História My fake Boyfriend! - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Fugaku Uchiha, Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Izumi Uchiha, Kagami Uchiha, Kakashi Hatake, Karin, Kushina Uzumaki, Mangetsu Houzuki, Mikoto Uchiha, Minato "Yondaime" Namikaze, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Obito Uchiha (Tobi), Personagens Originais, Rin Nohara, Sai, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shisui Uchiha, Suigetsu Hozuki
Tags Naruto, Romance, Sasusaku
Exibições 174
Palavras 3.652
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi!!! Me desculpem pela demora, juro que ia postar semana passada, e então perdi o capítulo e tive que rescreve-lo. E eu gostaria de agradecer a paciência que estão tendo com essa fanfic, eu sinceramente reli e pqp, passei nervoso XD não sei como prosseguem ksksks
Mas sério, eu quero agradece-los por isso, pois a fanfic tem longos capítulos - coisa que não teria - e vários capítulos até chegar ao clímax, então agüentem mais um pouco. Vou recompensa-los!
Me desculpem também por quase não responder os comentários, é bem difícil pelo celular já que o meu notebook fez o favor de pifar. Juro que responderei na medida do possível, porém se sintam adoradas por quê é verdade. Eu os adoro muito e respeito, afinal não é fácil ler algo meu lol
Entretanto, mesmo que eu goste de escrever, vamos ao capítulo.
Boa leitura e espero que gostem!

Capítulo 9 - Brincadeira sem graça.




 




       Não diria que minha entrada, em meu próprio apartamento - só para enfatizar - é dramática. Inusitada sim, dramática não. 
    Estou naquele instante, segurando a maçaneta da porta com força, e com uma mão no batente estranho, o segurando também com força. Meu tronco está jogado para frente, enquanto todo o resto dele - meu corpo - fica para trás, sendo segurado por Sasuke que teve de correr atrás de mim antes que eu cometesse suicídio - Ou caísse na entrada graciosamente como um saco de areia.
      Minha irmã, vulgo prima, parece surpresa enquanto segurava um pote de plástico com ramen ao lado de Naruto e Hinata. Seu cabelo vermelho estava em um coque, e sua pele pálida brilhava para a luz da TV. Seus pés estavam descalços e em cima do sofá, assim como Naruto e Hinata. Todos os três com pijamas e assistindo a qualquer programa na TV, sentados no apertado. 
E eu não consigo compreender aquela cena, os três tranqüilos enquanto Ino estaria por aí pelo lugar conversando com minha tia como se isso fosse a coisa mais natural do mundo. Não até Naruto gargalhar feito louco, como se estivesse em um circo e eu fosse a palhaça. 

- Não acredito que mentiu! - Exclamo perplexa, lembrando que estou de vestido e com as mãos de Sasuke em minha cintura. 

Não consigo acreditar, enquanto me ajeito liberando Sasuke da tortura de me segurar , que os dois - loiro e preto - mentiram para mim. Arg, quero bater em alguém. Cade o Suigetsu?! 

- De que outro jeito você voltaria para casa o mais rápido possível para repousar ? - Naruto responde com uma pergunta. A janela da sala está aberta, a cortina branca balança com a brisa e eu consigo ver as pouquíssimas estrelas no céu naquela noite. - Eu te conheço, você não ia querer voltar para casa. 

- Por isso mentiu? - Se for só por isso eu vou matar ele! 

- Sim, você acabou de desmaiar e sair de um hospital. Queria o quê? É mais difícil trazer você para casa do quê um cachorro não adestrado. 

- Sou um cachorro, agora? - Não sei se pareço irritada, eles ainda estão rindo. 


Naruto bufa em desistência. 

- Pode ficar bravinha, me preocupo com você. - Ele diz, a camisa larga subindo quando seus braços foram ao ar e o mesmo quase derramou o caldo gorduroso do ramen na própria namorada, a única que me encarava compadecida por quê Karin também ria só que com menos exagero. 

