História My Kitty Chat Noir - Capítulo 72


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alya, Chloé Bourgeois, Gabriel Agreste, Hawk Moth, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Nathanaël, Nino, Plagg, Tikki
Tags Miraculous Ladybug
Exibições 1.415
Palavras 8.146
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Colegial, Comédia, Escolar, Famí­lia, Fantasia, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Ola, minhas goiabinhas <3

Muito obrigado a todos que comentaram no ultimo capitulo e muto obrigado pelos 1316 favoritos.

Boa leitura! \o

Capítulo 72 - Especial parte 4 - Emma.


Fanfic / Fanfiction My Kitty Chat Noir - Capítulo 72 - Especial parte 4 - Emma.

- Marinette -

Já haviam se passado uma semana que Emma havia nascido. Eu e Adrien não podíamos estar mais felizes. Adrien me ajudava muito e, era um pai muito coruja. Ele insistia em intercalar as vezes em que a Emma acordava a noite, mas ele sempre acabava indo no meu lugar, a não ser quando ela estava com fome, então eu tinha que ir. Ele ficava mais perdido que eu nessa coisa de paternidade, mas os nossos pais nos ajudavam muito e, nos logo pegávamos o jeito. Adrien me ajudou muito nessa primeira semana com banho e tudo mais, ele não estava indo a empresa e, fazia o possível e o impossível para me ajudar. Eu sempre ficava um pouco nervosa quando Emma chorava e eu não conseguia descobrir o que era, mas Adrien conseguia fazer com que eu me aclamasse e logo descobríamos o que era. Geralmente era fome e, eu acabava não conseguindo dar a ela de mamar por que ficava nervosa, ou então era apenas dor de barriga ou algo do tipo.

Nino e Alya também estavam muito felizes com o seu filho: Nicollas. Alya me disse que Nino também a ajudava muito, mas que as vezes atrapalha, pois quando o bebe estava quase dormindo, Nino o acordava com os seus roncos.

Hoje era sexta e, Adrien ainda não havia chegado da empresa. Eu estava na cozinha com Tikki e Emma, estava acabando de preparar o jantar. Emma estava no bercinho portátil dormindo e, Tikki estava sentada na mesa enquanto comia seus cookies.

- Ainda bem que ela dormiu. – Tikki disse olhando Emma no bercinho.

- Sim. Se não eu não estaria nem conseguido fazer o jantar. – Eu disse tirando o molho do fogo. – É estranho ela ter chorado tanto hoje, geralmente ela é tão boazinha, quase nunca chora. – Eu disse me virando e olhando para Emma.

- Bebes são assim mesmo. – Tikki disse rindo. – Ela devia estar com cólica.

- Cólica é? – Eu perguntei encarando Tikki.

- Sim. Bebes choras quando estão com cólica. E você mesmo disse que ela não quis mamar. Provavelmente é cólica! – Eu encarei Emma e depois voltei a encarar Tikki.

- E o que eu devo fazer quando ela tiver cólicas?

- Ah, bem... Eu me lembro que quando os bebes das antigas Ladybugs tinham cólicas, elas faziam um chá para eles, mas agora deve ter algum remédio pra isso. Acho melhor você perguntar a sua mãe.

- Boa ideia. – Peguei o meu celular e mandei uma mensagem para a minha mãe, poucos minutos depois, ela já tinha me explicado o que eu deveria fazer, então eu olhei para Tikki e suspirei. – Não existe nenhum remédio. Ela disse que tem um chá que ajuda, mas que quando ela estiver com cólica que eu devo ninar ela.

- As antigas Ladybugs faziam isso. – Tikki disse com a patinha no queixo enquanto pensava.

- Tikki, eu não consigo fazer isso. Quando a Emma começa a chorar sem parar eu fico muito nervosa e com medo de que aconteça alguma coisa.

- Bobagem, Marinette, você é a mãe dela, deve saber lidar com essas coisas. – Eu suspirei e me sentei na cadeira enquanto olhava Emma dormindo. Um sorrido bobo surgiu em meu rosto enquanto eu a olhava. – Vai acabar babando desse jeito, Mari. – Tikki disse rindo. Eu ouvir o meu celular tocando e o peguei, era uma mensagem de Adrien.

Adrien – Oi, princesa. Já estou indo pra casa. Quer alguma coisa?

Eu – Oi, gatinho. Na verdade sim... Poderia passar na casa dos meus pais e pegar algumas ervas que minha mãe separou pra mim? É pra fazer um chá pra Emma.

Adrien – Claro. Ta tudo bem? Por que precisa disso?

Eu – Esta sim. A Emma só esta com cólica, mas minha mãe e a Tikki disseram que é normal.

Adrien – Ah, sim... Esta bem, eu vou lá. Chego em casa daqui a pouco. Amo vocês.

Eu – Também te amamos.

Eu bloqueei o celular e o coloquei sobre a mesa, olhei para Tikki e ela estava me olhando com um sorrisinho maroto.

- O que foi, Tikki? – Eu disse rindo.

- Nada não. É que da pra saber com quem você esta conversando só de olhar pra sua cara. – Tikki disse e começou a rir. – Você só ri assim quando estava conversando com o Adrien.

- Tikki, volta a comer seus biscoitos. – Eu disse rindo e me levantei da cadeira. Passaram se alguns minutos e, eu já tinha acabado o jantar, então arrumei a mesa e, poucos minutos depois Adrien chega.

- Oi, amor. – Adrien disse vindo ate mim e me beijando. – Oi, princesinha. – Ele foi ate Emma e a beijou. Depois disso colocou as sacolas em cima da mesa. – As ervas que sua mãe mandou e, os croissants.

- Adrien, eu não pedi croissants. – Eu disse rindo e pegando as ervas.

- Eu sim. – Ele disse rindo e abrindo a caixa para pegar um. Eu tomei dele e botei o croissant de volta na caixa. – Mari!

- Se você comer croissants, não vai jantar.

- Só um. – Ele disse fazendo biquinho.

- Aposto que você já comeu uns dois no caminho pra casa.

- Na verdade ele comeu três. – Plagg disse saindo de dentro da mochila de Adrien.

- Plagg! – Adrien disse nervoso e, Tikki e eu rimos.

- Eu estou com fome. – Plagg disse encarando Adrien.

- Não vou te dar nada, seu fofoqueiro. – Plagg revirou os olhos e se aproximou de mim.

