História My Kitty Chat Noir - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alya, Chloé Bourgeois, Gabriel Agreste, Hawk Moth, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Nino, Plagg, Sabine Cheng, Tikki, Tom Dupain
Tags Miraculous Ladybug
Visualizações 265
Palavras 2.647
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Super Power
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Ola,meus bombomzinhos \o

Atendi a alguns pedidos nesse capitulo \o/ De nada.

Muito obrigado a todos que comentaram no ultimo capitulo e aos 344 favoritos. Amo vocês <3

Espero que gostem do capitulo, tem Ladynoir e Marichat hehehe... E também tem o nosso querido Gabe ( Gabriel ).

Se deliciem com o capitulo \o
Boa leitura!

Capítulo 21 - Jantar e encontros.


Fanfic / Fanfiction My Kitty Chat Noir - Capítulo 21 - Jantar e encontros.

 - Adrien -

 

Acordei as seis e trinta e três da tarde tomei um banho e me vesti, logo já estava pronto para o jantar com o meu pai.

- Nhatalie, onde está o meu pai?

- Ele ainda não desceu, Adrien.

- Nesse caso vou na cozinha beber água e já volto.

- Não demore, seu pai já deve esta descendo, sabe como ele é pontual. - Eu apenas assenti com a cabeça e corri para a cozinha. Como não iriamos jantar em casa os cozinheiros não estavam lá, então poderia ir ate a geladeira e pegar o queijo de Plagg sem nenhum problema.

- Plagg, come logo o queijo, daqui a pouco o meu pai vai descer. - Plagg saiu do bolso do meu casaco e pegou o queijo.

- Ainda são sete e quarenta, dá tempo. - Plagg disse olhando para o meu relógio.

- Coma logo o queijo.

- Calma, garoto. - Plagg começou a comer o queijo, e em menos de dois minutos já tinha devorado todo o queijo.

- Agora entra no casaco. - Plagg obedeceu e eu voltei para a sala para esperar o meu pai. Assim que cheguei Nathalie disse que eu já poderia ir para o carro que meu pai já estava descendo, eu obedeci e fui para o carro, assim que entrei vi meu pai saindo de casa e vindo em direção ao carro.

- Boa noite, Adrien. - Meu pai disse entrando no carro

- Boa noite. - Eu disse sorrindo. Gorila ligou o carro e seguimos para o hotel do pai da Chloé, espero não vê-la. A viagem foi bem rápida, logo já estávamos parados na porta do hotel, eu e meu pai descemos e seguimos para o enorme restaurante que lá tinha. Quando estávamos nos aproximando do restaurante ouvi a voz de Chloé.

- Adreieen, querido! - Eu e meu pai nos viramos e Chloé pulou no meu pescoço. - Que bom te ver sem aquela insuportável da Marinette grudada em você.

- A Marinette não é insuportável, Chloé. - Eu empurrei Chloé e olhei para o meu pai, ele estava com uma carranca.

- Ah, senhor Agreste, veio jantar aqui esta noite? - Era o pai da Chloé.

- Sim. - Meu pai disse sério.

- Que bom. Eu preciso falar com o senhor, mas antes terei que resolver um problema, logo mais irei a sua mesa.

- Como quiser. - Meu pai disse e se virou. - Vamos, Adrien. - Eu me virei e segui meu pai ate o restaurante, nos sentamos e fizemos o pedido, logo o nosso pedido já estava em nossa mesa.

- O que será que o pai da Chloé que conversar com o senhor? - Eu perguntei.

- Eu não sei, mas isso não me importa agora. - Ele disse levando o garfo ate a sua boca. - Como foi no acampamento?

- Ah, foi bom. - Ele me olhou.

- Me conte. - Eu fiquei um pouco surpreso. Não sabia que o meu pai realmente estava interessado sobre a viagem que fiz com a escola. Então eu comecei a contar sobre tudo o que aconteceu, claro que, não contem sobre os beijos que eu e Mari demos e sobre o que aconteceu nas rochas. - A menina que você salvou não é aquela que ganhou a competição de chapéus que teve na sua escola?

- Ela mesma. - Eu disse sorrindo.

- Eu não esqueci dela e nem de seu nome. - Eu o olhei surpreso. - Ela é uma boa menina, e tem um grande futuro como estilista.

- O senhor acha?

- Claro. Depois que você levou o chapéu para casa eu dei uma olhada nele, ela realmente fez um bom trabalho. - Meu pai entrou no meu quarto para ver o chapéu? Quando foi isso?

- A Mari ficaria feliz de saber que o senhor gostou.

