História My Ghost - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Jikook, Namjin, Yoonseok
Exibições 83
Palavras 1.703
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 4 - O carinho


My Ghost                                  

Capítulo 4-  O carinho

 

Jungkook P.O.V


 

_Puxa, acertou. Sou mesmo o Park Jimin._ Deu um sorriso ladino, que sinceramente quase me fez derreter.

 

Continuei pasmo com a cena, o rapaz Park estava ali, em minha frente, sendo que ele é de muitas décadas atrás! Oh meu Deus… Eu tô ficando louco?

 

_C-Como isso é… Possível?_ Me perguntei baixinho, o mesmo continuava a me encarar.

 

_Se você se acalmar, talvez eu possa lhe contar sobre mim, como me pediu. Seu nome, meu jovem?_ Perguntou curioso, estendendo a mão para mim.

 

_Jeon Jungkook._ Consegui falar sem gaguejar, com um sorrisinho tímido, o cumprimentando.

 

_Jungkook… Que nome bonito._ Corei, ele realmente era muito mais bonito assim, de perto. _Sua idade, Jeon?_

 

_ 19 anos… E o s-senhor?_ Gaguejei ao me lembrar que era desse jeito que ele não queria ser chamado.

 

_21 anos. 2 anos de diferença, certo?_ Falou, indo se sentar em sua cama, que não reagiu ao seu contato. _Sente-se aqui, por favor._


 

Sem medo aparente, me sentei ao lado da figura na cama, que não tirava os olhos de mim desde que apareceu. Ficando ali, eu olhava para o chão e ele continuava me secando, e aquele silêncio perturbador reinou no quarto novamente.


 

_Oh me desculpe Jeon Jungkook, vejo que está desconfortável, peço que sinta-se o contrário aqui._ Sorriu gentil, eu continuava vidrado naquele sorriso. _Então… O que queria questionar-me?_

 

_Hm... _ Pensei em uma pergunta, ah!_ Qual o motivo de estar aqui depois de tantos anos?_

 

_Sabe… Eu me fui quando tinha , obviamente, meus 21 anos. Meus pais não se davam muito bem comigo, eu fazia de tudo para que eles gostassem de mim, me olharem com olhos diferentes, mas de nada adiantava. Até que um dia..._ Ele olhou para a escrivaninha, deixando uma lágrima escorrer por uma de suas bochechas rosadas._ Meu pai me assassinou, suas últimas palavras que ouvi foram: “Apodreça no inferno!’’_

 

Meu Deus, mas que porra de pai é esse? Seria ousadia minha se…

 

_Eu sinto muito Park Jimin… Mas por quê esse ódio todo? Acredito eu que seus pais não foram sempre desse jeito contigo. O que aconteceu?_


 

Ele fitou-me, com os olhos marejados, e logo desviou para algum canto do quarto.


 

_Promete… Promete que não irá se afastar de mim ou me amaldiçoar quando eu lhe disser?_

 

_Claro que não irei fazer isso, eu prometo._ Dei um sorriso mínimo, que foi retribuído. O Park respirou fundo, e então:

 

_Eu… E-eu sou homossexual._ Olhou o chão triste, lágrimas escorriam pelo seu rosto com mais intensidade._ Eles nunca mais me trataram como uma pessoa normal depois de dizer que eu estava tendo atração por um menino que morava há umas ruas daqui._ O fitei, era tão agoniante ver aquele rosto tão bonito daquele jeito. _Meus pais não deixaram mais eu sair daqui, pensavam que eu iria transar com qualquer menino que aparecesse, diziam aos nossos familiares homens manterem a distância de mim. Tudo isso por um simples: “Acho que estou gostando do Minnuo, mãe.”_

 

Involuntariamente o abracei apertado, o mesmo parecia ter ficado sem reação no começo, mas logo retribuiu o aperto.

 

_Park Jimin… Não fique assim, seus pais não conheciam o filho brilhante que eles tinham dentro de casa, e seu pai não te amava. Que tipo de pai mata seu próprio filho por causa de sua opção sexual? Por favor, pare de chorar, está tudo bem..._ O mesmo estava mesmo me apertando, eu sentia seu contato, notando que sua transparência diminuia a cada aperto mais intensificado em meu corpo. _Tudo passou._

 

_Eu não sei porquê eu fui nascer… Era pra eu ter me suicidado enquanto podia!_ Largou-se do abraço, dizendo em desespero.

