História My Kitty Chat Noir - Capítulo 77


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alya, Chloé Bourgeois, Gabriel Agreste, Hawk Moth, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Nathanaël, Nino, Plagg, Tikki
Tags Miraculous Ladybug
Exibições 463
Palavras 2.407
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Colegial, Comédia, Escolar, Famí­lia, Fantasia, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Ola meus repolhinhos <3

Muito obrigado a todos que comentaram no ultimo capitulo e muto obrigado pelos 1431 favoritos.

Boa leitura! \o

Capítulo 77 - Os akumas estão mais fortes.


Fanfic / Fanfiction My Kitty Chat Noir - Capítulo 77 - Os akumas estão mais fortes.

- Adrien -

 

Eu e Mari chegamos ao colégio um pouco atrasados, mas, por sorte ainda faltavam três minutos para o sinal bater, assim que entramos na sala de aula, todos já estavam lá, menos a professora. Mari foi se sentar em seu lugar junto de Alya e eu fui me sentar com Nino.

- Como está se sentindo sem os cabelos rosa? – Nino me perguntou, esticando a mão para socarmos nossos punhos.

- Muito melhor. – Eu disse, rindo e batendo com o meu punho no dele, logo a professora entrou na sala e o sinal para o início das aulas soou.

As aulas passaram bem rápido, logo já estava no horário de almoço, eu fui para minha casa, pois precisava saber como seria minha agenda hoje, mas por sorte, eu só tinha aula de mandarim, então, mandei uma mensagem para o Mestre Fu dizendo que Mari e eu íamos para o treino um pouco depois das cinco horas.

Quando voltei para o colégio, vi Alya sentada em um dos bancos do pátio com Nino deitado em seu colo.

- Cheguei. – Eu disse rindo, Alya sorriu, e acenou, mas Nino continuou calado. – O que deu nele?

- Ele comeu muito, agora está se sentindo mal. – Alya disse, indiferente, eu olhei para Nino novamente e, ele estava um pouco pálido.

- Caramba, toma um remédio ou sei lá.

- Já... – Nino para de falar e solta um arroto. - ... tomei.

- Nino! – Alya diz, o repreendendo.

- Oi, pessoal. Oi, amor. – Senti Mari tocar o meu ombro, eu me virei e a beijei.

- Oi, princesa.

- Oi. – Alya disse, e Nino apenas acenou a mão de qualquer jeito.

- O que ele tem? – Mari perguntou.

- Comeu muito. – Alya disse e Mari olhou para Nino.

- Não seria melhor ficar sentando? – Mari disse. Quando Nino ia respondê-la, ouvimos o sinal e logo fomos para a sala de aula.

Depois das aulas, eu fui para a aula de mandarim, logo depois, encontrei Mari na casa do Mestre Fu. Assim que chegamos, o Mestre nos serviu um pouco de chá e logo em seguida começamos o nosso treino. Primeiro o Mestre disse como funcionava os nossos poderes e como teríamos que usá-los. Depois de longos quarenta minutos explicando tudo, e até de onde vinha a energia que nos davam os poderes, o Mestre pediu que nos transformassem e logo depois iniciamos a primeira parte do treinamento.

Na primeira parte ele nos ensinou a controlar nossa energia para não cansarmos tanto e não cansarmos os nossos kwamis muito rápido, para que assim, pudéssemos ficar transformados por mais tempo. Depois quase quarenta minutos, ainda não tínhamos conseguido muita coisa, e como usamos muita energia, não demorou muito para destransformarmos. Logo após isso, o Mestre nos chamou para a sua sala e nos serviu um lanche, ele parece ter percebido que Mari e eu estávamos um pouco desapontados por não estarmos indo bem aos treinos, então ele sorriu e nos olhou.

- Não se preocupem, esse é apensas o primeiro dia, não exijam muito de si.

- Mas não conseguimos fazer o que o senhor pediu. – Mari disse, desanimada.

- Mas chegaram perto. Vocês se saíram muito bem para o primeiro dia. – Mari me olhou, contente. – Não se preocupem, em breve vocês iram ser tão bons quanto os Chat Noir e Ladybug do passado... Talvez até melhor. – Mestre Fu nos olhou sorrindo. – Mas me digam, estão cansados? Com dores no corpo? – Mari e eu concordamos em silêncio, fazendo caretas. Mestre Fu riu e se levantou, logo depois voltou com algumas ervas. – Quando chegarem em casa, façam esse chá e bebam antes de dormir, ele irá ajudar.

- Por que estamos tão cansados? Nós não fizemos nada de mais, ficamos a maior parte do tempo sentados. – Mari disse.

