História My Dear Agent - Capítulo 20


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Camila Cabello, Camren, Camren G!p, Fifth Harmony, Lauren G!p, Lauren Jauregui
Exibições 485
Palavras 4.864
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, FemmeSlash, Luta, Orange, Policial, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi meus amores! Como estão? Espero que bem e que continuem assim...

Sobre o capítulo: Acontece bastante coisa, tem respostas. Vamos saber quem está na porta, quem é Sophie e mais algumas coisinhas.
Espero que gostem, fiquei muito satisfeita com o resultado.

A música do capítulo: Ross Copperman - Holding On And Letting Go (deixei indicado onde devem começar a ouvir, mas se quiserem ouvir desde o começo, tudo bem)
A música se encontra na playlist da fic (link nas notas finais).

Boa leitura!

Capítulo 20 - Capítulo 20 - As Consequências do Ciúmes


Camila permanecia em silêncio na espera de uma resposta, mas a pessoa nem sequer conseguia ficar com os olhos abertos e manter o equilíbrio. Ao ver que ela ia cair de cara no chão, Camila foi de encontro amparando-a com o corpo antes que acontecesse um acidente.

- Mas que porra! – exclamou sentindo o peso em seus braços – Você está bêbada? – perguntou ao sentir o forte cheiro de álcool.

- Como um gambá. – respondeu embolada.

- Eu vou te matar, Hailee. Eu juro que vou.

- Vai nada. Você me ama.

Camila não respondeu. Arrastou a amiga para dentro de casa, não podia deixá-la naquela situação. Sentou-a no sofá e parou na sua frente, cruzando os braços abaixo dos seios.

- O que você quer, Hailee? – perguntou calmamente, como se estivesse falando com uma criança.

 - Me desculpa, Mila. Eu sei que errei muito. Que interferi num assunto que não me diz respeito, mas você é muito importante pra mim. Já perdi muita coisa e não posso perder você.

Camila observava a expressão de Hailee, parecia arrependida, destruída pelas ações do passado. Ela havia presenciado muitas coisas; viu Hailee conhecer Sophie, se apaixonar, casar e o casamento ir por água a baixo.

- Vem. - Camila se aproximou de Hailee, segurou sua mão e ajudou-a a levantar - Você precisa de um banho e um café bem forte.

Hailee não tinha forças para discordar, levantou e deixou-se ser guiada pela amiga. Tropeçava pelo caminho tornando a tarefa de Camila mais difícil. Assim que chegou ao banheiro, Camila sentou-a no vaso enquanto tirava a roupa de Hailee. Ligou o chuveiro, arrastou Hailee para debaixo da água morna – quase fria – ouvindo um resmungo da mais alta. Depois de sair do chuveiro, Camila secou-a e foi para o closet a procura de algo para Hailee vestir. Suspirou ao ver que nada seu caberia em Steinfeld.

Abriu uma gaveta que tinha algumas peças de roupa de Lauren, pegou uma camiseta e uma cueca. Vestiu Hailee e ajudou-a a deitar na cama.

- Você me perdoa? – Hailee perguntou enquanto Camila a cobria.

- Conversamos amanhã. – respondeu firme. Hailee apenas assentiu – Eu já volto.

Camila caminhou para fora do quarto, indo fazer o café para Hailee. Depois de pronto, rumou para o quarto encontrando a mais alta adormecida. Ficou com dó de acordá-la, então deixou o café em cima do criado mudo. Pegou o celular e saiu do quarto, dormiria no quarto de hóspedes. Adormeceu assim que sentiu a maciez do colchão.

***

- Mãe. – Michael a atenção de Lauren – Está tudo bem?

- Sim. – “Não” – Por quê?

- A senhora está quieta e distante desde que acordou.

- Não é nada. – assegurou – Já terminou de tomar seu café? – Michael assentiu – Então vamos, disse a sua mãe que chegaríamos pela manhã.

Caminharam até o carro. Verônica havia saído para cuidar das coisas no restaurante e Troy estava com Ally verificando algumas pistas.