- Mari, eu estou com fome. – Eu ri e fui ate a geladeira, peguei o queijo e entregando a Plagg.

- Mari, não era pra ter dado nada a esse gato folgado.  – Adrien disse e Plagg fez língua para ele.  Eu ri e me aproximei de Adrien o beijando.

- Vamos jantar. – Adrien revirou os olhos e se sentou na cadeira. – Adivinha o que eu fiz?

- Lasanha! – Adrien disse animado.

- Macarronada! – Eu disse destampando a panela e Adrien me olhou jururu. – Desculpa, amor, mas hoje foi o que deu pra fazer. – Eu disse rindo e servindo Adrien.

- Tudo bem. Sua comida é maravilhosa, Mari. – Ele disse sorrindo. – Mas o que aconteceu?

- Emma ficou enjoada a tarde toda. Não quis mamar e nem dormir. Ela se acalmava por um tempo, mas depois voltava a chorar de novo. – Eu disse e Adrien me olhou com duvida.

- Eu disse a Mari que deve ser cólica. – Tikki disse se preparando para comer mais um cookie.

- Olha, a Mari me disse isso no telefone, mas eu não entendi muito bem, então... Como assim cólica? As meninas já sentem isso desde bebe? – Tikki e eu nos encaramos e começamos a rir. – Qual é a graça?

- Garoto, as vezes a sua burrice me assusta. – Plagg disse com a patinha na testa, enquanto Tikki e eu tentávamos controlar as nossas rizadas.

- Adrien, amor, não é esse tipo de cólica. – Eu disse me sentando na cadeira. – Todos os bebes tem isso, é tipo uma dor de barriga muito forte.

- Ahhh... E por que não disse antes? – Eu revirei os olhos e comecei a comer. – Então o chá é pra isso?

- Sim. Minha mãe disse que é pra eu fazer e, dar a ela assim que ela acordar.

- Ela chorou muito? – Adrien perguntou me encarando com duvida.

- Você nem imagina. – Tikki e eu dissemos juntas. Depois do jantar, eu fui fazer o chá enquanto Adrien lavava a louça, depois disso, o ajudei a secar e guardar tudo. Quando terminamos, já eram oito e vinte da noite. Emma tinha acabado de acordar e Adrien ficou dando a ela o chá enquanto eu ia tomar banho.

Quando sai do banho, coloquei meu pijama e desci para a sala. Adrien estava sentado no sofá com Emma no colo, quando me aproximei, vi que Plagg estava deitado na barriguinha de Emma dormindo, eu dei uma risadinha e Adrien me olhou.

- Eu disse a ele para não fazer isso, mas você sabe como esse gato folgado é.

- Acho que a Emma não vai se importar. – Eu disse e me sentei perto de Adrien.

- Como amanha é sábado, não vou pra impressa, então, eu vou poder dar banho na Emma. – Adrien disse animado.

- Eu ate pensei em te esperar, mas você sempre chega depois das sete da noite e, hoje ta frio, então eu dei banho nela antes das seis. – Eu disse mexendo nos cabelos de Adrien.

- Fez bem. – Adrien disse e olhou para Emma, ele sorriu e a beijou. Emma estava com os olhinhos abertos olhando para Adrien. Ela não nos enxergava, mas conseguia reconhecer muito bem as nossas vozes.  – Hoje tem patrulha. Nino e eu marcamos de nos encontrar na torre Eiffel as onze.

- Meu Deus. Estou com pena de vocês, ta um frio miserável lá fora. – Eu disse rindo.

- Nem me fale.

- Ainda bem que tenho que ficar com a Emma. Não é princesinha. – Eu disse rindo e Emma virou para me olhar. – Ate que horas vai a patrulha de vocês?

- Ate meia noite.

- Nossa. – Eu disse e me deitei no sofá, fechei os olhos e acabei pegando no sono.

 

- Adrien -

 

Depois que Mari se deitou, percebi que ela estava cansada, então fiquei em silencio pra ela poder dormir. Depois disso me levantei e fui andar um pouco com a Emma, pois ela não parava de resmungar, mas assim que comecei a andar, ela parou. Eu ri e fui com ela ate a cozinha. Tikki se deitou perto de Plagg e logo ela também já estava dormindo.

- Só tem nos dois acordados agora, princesinha. – Eu disse rindo enquanto Emma me olhava. Ela era muito linda. Ela se parecia a Mari, só que com os cabelos loiros. Seus olhos estavam numa mistura de verde e azul agora, diferente de quando nasceu, que era um azul profundo.

Emma e eu ficamos andando pela casa durante um bom tempo, ate que ela acabou dormindo, o que não era bom, por que de madrugada, ela não iria querer saber de dormir. Eu a coloquei no berço e fiquei um pouco com ela, olhei para o relógio do meu celular e ainda eram dez e vinte. Mandei mensagem para Nino e ele me disse que estava com Nicollas enquanto Alya tomava banho. Conversamos um pouco e, depois disso bloqueei o celular e fui ate a cozinha buscar um croissant, quando voltei para o quarto de Emma e olhei para o berço, ela estava acordada me olhando. Eu revirei os olhos e ri. Como ela não estava reclamando de ficar no berço, decidi deixar ela lá enquanto comia.

Passaram se alguns minutos e quando eu olhei já eram dez e cinquenta e cinco. Eu peguei Emma e desci com ela ate a sala. Mari ainda estava dormindo, então eu peguei o berço portátil e coloquei Emma nele. Tikki que já tinha acordado, disse que ficaria de olho nela e qualquer coisa acordaria Mari, então eu agradeci e me transformei em Chat Noir.

- Cara, esta atrasado. – Zhihui disse se levantando de onde estava sentado, eu me aproximei dele e socamos nossos punhos.

- Estava cuidando do bebe. – Eu disse rindo.

- Eu também estava e, nem por isso me atrasei. – Eu revirei os olhos e ri.

- Esta bem, desculpe, prometo não vou me atrasar mais. Agora, o que acha de irmos dar uma volta bem rápida para podermos ir para casa mais cedo? Ta um frio desgraçado e eu quero muito ir pra casa ficar com as minhas princesas.

- Ótima ideia. - Zhihui disse rindo e se preparando para pular. Vamos?

- Primeiro as damas. – Eu disse rindo e dando espaço para Zhihui passar, ele riu e saltou de onde estava.

