História My Darlin - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias 50 Tons de Cinza, Justin Bieber
Tags Ariana Grande, Justin Bieber, My Darlin, Professor
Exibições 100
Palavras 3.185
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Crossover, Esporte, Festa, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 14 - Chapitre Treize



Paralisada. Era como eu estava. Tudo aconteceu tão rápido que eu não sei como explicar. Minha carta de admissão ou rejeição chegaria a qualquer momento. O baile seria no dia seguinte e eu acabava de receber o convite pro casamento de Bieber. 
Se ele me mandou? Não, ele não teria coragem. Mas tenho certeza que Savannah acha que somos intímas o suficiente para que fosse no casamento dela. Como se isso não bastasse, ela colocou um bilhete extra no meu convite, me chamando para tocar piano durante a dança dos noivos. 
Respirei fundo enquanto tentava me acalmar. Em vão, é claro. Eu estava em casa, sentada no meu sofá, a ponto de ter um colapso por conta do nervosismo. Soena buscou um copo de água com açúcar pra mim, na tentativa de fazer com que eu me acalmasse. Não deu certo. 
Eu estava a mais de 15 minutos olhando o convite, sem esboçar nenhuma reação. Justin Drew Bieber e Savannah Mari Harris. O convite era tão lindo que chegava dar raiva. Senti as lágrimas vindo. Não podia evitá-las mais. Então deixei elas virem, chorando no colo da minha amiga. Não sabia se Justin estava ciente sobre esse convide direcionado à mim, mas também não me importava. Quatro dias sem falar com ele, estava sendo difícil. Ver todos os dias e não poder nem ao menos olhar diretamente. Eu fazia de tudo para evitá-lo, até matei algumas aulas. Mas não era suficiente para me fazer esquecer, nada seria. Pra piorar, o baile seria amanhã, o que significava que eu teria que me aproximar dele, já que ele era meu par na dança. 
- Ariel, você precisa se acalmar. Daqui a pouco sua mãe vai chegar e ela vai querer saber o motivo do seu choro. Está pronta pra contar? –eu neguei –Então, lava esse rosto e se arruma. Sei que é péssimo o que está acontecendo, mas talvez seja até bom você ir nesse casamento. Vai fazer você desencanar de vez, certo? –assenti. –Vai, me da um sorriso! –ela pediu me fazendo sorrir fraco –Isso ai, agora vai logo, precisamos ir buscar nossos vestidos hoje, amanhã vai ser perfeito! –ela me lembrou do baile.
- Eu.. –engoli seco –Tenho que dançar com ele mesmo? –perguntei triste.
Ela suspirou.
- Tentei falar com ele, mas ele disse que não vê motivos pra mudar. –ela respondeu.
Não vê motivos. O que significa que só eu estou chateada com os recentes acontecimentos. Respirei fundo, tratando de melhorar minha cara. Eu precisava ficar feliz, pelo menos até o baile. 
[...]
Me olhava no espelho. Meu vestido era vermelho e tinha detalhes dourados em algumas partes. O decote nos peitos não era grande, mas tinha uma abertura na perna direita que a deixava completamente a mostra. As mangas eram longas e as costas nuas, deixando o vestido bem mais sexy. Meu salto era preto e alto, muito alto. Minha mãe insistiu com que eu fosse no salão com ela, então a maquiagem e cabelo estavam profissionais. Olhos escuros, boca vermelha, cílios postiços. Meu cabelo caía em lindas ondas pelos meus ombros. Eu estava me sentindo linda. E embora eu estivesse impecável, minha vontade de ir lá era zero. Eu não queria aparecer na escola nunca mais. 
Tinha marcado com Soena de nos encontrarmos lá. Brian convidou-a para ser seu par então ela aceitou. Alguns dias antes, Dylan tinha feito o mesmo mas fiquei tentada em recusar. De qualquer modo, acabei aceitando então combinamos que ele viria me buscar as 09:00 p.m.
Me olhei pela última vez no espelho, então peguei minha bolsa, apenas com o celular dentro, e desci. Meu pai e minha mãe tiraram um milhão de fotos minhas em todas as posições possíveis. Então Dylan chegou e eu agradeci mentalmente.
