História My Heart Stone(Nevra) - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Eldarya
Personagens Erika, Ezarel, Jamon, Keroshane, Leiftan, Mery, Miiko, Nevra, Valkyon
Tags Aventura, Eldarya, Nevra, Romance
Visualizações 150
Palavras 1.977
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Visual Novel
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hei eldaryanos,tudo bem?espero que sim,já estava com este capítulo quase pronto,e pensei 'por que não postar?'enfim,desfrutem do capítulo,ele está um pouco longo,mas eu amei o escrever,dês de já,peço perdão por algum erro ortográfico que possam achar,boa leitura a todos.

Capítulo 2 - Novas Descobertas


Fanfic / Fanfiction My Heart Stone(Nevra) - Capítulo 2 - Novas Descobertas

Já faziam algumas semanas dês de que deixamos a guarda de Eel,vi coisas incríveis,assim como também vi coisas perturbadoras nos arredores destas terras nas quais percorri até agora,estava finalmente começando a conhecer melhor este mundo,o dia tinha chegado ao fim,estava escuro,a lua estava alta,oque significava que estava ficando tarde,Caméria disse que deveríamos procurar um lugar seguro para acampar,pois não seria seguro caminhar na floresta a  noite,há muitas criaturas a espreita das sombras da noite prontas para atacar,principalmente os Black dogs,que como Valkyon disse,preferem caçar suas presas a noite,depois de alguns minutos procurando,achamos um bom lugar,perto de um lago calmo e gracioso,segundo Caméria,era chamado lago girino,adjacente aos recifes da rã,que eram vastos,nós fizemos uma pequena fogueira com alguns gravetos que haviam ali perto,Caméria jogou um líquido no amontoado de gravetos,e imediatamente uma chama acendeu-se,eu fiquei surpresa por um momento

(Por que eu ainda me surpreendo...ora,oque eu esperava?que ela usasse um isqueiro!?) 

Eu sorri discretamente com meus pensamentos ,ainda estou me acostumando aos “hábitos” daqui,mas mesmo assim,eu não deveria me surpreender

(Bom,isto me lembra a missão que fizemos,quando Nevra e eu lutamos contra Yvoni,se não fosse por ele,eu estaria morta pelas mãos dela...)

Eu desperto de  minha cúpula de devaneios,ao perceber que estava de novo pensando nele,eu não deveria,esta viagem é em parte para o esquecer,esquecer toda a dor que ele me causou...

Vou até meus pertences para pegar minhas rações,ao abrir minha não tão pequena bolsa,me deparo com seu cachecol,ponho uma mão por cima do pedaço de tecido e o levo perto de meu nariz,ainda está com o perfume dele, imediatamente me lembro do momento em que ele me deu isto,sim,estou ciente de que gostava dele,um pouco demais para meu gosto...mas ele está ocupando meus pensamentos mais do que deveria  

Caméria:Erika,está tudo bem?você parece pensativa...

Imediatamente ponho seu cachecol de volta em minha bolsa,e a olho,com um pequeno sorriso

Erika:Sim,não se preocupe,estava apenas refletindo um pouco,nada mais...

Em silêncio,sentamos em volta da fogueira,e começamos a conversar,me sentei em um tronco de árvore caído que havia alí,comendo um pouco de minhas rações,realmente uma boa comida faz muita falta,mas como por aqui a comida é racionada,não tenho lá muita escolha...sinto como se estivesse comendo um pedaço de plástico,hmm que delícia!até a comida do Karuto é melhor do que isto...  

(Me contento em comer minhas rações,com uma carranca )  

Caméria resolveu sentar-se no chão,alegando que jamais sentaria em uma árvore morta,compreensível,já que era uma hamadríade e tem uma forte ligação com árvores 

Caméria:então você quer saber um pouco mais sobre a história de Eldarya,né?

Eu assenti com a cabeça fazendo que sim,a olhando curiosamente

Caméria:quer ouvir uma história sobre o meu povo?

Erika:conte-me,por favor(falei séria ainda a observando)

Caméria: tudo começou quando Hiro,líder de uma tribo vizinha a floresta,ordenou aos homem de sua tribo que todas as árvores no bosque rígido fossem cortadas,quando avistado um dos carvalhos coberto de coroas votivas,símbolo de toda oração à Darmina,deusa da fertilidade de Eldarya,os homens se recusaram a cortá-lo,com raiva, Hiro pegou um machado e se pôs a cortá-lo ele mesmo,matando no processo uma hamadríade protetora,em suas últimas palavras,a hamadríade proferiu uma maldição sobre ele,Darmina respondeu a maldição da hamadríade e o puniu colocando Limony,o espírito da fome implacável e insaciável em seu estômago,e a comida passou a agir como combustível em um incêndio,quanto mais comia,mais fome sentia,Hiro vendeu todos os seus bens com o objetivo de comprar comida,mas continuava com fome,por fim,vendeu sua própria filha,Meentra,como escrava,Meentra foi liberta da escravidão por seu ex-amante,Plastron,um elfo com muitos conhecimentos sobre poções e feitiçaria,ele a lançou um feitiço que lhe concedeu  o dom de transformar-se em qualquer criatura para escapar de suas obrigações,Hiro usou dessa habilidade da filha para vendê-la diversas vezes para ganhar dinheiro e se alimentar,mas nenhuma quantidade de alimento foi suficiente,eventualmente,ele morreu ao comer a si mesmo,e sua filha então foi liberta de suas mãos e passou a governar a tribo.

