História My Favorite Doctor (Kim TaeHyung - BTS) - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan, Bts, Taehyung
Exibições 210
Palavras 1.804
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Romance e Novela, Shoujo-Ai
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


HELLO! Olha só quem voltou depois de um mês sem atualizar!
Como tinha avisado, mês passado estava super atolada. Mas agora meu semestre está acabando e voltarei a postar com regularidade *-*

Boa leitura!

Músicas: Michael Buble - I wanna go home
Pink - I don't believe you

P.S: Capítulo não revisado

Capítulo 25 - O Plano: Parte I


Fanfic / Fanfiction My Favorite Doctor (Kim TaeHyung - BTS) - Capítulo 25 - O Plano: Parte I

P.O.V Lee Ha Ni

- Senhorita Lee? Você tem certeza que o senhor Zhi está chegando? – A corretora de imóveis questiona mais uma vez.

Estamos a mais de meia hora esperando Wan Kai. Não entendo como uma pessoa pode ser tão atrasada assim.

- Ele acabou de me mandar uma mensagem avisando que está procurando uma vaga para estacionar o carro e que logo virá. – Dou um sorriso forçado.

Zhi Wan Kai é filho de um amigo do meu pai de Taiwan, nos conhecemos há muitos anos, e sempre nos víamos quando visito meu appa. Na minha última viajem fiquei sabendo que ele estava de mudança para a Coreia junto com sua noiva Yu Tan e me prontifiquei a ajudá-los a encontrar um bom apartamento em Seoul. Como Yu Tan só chegará na semana que vem, também estou sendo responsável por manter Kai alimentado, já que o mesmo anda tão atolado com o novo emprego que mal lembra de comer. Claro que sempre mando uma mensagem para ela assegurando que não estou deixando seu noivo passar fome.

Meu tempo em Taiwan foi muito bom, gostaria de ter ficado mais um pouco por lá, mas tinha entrado em acordo com o coordenador do estágio que ficaria de licença por um mês e depois voltaria para dar continuidade ao meu internato. Eu precisava de uma pausa, do contrário iria colapsar a qualquer momento. Eu nunca fui do tipo que se deixa abalar por um fim de relacionamento, mas estava tão exausta emocionalmente que achei que estava na hora de dar um tempo de tudo. Como tinha muitas horas complementares e essa pausa não iria afetar minha vaga como interna, achei que não haveria hora melhor.

E estava certa. Passar tempo um tempo com appa me fez muito bem e me ajudou a colocar meu sentimentos no lugar. Claro que ele insistiu que  eu me mudasse de vez e ficasse por lá, mas eu tenho uma vida aqui em Seoul e não posso muda-la  de ponta cabeça por  causa de um coração partido.

Saio dos meus devaneios ao notar Wan Kai se aproximando. Sua respiração está um pouco acelerada devido aos seus passos apressados.

- Me desculpem pelo atraso. Ainda estou me adaptando com o trânsito – Pronuncia, cumprimentando a corretora.

- Imagina. O senhor gostaria de olhar o apartamento? – Ela responde com um sorriso comercial, que com certeza direciona apenas para potenciais clientes.

- Claro. Ha Ni você vem conosco? – Concordo levemente e sigo com eles pelos cômodos do imóvel.

O apartamento é bem localizado e espaçoso, sem falar que tem uma bela vista para o rio Han. Depois de tirar algumas dúvidas com a corretora Kai acaba fechando o negócio. Me afasto um pouco enquanto ele liga para sua  noiva, dando privacidade para sua conversa. Assim que termina a ligação o chamo para ir embora, pois tenho que ir chegar ao hospital para meu plantão em vinte minutos. Por sorte o prédio em que estamos não fica muito longe.

Estamos saindo para pegar o elevador quando a porta do apartamento da frente é aberta, dela sai um Taehyung vestido inteiramente de preto e com os cabelos ainda úmidos do banho. Nossos olhares se cruzam e sinto um frio na barriga.

