História My fake boyfriend - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Exibições 63
Palavras 1.377
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oiie gente! Tudo bom?
Obrigado por lerem minha fic! <3
\^0^/

Capítulo 2 - A proposta.


"Achei que ele quisesse falar com você meu filho." Ouvi minha mãe falar enquanto voltava para sala. 

"Provavelmente não é nada sério, e eu posso falar com ele mais tarde. Ele mora no apartamento do lado." Digo me dirigido à cozinha, precisava beber algo. 

Meus pais olharam  para a bebida nas minhas mãos com o cenho franzido. Pude sentir uma repreensão mas eles estavam muito feliz com essa história de eu ter um  "namorado" para falar alguma coisa. Depois que ele viram o meu falso namorado/vizinho maluco, a visita deles já não fazia nenhum sentido. Assim que eles perceberam saíram alegando que tinham coisas para resolver. 

Mesmo morando sozinho não pude e nem posso escapar dos desejos dos meus pais. Tinha me tornado um empresário por causa do meu pai, ele me via como sua continuação, alguém que podia confiar a empresa de nossa família. E aqui estou eu, com o segundo cargo mais alto de nossa empresa. Até que não era tão ruim assim, gosto de ter poder de mudar as coisas. Mas agora eles estão me empurrando para algo mais sério. Minha mãe sempre fazia questão de me lembrar que eu já tinha 27 anos e mesmo assim, ela não podia enxergar um genro quando pensava no meu futuro. Por isso eles resolveram que se eu não noivasse até o fim desse ano eu teria que me casar com o filho da prima da minha mãe. Eles disseram que isso era para o meu bem. Para o meu bem? Eles se preocupam mais com a empresa, mas o que posso fazer. Tive que aceitar. 

Assim que eles foram embora, servi mais uma bebida e me preparei para lidar com a confusão que eu mesmo havia criado. Suspirei cansado. Pensei em ir para o corredor e parar a lado de sua porta mais tive uma ideia melhor. Fui até meu quarto e abri a janela, se ele consegue fazer isso eu também consigo. Quando alcancei a janela dele segurei-me no ferro enquanto abria a janela, logo já estava dentro do seu quarto. Segui para a sala e consegui escutar as reclamações dele. 

"Aquele idiota." Diz nervoso. 

"Espero que não esteja falando sobre mim." Me arrependo logo assim que digo, ele me olhou assustado. Nunca percebi, mas os olhos dele são tão negros e profundos acho que isso tem sua certa beleza. Espera o que eu estou pensando.  

"Como você entrou aqui." Ele olhou para a janela. "Você sabe que isso é invasão de propriedade né?" Disse tirando dos meus devaneios.  

"Ah então você sabe! Achei que não sabia vendo que já invadiu meu apartamento duas vezes." Digo sarcástico. 

"Mas...." Me olha tentando achar uma justificativa. " Você ainda tem muito que me explicar." Disse indo até a cozinha. "Pode começar a falar."  

 Ele apontou para a cadeira eu  me sentei meio tenso sabendo que não seria nada fácil de explicar. 

"Então." Me olhou de um jeito ameaçador. "Você sabia que me fez perder a minha prova hoje?" 

Aquilo me fez pensar que eu tinha uma certa culpa pelo que fiz hoje mais cedo. Ignorei o sentimento e lembrei-me que ele fizera na noite anterior. Meu amigos me ririam de mim pelo resto da noite. 

" Meu apartamento ainda está molhado." Eu disse em minha defesa. 

"Meu carpete ainda não secou, mas eu não fiz você perder semanas de trabalho e noites mal dormidas." 

" O que? Você estragou toda a minha mobília!" Percebo que estávamos quase discutindo.   

"Olha." Eu disse nervoso, estava parecendo um adolescente. "Nós começamos de um jeito errado, acho que podemos recomeçar de um jeito mais ameno."  

"Por que seus pais acham que eu sou seu namorado?" Tão direto! Acho que esse recomeço pode ser um pouco mais difícil que eu esperava. 

"Talvez por que eu tenha deixado pensarem assim." Digo sem muita importância. Ele apenas desfiou o olhar. "Eu tenho uma proposta para te fazer."  

"Proposta?" Ele me encarou, e juro que por um segundo pude notar um brilho indecifrável nos olhos dele. "Eu não vou namorar você."  

"Eu não quero namorar você." Respondi sério e ele me olha confuso. "Eu quero que meus pais pensem que estamos namorando."  