Quarenta minutos depois, já tínhamos olhando a cidade inteira e, estávamos voltando par casa enquanto conversávamos. Zhihui me contava que Nicollas chorava muito a noite e, que ele sempre ajudava Alya, mas na maioria das vezes, Nicollas  estava com fome, então, na manha seguinte, Alya estava tão cansada, que ficava muita nervosa e quase o matava. Eu ri do jeito que ele contava, então ele me perguntou como estava indo as coisas com a Mari e Emma. Eu não tinha o que reclamar, Emma não acordava muito a noite e, eu sempre ia no lugar da Mari para que ela pudesse descansar, e quando Emma estava com fome, eu a levava ate a Mari e ela a dava de mamar. Depois disso Emma voltava a dormir e assim Mari e eu também. Então, Mari quase nunca ficava cansada.

- Você tem sorte. Nicollas mama tanto que tenho medo dele virar uma bolinha e a gente não conseguir mais carrega-lo. – Nino disse e nos rimos. – Mas tirando isso ate que eu estou gostando dessa coisa de ser pai. Alya só quer me matar de manha e, depois disso eu fico com o Nicollas pra ela poder descansar, então depois ela volta a me amar e fica tudo certo. – Eu ri e Nino me olhou. – Já levou a Emma pra visitar os avôs? Alya e eu levamos Nicollas hoje.

- Nem precisamos. Meu pai e os pais da Mari vem ver a neta todos os dias. Só hoje que eles não apareceram.

- Os meus pais praticamente obrigaram que levássemos o Nicollas para visita-los. Então aproveitamos e fomos na casa dos pais da Alya também. Os pais dela e os meu fizeram um monte de perguntas e nos falaram um monte de coisa de bebes.

- Não estão muito diferentes do meu pai e os pais da Mari. – Nos rimos e continuamos conversando mais um pouco, logo Nino chegou na sua casa e nos despedimos, depois disso segui para minha casa.

Quando cheguei, Mari não estava na sala, então fui ate a cozinha e dei queijo a Plagg e, depois disso subi para quarto do bebe, Mari também não estava lá, então fui para o nosso quarto e a encontrei dando de mamar a Emma. Conversamos um pouco e depois fui tomar um banho, enquanto Mari foi colocar Emma no berço, depois disso, nos deitamos e dormimos logo em seguida.

 

 

Passaram se três meses. Emma já estava bem espertinha e, já estava rindo e aprendendo a gargalhar. Eu sempre ficava com ela de manha enquanto a Mari preparava o café, depois de comer, Mari tinha que me obrigar a ir para a empresa, pois eu não queria sair de perto da Emma, mas, por sorte, hoje era sábado, então eu podia ficar com a Emma o tempo que eu quisesse... Ou ate ela chorar com fome e Mari tomar ela de mim.

- Ela já acabou de mamar? – Eu perguntei me aproximando de Mari.

- Adrien, para de ser fominha, daqui a pouco você vai ter a Emma de volta, mas agora ela esta mamando, então deixa a garota quieta. – Mari disse rindo.

- Ela é muito fominha. – Eu disse fazendo bico e me sentando perto da Mari. Nesse momento a campainha toca e eu vou ate lá atender. Quando abri a porta, dei de cara com o meu pai. – Oi, pai, bom dia. – Eu disse sorrindo.

- Bom dia. Emma já acordou? – Meu pais disse sorrindo. Depois que Emma nasceu, ele passou a sorrir mais, as vezes ate me assustava um pouco.

- Sim. Esta na cozinha com a Mari, ela esta dando ela de mamar. – Eu disse seguindo ate a cozinha com o meu pai, quando chegamos Mari estava em pé com Emma para que ela pudesse arrotar.

- Bom dia, senhor Gabriel. – Mari disse sorrindo.

- Bom dia, Marinette. – Meu pai se aproximou de Mari e passou a mão nas costas de Emma. – Vim buscar a Emma para dar o nosso passeio ao parque. – Meu pai disse contente. Todo sábado de manha, meu pai vinha buscar a Emma para passear com ele no parque, Mari e eu sempre deixávamos, e Emma parecia gostar.

Enquanto Mari subia para dar banho em Emma, eu fiquei com o meu pai na cozinha enquanto conversávamos e comíamos croissants da padaria dos pais da Mari. Algum tempo depois, Mari desse com Emma pronta para o passeio.

- Ela já esta pronta. – Mari disse sorrindo e entregando Emma ao meu pai que se levantou contente da cadeira. Ele pegou o carrinho de Emma e Mari se despediu dos dois. Eu fui com o meu pai ate a porta para ajuda-lo com o carrinho, depois disso ele colocou Emma no carrinho e eu o entreguei uma mamadeira com agua e um paninho, caso Emma golfasse. Ele pegou tudo e colocou no carrinho, eu beijei a testa de Emma e logo depois meu pai saiu em direção ao parque.

 

- Gabriel -

 

Assim que virei para o parque, fui em direção ao carro onde Lilian estava, eu tirei Emma do carrinho e abri a porta do carro, entrando com ela dentro do mesmo. Assim que Lilian viu nossa neta, um enorme sorriso se formou em seu rosto.

- Meu Deus. Eu vi ela só tem uma semana e ela já cresceu. – Lilian disse rindo e pegando Emma dos meus braços. – Ela esta cada dia mais parecida com a mãe. – Lilian e eu rimos.

- Adrien esta cada dia mais coruja com a filha. – Eu disse rindo e Lilian me olhou.

- Você era assim quando o Adrien nasceu.

- É, eu me lembro. – Eu disse sorrindo, e passando o dedo na bochecha de Emma que sorriu.

- Olha só, ela esta sorrindo. – Lilian disse sorrindo e beijando Emma. – Ela é muito linda. Olha só essas bochechinhas. – Lilian passava o dedo na bochecha de Emma enquanto fazia aguns barulhos com a boca, Emma começou a rir e dar gargalhadas. – Ela esta dando gargalhadas! Ai meu Deus! – Eu ri e fiquei admirando a sena. Depois disso, pedi ao motorista que colocasse o carrinho de Emma no porta malas e, fomos para a casa onde Lilian ficava, depois disso, ficamos brincando com ela por muito tempo, ate que ela começou a resmungar. – Acho melhor leva-la para a Marinette, ela deve esta com fome, Gabriel. – Lilian disse me olhando, quando eu ia dizer algo, o meu telefone tocou. Era o Adrien.

- Alo.

- Pai, a Mari pediu pra ligar para o senhor. É que já são quase onze e, esse é o horário em que a Emma mama.