- Por que a senhora e a mama não estão dormindo na mesma casa? – Michael perguntou assim que Lauren começou a dirigir.

Aquela pergunta pegou a morena completamente desprevenida, não imaginava que o filho seria tão direto.

- Porque andamos ocupadas com nossos trabalhos.

- Mesmo no fim de semana? – Lauren assentiu e Michael resolveu não falar mais nada, sabia que sua mãe estava mentindo.

Alguns minutos depois, Lauren estacionou o carro em sua garagem. Antes que Michael saísse, chamou sua atenção.

- Não fale nada disso com a sua mãe.

- Nada sairá daqui. – afirmou. Lauren sorriu e saíram do carro.

Michael tocou a campainha, afinal Lauren não estava com a chave da casa de Camila. Não demorou nem um minuto para a porta ser aberta, mas não foi por quem ambos esperavam. Lauren sentiu cada célula de seu corpo esquentar ao ver como Hailee estava vestida.

- Tia Haiz? O que faz aqui? – Michael perguntou confuso.

- Eu dormi aqui ontem a noite. – respondeu como se fosse a coisa mais normal. Sorriu para Lauren de forma provocativa – Bom dia, Jauregui.

Lauren não respondeu, estava a ponto de avançar em Hailee quando Camila se aproximou.

- Bom dia. – disse sorridente, mas ficou séria ao perceber a tensão entre Lauren e Hailee – Hailee o café está pronto. Some.

Hailee riu e chamou Michael.

- Vamos garoto.

O menino seguiu Hailee deixando suas mães sozinhas.

- Não aconteceu nada. – Camila disse se aproximando de Lauren.

- Não me deve explicações, Camila. – jogou rudemente.

- Que droga, Lauren. – exclamou, olhando para dentro da casa para ver se ninguém tinha ouvido – Esse é o seu problema, tira suas próprias conclusões e não me deixa explicar nada.

Lauren ia retrucar, mas Michael interrompeu-as.

- Mãe, mama fez bolo. Quer?

Lauren olhou de Michael para Camila. Os olhos castanhos pediam para que ela ficasse. Camila se aproximou devagar e segurou a mão direita de Lauren, entrelaçando seus dedos. Lauren assentiu, vendo o filho sair pulando de volta para a cozinha.

- Você vai me explicar tudo. – afirmou, vendo Camila assentir e se aproximar da agente, deixando um suave beijo em sua bochecha.

- Prometo que mais tarde vamos conversar sobre tudo. – Lauren assentiu e deixou-se ser guiada para dentro da casa.

Michael sorriu ao ver as mães de mãos dadas. Lauren tinha uma expressão menos fechada, mas ainda estava séria, a presença de Hailee lhe incomodava e o fato dela estar vestindo suas roupas fazia sua aversão apenas aumentar.

“Vou jogar aquelas roupas fora”, pensou ao sentar ao lado de Camila.

- Mila, esse bolo está maravilhoso. – Hailee comentou.

Camila sorriu agradecida enquanto cortava um pedaço e colocava no pequeno prato que estava a frente de Lauren.

- Obrigada. – Jauregui agradeceu.

Camila serviu suco de uva a Lauren e observou a morena de olhos claros levar um generoso pedaço de bolo à boca. Enquanto mastigava, Lauren sentia os olhos castanhos lhe analisando.

- Então? – Camila perguntou depois de alguns minutos de silêncio.

- Está delicioso. – respondeu com um pequeno sorriso.

- Claro que está. – Hailee se meteu – Ela sabe o que faz. – provocou.

- Hailee. – Camila advertiu.

- Com certeza. – Lauren respondeu enquanto pegava o copo com suco dando um suave gole – Olha o lindo filho que fizemos. – sorriu ao ver a expressão séria que Hailee fez.

- Não responda. – Camila apontou para a chefe, fazendo o sorriso de Lauren aumentar.

Michael começou a contar como foi passar a noite na mansão – da qual Camila ficou curiosa para saber como era. Contou dos deliciosos cookies que Verônica havia feito e de como ela era boa no vídeo game, causando uma onda de ciúmes na latina.