- Por que não a leva lá em casa um dia? Peça para ela levar os seus desenhos, assim poderei ver seus outros trabalhos. - Ele me olhou e deu um sorriso fraco. Esse dia tá muito estranho. - Você parece gostar dela. - Nesse momento senti minhas bochechas queimarem.

- Não. O senhor esta enganado. Somos amigos.

- Entendi… - Ele voltou a ficar com a expressão seria. Será que ele não gostou de saber que eu e Mari somos só amigos?

- Senhor Agreste. - Era o pai de Chloé. - Podemos nos falar agora? - Ele disse e meu pai assentiu. O prefeito se sentou em nossa mesa e Chloé fez o mesmo. - Bem, senhor Agreste, gostaria de conversar com o senhor sobre os acontecimentos do acampamento que os nossos filhos foram. Minha filha, Chloé, me disse que o seu filho a tratou indiferente no acampamento por culpa de uma menina. Ela me disse que não foi culpa dele, já que essa menina estava enganando o seu filho, se fazendo de vítima para que ele ficasse do lado dela e maltratasse a minha pobre Chloé, que foi vítima dessa garota que a agrediu. Minha filha está com o braço machucado por causa dela. Mostre a ele, filhinha.

- É verdade senhor Agreste, veja só o meu braço. - Chloé tirou o casaco e mostrou um pequeno hematoma em seu braço. Aquilo já estava me deixando com muita raiva, a vítima foi a Marinette, e não a Chloé. Eu olhei para o meu pai e ele continuava do mesmo jeito: Serio.

- E para completar, a minha pobre Chloé foi suspensa das aulas por uma semana, mesmo ela não tendo culpa de nada, e a garota que foi a causadora disso tudo não recebeu nenhum castigo. Essa garota não deveria estar nessa escola, deveria estar presa, ela agrediu a minha filha, enganou o seu filho e se passou por vítima engando ate mesmos seus colegas e professores. Pessoas da classe dela não podem frequentar a mesma escola que nossos filhos, essa menina e um perigo, pode fazer mais alguma coisa de ruim com minha pobre Chloé. E não podemos esquecer que ela roubou a pulseira da minha filha uma vez na escola, no dia em que os pais foram falar de seus devidos empregos.- Eu já não estava mais aguentando ouvir ele falar assim da Marinette, quando eu ia falar o meu pai me olhou e eu fiquei em silêncio.

- Bom, senhor Bourgeois, o senhor já disse tudo o que queria? - O pai de Chloé confirmou com a cabeça. - Ótimo. Primeiro gostaria de lhe dizer que o Adrien já me contou tudo o que aconteceu no acampamento, e ele também me disse, que a vítima disso tudo não foi a sua filha, e sim a amiga do meu filho, a Marinette. Ele me disse que a sua filha a agrediu, e a envergonhou na frente de muitas pessoas, e ela também afogou a menina que não sabia nadar. A sua filha está com um hematoma no braço, pois a garota que ela agrediu estava apensa se defendendo, e se não fosse o meu filho ajudar a amiga, a sua filha teria feito coisas piores a garota. E sobre o roubo da pulseira, tenho certeza que não foi ela, eu não a conheço, mas pelo que eu ouvi do meu filho, posso afirmar que ela é uma boa menina, o que já não posso dizer da sua filha, já que a mesma roubou o projeto do chapéu, que a amiga do Adrien havia feito, mas que por sorte foi desmascarada pela própria criadora do projeto. E se o senhor está tão incomodado que a sua filha esta estudando nessa escola, basta que a tirar de lá. Agora que já conversamos… - Meu pai disse e se levantou da cadeira. - Eu já vou indo, tenho muito trabalho a fazer quando chegar em casa. - Um garçom se aproximou da nossa mesa com a conta e o meu pai pagou. - Tenham uma boa noite. Vamos Adrien. - Eu me levantei e segui o meu pai.

 

No caminho ate o carro nos não dissemos nem uma palavra, quando entramos no carro eu olhei para o meu pai e ele estava olhando para a janela, então eu resolvi falar.

 

- Pai… Obrigado, por defender a Marinette. - Ele continuou olhando pela janela. - Ela realmente e uma boa pessoa, e nunca pegou nada que não fosse dela e nunca fez nada para prejudicar ninguém.

- Eu sei. E não a defendi só por isso, sei que gosta muito dela, e vi como ficou quando o Prefeito e sua filha estavam falando dela. Eu sei como é quando alguém fala coisas horríveis da pessoa que amamos. - Eu não entendi o que ele quis dizer com aquilo, será que alguém havia falado coisas ruins da minha mãe ou sobre alguém importante para o meu pai?

- Obrigado, pai. Eu realmente não estava suportando ouvi eles falando todas aquelas coisas da Marinette. Ah... E... Eu não a amo, sabe...? ela... ela é so minha amiga. - Eu disse sorrindo sem jeito e ele assentiu com a cabeça.