 

_Desculpa pela falta de respeito ao mais velho, mas vou te pedir que CALE A BOCA PARK JIMIN, NÃO FALE UMA BESTEIRA DESSAS!_ Ele olhou-me assustado. _Você era e acredito que ainda é um rapaz de ouro, pelo que vi, um rapaz inteligente, habilidoso, esforçado, com classe e pra melhorar, MUITO MAS MUITO LINDO!_ O mesmo arregalou os olhos e suas bochechas estranhamente coraram._ Ah! Er… Me desculpa! Haha, esquece o que eu falei agora, okay? Mas o que eu lhe disse antes era verdade, quer dizer o que eu disse agora também era mas… Er… Deixa pra lá._


 

O Park continuava ali, encarando-me, começando a me deixar nervoso com aquele silêncio horrível de antes.


 

_O que foi, Park Jimin?_Estalei os dedos em sua frente, o acordando de um transe no qual eu não sabia qual era.

 

_Ah! Oi… Obrigada Jeon Jungkook, seu abraço me confortou bastante._ Corou tímido. _Não está assustado pela minha sexualidade, certo?_

 

_Claro que não Park Jimin, eu também sou assim._

 

_Sério? Mas e seus pais?_ Perguntou preocupado.

 

_Bem… Minha mãe me aceitou maravilhosamente bem, mas meu pai me chamou de todos os nomes mais horríveis que você possa imaginar e abandonou a mim, minha mãe e minha irmã._

 

_Pelo menos você está com sua família, tem uma irmã e melhor, está vivo._ Sorriu.

 

_Park Jimin… Se eu não tivesse desviado da facada que meu pai me daria, não seria possível essa nossa conversa._ Mostrei-lhe a cicatriz enorme em meu braço esquerdo, o rapaz passou os dedos com uma feição preocupada.

 

_Oh meu Deus, Jungkook. É horrível._

 

_Viu? Nossas histórias são um pouco parecidas, é uma característica nossa._ Expliquei olhando em seus olhos.

 

_Jeon Jungkook, você tem algum parceiro ou algo do tipo?_ Sorriu ladino ao perceber que me fez corar.

 

_N-não… Por que?_

 

_Nada._ Sorriu tímido. Ele era um amor de rapaz mesmo.


 

JUNGKOOK! VAMOS! ESTÁ TARDE! TEMOS QUE IR!’’ Ouvi Taehyung gritar da sala, por algum motivo eu não queria sair dali, do lado do menino fantasma.


 

_Quem é, Jeon Jungkook?_ Perguntou curioso.

 

_Meu melhor amigo, Taehyung, ele que teve a ideia de virmos aqui para dar uma olhada nesta propriedade._ Me levantei de sua cama apressado, ajeitando minha aparência no espelho do outro lado do quarto.

 

_Já está indo?_

 

_Sim, está tarde Park Jimin, preciso voltar pra casa._

 

_Pra você é só Jimin._ Sorriu aberto.

 

_Ok Jimin, me chame de Kook desde então._ Falei o olhando uma última vez, dando a volta pela cama e indo na direção da porta._ Adeus._

 

_Espere._ Jimin se levantou, de um jeito um tanto afobado e veio em minha direção rapidamente. _ Tchau Kookie._ Beijou minha bochecha e me deu um abraço apertado. _ Por favor, volte. Não aguento ficar aqui, sozinho, eu amei tua companhia._

 

_P-Pode deixar Jimin, eu virei lhe visitar semanalmente, ok?_ Acariciei seus cabelos macios, logo afrouxando o abraço e tocando a maçaneta._Tchau Jimin._

 

_Até, Kook._ Acenou com um sorriso bobo no rosto, coisa que não deixei de fazer também, e assim eu saí do quarto, fechando a porta devagar, vendo o rapaz desaparecer misteriosamente no escuro do quarto.