- Até parece que a minha sogra viria tão tarde para cá por quê sua amiguinha traidora chamou, princesa. - Quem eu queria aparece do nada, surgindo do corredor. Sem camiseta ou qualquer outra coisa que pudesse cobrir seu abdômen, apenas com a calça do pijama azul com listras brancas e o cabelo quase branco, molhado. Ele mexia no mesmo com a toalha branca, fechando os olhos a cada vez em que fazia esse movimento. 

Mostro a língua para ele, pois sei que Suigetsu está certo e isso me chateia. Não consigo ficar brava tempo suficiente, apenas o tempo em que paro e tiro as sapatilhas, antes de colocar as pantufas rosas que deixo ao lado da porta e me virar para o Uchiha que tirava o tênis sem encarar qualquer pessoa ali, senão eu. 

- Você sabia? - Pergunto na esperança que a resposta fosse não. Sasuke franze o cenho, desviando o olhar para algo atrás de mim. Suigetsu provavelmente, mas ainda com o mesmo olhar provocador de quando me fizerá a pergunta de que ainda queria terminar com ele no estacionamento do hospital. - Sasuke me responde! - Meu corpo se inclina para o lado, trazendo sua atenção de volta para mim. Ele fecha os olhos e;

- Naruto. - Como assim Naruto? Eu quero a resposta dele! 
 

Ah! 

Naruto rouba o seu momento para responder. Quem é o cachorrinho agora? 

- Não briga com ele - Meu primo toma uma expressão assustadora, parecendo a namorada protetora. - Eu inventei tudo e pedi ajuda. Minha mãe ligou antes mesmo de chegarem e eu tive que mentir por você. - Naruto avisa como se estivesse me castigando e dizendo o motivo por isso -  Então não reclame. - Ele ordena risonho, soltando o pote na mesinha em frente do sofá, agarrando em seguida Hinata. 

- Não fale assim com ela. - Minha doce Hyuuga diz em minha defesa. 

- Viu. - Instigo a provocação. Naruto mostra a língua para mim e faz um bico manhoso para a amada. Hinata ri, fofa como sempre, antes de meu primo sem vergonha alguma beija-la. Suigetsu e Karin reclamam provocativos.

Reviro os olhos para a cena e me viro mais uma vez para Sasuke, expremo os olhos quase os fechando, fazendo um bico - o quê plagiei de Naruto - para acompanhar a careta. Ele sorri provocativo mais uma vez e eu congelo,  saturada com a provocação, ignoro-o e viro-me em direção a cozinha - Ver e sentir cheiro de comida me deixou com fome -. Passo pelo balcão de madeira, não deixando de bater de leve na cabeça de Suigetsu. Karin quase rosna para mim antes de, protetora, abraçar o namorado.  

 

Aquele cômodo estava limpo como deixei mais cedo. Passo pelos armários afim de procurar algo; vazio, vazio, vazio. Só havia doces ali, o quê surpreendentemente era algo que eu não queria. Bufo com uma irritabilidade momentânea, pois só dura até a maçã vermelha e limpa brilhar para mim. 

- É sua! - Karin avisa alto. - Você passou quase a tarde toda no soro, tem que comer fruta e não doce. 

- Eu sei, obrigado. - Agradeço me decidindo se gosto desse lado protetor ou não. Não pego a maçã, minha fome se foi junto com o meu animo para aquela noite. 

- Sakura. - meu namorado de mentira sussurra me chamando. Quero ignora-lo, ao menos até me esquecer da mentirinha sem graça. Porém é impossível quando sua mão agarra meu braço. Verifico se há algum curioso nos observando e quando vejo que não, me viro para ele. 
Ainda consigo sentir o cheiro forte e amargo de seu perfume, consigo notar sua mandíbula cerrada e ele procurando palavras. 

- Não foi sua culpa, certo? - Era mais uma afirmação do que uma pergunta, entretanto eu a fiz. Ele bufa, assim como Naruto e acena em resposta. - Acredito nisso, meu primo é o idiota aqui. - Digo em voz alta. 

- Ai! - O loiro na sala grita, avisando-me que escutou com clareza cada palavra minha. Sasuke não ri como eu esperava que fosse, e eu fico assustada. 