- Eu já estou levando ela, chego ai em menos de dez minutos. – Eu disse me levantando junto com Lilian. Adrien riu e disse:

- Ela não esta reclamando? – Eu ri.

- Esta. Eu já estava indo levar ela quando você me ligou.

- Esta bem então, estou esperando vocês.  – Adrien disse e desligou o telefone.

Lilian e eu fomos para o carro e, depois seguimos para a casa de Adrien e Marinette, ela se despediu de Emma e depois eu a peguei, desci do carro e a coloquei no carrinho. Quando toquei a campainha, Adrien abriu a porta e eu entrei com Emma. Quando ela ouviu a voz de Marinette, ela chorou ainda mais, eu olhei para Adrien e ele estava rindo olhando para a filha, ele me olhou e depois disso pegou Emma no colo.

- Ela faz isso quando esta com fome. – Ele disse e logo depois Marinette apareceu.

- Como foi o passeio? – Ela perguntou pegando Emma do colo de Adrien.

- Foi ótimo. – Eu disse sorrindo.

- Que bom! – Ela sorriu e beijou a filha. – Eu foi subir para o quarto, para dar Emma de mamar.

- Esta bem, não se preocupe comigo, eu já estou indo. – Eu disse e me despedi dos três, depois disso, voltei para o carro junto com Lilian.

 

- Marinette -

 

Depois que dei Emma de mamar, fui para a cozinha ajudar Adrien com o almoço, depois que terminamos, almoçamos e depois arrumamos tudo. Depois que não tínhamos mais nada para fazer, Adrien e eu nos sentamos na sala e resolvemos ver um pouco de tv, mas na verdade eu queria mesmo era dormir, mas não consegui, já que Emma começou a chorar com fome.

- Ei, Adrien.

- O que?

- Depois que nos casamos o Tony ficou na casa dos meus pais e, eu quase nunca o vejo. Eu estou com saudades do meu outro gatinho. – Eu disse fazendo biquinho e,  Adrien riu.

- Você quer ir busca-lo? – Adrien perguntou e eu sorri.

- Podemos ir busca-lo depois que a Emma mamar? Por favor...  – Eu disse prolongando o final. Adrien riu e me beijou. – Vai, Adrien. Além disso, eu quero que a Emma cresça com um bichinho de estimação e, eu quero que seja um gato.

- Ela já tem o Plagg. – Adrien disse apontando para Plagg.

- Vai se foder! – Plagg disse de boca cheia.

- Eu estou falando serio. – Eu disse emburrada.

- Eu também, amor. – Adrien disse rindo. – Quando a Emma acabar de mamar nós vamos buscar o Tony.

- Isso! – Eu disse contente e me estiquei pra beija Adrien, mas acabei atrapalhando Emma que estava mamando e ela resmungo, eu voltei a minha antiga posição e Adrien riu.

Depois que Emma acabou de mamar, fomos para a casa dos meus pais buscar o Tony. Assim que chegamos, meus pais fizeram uma festa com a Emma, ate se esqueceram de mim e de Adrien.

- Mamãe, papai, Adrien e eu ainda estamos aqui, mas não se incomodem com a gente, so vamos pegar alguns croissants e leite. – Eu disse rindo, mas meus pais nem nos olharam direito, eu olhei para Adrien e ele riu, então eu o puxei para a cozinha para pegarmos os croissants.

 Depois que comemos, voltamos na sala e, meus pais ainda estavam babando na Emma. Adrien e eu rimos e nos aproximamos deles.

- Oh, filha. – Minha mãe disse sorrindo e se levantou do sofá me abraçando, depois abraçou Adrien. – Como estão indo com a Emma?

- Ate que não esta tão difícil assim. Adrien esta me ajudando muito e, eu quase não fico cansada. – Eu disse rindo. – Só fico um pouco nervosa quando ela tem cólicas e começa a chorar sem parar, então, como eu  não sei o que fazer, eu acabo ficando muito nervosa. – Minha mãe riu.

- Vou te dar algumas dicas pra quando isso acontecer. – Minha mãe disse sorrindo e depois olhou para Adrien. – E você, esta gostando de ser papai? – Minha mãe perguntou rindo e Adrien corou.

- Ah... Eu estou amando. A Emma foi o melhor presente que eu poderia ganhar. E, eu não consigo imaginar a minha vida sem ela. Pra falar a verdade, eu nem me importo de acordar a noite para cuidar dela. – Adrien disse e minha mãe sorriu.

- Oh, querido, você vai ser um ótimo pai, tenho certeza disso. E você também, Mari, será uma ótima mãe. – Minha mãe disse e nos abraçou. Depois disso, ficamos conversando um pouco, e meu pai perguntou a Adrien como estava indo na empresa.

- Esta indo muito bem. Só sinto falta da Mari, era ela quem nos tirava das enrascadas. – Adrien disse rindo. – Mas a nossa equipe trabalha muito bem, além disso, eu estou pensando em ir para a empresa apensa três vezes na semana, assim posso passar mais tempo com a Mari e a Emma. Eu não quero ficar que nem o meu pai, que quase nunca tinha tempo para a família.- Adrien disse e eu o olhei sorrindo.

- É serio? Você não tinha me falado disso.

- É que eu ainda estava me decidindo sobre isso. – Adrien disse rindo.

- Isso é ótimo, amor! – Eu disse e beijei Adrien. – Assim você vai poder me ajudar mais com a Emma e, é claro, poderá ficar mais tempo com a gente. – Adrien riu e me beijou.  Depois disso conversamos mais um pouco e, Adrien e eu decidimos ir embora, pois já estava ficando tarde e, estava frio.

- Mamãe, nos viemos aqui para buscar o Tony, onde ele esta?

- Ah, filha, ele passa a maior parte do tempo no seu antigo quarto, acho que é por que ele sente saudades, já que depois que você se casou ele ficou aqui e, você quase nunca vem nos visitar. – Minha mãe disse rindo.