Ela contou em quanto mexia na pequena fogueira com um graveto.

Erika:Hm,nossa,que história original,na verdade um pouco macabra,já ouvi algo parecido no meu mundo,na mitologia grega,mas com algumas diferenças.

Caméria:sério?bom,parece que algumas histórias de Eldarya são reescritas na terra,para condizer mais com a realidade dos humanos.

Erika:sim,é oque parece...como a história que a Huang Hua contou sobre o flautista de Hamelin,que em Eldarya é conhecida como o flautista de  Hameln-Weser.

Caméria:sim,pode ser.

Nós conversamos mais um pouco sobre como era a vida na terra,e sobre as jornadas que Caméria havia tido,antes de eu decidir que era hora de ir dormir,o sono já estava começando a me dominar,eu então peguei meu saco de dormir,dei boa noite a Caméria,que disse que ainda ficaria acordada por mais algum tempo.

                                                                *****

 Estava caindo em um buraco,só via a escuridão,estava gritando de desespero,de repente me encontro em uma floresta,era a floresta que estava no dia em que vim parar em Eldarya,haviam policiais por toda a parte,procurando algo,logo avistei minha mãe abraçada ao meu pai,ela chorava muito,dizia algo que não conseguia compreender,sinto um aperto em meu coração,uma agonia até a alma,meu pai tentava a consolar,mas ela não parava se chorar,eu tentei gritar e chamar por eles,mas eles pareciam não me ver ou ouvir,cheguei mais perto para tentar os tocar,mas quando estiquei minha mão até eles,ela passou por seus corpos,como se eu fosse um fantasma,as lágrimas começaram a correr por meu rosto,eles não me enxergavam,eu não era mais nada ali,caí de joelhos no chão e botei minhas mãos em meu rosto,fechando meus olhos,ver meus pais daquele jeito era a pior das torturas,eu me recusava,quando abri meus olhos,tudo ficou escuro,e em seguida  

Estava em um lugar diferente,estava no meu quarto,no QG,Nevra estava lá,seus dedos passavam com ternura por minha cama,ele estava sentado nela,e murmurou algo que não pude ouvir,eu gritava seu nome,com desespero,mas era inútil    

                                             *********

 

De repente abro meus olhos e vejo Caméria,repetindo meu nome

 

Caméria:Erika,Erika!acorda!!

Erika:hm...

(Eu me levantei e botei as mãos no meu rosto,estava assustada,meu corpo todo suava frio)

Caméria:você estava gritando o nome do Nevra,parecia que estava tendo um pesadelo,achei que o melhor era te acordar,está tudo bem?

Erika:sim...foi só um pesadelo,não se preocupe.

Caméria:olha,eu sei que não está tudo bem,mas eu não vou te forçar a contar,sei que há coisas nas quais não queremos discutir com outras pessoas.

Ela me deu um sorriso reconfortante.

Erika:...então,que horas são?acho que não vou mais conseguir dormir mesmo...

Caméria:o sol já está nascendo,devem ser umas 5 da manhã,no máximo.

Em silêncio fui até o lago e lavei meu rosto,comecei meu dia,sem fome,nada bem,com aqueles mesmos pesadelos que me assombram,meus pais...sinto tanto a falta deles,minha mãe deve estar doente de preocupação...certamente acha que eu fui raptada ou morta...e o Nevra,por que ele estava no meu quarto?oque foi que ele disse?...bom,vou esquecer isso por agora,e me concentrar na minha jornada,é para isso que estou aqui,afinal.

 

Decidi que iria procurar saber mais sobre este mundo,sobre seus folclores,a começar por conversar com o mestre Kappa,ele saberá me ajudar,por ser um ancião,com certeza sabe de muito,e poderei rever Elliot,estou curiosa para saber como está aquela bolinha fedorenta,querendo ou não eu acabei me apegando a esse bichinho... 

(Sorrio com meus pensamentos,me diverti cuidando do pequeno Elliot,vai ser ótimo o rever)

Avisei Caméria de meus planos,ela ficou surpresa por minha escolha

Caméria:você tem certeza disto?como você é meio humana,talvez eles não te deixem entrar na aldeia(ela me olha com um olhar preocupado,coçando seu queixo)

Erika:bom,em parte eu sou uma faeliana,e se mesmo assim não me permitirem entrar,me contentarei em conversar com o mestre Kappa fora da aldeia,quero aprender tudo oque puder sobre este mundo,e tenho certeza de que ele será capaz de me ajudar.