 

Depois disso ficamos em silêncio. Quando chegamos em casa agradeci ao meu pai pelo jantar e fui para o meu quarto, assim que tranquei a porta Plagg saiu do meu casaco.

 

- Adrien, o que deu no seu pai pra ele defender a Marinette?

- Não sei Plagg. Mas eu gostei das coisas que ele disse para o Prefeito sobre a Chloé, deu pra ver que ela contou mentiras para o pai só pra se passar por vítima.

- Ela faz isso com todos. - Plagg disse pegando um pedaço de queijo que estava na mesa do computador.

- Plagg, o que você acha que o meu pai quis dizer quando disse que ele sabe como é quando alguém fala coisas horríveis das pessoas que amamos?

- Sei la… Vai ver alguém falou alguma coisa ruim sobre você ou sobre alguma outra pessoa que ele goste.

- Sim, mas… Que pessoa?

- Sei la, garoto, não tenho as respostas pra tudo. - Plagg disse se sentando em minha cama. - Que horas é a patrulha?

- As dez e meia.

- A patrulha vai demorar muito hoje?

- Provavelmente não. Vamos só dar uma volta pra ver algumas ruas, não deve demorar. Além disso, ainda tenho que ir a casa da minha princesa. - Eu disse olhado para Plagg por cima do ombro e sorrindo.

- Nesse caso, me de mais queijo. Vou precisar de muita energia.

- Está bem. - Fui ate a cozinha e peguei um camerbet inteiro para Plagg, voltei para o quarto e mostrei o camerbet para ele, que quando viu começou a gritar e voou ate o queijo o abraçando.

 

Ainda faltavam quarenta minutos para a patrulha, então resolvi ouvi um pouco de música enquanto Plagg comia o seu queijo, logo deu o horário e eu me transformei e fui para o ponto de encontro.

Quando eu cheguei My Lady ainda não estava lá, então eu me sentei em uma chaminé e fiquei esperando por My Lady que chegou poucos minutos depois.

- Oh! My Lady. - Eu me levantei da chaminé e fui ate ela beijando as costas de sua mão. - Esta atrasada bugaboo. - Eu disse sorrindo e ela revirou os olhos.

- Como vai, gatinho. - Ela disse afagando meus cabelos. - Está aqui já tem muito tempo?

- Só alguns minutos, My Lady. - Ela olhou para mim e sorriu.

- Chat, o que acha de ficarmos aqui hoje, em vez de sair por ai patrulhando?

- Como quiser, My Lady. - Ela sorriu e se sentou perto da chaminé e eu me sentei do lado dela. Nós ficamos conversando sobre jogos de videogame e sobre algumas outras coisas que não colocassem em risco nossas identidades. Depois de um tempo conversando, My Lady ficou em silêncio olhando as estrelas.

- Ei, Chat, você já se apaixonou? - Eu olhei para ela e ela ainda estava olhando as estrelas.

- Sim. Pra falar a verdade eu estou apaixonado. - Eu disse rindo e ela me olhou e sorriu. - Mas qual o motivo dessa pergunta, My Lady?

- Nada. É só curiosidade. - Ela me olhou e sorriu.

- Sabia que a curiosidade matou o gato? - Eu disse sorrindo.

- Sim. Mas eu sou uma joaninha, e não um gato. - Ela bagunçou os meus cabelos e se levantou - Já esta tarde, acho que vou pra casa.

- Vamos patrulhar amanha? - Eu perguntei sorrindo.

- Amanha não é dia, Chat.

- Mas eu queria te ver amanha, My Lady. - Eu disse abaixando as orelhinhas e fazendo olhos de gatinho abandonado.

- Está bem, Chat... Podemos patrulhar amanha. - Ela sorriu e pegou seu ioiô. - Ate mais, gatinho. - Ela acenou e jogou seu ioiô em um prédio próximo, logo ela já estava longe.

 

Depois que My Lady foi para casa, eu fui ver minha princesa, quando estava em sua varanda vi que as luzes do quarto de Marinette estavam acessas, ela ainda estava acordada, mesmo já sendo quase meia noite. Eu olhei pela escotilha e não a vi, então eu entrei em seu quarto e ouvi um barulho vindo do banheiro. Ela devia esta tomando banho. Então eu me sentei em sua cama e fiquei esperando ate ela sair.

 

- Marinette -

 

Assim que cheguei em casa, desfiz minha transformação e fui tomar um banho, Tikki ficou sentada na mesa do meu computador comendo alguns cookies. Depois do banho, coloquei um pijama e soltei os meus cabelos, estava pronta para dormir, então sai do banheiro e apaguei as luzes.