- Usar o poder supremo requer muita energia, minha cara. É normal ficarem assim, pois vocês usam cada parte de seus corpos, mesmo não sentindo. Esse poder também cansa o espirito e mente, por isso vou precisar que vocês descansem bem, nada de ficarem acordados até tarde fazendo coisas de jovens.

- Mas quase nunca saímos à noite, nossos pais não deixam. – Eu disse.

- Mas aposto que ficam acordados até tarde jogando seus jogos, vendo filmes, animes e coisas que vocês gostam. – Mari me olhou, sorrindo. – A propósito... Eu estou com um jogo aqui, mas não estou entendendo, podem me ajudar?

- Claro. Qual seria esse jogo? Eu sou muito bom em qualquer tipo de jogo, não é, Mari. – Mari revirou os olhos, sorrindo.

- É um jogo novo que comprei. – Mestre Fu disse se levantando e nós o seguimos, logo ele para em frente a sua TV e pega o jogo. – Esse daqui.

- Call of Duty?! Sério? – Eu perguntei, encarando o Mestre Fu.

- Podem me ajudar? – Mari me olhou em silêncio, e então olhou sorrindo para o Mestre.

- Claro, Mestre.

Depois de sairmos da casa do Mestre, Gorila deixou Mari em sua casa e logo depois eu fui para a minha, assim que cheguei, pedi a um dos criados que preparassem o chá com as ervas do Mestre Fu e pedi que levassem ao meu quarto assim que ficasse pronto, logo depois, peguei um pouco de queijo para Plagg e fui para o meu quarto.

- Eu tô muito cansado. – Plagg disse, saindo do bolso da minha jaqueta e se deitando no meu travesseiro.

- Eu também. – Eu disse, me deitando. – Você não quer queijo?

- Quero. – Plagg disse, levantando a patinha para que eu o entregasse o queijo, eu revirei os olhos e peguei uma fatia do queijo que estava no prato em cima da cama e entreguei a Plagg. – Não vai ver sua namorada hoje?

- Está perguntando isso por que você também quer ver a sua.

- Óbvio, garoto.

- Você sabe que eu tenho que esperar até todos dormirem.

- Você poderia ter ido dormir na casa dela de novo, ou convidar ela para dormir aqui.

- Plagg, coma o seu queijo calado.

- Não se pode mais falar?

- Você fala demais.

- Como se você não falasse muito também. – Eu revirei os olhos, e fiquei em silêncio, depois Plagg ficou quieto. Eu fechei os meus olhos um pouco, poucos minutos depois ouvi uma batida na porta e um criado dizendo que meu chá estava pronto, então me levantei, peguei o meu chá, e deixei na minha cabeceira esfriando, logo depois acabei pegando no sono.

- Marinette -

Depois que cheguei em casa, pedi minha mãe que preparasse o meu chá e logo depois subi para o meu quarto, tomei um banho e depois desci para pegar o meu chá e cookies para Tikki, quando cheguei, olhei dentro da minha bolsinha e ela ainda estava dormindo, então resolvi deixá-la dormir, logo depois, fui costurar uma blusa nova que estava fazendo para o Adrien.

Eram onze e meia da noite, Chat ainda não havia chegado e eu já estava ficando preocupada, então, peguei o meu celular, quando ia mandar mensagem, ouvi uma explosão. Acordei Tikki e ela comeu um cookie bem rápido, logo depois me transformei e corri para o local da explosão, quando cheguei, avaliei a situação e logo depois Chat chegou. Chat beijou minha mão sorrindo e logo depois disse a ele onde deveria estar o akuma, então, começamos a lutar.

Quase duas horas depois, Chat e eu conseguimos derrotar o akuma e eu purifiquei a borboleta, tínhamos apenas mais alguns minutos, então não deu para falar nem com a pessoa que foi akumatizada e nem com os repórteres, então, Chat e eu saímos correndo e fomos para a minha casa, quando pisamos na minha varanda, nos destransformamos.

- Fooome!!! – Plagg falava dramático, na mão de Adrien, que me olhou.

- Vou pegar queijo e cookies. – Eu disse, sorrindo, desci para o meu quarto junto de Adrien. Depois de alimentarmos os kwamis, eu fui tomar um banho e logo depois Adrien, então eu tomei o meu chá e fomos nos deitar, mas quando fechamos nossos olhos, ouvimos gritos vindo da rua, Adrien e eu nos levantamos assustados e nos encaramos.

- Outro akuma? – Adrien perguntou, assustado.

- Isso está estranho. Dois akumas no mesmo dia? E em tão pouco tempo? – Tikki disse, vindo até nós.