Se você estivesse no meu lugar saberia que mesmo sério, no fundo havia um senso de humor enorme em Sasuke e quando ele não ria ou sorria para qualquer piada, principalmente quando envolvia Naruto, era de se assustar. 

- Certo. - Ele fala baixo e solta o meu braço. Tem algo errado, sei disso, no entanto como sempre, não persisto. 

Quando me viro, dando as costas para ele, vejo os olhinhos e o rosto de Hinata e Suigetsu brilharem para mim, me fazendo corar como se estivesse sendo pega em uma cena intima. Passo novamente pela sala, me despedindo dos quatros ali. Passo também pelo corredor com todas as portas fechadas, até me recolher no meu cantinho precioso. 
     

Meu quarto estava uma zona, roupa jogada no chão além da pasta cheia de arquivos; coisas que pesquisei antes de largar a faculdade. Encosto a porta e acendo a luz, havia um ursinho de pelúcia no chão, um que ganhei de papai no meu aniversário de cinco anos. Olho sorrindo para o coitado e caminho até ele, tirando minha pantufinha no trajeto. Me abaixo e o pego do chão frio, tendo o prazer de sentir a maciez de seu pelo; ele é preto, fofinho, um ursinho gentil que me fazia companhia todas as noites. Outro sorriso brota em meus lábios e percebo que o dia todo me peguei pensando neles, se estariam felizes com o quê me tornei. Lógico que não, minha mãe nunca ficaria feliz em me ver daquele estado, desistindo com tão pouca idade e vivência. 


Balanço a cabeça em negação, vendo meu reflexo no cumprido espelho na porta de meu guarda-roupa, que também me proporcionava a vista magnifica de minha cama.Meu reflexo até que não estava ruim, ao menos até reparar no cabelo. Minha nossa.

 A porta de meu quarto se abre devagar me assustando; cabelos lisos e cumpridos são a primeira coisa que vejo antes dela cruzar a porta com o rosto redondinho e corado. Sua franja caia para o lado e a mesma precionava os lábios constrangida. 

- Estou atrapalhando? - Hinata pergunta em um sussurro. 
Inspiro fundo, não conseguindo ignorar a presença dela e assumindo quere-la ali. 

- Claro que não, você nunca atrapalha. - Respondo gentilmente e abraço o urso preto indicando silenciosamente que ela se sentasse em minha cama. A colcha verde fora tirada de lá e Hinata se sentou se recolhendo, cobrindo o corpo e me convidando para ficar ao seu lado. 

A janela estava aberta, o vento entrando e a lua nos iluminando mesmo com a luz acesa.  Fazia tempo que ela não parava e ficava comigo daquele jeito como se fossemos adolescentes apaixonadas, não com Naruto longe. Achei aquele um bom momento para conversar e ser uma boa amiga para ela. 
   Ando até o outro lado, verifico se a janela se encontrava mesmo aberta e quando termino, me viro e sento ao lado dela, me cobrindo assim como a mesma fez. 

Ela ri. 

- Quanto tempo. - E eu afirmo;  

- Muito, mas isso é culpa do meu primo. - ela ri mais uma vez. 

- Faz tempo que não conversamos. - Sua voz ronrona, me sinto calma. - Você está bem? Depois de tudo, sabe... 

- Oh, estou sim. E você? - Parecia que estávamos sem assunto, como se trocássemos mensagens sem graças, apenas para manter a conversa. 

- Na medida do possível. - Hinata é sincera. Me remexo desconfortável, ela nota. 

- Fico contente. - Sou vaga, o quê normalmente era papel do Sasuke. É estranho, tentar por tudo em dia quando não havia nada para por. Hinata sabe tudo que aconteceu e acontece e se não descobriu por mim, Naruto era uma boa fonte. Sei que ela sabe até mais que a metade, então não entendo onde quer chegar. 

- Então, tudo é uma mentira? - Ah, lógico. Normalmente tudo girava nisso. 

- É, ele está me ajudando. - Tento não ser vaga novamente. 

- Mas não chegaram a mentir de verdade? 