- Dylan, pode entrar! –minha mãe disse.
- Estamos atrasados mãe! –eu respondi emburrada.
- Tirar uma foto não vai te atrasar, fiquem juntos! –ela ordenou, fazendo-me revirar os olhos.
Ele se aproximou, passando seus braços por trás da minha cintura. Nossos corpos ficaram colados, então sorrimos pra foto.
- Ficou perfeita! –ela disse alegre.
- Você está linda. –Dylan sussurrou no meu ouvido.
- Você também está. –respondi.
Antes de sair, papai deu um monte de avisos sobre cuidado e blábláblá. Finalmente fomos em direção a escola e pude perceber que Dylan estava muito animado. Gritávamos no carro enquanto uma música passava na rádio. Ele estava me fazendo muito bem.
O estacionamento da escola estava lotado, mas Dylan tinha reservado vaga um dia antes, então não foi problema. Ele desceu do carro, abrindo a porta pra mim. Ele era um príncipe. Paramos na entrada, onde o fotógrafo tirava fotos, então fizemos pose. Mais uma foto.
Respirei fundo, apertando seu braço. Íamos finalmente entrar.
- Você está nervosa? –ele perguntou fazendo-me assentir –Não se preocupe, não tem ninguém mais bonita que você.
Quis agarrá-lo e guardar em um potinho, mas tudo que fiz foi abraçá-lo forte. Segurei em seu braço, então entramos. Quase todos já estavam ali, o que me fez perceber que chegamos um pouco atrasados. 
Um globo de luz estava pendurado ao teto, deixando o lugar iluminado. As mesas tinham panos nas cores vermelho e branco, deixando o lugar muito bonito. A decoração estava impecável.
Scarlett estava com Mike e seu vestido era incrivelmente lindo. Não podia negar que ela era linda. Vi Soena do outro lado, conversando com Brian. Dylan me puxou até lá. Ela estava incrível. Seu vestido era lindo. 
- Meu Deus, você está linda! –eu disse.
- Você também está. –ela me abraçou.
Começamos a conversar sobre algum assunto enquanto Brian e Dylan iam buscar alguma coisa pra beber. Brooke apareceu logo em seguida com um garoto do segundo ano, o qual eu não sabia quem era. Marie, outra garota da turma se juntou a nós, então começamos a conversar sobre as pessoas da nossa sala.
- Vocês viram como Scarlett está? –Brooke perguntou –Parecendo uma prostituta. –nós rimos.
- Quando ela disse ao Justin que talvez ele encontrasse algumas strippers aqui, não achei que era sério! –Marie respondeu –Falando em Justin, vocês já viram ele? Está junto com o professor Chris. Eles estão gatos demais! 
Meu sorriso sumiu, mas as outras garotas riram. Soena percebeu minha mudança de humor, então enrolou seu braço no meu, como um consolo.
- Mas então, os calouros estão adorando isso aqui. Parabéns Soena, tá tudo incrível.
- Obrigada Brooke, valeu a pena as noites sem dormir! –ela riu.
- E como! –Marie completou. 
Dylan apareceu junto com Bryan, trazendo com ele um copo, que ofereceu pra mim. 
- Nós vamos ensaiar uma última vez? –Dylan perguntou.
- Não, vai chamar a atenção se fizermos isso na escola então não vai ter um último ensaio. Por que? Não me diga que esqueceu a coreografia! –Soena disse de uma vez.
Dylan riu.
- Não esqueci, era só uma dúvida.
- Quem é seu par? –perguntei pra ele.
- Natalie, não vi ainda. Espero que ela tenha vindo! –ele bebeu o líquido em seu copo.
Assenti, enquanto olhava por todo o salão. Acabei ficando cansada, então decidimos nos sentar. A noite seria longa. 
[...]
Alguns alunos dançavam, outros conversavam e riam alto em suas mesas. Todos já estavam ali, o lugar estava lotado. Soena tinha mandado super bem na organização da festa. Então ela subiu no palco, pedindo para que o dj parasse a música. Sorriu para todos e pegou o microfone, começando a falar.