 

Dei a meia volta, e vi que Tae, Jin e Yoongi me olhavam com uma cara de “Que?”


 

_Que sorrisinho idiota é esse, Kook?_ Perguntou Tae risonho, fazendo os outros dois ali rirem juntos.

 

_Sorrisinho idiota? Ah! Eu me lembrei de uma coisa engraçada, só isso._

 

_Ok… Vamos? Estou com fome, quero comer comida de verdade!_ Yoongi disse, indo na direção do lado de fora. Por algum motivo, o escuro constante já não me amendrontava tanto como quando cheguei.Me sentia observado, mas não por um capeta, mas sim pelo rapaz fantasma, Jimin.


 

Saímos da casa, por incrível que pareça eu fui o último a sair do lugar, ficando com a função de fechar a porta, que eu não consegui de jeito nenhum fechar. Até que tive uma ideia, fechei meus olhos e sussurrei baixinho:

 

“Jimin, feche a porta por favor, ela não está fechando corre-


 

Assustando-me, o som da porta sendo trancada em segundos foi ouvido por mim, me deixando com um sorriso ladino. Ele me “ouviu”.


 

_JUNGKOOK, VEM LOGO OH CARALHO!_

 

_ESTOU INDO!_ Corri para a grande grade verde, a pulando e caindo de forma segura na calçada do lado de fora. Fomos caminhando até nossas casas, o que demorou uns 20 minutos, mas valeu a pena.


 

Conversávamos sobre a nossa investigação de hoje.


 

_Eu investiguei o quarto do casal Sr. Park Kwan e da Sra. Sahyu, achei uma espingarda enorme lá! Deve ser de Park Kwan, né?_ Assentimos.

 

_A cozinha havia muitos ratos e baratas, era uma grande sujeirada lá! Uma geladeira com várias coisas podres e que sinceramente tinham um cheiro infernal!_ Rimos com a descoberta de Yoongi.

 

_Olha… Sr. Park Kwan era um advogado de alta qualidade, defendeu grandes pessoas da política antiga da Coréia. Sra. Sahyu era uma simples dona de casa e o filho, Park Jimin, cursava direito._ Ao ouvir aquele nome, sorri involuntariamete.

 

_Iiiiih… Falou o nome dele o outro já tá com sorrisinho._ Disse Yoongi, fazendo Tae e Jin virarem seus olhares para mim, com sorrisos maliciosos.

 

_Oh, vocês parem com a palhaçada hein._

 

_E você Kook, o que descobriu além dos nomes dos moradores do lugar?_ Perguntou Jin.

 

_Descobri que o tal Park Jimin foi assassinado pelo próprio pai, por não aceitar sua sexualidade._ Falei melancólico, lembrando do rosto encharcado por lágrimas há uma hora.

 

_Nossa… Que tenso._ Disse Tae, me encarando.


 

Assenti, triste. Logo já estávamos em nossas casas, retirei meus tênis e fui chamar por minha mãe, que não me respondeu. Ela não voltou ainda?

 

Vou até o telefone fixo, aperto os botões de acordo com o número de minha mãe e espero ela atender, o que não demorou muito.


 

LIGAÇÃO ON


 

MOM: Alô?

 

JKK: Mãe, é o Jungkook!

 

MOM: Ah oi meu filho, tudo bem? Não iria dormir na casa de seu amigo Yoongi como me disse mais cedo?

 

JKK: Mudei de ideia, pensei que fosse melhor dormir em casa mesmo.

 

MOM: Ok então, Olhe, tem um pacote de pizzas brotinho que comprei para você na geladeira, ok? Coloque-as no forno e jante adequadamente.

 

JKK: Ok, valeu mãe.

 

MOM: Vou desligar meu filho, até mais tarde, estou no shopping com a Yuni.

 

JKK: Ah bom! Tchau mãe, divirtam-se.


 

LIGAÇÃO OFF


 

E assim fiz, jantei 4 pizzas brotinho das 12 que havia no pacote,lavei a louça, tomei meu banho, vesti-me, tranquei e deliguei as luzes da casa e fui dormir.


Amanhã seria outro grande dia e eu tinha que dormir cedo para acordar cedo.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...