- Mãe, podemos fazer um piquenique no parque? – o pequeno Cabello Jauregui perguntou repentinamente.

Lauren não sabia o que responder, então olhou para Camila que assentiu sorrindo.

- Por mim, tudo bem. – Cabello afirmou – O que você acha? – perguntou a Lauren.

- Por mim também.

- Isso! – o menino comemorou arrancando um sorriso da agente – Quer ir também, tia Haiz? – o sorriso de Lauren sumiu ao ouvir aquilo.

- Com certeza. – afirmou sorrindo para Lauren.

Lauren bufou e observou o filho sair para se arrumar.

- Já que vamos passar o dia em família, espero que se comportem. – Camila disse.

- Eu sempre me comporto. – Hailee afirmou cinicamente.

- Está insinuando alguma coisa? – Lauren se inclinou.

- Estou.

Em um movimento rápido e sutil, Hailee deu um leve chute na canela de Lauren que devolveu.

- Pode parando as duas! – Camila interveio.

- Foi ela que começou. - as duas disseram ao mesmo tempo.

Camila levantou a mão em um sinal claro para as duas se calarem.

- Eu não quero saber. - disse nervosa - Vá se trocar. – disse a Hailee que levantou.

- Como ordenar, Majestade. – fez uma leve reverência e saiu.

- E jogue essas roupas no lixo! – Lauren gritou.

- Pode deixar! – Hailee gritou de volta.

Lauren voltou sua atenção a Camila.

- Eu vou me arrepender de querer saber por que ela está com as minhas roupas?

Camila levantou e começou a tirar a mesa com a ajuda de Lauren.

- Ontem, ela apareceu bêbada e eu não poderia deixá-la na rua.

- Claro que não. – Jauregui comentou irônica.

- Não use esse tom. Já fiz o mesmo por você. Ou esqueceu aquele dia que você voltou da festa na casa do Thomas?

- Eu lembro.

Lauren lembrava vagamente do que tinha acontecido. Havia bebido ao ver Camila conversando com um garoto da escola na festa de Thomas. Apareceu completamente bêbada na porta da latina. Camila cuidou dela e no dia seguinte ouviu diversos pedidos de desculpa da parte de Lauren.

- Não aconteceu nada entre nós duas. – Camila afirmou novamente – Se você quiser, vá até o quarto de hóspedes. Foi onde eu passei a noite.

Lauren negou.

- Vamos arrumar as coisas. – disse mudando de assunto. Aquela não era a hora.

Arrumaram a cesta de piquenique em questão de minutos, até que Hailee e Michael se juntaram a elas. Foram no carro de Camila e Hailee soltava comentários desnecessários com a intenção de irritar Lauren, que estava dirigindo. Camila fazia suaves carinhos na coxa da agente tentando lhe acalmar enquanto lançava olhares ameaçadores em direção a Hailee. Queria o mínimo de conflito perto de Michael.

***

Camila estava sentada embaixo de uma árvore com Hailee ao seu lado. Observava Lauren, Verônica e Michael brincando no pequeno lago que tinha ali com um barco de controle remoto que o menino havia ganhado de Dinah de aniversário.

- Devo aproveitar esse momento para me desculpar? – Hailee perguntou insegura.

Camila tinha seus olhos presos nas três pessoas que brincavam perto do lago.

- Do que exatamente devo te desculpar? – ajeitou o óculos escuro.

- Por ter aparecido bêbada na sua porta.

- Você vai me contar por que encheu a cara? – Camila desviou rapidamente os olhos para Hailee, vendo-a negar.

- Melhor deixar pra lá.

A latina assentiu. Não iria insistir, pelo menos não agora. Voltou sua atenção para o lago. Não entendia porque Verônica estava ali, mesmo depois da explicação de Lauren.

Assim que chegaram, encontraram Iglesias sentada num banco de madeira.