- Bem vindos calouros e veteranos! –ela cumprimentou, fazendo todos gritarem de volta. –Como todo ano, o baile tem a dança principal realizada pelos veteranos e esse ano não vai ser diferente. Peço que deixem o centro da pista de dança desocupado e que os responsáveis pela dança se posicionem. Obrigado gente! –ela sorriu pela última vez.
Era agora. Tudo que eu precisava era lembrar de respirar. Não parecer fraca, não parecer boba. Respirei fundo, acenando pro Dyaln que ia para o outro lado da pista. Caminhei devagar, como se não quisesse chegar até meu destino. Eu não queria mesmo!
As fileiras estavam prontas. Meninas de um lado, meninos de outro. Me posicionei, vendo Justin pela primeira vez ali, na minha frente. Ele sorriu fraco e eu desviei o olhar. Não queria encará-lo, não mesmo.
A música começou, fazendo meu corpo tremer. Respirei fundo e sorri. Não iria passar a imagem de coitada pra ele. Dei um passo pra frente, assim como todos. Aos poucos fomos nos aproximando, bem lentamente. Prendi minha respiração ao sentir sua pele tocar a minha. 
Seus braços foram até minha cintura, colando nossos corpos. Passei meu pé para trás, fazendo um dos passos ensaiados. Ele segurou em minha mão, me girando, então colou os corpos novamente.
- Você está linda. –ele sussurrou.
- Você também está. –respondi simples.
Me afastei, dando um passo pra trás. Ele fez o mesmo, assim como todos ali. Nos juntamos novamente. Coloquei meu braço em seu ombro, então ele me conduziu pela pista. 
- Está diferente. –ele comentou.
Não aguentei. 
- Você achou engraçado? –ele me encarou confuso –Mandar o convite do seu casamento pra mim? E ainda por cima me chamar para tocar. –eu disse irritada.
Continuamos dançando, seguindo os passos. 
- Eu.. eu não sabia. –ele me respondeu –Vou falar com Savannah.
- Não precisa. Já fiz questão de aceitar o convite dela! –respondi seca.
- Você.. você vai amanhã? 
Eu sorri.
- Com certeza.
Nos separamos pela última vez, fazendo uma reverencia. Finalmente a dança tinha acabado. Todos aplaudiram e Soena veio parabenizar a todos, dizendo que tudo ficou perfeito. Suspirei, olhando para Justin então me afastei, indo em direção á Dylan.
[...]
Mais uma vez eu estava de vestido, porém agora meu destino era mil vezes pior que um simples baile de adolescentes. O pedido da noiva foi para que todos convidados da festa usassem roupas claras, em tons pastéis. Meu vestido, assim como o de Soena, era assim. Claro, com alguns detalhes mais sofisticados. O salto combinava com o visual e a maquiagem era bem simples. Não me dei ao trabalho de fazer um penteado elaborado, só deixei meus fios naturais, caindo sobre meus ombros. Não queria muita produção afinal, eu mal sabia se aguentaria ficar ali por muito tempo.
- Vamos logo, você não quer chegar atrasada, certo? –Soena reclamou.
Revirei os olhos, pegando meu celular apenas. Não pretendia ficar muito, estava decidido. Iria apenas ver o suficiente para me fazer entender que tudo tinha acabado e quando isso acontecesse, levantaria dali e iria embora. Simples.
Já dentro do carro, Soena me ajudava com o caminho, já que Savannah escolheu uma igreja desconhecida por mim. Dei um sorriso simples, estacionando o carro. Aquela era a hora. 
Respirei fundo, uma, duas, três vezes. Soena viu meu impasse, e me ajudou dando um sorriso tranquilo. Desci do carro e caminhei até a igreja. Estávamos atrasadas, não demoraria muito para que a noiva chegasse. 
Minhas pernas amoleceram ao entrar na igreja. Estava tudo tão lindo que senti meu coração doer. Sorri mais uma vez, procurando um lugar pra me sentar. Soena, ao meu lado, parou de caminhar por um instante. 
Antes que eu pudesse perguntar o que tinha acontecido, levantei meu olhar. Ele estava ali, parado. Prendi minha respiração quando seu olhar cruzou com o meu. Ele estava lindo. Dei um sorriso fraco, me sentando em um dos bancos disponíveis. 