- Bom dia – ele cumprimenta educadamente com uma leve reverência e aperta o botão do elevador.

Penso seriamente em descer pelas escadas, mas estamos no vigésimo andar e, além disso, tenho que me manter forte. Afinal trabalhamos no mesmo local e é praticamente impossível não nos encontrarmos vez ou outra.

Entramos no elevador e tento a todo custo não olhar para Tae. Dentro desta cabine compacta o cheiro de seu perfume fica ainda mais intenso e uma sensação nostálgica me invade. Sinto saudades do seu cheiro, do seu calor.

- Você é colega de trabalho da Ha Ni, não é mesmo? Lembro-me de tê-lo visto no hospital – A voz de Wan Kai quebra o silêncio que fora instalado dentro do elevador. Sua pergunta é dirigida ao meu ex-namorado.

- Ah sim, sou um dos internos do hospital – responde secamente.

- E você mora neste prédio? Não quero ser invasivo... mas é que acabei de fechar negócio e serei proprietário do apartamento 220.

- Então acho que seremos vizinhos – Seu sorriso é rápido e polido.

Como assim? Taehyung se mudou? Por que ele saiu da casa dos seus pais? Várias dúvidas permeiam minha mente ao saber dessa nova informação sobre sua vida. Mordo a língua na intenção de não deixar essas perguntas serem pronunciadas em voz alta.

Se controle Ha Ni, o que ele faz ou deixa de fazer não é da sua conta. Não mais.

Dou graças aos céus quando as portas finalmente se abrem e solto a respiração que nem notei que estava prendendo. Tae se despede com um aceno de cabeça e vai até seu carro.

- Poderia ser cortado com uma faca – olho para Kai sem entender sua colocação – o clima entre você e meu futuro vizinho, estava tão pesado que poderia ser cortado com uma faca.

Desvio olhar. Não quero entrar nesse assunto com ele.

- Tudo bem, não está mais aqui quem falou – diz dando de ombros – Quer sair para jantarmos mais tarde?

- Hoje não vai dar, marquei de sair com In Na, na verdade fui praticamente intimada – solto um riso fraco.

- Tudo bem, vá se divertir com sua amiga. Você está precisando.

- Mas por favor Zhi Wan Kai, se alimente direito. Você não quer deixar a Yu Tan preocupada não é mesmo? – Falo em tom mandão.

- Tudo bem mamãe. Não sei por que Tan te colocou na posição de minha babá, você pode ser tão tirana quanto ela.

Dou um soco leve em seu braço, rindo, pois sei que sua noiva quando quer pode ser bem assustadora. Nos despedimos e eu me encaminho para meu carro. Depois de muita insistência acabei aceitando o automóvel de presente do meu appa, pois fica bem mais fácil de me locomover para o trabalho. Enquanto dirijo meus pensamentos se dispersam, faço uma nota mental de perguntar a louca da minha amiga o horário em que nos encontraremos, ela disse que tinha algo importante para me contar, estranhei um pouco o tom conspiratório em que falou. O que será que Song In Na está aprontando?

***

Chego ao restaurante de Jimin pontualmente as 19:00 hs e In Na já me espera na calçada, desço do carro e entrego as chaves ao manobrista.

- Vamos jantar com o Jimin? – Questiono ao me aproximar e dou um abraço apertado nela.

- Não exatamente.

Olho para In Na, ela tem um brilho misterioso no olhar, me deixando desconfiada de suas atitudes.

- Não faça essa cara Hanie. Garanto que essa será uma noite bem surpreendente. Basta confiar em mim.

Seguimos para dentro do restaurante e vamos em direção ao segundo andar onde ficam as mesas VIPs. Estranho as mesas estarem praticamente vazias, pois este é um dos restaurantes mais requisitados de Seoul. In Na me guia até um corredor onde ficam algumas salas que suponho ser da administração.

- Eu não entendo... Pra onde você está me levando Song In Na? – Solto um suspiro de pura indignação.

- Calma. Você já vai ver.

