais daquilo a ele, apesar da circunstância. Senti seu membro tocar minha garganta e me engasguei, sentindo-me sufocada. Mordi de leve a glande do seu membro, o fazendo reclamar e parar.

- Por que fez isso? – Antes que eu pudesse olhá-lo depois da crise de tosse que deu em mim, um tapa forte e estralado foi depositado em minha face, senti uma lágrima descer pela pele ferida e marcada. – De quatro! AGORA!

Engoli seco, e ainda tremendo me coloquei na posição que ele havia mandado, sentindo um tapa forte ser depositado em minha bunda. O pior não era a dor, e sim o fato de eu ter gostado daquilo. Seu hálito quente tocou minha bunda e ele deu uma mordida forte na mesma, me fazendo gritar.

- Shhhhh! Não te deixei gemer ainda! – Após ouvir suas palavras, senti sua boca em minha intimidade, sugando fortemente meu clitóris. Eu tinha vontade de gritar novamente, mas apenas apertei o lençol da cama e mordi meu lábio, enquanto ele me estimulava.

Por mais que fosse completamente errado, graças ao meu jeito maluco, eu sentia prazer com aquilo. Soltei gemidos baixos ainda mordendo meu lábio, eu me sentia suja por ser usada daquela forma, mas sentia mais ainda por Jimin, que devia estar me procurando enquanto eu estou aqui. Queria lutar contra isso, mas o prazer que eu sentia era mais forte que eu. Sinto meu ápice chegar e prendo a respiração, estava tentando conter meus gemidos de todas as maneiras possíveis, eu não poderia gostar daquilo.

Poucos segundos depois, senti o orgasmo me atingir com tudo, e eu não pude mais conter o gemido alto quando isso aconteceu. Meu corpo já estava cansado pela intensidade no qual meu ápice veio, e eu acabei caindo deitada na cama. Fui bruscamente virada e seu corpo ficou sobre o meu, enquanto sua mão foi até minha intimidade.

- Molhadinha... É assim que eu gosto. – Minhas pernas foram abertas por ele e seu membro posicionado, me penetrado fortemente.

Minhas mãos foram presas pelas suas e suas estocadas se iniciaram, fortes e fundas, podia até sentir um pouco de dor pelo tamanho de seu membro. Eu gemia baixinho mordendo meu lábio, e mais mordidas e chupões eram espalhados, mas dessa vez em meus seios. Eu não conseguia falar nada, não queria ser de acordo com aquilo, mas também tinha que assumir: ele estava me enlouquecendo.

- T...Taehyung... Para... – As palavras saíram mais em uma forma de gemido, eu me odiava por aquilo.

- Eu sei que está gostando, Max! – Ele colocou mais intensidade em suas estocadas, tocando meu ponto sensível, fazendo com que eu gozasse novamente. – De quarto.

- De novo?

- Agora!

Usei o restante de força que ainda tinha e me coloquei na posição, respirando fundo. Senti seu membro ser posicionado na minha entrada anal e meu corpo gelou, eu ainda não havia tentado ali, e muito menos queria que fosse com ele.

- Não! Isso não! – Após ouvir minhas palavras, ele penetrou seu membro de uma vez só, fazendo com que eu abrisse a boca pela dor, apesar de não conseguir emitir som nenhum.

- Tão... Apertada... – Disse o maior, já me estocando rápido.

Movi meu corpo para tentar sair, mas foi em vão. Sua mão abaixou minha nuca e colou meu rosto ao travesseiro da cama, enquanto com a outra mão ele batia em minha bunda. As lágrimas definiam a dor que eu sentia, não só ali, mas no meu corpo inteiro. Mesmo sendo durona por fora, ainda sou sensível quando se trata disso. Eu implorava para que ele parasse, mas o maior parecia não ouvir minhas palavras. Talvez porque elas não tivessem saindo como eu pensava.

Depois de mais algum tempo de tortura, senti minha entrada ser preenchida pelo seu liquido, e ele gemer algo, enquanto eu estava apenas aliviada por aquilo ter acabado logo. Após ter meu corpo solto, ele caiu na cama, eu estava praticamente desmaiada. Taehyung deu mais algumas mordidas em minha barriga, a marcando antes de sair da cama. Um pano foi arremessado e eu o olhei, quase com os olhos fechados.

- Eu não quero ver você aqui quando sair do banho. – Depois de falar, Taehyung entrou no banheiro.

Soltei um suspiro fraco e me sentei na cama, sentindo tudo doer. Ainda me perguntava de onde estava conseguindo forças pra fazer isso. Peguei minhas roupas e a vesti com dificuldade, agradecendo por não ter vestido calça antes de sair de casa. Sai do quarto me sentindo tonta e fui até a porta, saindo também da casa. Entrei no elevador e cliquei para o andar acima do que eu estava, onde era minha casa. O elevador se abriu e eu entrei em casa, tropeçando em meu próprio pé quando entrei.

- Max? MAX! MEU AMOR! – Ouvi os gritos eufóricos de Jimin e seus braços em meu corpo, me tirando do chão e colocando no sofá. Gemi de dor. – O que aconteceu? Ond estava?

Temia em contar o que havia acontecido, tinha medo do que poderia acontecer e no caos que tudo iria virar se soubessem o real culpado disso, e principalmente saberem que eu gostei, apesar de estar fraca.


~ Jimin On ~

O ódio surgiu mais forte do que nunca dentro de mim quando a vi daquele jeito, só queria saber o responsável por aquilo. Peguei ela no colo, ouvindo seus gemidos de dor e a levei para o banheiro, ligando água quente na banheira. Tirei suas roupas, vendo as marcas em seu corpo. Passei a mão em meus cabelos e soquei a pia, quase a quebrando.

- Por favor, calma Jimin... – Ouvi a voz fraca de Max, mas apenas me enraivei mais.

- Eu quero saber quem fez isso com você! – A olhei e a peguei em meus braços, colocando dentro da banheira.

- Eu não posso contar. – Suspirei fundo e te olhei sério.

- Independente de quem seja, ela já é uma pessoa morta!


Notas Finais


Até a próxima. Bye bye. ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...