Flashback On

Camila ouvia Michael explicar a Hailee como funcionava o barco em seus braços. Andava de mãos dadas com Lauren. Um pequeno sorriso enfeitava seu belo rosto. Mas o sorriso sumiu ao avistar uma figura conhecida.

- O que Vero está fazendo aqui? - perguntou a Lauren.

- Eu a convidei. - respondeu simples.

 Camila parou. Lauren arqueou a sobrancelha confusa.

- Você o quê?

- Eu a convidei. - repetiu.

- Por quê? Pensei que era um passeio em família.

Lauren se aproximou e sussurrou.

- Eu também pensei, mas veja quem veio conosco. - inclinou a cabeça em direção a Hailee.

- Não fui eu a convidá-la. - retrucou.

- Disso eu sei. Estava lá quando Michael fez o convite. - jogou levemente irritada - E ele estava comigo quando liguei para Verônica perguntando o que ela estava fazendo.

- Por quê? - insistiu.

- Assim como Hailee, Verônica é tia de Michael. Ele a considera assim e ficou feliz em saber que ela viria.

Camila bufou. Não tinha culpa pela presença de Hailee, queria tanto quanto Lauren ter um dia em família, mas o que poderia fazer já que foi Michael quem convidou a morena de olhos caramelo?

- Tudo bem. - foi tudo o que disse antes de sair deixando Lauren para trás.

Flashback Off

- Você parece não ter ficado contente com a presença da lindinha ali. - Hailee comentou indicando Verônica.

- Não é isso. - respondeu suspirando em seguida - Lauren a convidou sem me dizer nada.

- E isso te incomodou?

Camila ficou em silêncio por alguns minutos analisando o que estava sentindo. Ela realmente tinha se incomodado com o convite de Lauren a Verônica, mas dizer isso em voz alta parecia loucura. Ela não era assim. Não era uma louca ciumenta e possessiva.

Ou era?

O fato é que não queria deixar seu ciúme estragar as coisas quando ainda não estava completamente bem com Lauren. Seria o mesmo que dar um tiro no próprio pé.

- Crescemos juntas. - iniciou observando Michael rir com vontade de alguma coisa que Verônica disse - Por algum motivo Lauren sentia ciúmes da minha amizade com Vero. - riu sem humor - Agora, o quão irônico seria se eu sentisse ciúmes dessa amizade delas?

Hailee arqueou a sobrancelha e assentiu.

- Isso explica muita coisa. Mas acho que deveria segurar sua onda.

Elas ficaram em silêncio. Camila não gostava de falar sobre seus sentimentos, principalmente assumir quando sentia aquele sentimento corrosivo.

- Desamarra essa cara. - Verônica disse fazendo Lauren revirar os olhos.

- Me deixa. - respondeu. Observava, discretamente, Camila e Hailee conversando a poucos metros.

- Você com ciúmes é uma cena engraçada. Mas espera eu comprar pipoca para começar o barraco.

- Vou te socar.

Verônica riu alto, causando uma suave risada em Michael.

- Mamãe com ciúmes é legal mesmo. - concordou.

- Você também, Judas? - Lauren perguntou chocada.

- Só disse a verdade. - Michael respondeu dando de ombros.

Lauren bufou.

- Ótimo. Vamos até sua mãe, está muito sol e logo ela vem reclamar.

Michael assentiu e foi até a margem do lago pegar seu barco.

- Você não faz ideia do quanto ela me irrita. - disse se referindo a Hailee.

- Lauren. - Iglesias colocou a mão no ombro de Lauren - Ela já percebeu que você se incomoda com sua presença e vai continuar a te provocar sempre que possível. Está na cara que ela sabe que você morre de ciúmes.

- Olha lá! - exclamou. Camila e Hailee riam alto - Não tem como não sentir ciúmes disso.

- Segura sua onda, Jauregui. - advertiu.

Michael se aproximou e juntos caminharam para onde Camila e Hailee estavam sentadas.

- Você lembra quando saímos para beber escondido? - Verônica começou. Queria distrair Lauren.

- Meu Deus! - Jauregui exclamou - Pensei que ia morrer.