- Desculpa, eu não tinha muito tempo. Mas prometo mudar isso. – Eu disse rindo e dando um beijo na bochecha de minha mãe. – Eu vou lá busca-lo. – Eu disse e subi as escadas para o meu antigo quarto, a escotilha estava aberta, então eu entrei e o vi deitado no parapeito da janela. – Tony. – Eu o chamei e ele se virou, ele desceu e veio ate mim, eu me abaixei e ele subiu em meu colo. – Como vai gatinho? – Eu disse fazendo carinho nele enquanto ele ronronava. Eu sorri e desci com ele para a o andar de baixo. Adrien e eu pegamos tudo dele e, depois fomos para o carro. Adrien colocou tudo no porta malas e, eu o ajudei, depois coloquei Tony dentro do carro e fui me despedir dos meu pais. Depois que Adrien e eu nós despedimos dos meus pais, eu peguei Emma que estava no colo da minha mãe e a coloquei na cadeirinha, me despedi mais uma vez de meus pais e depois entrei no carro, logo, Adrien e eu já estávamos indo para casa.

Assim que chegamos, colocamos as coisas do Tonny na sala e, depois disso me sentei no chão com Tony no colo e Adrien com Emma.

- Espero que ele não estranhe a Emma. – Adrien disse me olhando desconfiado.

- Ele não vai fazer isso. – Eu soltei o Tony e, ele se aproximou de Emma, ele a cheirou e ficou a encarando por um tempo. Emma estava dormindo, então estava quietinha no colo de Adrien. Tony se aproximou mais dela e colocou a patinha no braço de Adrien que se assustou e foi um pouco pra trás com Emma.

- Amor, acho que isso não é uma boa ideia. -  Adrien disse e eu ri.

- Ate parece que você não conhece o Tony, Adrien. – Eu disse rindo e me sentei do lado de Adrien. – Ele não vai fazer nada, relaxa. – Adrien relaxou um pouco e Tony voltou a cheirar Emma, logo ele começou a ronronar e aproximou a carinha perto do rosto de Emma, eu olhei para Adrien sorrindo e ele me olhou bem rápido e, depois voltou a encarar  Tony. Tony começou a esfregar a carinha em Emma que dormia tranquilamente, ele ronronava e subia mais em Adrien, para poder ficar mais perto de Emma. – Viu? Eu disse que ele não iria fazer nada de ruim com a Emma. – Eu disse rindo e Adrien me olhou.

 -Eu sei, mas mesmo assim. Ele podia ficar com ciúme, ou sei lá.

- Ciúme, Adrien?! – Eu perguntei rindo.

- Ah, sei lá. Vai que ele fica com ciúme da Emma, já que você ficou com ela o tempo todo quando estávamos voltando pra casa. – Eu ri e me levantei do chão.

- Eu vou fazer o jantar. –Eu disse rindo e segui para a cozinha, Adrien se levantou e me seguiu enquanto Tony o seguia. Adrien colocou Emma no berço portátil e foi me ajudar com o jantar.

 

 

Haviam se passado três meses, Emma agora estava com seis meses e já estava quase engatinhando. Tikki e Plagg sempre brincavam com ela e, ela os adorava. O que ela mais gosta, é quando Adrien esta transformado em Chat Noir, ela fica super agitada e não sai do colo dele por nada. Ela fica brincando com o guizo da roupa de Chat durante um tempo e, adora puxar suas orelhas. Essa noite, Chat havia ido para a patrulha mais cedo e, quando chegou, Emma o viu e o quis de imediato.

- Chat, Plagg vai ficar aborrecido quando você voltar ao normal. – Eu disse rindo enquanto saída do banheiro e ia colocar o meu pijama.

- Eu não ligo pra aquele gato resmungão. – Ele disse rindo enquanto levantava Emma para ela poder alcançar suas orelhas. Depois que coloquei o meu pijama, eu me sentei na cama perto de Chat e Emma e, fiquei vendo os dois brincarem. Emma ria de gargalhar quando brincava com o guizo de Chat, ate que seu anel apitou e ele voltou a ser Adrien. Emma ficou parada encarando o pai, ela começou a fazer beicinho e logo começou a chorar.

- Por que demorou tanto pra se destransformar? – Plagg perguntou nervoso.

- Eu estava brincando com a Emma. – Adrien disse se levantando da cama e tentando acalmar Emma. Plagg se aproximou de mim e me olhou.

- Você pode me dar queijo? – Eu ri e me levantei da cama para ir ate a cozinha.

Depois de alimentar os kwamis, voltei para o quarto e vi Adrien deitado na cama com Emma que brincava com seus ursinhos da Ladybug e Chat Noir.

- Não vai tomar banho? – Eu perguntei me sentando perto de Adrien e bagunçando seus cabelos.

- Vou, só estava esperando você voltar pra ficar com a Emma. – Ele disse beijando Emma, depois me beijou e se levantou da cama. Enquanto Adrien tomava banho, eu acabei me deitando junto com Emma, eu comecei a nina-la e, ela começou a fechar os olhos para dormir, assim que ela dormiu, eu acabei dormindo também.

Na manha seguinte, acordei e não vi Adrien e Emma na cama, me levantei e fui ate a cozinha, quando cheguei, encontrei Adrien fazendo o café enquanto segurava Emma em seus braços e, Tikki e Plagg estavam sentados na mesa enquanto comiam.

- Bom dia. – Eu disse me aproximando de Adrien e o beijando, depois peguei Emma e a beijei.

- Bom dia. –  Adrien disse sorrindo. Eu me sentei na cadeira e, peguei uma torrada, quando estava acabando de comer, escuto uma explosão. – Akuma?! Não ta muito cedo pra esses caras atacarem? – Adrien disse desanimado.

- Acho melhor irmos. – Eu disse e Adrien concordou com a cabeça. Eu coloquei Emma no  berço portátil e nos transformamos, logo depois a peguei e a coloquei naqueles panos canguru, para que pudesse pular nos prédios com ela.

- Pronta, princesa? – Chat perguntou depois de abrir a janela da sala.

- Pronta. – Eu disse sorrindo e me aproximando dele. Emma o olhava sorrindo enquanto esticava a mãozinha para pegar no guizo de sua roupa.

- Quando o papai voltar eu deixo você brincar com o guizo, princesinha. – Chat disse passando a mão na cabecinha de Emma. – Vamos, ou o akuma vai destruir a cidade inteira.

- Certo. – Eu disse e saltamos da janela.

Enquanto Chat ia para o lado onde o akuma estava, eu corria ate a casa de Alya e Nino. Claro que ia com bastante cuidado, já que eu estava com um bebe. Assim que cheguei na casa de Alya, entrei pela janela da sala e ela já estava lá me esperando. Depois que tivemos nossos filhos, sempre que tinha algum ataque de akuma, Alya ficava cuidado dos bebes. Como eu era a única que podia purificar os akumas, Alya era a única que podia ficar com eles, já não confiamos muito nos rapazes para isso. As vezes dávamos a sorte dos bebes estarem com os nossos pais, assim Alya podia ir lutar contra os akumas e matar a saudade de poder lutar como Volpina.