Seus pais estavam ali também, ao seu lado, dando todo o apoio e por um momento pude ver descontentamento no olhar de sua mãe.
Mantive minha cabeça baixa, eu sabia que ele estava me encarando mas não tinha coragem de devolver o olhar. Soena colocou sua mão sobre a minha, apertando. Ela me dava toda a força que podia. 
Logo foi ouvida a marcha nupcial. Savannah entrava na igreja ao lado de seu pai. Todos nós levantamos. Ela estava mais do que linda. Senti meu estômago embrulhar. Ela sorria para todos e seus olhos estavam cheios de lágrimas. 
Acompanhamos seu caminhar até finalmente chegar em Justin. Então a cerimônia começou. O padre citava versos da Bíblia e sorria o tempo todo. Eu me sentia intrusa e Deus sabia disso. Eu estava na casa Dele, presenciando o casamento do meu amante. Não tinha nada mais sujo que isso.
Então, a voz áspera do padre me fez acordar. Era agora. Eles iam se aceitar.
- Savannah Marie Harris, você aceita Justin Drew Bieber, para amar e respeitar, na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza, até que a morte vos separe? –o padre perguntou.
Estava sendo mais do que eu podia suportar. Me levantei, devagar para não chamar a atenção dos convidados. Soena me olhou triste e eu apenas sorri. Iria esperá-la no carro. 
- Eu aceito! –a voz de Savannah disse.
- Justin Drew Bieber, você aceita Savannah Marie Harris, para amar e respeitar, na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza, até que a morte vos separe? –a pergunta foi feita novamente.
Olhei uma última vez para ele, deixando as lágrimas escaparem. Seus olhos me acompanharam, o que fez com que a resposta não saísse. Me virei, dando as costas para tudo aquilo. Eu iria sair dali.
- Justin! –o padre chamou –Você aceita? 
- Não.
Um grande silêncio pairou sobre a igreja. Ele tinha falado não. Meu corpo paralisou,e antes que eu pudesse sair completamente da igreja, ouvi sua voz.
- Me desculpe Sav, mas eu não posso me casar com você. Isso que nós temos não é amor! –foi tudo que ele disse antes de abandonar o altar. 
Senti o choque térmico que o vento frio provocou ao encostar em minha pele nua. Ele tinha dito não. Respirei fundo mais uma vez. Era muita informação. 
Senti uma mão em meu ombro, era Soena. Me apressei em sair dali junto com ela, antes que as pessoas começassem a sair ou que Savannah fizesse alguma coisa. Eu precisava da minha casa, da minha cama.


Justin Bieber P.O.V

Eu não sabia exatamente o que tinha feito, mas me sentia melhor. Ver ela saindo da igreja significou perdê-la pra sempre e eu não pude deixar isso acontecer. E agora eu estava confuso na parte inferior da igreja. 
- Estou orgulhosa Justin, você conseguiu escolher o melhor pra você. –minha mãe apareceu –Apesar de ter demorado um pouco –deu uma risada.
- Como Savannah está? –perguntei.
Ela sorriu.
- Mandamos os convidados embora, tudo está cancelado. Savannah está lá em cima chorando. Pediu pra te ver mas achei melhor os dois esfriarem um pouco. 
- E o papai? 
- Ele está contente por você, pude até ver um sorriso quando você disse não. Nós só queremos sua felicidade filho, e ela não está junto de Savannah. 
Suspirei.
- Seu pai deu a chave do flat pro meninos, eles vão passar a noite lá. Já nós, vamos pra casa mesmo. Você vai pra sua casa? –perguntou.
- Acho que sim, preciso ficar sozinho! 
Ela apenas assentiu, deixando-me sozinho. Puxei minha gravata, deixando-a mais folgada. Minha mente estava uma bagunça mas eu tinha certeza de muitas coisas. Tomei coragem e subi até o altar, onde Savannah estava. 
Seus olhos estavam manchados, seu vestido amassado. Sua mãe tentava ajudar mas os soluços eram muitos.
- Escuta aqui seu moleque! –seu pai veio furioso –Pode esquecer de todas as ações da minha empresa, mais nada será passado pro seu nome!