- Olhamos isso depois, temos que ir. – Adrien disse se levantando, então nos transformamos e fomos enfrentar o akuma.

Por sorte, Chat e eu conseguimos derrotar esse akuma com mais rápido, pois ele não era tão forte quanto o outro, mas mesmo assim, foi difícil. Assim que purifiquei a borboleta, um monte de repórteres vieram até nós e no meio deles, estavam Alya e Nino, claro que Chat e eu fomos até eles antes.

- Ladybug, Chat Noir, poderia nós dizer por que teve dois akumas no mesmo dia? Não faz nem duas horas que vocês enfrentaram um akuma e já teve outro. Poderiam nós dizer o que está acontecendo?

- Seu nome é... Alya, certo? Lembro que te dei uma entrevista uma vez. – Alya fez que sim com a cabeça, enquanto sorria. – Olha, Alya, ainda não sabemos exatamente o porquê disso. Isso nunca aconteceu e esperamos que não se repita, mas pode ter certeza que se for mais um dos planos de Hawk Moth, vamos fazer o que Chat e eu sempre fazemos, derrotaremos todos os akumas e protegeremos as pessoas de Paris contra todo o mal. – Alya me olhou confiante e logo todos os repórteres começaram a fazer mais perguntas, Chat respondeu algumas e eu outras, logo depois ouvimos nossos miraculous apitarem e tivemos que correr.

Já em casa, Adrien e eu caímos na cama e dormimos logo em seguida, estávamos tão cansados, que não conseguimos pensar em nada sobre o fato de ter tido dois akumas em tão pouco tempo. Quando acordamos na manhã seguinte, Adrien se transformou e foi para a sua casa. Tomei o meu banho e vesti minhas roupas. Depois do café, escovei os meus dentes e logo depois fui esperar Adrien do lado de fora da padaria, não demorou muito e ele chegou.

Na escola, Tikki disse que era pra irmos para a biblioteca, eu e Adrien achamos aquilo estranho, mas concordamos, então, seguimos para a biblioteca e fomos nos sentar em um lugar bem afastado.

- Qual o problema, Tikki? – Eu perguntei.

- É que Plagg e eu estamos preocupados, nunca houve um ataque de akuma desse tipo. Dois no mesmo dia? Em tão pouco tempo? Isso só aconteceu com os antigos portadores dos seus miraculous.

- E isso aconteceu... Por quê? Assim... Isso foi ruim pra eles? – Adrien perguntou.

- Isso aconteceu quando Hawk Moth foi ficando mais forte, mas assim como vocês, as Ladybug’s e os Chat’s Noir treinaram com os guardiões. – Plagg disse.

- Então só precisamos treinar, certo? Não tem com o que se preocupar. – Adrien disse, contente e eu sorri.

- Na verdade tem.  – Disse Plagg, sério. – Adrien, o treinamento requer muito esforço mental, espiritual e físico. Vocês ficaram exaustos a cada treinamento.

- Isso significa, que a cada luta de akuma, vocês correram mais riscos de se machucarem gravemente, fora que não poderão ficar muito tempo transformados. – Tikki disse, e eu e Adrien nos olhamos assustados.

- O que vamos fazer então? – Eu perguntei, preocupada.

- Vamos esperar o Mestre dizer o que vocês devem fazer, até lá, se concentrem no treinamento.  – Tikki disse, eu e Adrien confirmamos em silencio.

Logo após a conversa com os kwamis, fomos para a sala de aula e, como sempre, as aulas foram chatas, Chloe e Lila encheram o nosso saco, o almoço foi divertido e agora, finalmente estamos voltando para casa.

A tarde, quando chegamos a casa do Mestre Fu, tomamos um pouco de chá e depois iniciamos nossos treinamentos. Eu não sei se é só eu que estou sentindo isso, mas parece que o treinamento de hoje está sendo mais cansativo.

Depois do treinamento, Mestre Fu nos deu um lanche delicioso e depois nos deu mais algumas ervas para chás, logo depois, fomos para a minha casa e Nino e Alya estavam lá, nos esperando.

- O que estão fazendo aqui? – Eu perguntei, sorrindo.

- Oi pra você também. – Alya disse, rindo. – Viemos ver nossos amigos. – Nós rimos, e então subimos para o meu quarto.

Ficamos conversando sobre várias coisas, até que Nino começa a falar de um aluno do segundo ano, que estava um pouco diferente do que era antes.

- Espera, deixa eu ver se entendi... O cara era todo calado, estudioso, e sempre ajudava a todos e agora ele está todo rebelde, e está tacando o foda-se. – Adrien perguntou.