- Nino já foi? – Eu perguntei tirando Emma do canguru e a entregando para Alya.

- Sim. – Alya disse sorrindo e pegando Emma. Eu tirei o canguru e a entreguei também, dei um beijo em Emma e sai pela janela novamente.

Quando cheguei onde o Akuma estava, os rapaz já estavam lutando com ele, eu me aproximei e cheguei a tempo de livrar Zhihui de levar uma martelada na cabeça.

- Valeu. – Zhihui disse se levantando do chão e recuperando o folego. Chat se aproximou de nós e me olhou.

- Esta atrasada, my lady. – Chat disse sorrindo e beijando a minha mão, eu revirei os olhos sorrindo.

- Já sabem onde o akuma esta? – Eu perguntei enquanto olhava o akima. 

- Acho que no nariz – Chat disse.

- Eu odeio palhaços. Por que tinha que ser um palhaço? – Eu perguntei e os rapazes riram.

- Relaxa, My Lady, eu te protejo. – Eu ri e usei o Luck Charm.

- Já? Geralmente você luta antes, só depois que cansou de socar o akuma que usa o Luck Charm. – Zhihui disse.

- Eu estou com fome, preciso dar banho na minha filha, leva-la para visitar os meus pais, ajeitar a minha casa e ainda vamos no jantar de aniversario do pai do Chat, então não tenho tempo para ficar aqui lutando com esse palhaço. – Nesse momento vimos uma galinha de borracha gigante vindo em nossa direção. Zhihui se afasta e Chat me puxa para longe da galinha.

- My Lady, eu me esqueci completamente do jantar de aniversario do meu pai, ainda nem comprei o presente dele. – Chat disse e eu revirei os olhos sorrindo.

- Relaxa, gatinho, eu já cuidei disso. – Eu disse saindo do colo de Chat e olhando melhor o que o Luck Charm havia me dado.               

- Fita adesiva? O que você vai fazer com isso? – Chat perguntou se aproximando de mim e encarando a fita adesiva que estava em minha mão. Eu comecei a pensar e, finalmente tive uma ideia.

- Zhihui. - Eu chamei por Zhihui e ele veio correndo ate nós. – Quando eu mandar, jogue seu escudo na direção do palhaço. Chat, você vai jogar seu bastão do lado ao contrario do escudo do Zhihui.

- Certo! – Os rapazes disseram juntos. Eu me aproximei do palhaço e chamei sua atenção, então quando os rapazes estavam cada um de um lado, fiz sinal para eles e eles colocaram o plano em ação. Eles chamaram pelo palhaço e, quando ele se distraiu de mim, para desviar do escudo e do bastão, eu usei a fita adesiva em seus pés e, depois usei o meu ioiô para prender seus braços, Chat pegou o nariz de palhaço e o quebrou, liberando assim o akuma. Depois que eu purifiquei a borboleta, Zhihui, Chat e eu socamos nossos punhos e depois fomos conversar com o senhor, que por acaso estava vestido de palhaço. Depois de conversarmos com ele, fomos ate os jornalistas, conversamos um pouco e logo depois nos despedimos de todos e fomos para a casa de Zhihu.

- Já chegaram? – Alya disse rindo se levantando do sofá.

- Esse akuma não foi tão difícil. – Zhihui disse voltando a ser Nino. Ele foi ate o berço portátil e brincou um pouco com Emma, logo depois pegou Nicollas no colo. – Olá, marrentinho.

- Cara, nunca vou me acostumar em ver você chamar o seu filho de marrentinho. – Adrien disse rindo enquanto brincava com Nicollas, o bebe sorriu e se esticou para pegar o guizo da roupa de Chat. Os bebes adoram isso.

- Mas ele é marrentinho, igual a Alya. – Nino disse rindo e Alya fez uma carranca. – Olha a carinha dele, parece que ele esta sempre com raiva. – E era verdade, Nicollas ficava o tempo todo com a carinha fechada, parecia que estava com raiva de alguma coisa. – Ele parece a Alya quando ta com raiva. – Nino disse e começou a rir junto com Adrien, eu não aguentei e soltei uma risada.

- Muito engraçado. – Alya disse se aproximando de Nino e dando um tapa em seu braço.

- Ei. Não me bata na frente do nosso filho. – Nino disse fazendo biquinho e Alya revirou os olhos.

- Acho que já te na hora de irmos. – Chat disse se abaixando para pegar Emma no berço portátil, assim que ela o viu, ela sorriu e começou a mexer as perninhas e os bracinhos sem parar. – Dessa vez eu levo ela. – Chat disse e eu o ajudei a amarrar o canguru em seu corpo, logo depois, colocamos Emma nele e ela começou a “morder” o guizo da roupa de Chat.

Depois que saímos da casa de Alya e Nino, fomos direto para a nossa, quando chegamos, tomamos café da manha e, logo depois Adrien foi dar banho em Emma enquanto eu ajeitava a cozinha. Pouco depois que tinha arrumado a cozinha, Adrien apareceu com Emma, ela estava um pouco agitada e, chorando um pouco, eu a peguei e fui dar a ela de mamar enquanto Adrien ajeitava o resto da casa, já que a empregada estava de folga e havia ido viajar, teríamos que arrumar tudo.

Depois que arrumamos tudo, eu tomei um banho e, logo depois Adrien entrou no banheiro. Enquanto Adrien tomava banho, eu fui arrumar a bolsa de Emma para podermos ir para a casa dos meus pais, depois que Adrien saiu do banho, vestiu suas roupas e pegou Emma que estava deitada na cama brincando com Tikki e Plagg.

- Mari, o jantar de aniversario do meu pai, é que horas mesmo? – Adrien perguntou rindo sem graça, eu revirei os olhos rindo.

- As sete, Adrien. – Eu ri e peguei algumas fraldas para colocar na bolsa. – Não acredito que esqueceu do jantar de aniversario de seu pai.

- É a idade. – Adrien disse rindo e eu revirei os olhos rindo.

Adrien estava sentado na cama com Emma no colo e, Tikki e Plagg estavam na frente dela fazendo algumas caretas, Adrien virou para pegar o casaco de Emma e, nesse momento ouvimos Plagg gritando.