Decidimos então seguir o caminho da aldeia,não estávamos tão distantes dela,apenas alguns quilômetros,andamos até que conseguimos avistar algumas residências do povo kappa

Chegando lá,Caméria disse que iria falar com os Kappas,para conseguirmos conversar com o mestre ,depois de muita insistência,eles finalmente concordaram em consultar o mestre Kappa,para me dar a devida permissão de entrar na aldeia,depois de alguns longos minutos,um jovem kappa vem até nós em silêncio,e faz um sinal para o seguirmos,andamos um pouco dentre a aldeia,e chegamos a uma pequeno templo,o kappa que nos acompanhava nos informou que o mestre kappa estaria a minha espera dentro do templo,Caméria resolveu esperar do lado de fora,eu então entrei no pequeno espaço,chegando lá,mestre kappa estava sentado sobre um pedaço de tecido,parecia estar em meditação profunda,não me atrevi a tira-lo de sua suposta meditação,ele então,percebendo minha presença,se pronuncia 

Mestre kappa:Oh,Erika,estava a sua espera,fui informado que você gostaria de falar comigo?por favor,sente-se.

Ele esticou o braço me mostrando um pequeno banco a sua frente,eu me sentei calmamente

Erika:sim,isto mesmo,estou em uma viagem pelo mundo de Eldarya,e pensei que o senhor poderia me ajudar,me contar algumas histórias,fatos,ou lendas folclóricas daqui,por favor.

Mestre kappa:Entendo,é a primeira vez que alguém me pede algo assim,no entanto não vejo problema algum em ajudar uma jovem em seu caminho,pois bem...

Ele me contou várias lendas,sobre algumas espécies,sobre os dragões,o grande exílio,entre outros,mas teve algo que me chamou mais atenção do que o restante das suas informações,uma profecia...

Mestre kappa: oque vou lhe contar é uma profecia que está em Eldarya a gerações,pouco conhecida,mas antes,vamos começar pela história de como Eldarya foi constituída.

(Ele fez uma parada antes de prosseguir) 

A terra já foi um mundo onde várias espécies costumavam viver em harmonia,mas isso acabou no instante em que os seres humanos desenvolveram grande desconfiança em relação as fadas,e também por medo,de nossas inusitadas habilidades até então duvidosas para eles,uma faery foi colocada a estaca por causa da sua clarividência,seu nome era Jeanne,ela era o fruto da união de um homem com uma fada de origem Arcadian,um século mais tarde,quando as fadas perceberam que a relação de homens e fadas estava em um ponto de não-retorno,elas decidiram lançar o sacrifício-azul,a partir daí a espécie mais sábia e antiga das fadas,os dragões,começaram a germinar a idéia do grande exílio,o sacrifício-azul foi um encanto poderoso que nunca havia sido usado antes,um último recurso para a preservação das espécies faerys,foi decidido por um conselho de três raças,os dragões,símbolo de força,os Fenghuangs,símbolo de sabedoria e os demônios,símbolo de poder,os dragões e demônios foram escolhidos como sacrifício para criar o mundo de Eldarya,visto que diante destas duas grandes raças,os Fenghuangs não tinham nem metade de sua força,portanto não poderiam ser usados como sacrifício,os demônios tinham medo de ver sua raça morrer,eles traíram o pacto que tinham feito e não se sacrificaram,somente os dragões mantiveram sua palavra,ao fazerem isso eles provocaram a instabilidade do nosso mundo,a infertilidade das terras de Eldarya,a inconstância dos portais,tudo isto é culpa deles,e o mais lamentável é que nem desta forma eles conseguiram escapar da extinção,muitos dos antepassados faerys,enfurecidos com a traição,extinguiram até o último demônio,depois do grande exílio os humanos continuaram a frequentar Eldarya,para roubar seus tesouros,como o antigo artefato que está na família Fenghuang a gerações,a flauta de Hameln-Weser,e outras coisas de extrema importância para nós,infelizmente não sabemos como eles conseguem o acesso ao nosso mundo,portanto não podemos prever quando será o próximo ataque,nem onde será,continuando,com o passar do tempo,surgiu a seguinte profecia entre as diferentes espécies,nasceria a pessoa,fruto da relação proibida de um humano com faery,que se acredita ser aquela prometida,contudo,ninguém poderia ter certeza sobre como ela manejaria seu papel,por ser temida por muitos como aquele que extinguiria a grande guerra entre humanos e faerys,e traria a paz e instabilidade a Eldarya,os humanos também estavam a procura desta pessoa,o que ninguém sabe ao certo,é como apenas uma pessoa poderia realizar sozinha uma missão tão grandiosa,infelizmente nós não escrevemos nossa história adequadamente antes do século passado,então,eu não posso atestar a veracidade total de minhas palavras...

                         ************

/Nevra/:estava examinando um mapa para minha próxima missão,mas por mais que olhe este mapa,não consigo me concentrar...ela não sai da minha cabeça,oque está acontecendo comigo?nunca nenhuma mulher causou este tipo de efeito em mim,eu preciso me distrair,preciso tirar ela da minha cabeça,mas aquela voz,aquele cheiro...tudo me lembra ela,e sem ela aqui,o QG realmente fica vazio...  


Notas Finais


Espero que tenham gostado,o próximo capítulo sairá em breve,portanto,fique de olho!,se possível deixem seus comentários,sua opinião ajuda muito,obrigada por lerem,bye.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...