"Hm." Ele respondeu. " E por que você que eu quero te ajudar?"  

Respirei fundo. Isso é mais difícil que eu podia pensar. Mas como sempre vou usar minha influencia como ajuda. 

"Soube que você precisa de um estagio." Disse me lembrando de uma conversa dele. Há alguns meses um dos amigos dele tinha começado a gritar sobre as dificuldades que ele passava por não ter um trabalho, sua faculdade exigia isso. Ouvi praguejar algo que não consegui ouvir. "Eu posso te ajudar. Posso te dar um estagio em minha empresa." 

"E por que eu aceitaria isso?" Perguntou cruzando os braços. "Eu posso conseguir um estagio em outra empresa." Ele disse firme.  

"Ah Jungkook, você sabe que não pode." Digo o encarando. "Quem contrataria um jovem sem nenhuma experiência?" 

Ele me pareceu pensativo então eu continuei. 

"Como nos conhecemos desde crianças não vejo problemas, sei muito bem do que você é capaz." Disse pressentindo minha vitória. " O que você teria a perder?"  

Ele percebeu que eu tinha vencido. Vi que ele ficou pensativo respirou fundo e passou as mãos pelo cabelo em um gesto nervoso. Fiquei o observando até que ele falasse.  

"Okay. Digamos que eu aceite essa sua proposta." Me olhou desconfiado. "O que você espera do seu "namorado"."  

"Espero que ele me acompanhe nas visitas à casa dos meus pais e haja como apaixonado." Disse sem perder tempo. " Também espero que ele se apresente como meu namorado, me acompanhe nos eventos importante da empresa. uns beijos na frente dos outros seriam bons." Ele ficou vermelho e tive que me segurar para não apertar as bochechas dele. 

" E o que você faria por mim?" Perguntou ainda desconfiado. 

"Aquilo que eu falei. Vou te empregar em minha empresa, como um estagiario. Eu realmente preciso de um assistente." Disse e ele me encarou pensativo. Era prudente, nunca fazia as coisas sem pensar mais que um vez. "E então? Você aceita?" 

Ele respirou lentamente e concordou com um movimento positivo. Permiti que um pequeno sorriso se formasse em meu rosto. Combinamos que no dia seguinte ele passava na empresa para organizamos as papeladas para o estagio dele. Ele era mais esperto que eu pensava, ele exigiu saber todos os detalhes, mas disse que estava atrasado e que precisava ir para o trabalho. Concordei em falar com ele depois. 

Juntei minhas coisas e cheguei no escritório algum tempo depois. Como sempre a recepcionista piscou para mim enquanto passava. Ela era uma mulher bonita mas mal sabia que eu era gay. Mas de um certo jeito adoro provoca-la é engraçado.  

Yoongi me viu assim que eu passei pela porta. Vi um olhar de alivio em seus olhos, algo estava errado. 

"Graças a Deus você chegou." Disse me entregando uma pasta. 

"Problemas?" Pergunto colocando minhas coisas em cima da mesa.  

"Sim, aparentemente uma de nossa sede na China." 

Yoongi me explicou todo o problema. Passei o dia todo tentando resolve-lo. Assim que deu a hora, juntei minha coisas e fui para casa. Peguei minhas correspondências e percebi que Jungkook ainda não estava em casa. 

Caminhei para meu apartamento e a primeira coisa que eu fiz foi deitar, estava exausto. Estava lá aproveitando da minha solidão quando meu telefone começa a tocar. Olho o número no visor: desconhecido. 

"Alô"  

"Oi Taehyung!"  

"Ah, oi Jungkook! Tudo bem? Por que está me ligando?"  

" Sua mãe pediu que te ligasse para avisar que ele quer que passássemos lá amanhã! Mas uma coisa me incomodou, como ela sabe o meu número?"  

"Ah, essa aí quando quer vira até agente do FBI, mas por que você não veio até aqui para me falar?"  

"É que...." Ele parecia nervoso. 

"Jungkook, o que houve? Está falando com o Tae?" Pude ouvir a voz da minha mãe do outro lado da linha, mas que diabos era aquilo. 

"Sim senhora Kim." Disse ele a minha mãe. " Tae assim que eu voltar te explico, tchau!"  

Antes que eu pudesse responder ele desligou, ah mais temos muito que conversar. Então voltei a me deitar e esperar até que meu vizinho do 9C viesse se explicar. 

 


Notas Finais


Até o próximo capítulo! <3
Espero que estejam gostando!
\^0^/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...