- Haaa!!! Me solta! Adrien, me ajuda! – Adrien e eu olhamos para Plagg e, Emma estava segurando o seu corpinho enquanto puxava uma de suas orelhinhas.

- Ai, meu Deus! – Eu segurei a mãozinha de Emma enquanto Adrien tentava soltar Plagg da sua outra mãozinha.

- Adrien, anda logo, isso dói!

- Eu to tentando! – Adrien disse nervoso.

- Haaa!!! Não puxa, garota! – Plagg gritou quando Emma puxou sua orelhinha, Adrien colocou a mão debaixo do braço de Emma e começou a fazer cocegas, ela abriu a mãozinha e, eu coloquei a mão na cabeça de Plagg, depois Adrien colocou a mão debaixo do outro bracinho de Emma e fez cocegas, assim ela abriu a outra mãozinha e soltou Plagg de vez, eu o puxei e ele saiu flutuando enquanto resmungava. – A filha de vocês não tem respeito! Ela quase arrancou a minha orelha. – Plagg disse nervoso e eu me segurei para não rir, pude ver que Tikki também fazia o mesmo.

- Ela é só um bebe, Plagg. – Adrien disse se levantando da cama com Emma.

- Um bebe do mal. A minha orelha esta doendo! – Plagg disse gritando.

- Para de fazer drama. – Adrien disse.

- Drama? Drama? Ela quase arrancou minha orelha!

- Você já disse! – Adrien disse nervoso e, eu me virei para acabar de arrumar a bolsa de Emma.

- Eu nunca mais brinco com ela. – Plagg disse e Tikki se aproximou de mim, ela me olhou e nos duas começamos a rir.

- Ela não ta pedindo pra você brincar com ela! – Adrien disse.

 - Isso por que ela não fala! E, se ela falasse e pedisse, eu não iria.

- Ela nem se importa! – Adrien disse e eu me virei já com a bolsa de Emma em meu ombro. Eu olhei para Emma e, ela estava olhando para Plagg, ela estava sorrindo e com a mãozinha na boca. Eu ri e me aproximei deles.

- Ta bem, já chega. -  Eu disse e peguei Emma no colo de Adrien, o entregando a bolsa. – Vamos logo por que já estávamos atrasados. – Eu disse e fui saindo com Adrien e Plagg me seguindo, enquanto Tikki estava sentada em meu ombro. Quando chegamos no andar de baixo, eu fui para a cozinha. Enquanto pegava a mamadeira de Emma para colocar agua, Adrien a segurava.

- Eu esqueci as chaves lá em cima, vou buscar e já volto. – Adrien colocou Emma no berço portátil saiu correndo para buscar as chaves.

 

- Adrien -

 

Depois que peguei as chaves, segui bem rápido para a cozinha, assim que acabei de descer as escadas, comecei a andar devagar, quando cheguei na porta, olhei para o berço portátil e, pude ver Plagg brincando com Emma e, olhando desconfiado para Mari e Tikki. Eu e peguei o meu celular e comecei a tirar algumas fotos, seria bom pra zoar com ele depois. Ele fazia varias caretas e Emma ria bastante. Depois ele começou a flutuar em volta do seu rosto e ela ficava tentando pega-lo, enquanto ele estava com um sorriso bobo no rosto. Depois que estava satisfeito com as fotos, guardei o celular no bolso, fui um pouco pra traz e fiz barulho, para que Plagg pudesse me ouvir, então, quando entrei na cozinha, ele já estava sentado na mesa de braços cruzados e com a cara emburrada. Eu ri e me aproximei de Mari, que estava colocando um pouco de suco em uma mamadeira e a abracei por traz, logo depois, beijei sua bochecha.

- Vamos?

- Sim. – Mari colocou a mamadeira na bolsa de Emma, ela me entregou a bolsa e depois pegou Emma no berço portátil que sorriu quando viu a mãe.

Quando chegamos à casa dos pais de Mari, eles fizeram uma festa quando viram Emma. Assim que viu os avôs, Emma sorriu e esticou os bracinhos. Sabine se aproximou e pegou a neta no colo, Tom ficou atrás fazendo caretas e uma dancinha bastante boba. Depois disso ele fechou a padaria e nos subimos para o andar de cima.

- Compramos um presente para você, Emma. – Sabine disse contente.

- Outro, mamãe? – Mari perguntou rindo.

- Claro. Minha neta será bastante mimada. E vocês não tentem nos impedir. – Sabine disse e Mari e eu rimos.

- Acho que não vamos ter espaço em casa para tantos presentes que a Emma ganha de vocês e do meu pai. – Eu disse e todos rimos. Logo Tom chega com um embrulho grande e bastante colorido.  Sabine se sentou com Emma no outro sofá e, Tom senta do seu lado, colocando o embrulho de presente no meio, Emma se esticou um pouco e começou a pegar no embrulho.

- Deixa o vovô te ajudar. – Tom disse rindo e rasgando o embrulho, que aos poucos foi revelando um urso grande, um pouco maior que Emma. Era um gato de olhos azuis, que se parecia bastante com o Tony.

- Parece o Tony. – Mari disse rindo. Emma abraçou o ursinho enquanto mordia a cabeça do mesmo, nós ficamos rindo enquanto a observávamos. Depois de um tempo, Mari foi ajudar a mãe com o almoço, enquanto eu fiquei na sala com Tom e Emma.

Tom brincava o tempo todo com Emma e, ela ria bastante. Ela havia adorado o ursinho, pois sempre que tentávamos tira-lo de perto dela, ela começava a chorar. Depois de algum tempo, almoçamos e, resolvemos ficar mais um pouco na casa dos pais da Mari. Quando deu cinco da tarde, fomos para casa, para nos arrumarmos para o jantar de aniversario do meu pai. Os pais de Mari também iriam, eles haviam preparado um bolo belíssimo para o meu pai, assim como faziam todos os anos.

Quando chegamos na minha antiga casa, a maioria dos convidados já haviam chegado, mas como o meu pai era uma pessoa muito reservada, não tinham muitas pessoas, apenas os que são mais próximos dele. Quando meu pai viu Emma, ele veio ate nós com um enorme sorriso no rosto. Emma estava no meu colo e, estava um pouco sonolenta, mas quando ela viu o meu pai, ela despertou e começou a sorrir para ele.

- Como vai a minha pequena? – Meu pai disse para Emma que esticou os bracinhos para ele, nos sorrimos e meu pai a pegou. – E como vocês estão?