- Como assim? - novamente não entendo qual o seu ponto. 

- Quero dizer, encenar e essas coisas. - ela tira a minha dúvida silenciosa. 

- Coisas de relacionamento e...? - Confirma. - Uma vez, mas acredito que Ino estava nos testando. 

Escuto passos no corredor, dura pouco e não está perto. 

- Se ela sabe, então por que continuam? - Outra pergunta que mesmo sendo objetiva, não compreendo. 

- Minha tia, os pais dele e meu ex pensam que é verdade. Por que não continuar? - Meu riso sai como se tivesse falado algo óbvio, algo que não precisasse ser dito. Sarcástico. Espero que ela não tenha se ofendido. 

Hinata se remexe desconfortável, como eu, ao meu lado.

- Posso dar a minha opinião? - Tremo. 

- Claro. - Isso era muito importante. 

Algo em sua garganta parece incomodar, ela se vira de lado, seu joelho direito e coberto dobra. Sua pele pálida brilha para a luz alaranjada de meu quarto.

- Isso não vai dar certo, Sakura. - Ela começa devagar. Meu corpo treme novamente. - Quero dizer, o Sasuke-san é um bom amigo, mas também galante. - Diz respeitosa.Faço um gesto com a mão para ela parar. 

- Sei onde quer chegar e eu já conversei com ele, isso não vai acontecer. - Os cílios pretos dela balançam, enquanto sua pupila se dilatava.

- Não adianta pensar que não vai acontecer. - minha amável amiga persiste - Você não pode evitar caso ocorra, e..

- Hinata. 

- Espere. - Ela pede. - Sakura, em um momento beijos vão se tornar necessidade, profundos e.. Er. Eu te conheço tão bem, sei que se você se apaixonar por ele vai se martirizar. Vai pensar que é errado. 

- Não vou - rebato. 

- Vai, eu sei que vai. E quando isso acontecer, você vai esconder de tudo e de todos, porém, eu vou notar. - Sua mão vai ao meu ombro antes dela voltar a posição inicial. Ela estava me confortando? 

- Não vou. - Desvio dela e encaro o espelho em nossa frente, refletindo nós duas. 

- Vai, e o Sasuke-san também vai notar. 

- Hinata, não precisa.. 

- Estou somente te aconselhando por quê me preocupo com você.  - ela me interrompe. - E estou protegendo o Sasuke-san. - Fico perplexa, eu sou a amiga ali. 

- Não vai acontecer. - Pareço uma criança birrenta. 

- Isso se já não aconteceu. - Engasgo desviando-me dela outra vez, olho o espelho com intensidade. - Não olhe meu reflexo assim, eu o conheço antes de conhecer você. - Reviro os olhos, ela acha graça. - Ele ainda sente algo por você, só não admite. 

- Ele não sente. - meu coração pulsa rápido e a idéia de Sasuke apaixonado por mim parece distante. 

- Ah, sente sim. Então não o machuque e nem se machuque. - Me encolho, prometendo não fazer isso. 

- Tudo bem. 

Ela respira fundo. 

- Sabe que pode me chamar e conversar, não sabe? 
   Eu sei disso, sei que quando precisar ela vai me escutar, me deixar chorar em seu ombro e até mesmo me abraçar e dizer que tudo vai ficar bem. Hinata era assim, com todos e em especial, Naruto. E ela também estava certa em perguntar e deixar claro muitas coisas, ela é Sasuke possuíam uma amizade longa, suas famílias se conheciam desde que Hinata nasceu e os dois dividem segredos maiores do que os que eu divido com ela, ou com ele, entretanto não posso me impedir de me apaixonar por alguém como Sasuke que possuía todas as qualidades boas e ruins. 
Não vou enfia-lo mais ainda na mentira, não quero isso. Vou me resolver com Ino o mais rápido possível, esquecer Sai e seguir a vida feliz. 

Paro decidida. 

- Eu sei, espero que também saiba. - digo e ela entende, rápido demais, onde quero chegar. 
Mudar de assunto era o certo, para mim, não para ela. Fazia uns dias que queria tocar nisso, e fazia sentido a mesma querer esconder e eu não cobrei dela nada quando a necessidade de fechar os olhos chegou. 