- O que aconteceu? - Michael perguntou.

- Antes de te contar, você não pode dizer nada a sua mãe.

- Por quê?

- Porque eu havia prometido que nunca mais iria beber tanto. - Lauren respondeu.

Michael assentiu.

- Sua mãe estava chateada porque mais uma vez não teve coragem de contar a sua mama o que sentia. Como boa amiga, sugeri sairmos e beber um pouco.

- Péssima ideia. - Lauren sussurrou para o filho.

- Não de inicio. Mas quando alguém sai para beber por causa de uma frustração não acaba bem.

- Resumindo. - Lauren continuou - Bebi tanto que não lembro como cheguei em casa.

- Ah! Isso eu respondo. - Verônica levantou a mão causando uma gargalhada em Michael - Com o pouco de sobriedade que restava em mim, liguei para meu irmão e com muita insistência ele foi nos buscar.

- Acordei no dia seguinte na casa dessa aí. - apontou para Verônica - Com uma enorme ressaca e depois de ter me livrado do cheiro de álcool voltei para casa.

- E a mama? - Michael ria da história.

- Apareceu na minha casa quinze minutos depois perguntando por que eu estava com a cara de quem tinha sido atropelada por um trem.

Os três riram alto e com vontade.

- Aquela noite vai ficar pra história. - Verônica comentou.

- Que noite? - Camila perguntou.

Estavam próximos de onde a latina estava sentada. Sua expressão era de pura desconfiança e olhava de forma questionadora para cada um dos três.

- Nenhuma. - Michael, Lauren e Verônica disseram ao mesmo tempo, rindo em seguida.

Camila sentiu uma forte pontada de ciúmes.

- Não sabia que haviam formado um clubezinho. - comentou debochada.

- Estou com fome, mama. - Michael mudou o foco da conversa, interrompendo os olhares fulminantes que Camila lançava para Lauren e Verônica.

- Vamos comer. - sorriu gentilmente para o filho. Mexeu na bolsa média a procura da toalha, mas não a encontrou - Acho que esqueci a toalha no carro.

- Eu pego. - Hailee disse, mas foi interrompida por Lauren.

- Não precisa, Steinfeld. – pegou a chave do carro de Camila que a mesma lhe estendia - Eu mesma pego.

Hailee ignorou e seguiu Lauren. Foram aumentando a velocidade do passo até que estavam correndo. O carro estava do outro lado da rua e assim que estavam na metade da rua, um carro em baixa velocidade atingiu Lauren jogando seu corpo para o lado esquerdo que desmaiou com o impacto.

Camila - que via tudo de longe - correu o mais rápido que conseguiu. O coração batia tão forte que a qualquer momento sairia pela boca. Ao chegar onde Lauren estava caída, um choro sofrido se prendeu na garganta. Ela tentou se aproximar de Lauren, mas Hailee lhe impediu.

- Não mexa nela. – lhe segurou pela cintura enquanto tirava o celular e ligava para a emergência. O motorista do carro – um garoto de no máximo dezessete anos – estava perto delas tentando se explicar.

Camila se soltou do aperto de Hailee ao ver Michael correr desesperado até onde elas estavam.

- Minha mãe! – exclamou choroso, sendo aparado por Camila.

Verônica passou por eles como um foguete e se abaixou perto do corpo inconsciente de Lauren.

- Eu já chamei a ambulância. – Hailee disse. Sentiu cada célula de seu corpo congelar ao receber um olhar mortal de Verônica.

- Isso é culpa sua. – disse com o maxilar trincado.

- Não tive culpa se ela não olhou antes de atravessar. – devolveu – E ele que é o motorista. – apontou para o garoto que arregalou os olhos.

Verônica levantou e estava a ponto de avançar em Hailee, mas parou ao ver a ambulância virando a esquina e vindo na direção delas. Rapidamente os paramédicos fizeram o atendimento e colocaram Lauren na maca. Verônica observava tudo de perto. Ao seguir os paramédicos até a ambulância sentiu uma mão segurar seu braço.