- Estamos bem. – Mari disse sorrindo. – Feliz aniversario, senhor Gabriel. – Mari disse abraçando o meu pai.

- Feliz aniversario, pai. – Eu disse e também o abracei, logo depois Mari o entregou o seu presente. Ele agradeceu e entregou o presente a recepcionista da festa, depois disse para nos ficarmos à vontade e, que ele iria apresentar Emma a todos.

Meu pai saiu andando pela a sala onde todos estavam enquanto mostrava Emma a todos, claro que ela não gostou muito da ideia de varias pessoas estranhas a paparicando, ela começou a querer chorar e, Mari se aproximou, assim que ela viu a mãe ela esticou os bracinhos e Mari a pegou e, assim, Emma parou de chorar.

Depois de um tempo conversando com varias pessoas, Emma começou resmungar e, eu e Mari fomos para o meu antigo quarto, para que Emma pudesse mamar em paz. Depois que Emma mamou, ela acabou dormindo.

- Acho melhor eu ficar aqui com ela. – Mari disse.

- Esta bem. Eu vou descer e avisar ao meu pai que você ira ficar aqui, depois subo para ficar com vocês.  – Nesse momento ouvimos uma batida na porta e meu pai entrou. Mari disse que ficaria ali com Emma, para o caso dela acordar e chorar, então meu pai disse que iria pedir a uma empregada de confiança que ficasse com Emma para que nos dois pudéssemos descer para aproveitar a festa. Mari e eu não queríamos aceitar de principio, pois não gostamos de deixar a Emma sozinha com qualquer pessoa, mas meu pai garantiu que ficaria tudo bem, pois era uma empregada antiga de confiança e, que ate eu a conhecia, então nós acabamos aceitando e descemos para o andar de baixo.

 

- Gabriel -

 

Assim que Marinette e Adrien desceram, eu fui ate a entrada dos fundos e chamei Lilian, depois disso entramos na casa e fomos para o antigo quarto de Adrien, onde Emma estava dormindo, assim que ela viu a neta dormindo, ela riu contente e se aproximou dela para beijar sua bochecha.

- Irei ficar lá em baixo. Quando eu ver que alguém esta subindo para ver a Emma, eu te mando uma mensagem, assim você pode se esconder, esta bem?

- Esta bem. Aproveite a festa Gabe e, não vá beber muito. – Eu sorri e me aproximei da porta.

- Você sabe que não gosto de beber. – Ela sorriu e depois eu saio do quarto, para voltar para a festa.

Depois do jantar, ficamos todos conversando na sala, pude ver que Marinette estava um pouco incomodada, mas sempre que ela iria sair, alguém aparecia para conversar com ela e Adrien. Depois de um tempo, eu me distrair com um antigo amigo e, quando voltei a olhar para Marinette e Adrien, eu só vi Adrien. Eu me levantei e disse que precisava resolver um assunto, quando peguei o meu celular, ele estava sem bateria, quando olhei novamente para Adrien, ele também não estava mais lá.

 

- Marinette -

 

Já havia se passado muito tempo que Emma estava no antigo quarto de Adrien dormindo. Sempre que eu tentava ir vê-la, alguém acabava atrapalhando e, eu não conseguia sair de lá. Depois de muito tempo, consegui me livrar das pessoas e, Adrien me ajudou para que eu pudesse sair de lá e ir ver Emma. Eu subi para o quarto e, quando me aproximei da porta, ouvi a voz de uma mulher e Emma rindo, eu não liguei muito, pois podia se apenas a empregada que Gabriel falou que iria ficar com Emma. Quando eu coloquei a mão na maçaneta, ouvi passos e olhei para o lado.

- Adrien, pensei que fosse ficar lá em baixo.  – Eu disse rindo.

- Não aguento mais conversar com aquelas pessoas. – Adrien disse rindo. - Alya e Nino já estão querendo ir embora, Nincollas esta enjoado. O que acha de irmos com eles?

- Seria legal, mas, temos que esperar o parabéns do seu pai. – Eu disse rindo e beijando Adrien. – É o primeiro aniversario dele com a neta, ele deve querer que ela fique com ele nessa hora.

- É... Você esta certa.

- Eu estou sempre certa, meu amor. – Eu disse rindo e Adrien também riu, ele se aproximou de mim e começou a me beijar enquanto riamos.

 

- Lilian -

 

Depois que Emma acordou, eu fiquei brincando com ela. Ela estava linda e, mais esperta que nunca. Eu tinha visto ela semana passada, mas parece que cada dia que passa ela fica mais e mais esperta. 

Enquanto brincava com Emma, ouvi vozes vindo do corredor, eu me levantei da cama e olhei o meu celular, não tinha nenhuma mensagem do Gabriel, então não deviria me preocupar, certo? Foi então que as vozes ficaram mais altas, eu olhei para Emma e ela estava sorrindo, eu parei para prestar mais atenção as vozes, foi então que as reconheci. Era Marinette e Adrien.

- Ai, meu Deus... – Eu comecei a olhar para os lados. O que eu iria fazer? Não podia deixar Emma sozinha na cama, se eu fizesse isso, Marinette e Adrien iram pensar que Emma ficou aqui sozinha o tempo todo e, eles podem brigar com Gabriel. Eu também não posso deixar que eles me vejam...  O que eu vou fazer? 

Leiam as notas finais ate o fim, é importante!


Notas Finais


Galera, como vocês sabem, essa é a continuação do especial, terá mais dois ou três capítulos, depois disso a FIC volta com os capítulos normais, de quando eles tinham 16 anos.
Pra quem não esta entendendo, leia as notas finais do capitulo antirior, la eu expliquei melhor sobre os especiais.
Qualquer duvida podem perguntar ai nos comentários que irei responder.
O desenho da capa desse capítulo foi feito por mim ^_^ Espero que gostem hehehe

Querem fazer pedidos para o especial? Então façam que tentarei adicionar todos.

Quem quiser me add no whatzapp, ficarei feliz em aceita-los ^_^ Pretendo fazer um grupo e, assim avisar quando terá novos capítulos da fic, quando eu não puder postar e, dar alguns spoilers e dicas dos próximos capítulos.
Meu numero: 3.1.9.8.5.1.1.3.7.2.3. (coloquem sem os pontos kkkkk...)
Minha outra fic: https://spiritfanfics.com/historia/love-miraculous-5781480


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...