- Cara, que isso? Gente rica não diz palavrão. – Nino disse.

- E por que não?

- Por que não ué. Você paga alguém para falar o palavrão pra você... Tipo um mordomo. – Eu disse, e nós rimos.

- Eu falo palavrões o tempo todo.

- Até na sua casa? – Alya perguntou.

- Não, lá eu tenho que me comportar. – Adrien disse, e nós rimos novamente.

Ficamos conversando por muito tempo, até minha mãe nos chamar, dizendo que havia feito um lanche para nós, então, os meninos desceram para ir buscar.

- Mari, você sabe que o aniversário do seu loirinho está chegando, certo? – Alya perguntou, contente.

- Eu sei. – Eu disse, sorrindo.

- Então... Eu e Nino estávamos pensando em fazer uma festa, o que você acha?

- Eu acho uma boa ideia, mas... O problema é o pai do Adrien.

- Podemos fazer em outro lugar.

- Mas, Alya, Adrien tem sessões de fotos sempre, fora os eventos de última hora que ele costuma ir. Não podemos organizar uma festa assim, vai que ele tem uma sessão de fotos de última hora ou algum evento chato?

- Isso é verdade. – Alya disse, pensativa. – Mas, Mari... O Adrien iria adorar isso.

- Eu sei... Mas não podemos organizar uma festa sem falar com o pai dele e pedir permissão.

- Por que você não conversa com o seu sogrão? – Alya diz, sorrindo.

- Alya, não vou fazer isso.

- Nem pelo Adrien? Aposto que ele iria adorar a festa e isso iria deixar ele muito feliz. – Alya disse, pegando o celular e o desbloqueando. Eu fiquei em silêncio enquanto pensava. Realmente o Adrien iria adorar isso, mas eu não sei se tenho coragem de pedir isso ao senhor Agreste...  O que eu devo fazer?

Leiam as notas finais, é muito, muito importante mesmo.


Notas Finais


Fim do capitulo u.u Semana que vem tem mais hehehe...

Seguinte, meus morecos, no ultimo capitulo, disse sobre eu esta pensando em acabar com a FIC e, muitos pediram para continuar. Em muitos comentários, vi que as pessoas falavam que a FIC estava ótima, que estavam adorando e tudo mais. Mesmo assim, eu ainda acho que posso fazer a FIC ficar ainda melhor, com capítulos mais legais e do agrado de todos (ou pelo o menos da maioria) então, pessoal, comentem o que vocês querem na FIC, deem sugestões, digam do que não estão gostando, ou o que não estão, sei la... APENAS COMENTEM. Outra coisa, estou vendo que o numero de comentários esta caindo, e isso é o que mais tem me desanimado para continuar com a FIC, eu sei que muitos tem preguiça de comentar, vergonha, ou ate mesmo não gostam, mas, galera, comentem qualquer coisa, pode ser criticas boas ou ruins, pode ser ate pra me dar um "oi" ou "vai se ferrar" (isso não, por favor... Me amem) pode ser qualquer coisa, mas comentem. Com mais comentários, sugestões, ideias, ou pedidos, eu fico mais animada para escrever, e com isso, os capítulos saem com mais frequência, pois eu estarei vendo que vocês estão gostando da FIC e isso vai me animar. Caso vocês não queiram comentar aqui, podem mandar mensagens no privado ou nowhatsapp, eu terei o maior prazer de ler e responder vocês (mesmo se for um texto gigantão). Então por favor, galera, me ajudem, pois eu quero continuar com a FIC, mas preciso de motivação, pois não adianta nada escrever novos capítulos se não estou agradando vocês, pois eu só estou fazendo isso, por vocês, eu adoro cada um de vocês e agradeço por acompanharem minhas FICs. Então por favor, não deixem as minhas FICs morrerem, pois vocês são os únicos que as mantem vivas, e que me dão vontade e animo para escrever todos os dias ^_^ Obrigada a todos que leram ate aqui, desocupem pelo texto gigante e espero ver vocês nos comentários dos próximos capítulos. \o

Minha pagina: https://www.facebook.com/desenhossemideusa/
Me segue no Tumblr: https://priscilatp.tumblr.com

Leiam minhas outras FICs:
https://spiritfanfics.com/historia/the-princess-and-kitty-knight-5622710
https://spiritfanfics.com/historia/my-kitty-chat-noir-halloween-6923530

Caso queiram me add no whatsapp para conversarmos...
Meu numero: 3.1.9.8.5.1.1.3.7.2.3. (coloquem sem os pontos kkkkk...)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...