- Aonde você vai? – Camila perguntou.

Iglesias olhou para Michael. O menino estava encolhido ao lado da mãe e chorava como se seu mundo tivesse desabado. Voltou seus olhos para Camila.

- Vou com ela na ambulância.

- Por que você?

- Porque se você não percebeu, seu filho precisa de você. – respondeu firme. Se abaixou perto de Michael e sussurrou – Vai ficar tudo bem.

- Vai? – murmurou enquanto secava a bochecha.

- Prometo que sim. – beijou a testa do menino e entrou na ambulância.

Camila observou o veículo com suas sirenes ligadas sair rapidamente dali. Sentiu Michael se apertar ao seu lado. Passou o braço pelo ombro do menino, sentindo o mesmo desabar num choro intenso.

- Vamos. – Hailee disse ao seu lado. Camila percebeu que ela estava com a cesta de piquenique e sua bolsa nas mãos – Eu dirijo.

Camila observou a chave de seu carro. Os paramédicos haviam tirado do bolso de Lauren antes de colocá-la na ambulância e entregou-a a ela. Colocou-a na mão de Hailee e caminhou junto com Michael até o carro. Assim que estavam todos dentro do, Hailee colocou-o em movimento indo o mais rápido possível para o hospital.

***

[Play: Ross Copperman - Holding On And Letting Go]

Lauren foi abrindo os olhos devagar, a claridade da sala irritava-os. O cheiro de álcool era forte. Seu corpo todo doía... Da cabeça aos pés e mesmo o simples movimento de respirar lhe incomodava. Abriu os olhos completamente, se dando conta de que estava em um hospital. Olhou em volta, procurando algo... Alguém. Encontrou-a na janela observando as luzes da cidade. Se deu ao luxo de observá-la por alguns minutos.

Sua postura ereta e firme não estava presente, seus ombros estavam caídos como se carregasse um peso neles. Uma tonelada. Seu longo cabelo estava preso em um coque frouxo que deixava alguns fios soltos.

Tentou levantar e ir até ela, mas sentiu uma dor no lado esquerdo da cabeça. Gemeu baixo sentindo uma leve tontura. “Acho melhor ficar quieta... Pelo menos mais um pouco”, pensou.

- Não se mexa, Michelle. – a voz dela estava rouca, falha.

Olhou para onde Camila estava encontrando os olhos castanhos sem brilho. Seu nariz estava vermelho e os olhos inchados. Sentiu um aperto no coração ao ver aquela imagem.

Camila caminhou devagar até estar sentada na poltrona ao lado da cama.

- O que aconteceu? – Lauren sentiu sua garganta arranhar. Camila pegou um copo com água no criado mudo e entregou para a morena.

- Você não lembra?

- Não muito. – respondeu enquanto entregava o copo de volta para Camila – Obrigada.

Camila sorriu levemente. Passou a língua pelos lábios.

- Bom, você foi atropelada por um carro que vinha em baixa velocidade. Apesar de ter desmaiado com o impacto, só teve ferimentos leves. Arranhões e hematomas devido a pancada.

- Por quanto tempo fiquei desacordada?

- Algumas horas.

Lauren assentiu.

- E Michael?

- Está na sala de espera com Hailee e Verônica. Ian também veio.

- Quem avisou ele?

- Michael ligou num momento em que não estávamos vendo.

Jauregui assentiu novamente. Sabia que a culpa era dela, mas culpava Camila por toda intimidade com Hailee, o que lhe causava ciúmes.

- Por que você não prestou atenção ao atravessar, Lauren? – Camila quebrou o silêncio que havia se instalado entre elas.

- Por que não pergunte a sua “chefe” o motivo por querer competir comigo? – retrucou ácida.

Camila recuou. O tom que Lauren usou para dizer tais palavras lhe atingiu feito um trem desgovernado.

- Vamos continuar assim até quando? - perguntou magoada.

Lauren nada respondeu por cerca de cinco minutos.

- Você pode chamar Vero pra mim, por favor?