 Hinata encolheu os ombros e chorou no silêncio. Não queria essa reação, apesar de esperada. Queria que ela visse em mim uma amiga, um conforto, ao invés disso fiz com que Hinata chorasse.  
 Deve ser difícil querer muito uma coisa e não poder ter, mesmo com tantos esforços Hinata não desistia, aprendeu isso com Naruto; ser positiva era uma qualidade e um dom que somente os dois possuíam. Invejo isso, invejo ela ter alguém como meu primo, como meu irmão. Eles seriam plenamente felizes independente de tudo, conseguia enxergar um futuro brilhante e feliz e isso era o quê realmente importava ali. 

- Me desculpe. - Peço receosa se deveria ou não abraçá-la. No fim, me movi, fiquei de frente à ela. O coberto e colcha verde caíram pro lado, para ela e  meus braços circularam seus ombros e eu me abaixei; testa com testa.  Queria sentir a dor dela, comparar a profundidade de tudo. Era realmente doloroso. 

- Não, não se desculpe. Sou danificada biológicamente, apenas isso. - minha cunhada funga, com um choro fraco, e ainda assim desesperador. Era assim que ela se via. 

- Não diga isso. - Ordeno. Se ela continuasse a chorar, choraria também e não me aguentaria. - Ei - busco pelo seu rosto - O Naruto te ama e é somente isso que importa. Você pode adotar, certo? 
Ela se afasta, passa as mãos pequenas e fofinhas pelos orbes claros e um sorriso triste nasce em seus lábios. 

- Posso, mas não quero. Eu quero ter um, ter a sensação da gestação, a dor do parto e principalmente ver o rosto de uma parte minha com o Naruto. - Confessa. 
         Paro para pensar nisso e concordo; Ser mãe era uma coisa única, entretanto seria lindo se ela fosse adotar. Apoiaria ambos até que um pequeno bebê ou criança estivesse presente. 
  
    Não respondo, deixo-a se controlar aos poucos até adormecer linda em minha cama.  Meus olhos se enchem de lágrimas só de imaginar o quanto ela guarda. Hinata era assim, meiga, um alguém que todos escolheriam proteger e amar. Não dava para imaginar algo assim acontecendo com ela. Se eu pudesse mudar, ajudá-la em algo, faria. Preciso conversar com alguém, talvez minha tia ou o primo e o pai de Hinata. Alguém que talvez compreendesse a dor dela. 
     

A respiração calma da Hyuuga toma o cômodo e uma mão apaga a luz de repente. Vejo na porta meu melhor amigo, namorado e provavelmente apaixonado nos observar quieto. Pisco rápido para ele, o chamando sem dizer nenhuma palavra. 
Sasuke abre a porta devagar e caminha para perto, usando uma camiseta branca, e calça de moletom preta. Seu cabelo estava amarrado com apenas alguns poucos fios soltos. Já dentro do quarto ele colocou ambas as mãos dentro dos bolsos da calça e ficou parado na frente da cama esperando o que quer que eu fosse dizer. 

Será que os passos que escutei? Não. 

- Ouviu tudo? - Ele acenou afirmando. Meu rosto fica quente e eu sei que estou corando. Quero chegar em um ponto onde ninguém precise esconder nada. 

- Durma. - ele sabe onde quero chegar. Não paro, não obedeço. 

- E é verdade? - Não sei de onde tirei coragem e forçar para fazer aquela pergunta. Talvez por estar longe, deitada e por Hinata estar ali adormecida, no entanto havia uma necessidade enorme em meu interior e isso era preciso fazer, ao extremo. 

- Sakura. - ele chama pelo meu nome, baixo. A luz da lua refletindo seu rosto, sua pele pálida e seu cabelo preto. 

- Só me responde. - Insisto. 

Ele respira, inspira e deixa os bolsos para cruzar os braços em frente do peito. Estranhamento, seu jeito relaxado parecia incrivelmente belo para mim.

- É. 