Entramos em uma sala e nela está Jimin sentado em frente à um painel repleto de monitores, que parecem ser as câmeras de vigilância do restaurante. Olho para eles sem entender.

- O que eu estou fazendo aqui? O que vocês estão tramando?

- Primeiro de tudo você vai sentar – Ela me indica uma das cadeiras em frente aos monitores – pronto, agora você vai me prometer que vai ficar até o final e escutar tudo.

- Tudo o que? - Eu não estou entendo merda nenhuma.

Ela abre a boca para me responder, mas é interrompida por Park.

- In Na, eles estão chegando.

Olho para a maior tela e vejo Taehyung chegar acompanhado daquela mulher, se sentando em uma das mesas VIP.

- Vocês só podem estar brincando com a minha cara – falo já na intenção de me levantar, mas Jimin me para.

- Fiquei por favor, não vai demorar muito – respiro fundo e aceno, me acomodando novamente na cadeira.

- Você já sabe o que vai pedir? – ouço aquela voz irritante.

 - Sim. Peça o que quiser – Taehyung responde e o garçom anota os pedidos.

A conversa deles está sendo transmitida por uma pequena caixa de som.

- Ji Ah... O motivo de eu tê-la convidado para jantar é porque quero saber toda a verdade sobre o que aconteceu naquela noite.

Meu coração para uma batida.

- Eu não sei do que você está falando Oppa.

- Ji Ah por favor, eu te conheço. A principio eu estava com muita raiva e não estava pensando racionalmente sobre o que aconteceu. Mas agora eu preciso saber... Você armou para que Ha Ni nos pegasse naquela situação, não foi?

Silêncio preenche o ambiente. Olho para o monitor e vejo-a levar o copo de vinho que o garçom havia servido aos lábios e depois soltar um riso contido.

- Sabe... Você foi o único homem que eu amei em toda minha vida. Eu sei que a maneira que deixei as coisas entre nós não foi a melhor... Mas eu realmente te amo e acho que merecemos uma chance de ficarmos juntos.

Aperto os punhos tão fortemente que minhas unhas machucam a pele de minhas mãos.

- Antes de qualquer coisa eu preciso que você seja sincera comigo – Ele segura em sua mão – Não temos como ter nenhum tipo de relação enquanto você não me falar a verdade, Ji Ah... Você me drogou não é mesmo?

Ji Ah desvia o olhar e por um instante seu olhos se prendem na câmera. Será que ela percebeu que estava sendo filmada?

- Coloquei um calmante no seu suco. Em poucos minutos você apagou – a descarada fala com a maior naturalidade do mundo – Entenda Oppa, eu tinha que fazer o que estivesse ao meu alcance para te ter de volta. Então inventei aquela desculpa para que você fosse até meu encontro. Depois pedi que um dos meus empregados ligasse para aquela medicazinha avisando que você estava no meu quarto do hotel. – Ela solta um suspiro resignado – Eu tinha feito uma pequena investigação e descobri que você foi o primeiro relacionamento que ela teve depois da morte do namorado, e claro que notei que ela era insegura em relação a nós dois, então armei tudo. Para que ela não desconfiasse de nada eu paguei para que uma das camareiras ficasse esperando-a chegar e acidentalmente abrisse a porta do quarto. E o resto você já sabe, e por incrível que pareça ela caiu direitinho.

Depois de ouvir essas palavras meu sangue começa a ferver. E em um impulso me ponho em pé.

- EU VOU MATAR ESSA VADIA!


Notas Finais


Então, o que acharam da minha volta? haha

Link da playlist: https://www.youtube.com/playlist?list=PLSln6CuFSQ-PZygRnhEJmge6bo6roe4Po

JÁ VOTARAM PRO BTS NO MAMA HOJE? NÃO? ENTÃO CORRAM PRA VOTAR E VAMOS FAZER NOSSOS BOLINHOS GANHAREM O MAIOR NÚMERO DE PRÊMIOS POSSÍVEIS: http://mama.mwave.me/vote

Saranghaeyo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...