Cabello sentiu seus olhos marejarem com a frieza de Lauren. Assentiu e saiu do quarto sentindo os efeitos do tratamento que acabara receber.

Lauren sabia que estava se deixando levar pelo ciúmes. Estava completamente dispersa. Tinha voltado a Miami para mais uma missão e nem nisso estava conseguindo se concentrar. Apesar de Alejandro estar bem, não sabiam onde e com quem estava o dispositivo.

Suspirou, passando as mãos pelo rosto sentindo um pequeno curativo na sobrancelha esquerda. Precisava se recompor e focar em resolver um assunto por vez. Ouviu a porta abrir e não precisou olhar para saber quem entrava.

- O que você disse a Camila? - a voz grave de Verônica soou acusatória.

- Não disse nada.

- Conta outra, Michelle. - Iglesias bufou e andou até a frente da cama - Que merda você tem na cabeça? - Lauren olhou-a sem alterar a expressão - Você não faz ideia de como ela ficou ao te ver caída desacordada. Do desespero ao ver toda a cena de longe e não poder te ajudar. De não ter forças nem para respirar, mas ter que acalmar Michael que a todo momento dizia que "sua mãe não podia morrer". - Verônica estava sendo dura com Lauren. Tinha que ser assim ou as coisas não iriam melhorar nunca - Você tem a porra de uma segunda chance e está jogando-a fora. Está fazendo merda e pior, está sendo uma grande filha da puta com a mulher que sempre amou.

- Não te chamei para ouvir sermão, Verônica.

- Mas é o que vai ouvir! - disse nervosa - Por que você aceitou essa missão?

- Porque era a única que podia resolvê-la.

- Não, Michelle. Você aceitou porque queria concertar a burrada que fez há quase nove anos. A missão foi apenas uma desculpa. E o que você vem fazendo? - abriu os braços em ironia - Se atolando na merda a cada vez que abre essa maldita boca para atacar Camila! - elevou o tom de voz.

- O que você faria se estivesse no meu lugar? O que faria se a mulher que você ama ficasse de intimidade com alguém que só te provoca?

- Agiria com maturidade, algo que você não vem fazendo. - Verônica estava bufando de raiva. Apesar de Camila sentir ciúmes dela com Lauren, Verônica era alguém que estaria do lado da latina nos momentos certos - Você tem vinte e sete anos, Lauren. Fará vinte e oito nesse fim de semana e está agindo como criança. Você tem um filho de oito anos que é mais maduro que você. Oito anos, Lauren! - Verônica respirou fundo, precisava se acalmar ou socaria Lauren - Você já recebeu alta. Suas roupas estão ali. - apontou para o armário.

Lauren assentiu e levantou da cama. Verônica estava para sair do quarto quando Lauren lhe chamou.

- Você pode me levar para casa? - perguntou calmamente, parecia atingida pelas palavras de Verônica - Eu realmente não quero resolver nada com Camila hoje.

Iglesias apenas assentiu e saiu.

Alguns minutos depois, Lauren saiu do quarto. Ao ver a morena, Michael correu em sua direção, abraçando-a forte.

- Fiquei com muito medo. - disse com a voz embargada - A senhora não se mexia.

- Eu estou bem, filho. - se abaixou na frente do menino e segurou seu rosto molhado - Eu não vou deixá-los. - disse e direcionou seus olhos para Camila - Nunca mais.

Michael abraçou o pescoço da mãe e Lauren deixou um beijo nos fios castanhos do menino.

- Você é dura na queda, maninha. - Ian disse sorrindo.

- É como dizem, vaso ruim não quebra. - respondeu sorrindo de lado, sentindo Michael rir em seu pescoço.

- Vamos? - Camila disse atraindo a atenção dos dois para si. Lauren assentiu.

Caminharam para fora do hospital. Hailee foi a primeira a ir embora. Se despediu de todos e deu apenas um leve aceno em direção a Lauren.

- Lauren vai para a mansão comigo. - Verônica disse de repente, sentindo que viria uma tempestade.

