História My First and Last - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Neo Culture Technology (NCT)
Personagens Chenle, Doyoung, Haechan, Hansol, Jaehyun, Jaemin, Jeno, Jisung, Johnny, Kun, Mark, Personagens Originais, RenJun, Taeil, Taeyong, Ten, Winwin, Yuta
Tags Chensung, Jaeyong, Johnten, Kunsol, Longfic, Markchan, Markhyuk, Marksung, Nct, Peter Pan, Renle, Tenny, Yuwin
Visualizações 117
Palavras 1.000
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Capítulo Pequeno, mas é de coração

Capítulo 2 - Garotos Perdidos


— Desculpe-me, ChenLe, mas não posso te ajudar a fugir de valentões até o fim de sua vida letiva...

— Eu só...

—... Minha mãe surtaria se vesse um ordinário em meu quarto! 

— Não sou um ordinário!

— Claro que não... — Renjun exibe um sorriso amarelo, ao mesmo tempo que encarava de cima a baixo as roupas esfarrapadas e surradas de Chenle. — Então por que os meninos mais velhos estão caçoando de ti?

— Pois sou chinês...

— Sim, pude perceber em seu sotaque.

—... E sou ator. Ou quero ser...

— É profissão de homossexuais e prostitutas.

— Não, não é! — o pequeno chinês franze a sobrancelha. — Até serei Peter Pan na peça da escola. — ele exibe um sorriso de orgulho.

— Por isso entrou pela minha janela? — questionou, abrindo um quase sorriso.

— Foi uma completa coincidência. — disse, fazendo os olhos de Renjun rolarem para trás. — Mamãe diz que é um profissão tão digna e normal como a de um bancário, por exemplo.

— Meu pai é bancário, o que quer dizer com isso?

— É por isso que a sua casa é enorme?

— Não vem ao caso... — o menor não responde. — De qualquer modo, fique, se achar mais seguro. Parta, se achar a melhor opção. — ele volta a se sentar em sua cama e a abrir seu livro grosseiro.

— Está me deixando ficar? — Renjun assente, com a cabeça. — Por que?

— Gosto de Peter Pan. — ele dá de ombros e Chenle se senta à sua frente.

— Temos algo em comum, isso é bom! — e sorri.

— Sim, talvez... Só fique quieto. Estou tentando me concentrar em minha leitura...

— Me desculpe... Apesar de eu ainda nem saber o seu nome. — disse Chenle, rindo.

— Sou Renjun. — disse, levantando o rosto do livro. — Pensei que soubesse meu nome, considerando que sabe onde eu estudo...

— Sei onde estudo, pois estudo lá, também! — exclama. — Sem contar que... Todos sabem quem é você; é o garoto que passa os intervalos sozinho!

— Sim, eu sou. — bufa.

— Por que não se mistura? — Renjun dá de ombros. — Seu coreano é bom e você parece perfeitamente normal, portanto...

— Como sabe que não sou coreano?

— Possuí um pouco de sotaque e... "Renjun" não é um nome nada coreano! — ri.

— Me pegou...

— Não tem amigos porquê é chinês, é muita xenofobia... Deveria retratar isso para algum adulto.

— Eu sou adulto.

— Como a Esther?

— Perdão? — Renjun franze a sobrancelha.

— Do filme "A Orfã"... Nunca viu aquele filme?

— Não tenho costumes de ver filmes...

— Porém, Renjun, se é adulto por que fala, se veste, se parece e é tratado como uma criança?

— Tenho dezessete. Sou quase um adulto.

— Mas, hoje, você é jovem... Pode colocar fogo no mundo, se quiser.

— Por que faria isso?

— Para vê-lo queimar. — ChenLe dá de ombros.

— É estupidez.

— Talvez... — o menor se levanta. — Acho que já vou indo, Renjun... Se quiser mudar a rotina, amanhã, pode ficar comigo e com Jisung. Seria uma honra saber a razão de ser tão misterioso...! — ele sorri, enquanto se aproximava da janela que entrara.

— Não quer sair pela porta?

— Portas são muito convencionais. — ele sorri. — E seu quarto é no térreo, portanto... Tanto faz. — ChenLe deixa o quarto.

E, no almoço do dia seguinte, RenJun decide que não seria uma boa ideia atormentar ChenLe e seu amigo; porém os mesmos vão até ele:

— Por que me ignorou? — Chenle, ao lado de seu amigo, se sentam à frente de Renjun, que, como sempre, almoçava sozinho.

— Me desculpe... — murmurou.

— Esse é Jisung. — disse, enquanto o mesmo sorria. — Jisung, esse é RenJun... Ele me ajudou ontem a noite, quando... Quando o ridículo do Lee decidiu que era uma boa ideia me perseguir.

— Quem é Lee? — questiona Renjun.

— Aquela é Regina George! — ri Jisung, apontando para um garoto de pele bronzeada algumas mesas atrás. Ele não parecia ser uma ameça, pois ria fofamente ao lado de dois amigos. — O mal em figura de gente...! — recita. — Ele parece um garotinho egoísta, traiçoeiro e descarado, mas na verdade ele é muito, muito mais do que isso.

— Ele é a abelha-rainha, uma estrela, os outros dois não são nem os zangões dele! — completa ChenLe, rindo.

— Perdão, mas... O que é uma Regina George?

— Oh, meu Deus...! — Jisung ri. — É fofo...!

— É uma vilã de um filme para adolescentes sem vida social... — ele sorri para o amigo.

— Meu filme favorito, por acaso. — disse Jisung.

— Lee Donghyuk — ChenLe aponta para tal, que ainda ri com os amigos pálidos. — é a pior coisa que meus olhos já conseguiram ver... E eu vim da China!

— Fazemos algumas aulas juntos... — disse Renjun. — Digo, eu e Donghyuk. E, posso concluir, que ele não parece ser tão mal.

— Aquela é Caren Smith, a garota mais burra que eu já vi. — recita Jisung, rindo.

— Lee Jeno não é tão burro quanto parece que é mas se faz de burro para que as meninas gostem dele mais fácil.

— Meninos com cérebros não são nada atraente na Coréia? — questiona RenJun e faz a dupla cair na gargalhada.

— Aquela pequenininha ali é Gretchen Wieners... — continua Jisung.

— Na Jaemin. — explica ChenLe.

— Ela é endinheirada porque o pai dela inventou o stroodle instantaneo.

— Pare de ser besta!

— Jaemin sabe o podre de todos, sabe tudo de todo mundo!

— Isso é verdade...

— Estudo com os três. E Lee Jeno já foi até agradável comigo uma vez...

— Eles são legais, Renjun — começa Jisung. —, só que, quando estão juntos...

— Menos Donghyuk... Ele me odeia muito!

— Por quê?

— As apostas dizem que é porque sou um dos poucos atores dessa escola, pelo menos, o mais bem sucedido, e esse é o único desejo dele...

— Mas o pai dele é o Diabo!

— De qualquer modo, ele odeia a todos que conseguem o que ele quer... Como a mim e Jisung... — eles sorriem. — Já falamos muito sobre nós... Diga mais coisas sobre você, Renjun! O único fato que coletei é que gosta de Peter Pan.

— E isso é muito bom, levando em consideração que está olhando para dois garotos perdidos! — sorri Jisung.

— São garotos perdidos?

— Sim — começa ChenLe. — Somos garotos perdidos e não estamos prontos para sermos encontrados


Notas Finais


Espero que tenham gostado..!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...