 

- Boa noite, princesa. - Eu levei um susto e olhei para direção de onde a voz estava vindo. Era Chat. Ela estava deitado em minha cama brincando com o seu sinto.

- Chat! Que susto. O que está fazendo aqui?

- Como assim, princesa? Eu venho lhe ver todas as noites, lembra? - Ele disse descendo da cama e vindo ate mim.

- Sim, mas, já são mais de meia noite.

- Eu sou um gato de rua, princesa, não ligo para as horas.

- Mas eu ligo, e já esta tarde, amanha tenho escola.

- Mas princesa, nós ficamos conversando todos os dias ate tarde e você nunca reclamou.

- Sim, mas, isso é quando você chega mais cedo, e vai embora pouco depois da meia noite.

- Me deixa ficar só um pouquinho, por favor. - Ele me olhou e abaixou as orelhinhas, fazendo aquele maldito olhar de gatinho abandonado. Preciso me controlar quando ele fizer isso e não me deixar levar e fazer todas as suas vontades. Mas, posso fazer isso outro dia.

- Está bem, gatinho, você pode ficar mais um pouco. - Ele sorriu e correu para se deitar em minha cama, nesse momento escuto um apito vindo de seu anel. - Parece que o seu tempo esta acabando, gatinho.

- Ainda tem mais três patinhas, princesa. - Ele disse me mostrando seu anel. - Mas venha, princesa, vamos ficar deitados que nem aquele dia, eu fico fazendo carinho em seus cabelos enquanto você dorme. - Aquilo não me parecia má ideia, eu estava realmente cansada, e não queria conversar, então eu apaguei as luzes e fui me deitar com Chat.

 

Quando eu me deitei ele me abraçou e eu fiquei deitada em seu peito, ele começou a me fazer cafuné, e nesse momento comecei a me lembrar de Adrien. Eu não sei por que, mas, o jeito em que ele estava me abraçando e o jeito em que ele fazia carinho nos meus cabelos, era exatamente igual ao Adrien. Eu estava me sentindo tão bem daquele jeito, que não demorou e eu já estava dormindo.

Estou pensando em fazer um novo sorteio, leiam as notas finais para saber mais! 


Notas Finais


Espero que tenham gostado do capitulo hahahah...

Tem pedidos? Mada ae

Galera, estou querendo fazer um novo sorteio, mas não sei se faço e nem sei o que sortear ehehhe... Então, vou deixar vocês decidirem... Vocês querem um sorteio? Se sim, querem que eu sorteio chaveiros, postais ou que eu divulgue as fics do vencedor nas minhas paginas? Pode ser qualquer categoria e irei divulga-las nas minhas 4 paginas: Uma de mais de 1 milhão de likes, outra com mais de 80 mil likes, outra de mais de 7 mil likes e mais uma de miraculous que tem mais de 80 likes. Irei divulgar a fic todos os dias durante 1 semana. Então, comentem se vocês querem o sorteio e o que querem de premio... Pode ser um desses que sitei ou vocês podem dar ideias também.

Outra coisa... Galera, eu preciso saber se um de vocês tem os capítulos salvos da FIC the princess and kitty knight e das minhas outras FICs ( ou só de uma delas). Como vocês abem, eu só consegui salvar a My kitty, e queria continuar com as outras FICs, principalmente a the princess and kitty knight. Então, se você conseguiu salvar uma das minhas FICs ou todas elas, por favor, me avise, eu prometo de recompensar ^_^.

EU AINDA TENHO MUITAS IDEIAS PARA A FIC, COISAS QUE VOCÊS NEM IMAGINAM E QUE IRAM PIRAR SE SOUBESSEM.

Então, por favor, se você tem os capítulos, me avise, entre em contato comigo, pode ser aqui nos comentários, em mensagem privada, ou ate mesmo me mandando uma mensagem no whatsapp.

Meu numero: (31) 9.8.5.1.1.3.7.2.3

Valeu, pessoas <3

Eu fiz um grupo no whatsapp para dar noticias da FIC, dizer quando não poderei postar e quando postarei capítulos novos. Então, quem quiser participar do grupo, é só me adicionar e me chamar que vou adiciona-lo ao grupo. Vou deixa meu numero aqui em baixo.

Caso queiram me add no whatsapp para conversarmos...

Meu numero: 3.1.9.8.5.1.1.3.7.2.3. (coloquem sem os pontos kkkkk...)

Minha pagina: https://www.facebook.com/priworksestudio/?ref=bookmarks
Me segue no Tumblr: priscilatp.tumblr.com
Me segue no Twitter: @Priscila_tp
Me segue no Instagram: priscila__tp

Bjs e ate amanha \o


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...