- E por quê? - Camila perguntou incomodada - Qual a diferença entre ir comigo e ir com você? - elas ficaram em silêncio - Lauren vai comigo. - disse firme.

- Camila... - Verônica começou, mas foi interrompida.

- Camila nada, Verônica. Lauren é minha mulher, não sua. Então, quem deve cuidar dela sou eu. Ela querendo ou não.

Verônica arqueou a sobrancelha surpresa. Olhou para Lauren que estava igualmente surpresa.

- Ela é toda sua. - Iglesias respondeu e olhou para Michael - Se importa em fazer companhia para sua tia solitária?

Michael olhou para as mães vendo-as assentir.

- Tudo bem. - abraçou Lauren apertado e deixou um beijo na bochecha da morena. Fez o mesmo com Camila e Ian.

Verônica se aproximou de Lauren e sussurrou:

- Se fodeu. - e saiu.

Lauren revirou os olhos.

- Bom, está na minha hora. - Ian comentou sentindo o clima pesado entre as duas - Qualquer coisa me liga. - abraçou Lauren e se aproximou de Camila - Tenha paciência.

Camila assentiu.

Caminharam em silêncio para o carro e nesse mesmo silêncio seguiram para a casa de Camila.

***

Depois de ajudar Lauren a trocar de roupa, Camila acomodou-a em sua cama. Tudo contra a vontade da morena. Foi para o closet e trocou de roupa, colocando uma camisola de tecido fino. Voltou para o quarto, parou em frente a cama e cruzou os braços abaixo dos seios. Lauren observou-a com atenção, o decote da camisola era interessante, mas pela expressão de Camila fariam tudo menos sexo.

- Que porra aconteceu no parque?! - seu tom de voz era alto, quase um grito.

- Eu que perguntou. Chego aqui e aquela mulher está vestindo as minhas roupas.

- Eu já te disse o que aconteceu. Hailee chegou bêbada e eu cuidei dela. Nada além disso.

- Sei... - soltou debochada.

- Você está vendo o que está acontecendo com a gente? Não existe confiança. Não existe diálogo. Nem companheirismo. Apenas a obrigação de estar bem pelo nosso filho... De fingir que estamos bem.

- Como posso confiar em você se chego aqui e Hailee está vestindo as minhas roupas? Como posso confiar que não existe nada entre vocês além de amizade se tudo o que ela tem feito desde que apareceu é insinuar coisas? - Lauren estava igualmente irritada - Muito difícil, Camila.

- Sabe qual é o problema? Você não conversa comigo. Conversa com todo mundo, menos com a mulher que diz amar.

- Você está duvidando do meu amor? - perguntou magoada. Camila podia duvidar de tudo, menos do amor que ela sentia.

- Você não tem me dado motivos para não duvidar.

Lauren respirou fundo. Tinha que contar o vinha sentindo desde que Hailee apareceu.

- Eu tenho ciúmes. - revelou.

- Mas não temos e nem tivemos nada.

- Isso não me impede de sentir ciúmes. - afirmou - Era isso que você queria ouvir? - Camila não respondeu - Sinto ciúmes do que ela sabe sobre a nova Camila. Sinto ciúmes do que ela presenciou nesses anos que eu estava longe. Sinto ciúmes de como ela te faz rir, de como te toca, de como sabe coisas que eu deveria saber.

Camila se aproximou, deitou na cama se acomodando em seu costumeiro lugar e respondeu sem olhar para Lauren.

- Agora você sabe como me sinto em relação a Verônica. - e virou de costas para Lauren dando aquele assunto por encerrado.

Pelo menos por hora.


Notas Finais


E aí? Não me xinguem! Me digam o que acharam, quero saber.
Me chamem no tt, ask; garanto que não mordo e na maioria das vezes sou legal ^.^
Até o próximo!
Amo vcs!

Playlist: https://open.spotify.com/user/little_angel_23/playlist/6ZjyfouDZDylU7tRtqofdY
Twitter: @ComandanteWoods
Ask: http://ask.fm/CamrenAngel


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...