- Eu não tenho problemas com isso. Meu pai tem uma das melhores empresas, melhor que sua inclusive. Eu tenho 25% das ações, o que da pra viver muito bem. Ele vai se aposentar em alguns anos e a empresa toda vai ficar comigo. –disse simples. –Seu dinheiro não me interessa. 
Sua feição passou de bravo para completamente furioso, mas antes que ele tentasse qualquer coisa, ouvi uma voz de fundo.
- Justin? –Savannah me chamou.
Respirei fundo.
- Oi Sav, podemos conversar? –eu perguntei.
Ela apenas assentiu, fazendo sua mãe se levantar nos deixando sozinhos.
- Você mudou de ideia? –ela perguntou esperançosa.
- Não. Você merece alguém que te ame e que faça tudo por você. Sav, esse alguém não sou eu! 
Ela voltou a chorar.
- Eu te amo Justin. Por que isso? –ela soluçava.
- Eu não quero viver uma mentira! Nós não nos amamos, apenas acostumamos a estar juntos.
- Não Justin, eu amo você! –ela disse convicta.
- Sav, não. Eu também pensava assim mas o amor é completamente diferente disso que nós sentimos. Isso é apenas carinho.
Ela respirou, tentando parar de chorar.
- Me diz que não é a Ariel! –ela pediu voltando a chorar –Me diz que não é ela quem você ama!
- Você sabe Sav, sabe tanto que convidou ela pro nosso casamento. –disse amargurado.
- Eu não entendo Justin. Eu te dei tudo que podia! –ela soluçou.
Suspirei.
- E eu não consegui te dar nada. –fiz uma pausa. –Você vai entender Savannah, que isso foi melhor.
- EU ME RECUSO! –ela gritou.
Levantei-me, olhando-a pela última vez.
- É uma pena! 
Caminhei em direção a saída, decidido do que eu iria fazer. Só precisaria da ajuda de uma pessoa.

Ariel Smith P.O.V
Estava na casa de Soena. Depois daquela maldita cêrimonia, fui pra casa dela. Seus pais tinham ido viajar. Decidi que seria melhor dormir lá. Não queria explicar pros meus pais o motivo da minha tristeza. Um banho foi o suficiente pra me sentir melhor.
Me olhei no espelho. Tinha pegado uma das camisolas de Soena emprestada, junto com um par de pantufas. Ri da figura infantil que eu me encontrava. Ouvi a campainha tocar.
- Eu vou lá atender. –Soena disse simples.
Assenti, voltando a me observar. Meus cabelos molhados caíam sobre meus ombros. Meus lábios estavam vermelhos assim como minhas bochechas e meus olhos estavam vermelhos. Eu estava acabada. Ouvi passos pelo corredor, Soena tinha voltado.
- Soena, quem era? –perguntei ainda de costas.
- Não é a Soena! –aquela voz grossa ecoou pelo quarto.
Me virei assustada, dando de cara com Justin. Ele ainda estava com o terno e parecia cansado. Seu cabelo estava completamente bagunçado e seu olhar perdido.
- Justin? –perguntei em um sussurro –O que faz aqui?
- Eu preciso te falar algumas coisas.
Cruzei meus braços, encarando-o.
- Estou ouvindo.
Ele passou a língua entre os lábios, respirando fundo.
- Eu quero me desculpar por nunca ter te dado a oportunidade de me querer, por obrigá-la a isso, queria me desculpar por toda a estupidez com que eu te tratei. Me desculpar por tirar sua inocência e quebrar seu coração. Me desculpar por fazer você passar por isso. E acima de tudo, queria me desculpar por não ser como você queria. –ele suspirou –Mas agora, eu posso ser o que você quiser. Você me disse que gostaria que eu fosse seu e eu quero ser. 
- Justin.. –ele me interrompeu.
- Eu larguei minha noiva no altar, deixei tudo pra trás e estou aqui Ariel, estou aqui pra você! –sua voz estava embargada –E se isso for demais pra você aguentar então me desculpe por isso também, me desculpe por gostar de você!


Notas Finais


Gente, muitas emoções nesse capítulo. Por favor comentem, é importante pra mim. Vocês favoritam mas esquecem de comentar, gente pfv! hahahahah
Amo vcs!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...