- O quê? - Persisto novamente, quase que engasgando com as minhas próprias palavras. 
 

  O ar fica pesado, respiro com força enquanto Hinata se mexe ao meu lado. Quero levantar e tento, tirando o cobertor e colcha de cima de mim com cuidado.  Só que antes que eu pudesse sequer por o pé para fora da cama, paro ao ver Sasuke andando rápido até chegar perto o suficiente para segurar a minha mão. Ele me olha sem paciência, apertando minha pele na dele. 

- Não. - Não entendo por quê ele não me deixa. Medo? Mas dê que? 


 Busco por alguma resposta em seu olhar, suas profundas pérolas negras.  

- Me responde. - minha voz sai esganiçada. 
Ele se inclina para baixo, sua franja caindo para frente, tocando meu rosto de leve. 

- Não pergunte mais e apenas durma. - Sua voz rouca me dá a ordem, trazendo e me fazendo sentir algo bom. 

- Só me diz. - Minha voz ressoa pelo quarto, eu imploro. Ele sabe o quê quero saber, ele sabe que se contar tudo muda e é nisso que não concordamos. 
Nada vai mudar, só irei saber de algo que estava suspeitando. Para mim não muda nada. 

Seu rosto se abaixa mais, sua franja agora alcança minha orelha e seu nariz está no meu. Nossos lábios não se tocam, apenas rosam enquanto ele atende meu pedido. Não consigo desviar o olhar. Meu estômago vibra com a proximidade. 

- Eu amo você. - Ele fala, lento, parecendo cantar ou soletrar cada letra. É um choque, um tiro em meu peito, que ao invés da morte me desperta. Quero sinceramente beija-lo, só que não faço. Não tenho esse direito, não quando disse gostar de outro naquele mesmo dia. Não quando imaginei que nada mudaria e que nada significaria. 
 

  Sasuke sorri, um sorriso pequeno e modesto, coisa que só ele fazia. Não consigo dizer nada e mesmo quando ele se afasta eu não digo, não o impeço.  
   Meu corpo está trêmulo, e meu coração ao mesmo tempo que se encontra acalorado, está quebrado em milhões de pedaços. Doeu nele com toda certeza o quê falei no hospital e eu não poderia voltar atrás. 
Agora sei de tudo, sei que sou uma tola e que com toda certeza, se continuar com toda a mentira, vou perder alguém. Posso tolerar perder Ino e Sai novamente, eu já não os tinha mesmo...No entanto Sasuke e a minha família, pessoas que amo, isso eu não posso aceitar. Não quero esperar para o acaso fazer com que Ino e eu nós encontremos por aí, quero marcar um encontro, falar o quê devo e acabar de uma vez com toda a mentira, assim talvez algumas coisas mudem e eu crie alguma vergonha na cara ao invés de chorar por quem não merece. 

Mas desde quando escutar isso não mudaria nada? Estou tremendo, corando, o coração pulsa mais rápido do que... Qualquer coisa com vida e que se movimente. Não aguento a pressão e a sensação de que deveria levantar e correr atrás dele. E no fim, meu corpo e coração tenta mais uma vez levantar.  Meu braço é segurado. 

- Durma, Sakura. - Hinata sussurra me acordando das lamentações, seu rosto corado por ter escutado toda a conversa. Sua mão pega na minha que pousa na cama. Quero gritar e, embora tente, apenas adormeço ao lado de quem eu mais precisava naquela noite. 




 
 


Notas Finais


Espero que tenham gostado, pois escrevi na correria de quem quer pagar por uma dúvida lol então tomara que esse capítulo pague um pouco pelo meu atraso huehuehue
Pensei que esse seria pov de outro personagem, mas acabou que não sendo por quê rescrevi. Não quis deixar a Hinata vergonhosa e fofa demais, ela já é só por respirar. E a confissão do Sasuke, não queria deixar enrrolada, só o suficiente para parecer ele. No final ser direto foi o melhor, mas é para vocês?

Ps; Quando for pov de verdade, sem mudanças, eu aviso XD
Até esse ou o próximo final de semana, kissus!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...