História My Life, My Weakness - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Akamaru, Asuma Sarutobi, Chouji Akimichi, Deidara, Fugaku Uchiha, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Haku, Hanabi Hyuuga, Hinata Hyuuga, Hizashi Hyuuga, Hyuuga Hiashi, Ino Yamanaka, Iruka Umino, Itachi Uchiha, Jiraiya, Kabuto, Kakashi Hatake, Karin, Kiba Inuzuka, Konan, Konohamaru, Kurenai Yuuhi, Kushina Uzumaki, Mikoto Uchiha, Minato "Yondaime" Namikaze, Nagato, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Personagens Originais, Rin Nohara, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Shino Aburame, Shion, Temari, TenTen Mitsashi, Toneri Otsutsuki, Tsunade Senju, Yahiko
Visualizações 19
Palavras 1.298
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ecchi, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Maus aí pela demora. É que eu fiquei sem celular na última semana de férias, aí eu fiquei sem tempo, já que eu agora nas duas primeiras semanas de aula está tendo prova, e eu, como uma boa aluna, preciso estudar. Sem mais enrolação, vamos ao capítulo.

Capítulo 10 - Tudo vai dar certo.


— CHEGA! EU VOU ATRÁS DAQUELE FILHO DA PUTA AGORA MESMO! – gritou tio Minato saindo da sala de jantar.

— Minato, não vá. – disse Fugaku, fazendo com que tio Minato voltasse.

— Fugaku, eu não posso aceitar isso. Ele fez de novo. Dessa vez com uma criança de 8 anos. Não posso deixar isso impune.

— Eu sei que você não quer aceitar isso. Mas vai por mim, não vale a pena.

— Como assim não vale a pena?

— Eu já estou investigando alguns assuntos sobre ele. E com mais algumas provas, ele vai preso facilmente. – respondeu Fugaku com um sorriso vitorioso nos lábios.

— Que assuntos? Eu tenho alguns documentos que provam muita coisa sobre ele.

— Tipo?

— Assassinato e desvio de dinheiro.

— Mostre-me esses documentos.

— Tudo bem.

Fui até o quarto com Naruto e Hanabi atrás de mim.

— Hana, quando ele fez aquilo com você? – perguntei, estava muito preocupada com ela.

— Ontem de noite.

— Filho da puta.

— Hina-nee-chan, o que vai acontecer agora?

— Hana, minha mãe e meu pai vão dar um jeito. Prometo.

— Mas e se o papai vier atrás de mim?

— A partir de hoje, você está sob proteção da família mais rica e influente do Japão. Se ele vier atrás de você, certamente será preso, ou até mesmo morto.

— Naruto-kun, vamos?

— Vamos.

— Hana, fica aqui no quarto. Você pode não aguentar ouvir. – pedi.

— Tudo bem.

— Hana, se quiser pode ligar a TV.

— Uhum.

Saímos do quarto e voltamos até a sala de jantar.

— Aqui. Esses são os documentos.

Após alguns minutos analisando os papéis, Fugaku perguntou:

— Onde conseguiu tantas informações?

— Com a secretária dele, Yuuhi Kurenai.

— Interessante…

— Tenho mais documentos. Mas esses são os mais importantes.

O interfone tocou, e tia Kushina foi atender.

— CADÊ ELA??

— Ela já não pertence mais a você. — disse tia Kushina.

— COMO NÃO? EU SOU O PAI DELA!

— É o pai biológico dela, mas, depois de tudo o que fez à ela, agora ela não pertence mais à você!

— Cadê ela?

— Naruto, Hinata, vão para o quarto, tranquem a porta, e não saiam de lá até eu mandar. Tudo bem?

— Hai.

Corremos até o quarto e trancamos a porta, e Hanabi me perguntou:

— Hina-nee-chan, por que voltaram tão rápido?

— Porque temos visitantes indesejáveis. 

— Hum.

Ficamos assistindo televisão por algum tempo, até que Naruto quebra o silêncio.

— Hina, o que será que eles estão falando?

— Não sei. E se você está pensando em sair do quarto pra ouvir, saiba que eu não vou deixar.

— Mandona.

— Sou mesmo. Agora cala a boca que eu tô querendo assistir.

— Estressadinha.

— Naruto, cala a boca.

— Tá bom.

Quinze minutos depois, tia Kushina chamou Naruto e eu. Nós descemos até a sala de jantar e Hiashi estava lá. Fiquei com medo, mas Naruto segurou minha mão e fiquei mais tranquila.

— Cadê ela?

— Ela quem?

— A Hanabi.

— Não sei.

— MENTIROSA!! – gritou tentando se aproximar, porém, Fugaku o segurou e tio Minato entrou em minha frente.

— Hiashi, ela não deve satisfações a você.

— Se é sobre a minha filha ela deve sim.

— Você não deveria ter feito aquilo com ela. Você vai pagar muito caro pelo que fez com a minha irmã. Ela é uma criança. Você não tem coração por um acaso?

— Se minha putinha não tivesse fugi-

Ele não terminou de falar, pois tio Minato lhe deu um soco no rosto que dele fez com que Hiashi caísse.

— Não fala assim dela. Ela é uma criança.

— Vai dizer que você também não sente vontade de foder com ela?

— Lógico que não!

— Não sabe o que perde.

— Hiashi, eu vou entrar na justiça e te proibir de se aproximar das duas.

— Por quê? Eu não tenho culpa se elas são gostosas.

— Hina, é melhor nós sairmos daqui. – sussurrou Naruto. – Depois nós voltamos.

— Hai.

— Mãe, eu e a Hina vamos lá fora, tudo bem?

— Não façam besteiras.

— Pode deixar.

Naruto e eu saímos, e eu percebi que Hiashi queria ir atrás de nós, porém, Fugaku não deixou. Nós fomos até a casa na árvore e eu deitei com a cabeça apoiada no colo de Naruto.

— Hina, tudo bem? Você parece meio aérea.

— Naruto-kun, eu não sei porque ele age assim.

— Eu também não Hime.

Passamos alguns minutos em silêncio, até ele dizer:

— Hina, por que você sempre deita a cabeça no meu colo?

— Não sei. Mas se você não gosta…

— Fica tranquila. Eu amo quando você faz isso.

Novamente ficamos em silêncio. Não sei quanto tempo exatamente, mas estava tão bom ficar apenas curtindo a companhia dele.

Como nem tudo na vida são flores, Hanabi apareceu do nada lá, e eu tive que levantar, já que ela iria ficar perguntando o motivo de eu estar deitada no colo do Naruto.

— Posso ficar aqui com vocês?

— Pode.

Ficamos um bom tempo conversando banalidades. Até que um assunto em especial me fez lembrar algo que eu queria esquecer.

— Hina, você ainda conversa com o Toneri?

— Hanabi, por que você falou o nome daquele desgraçado?

— Você ainda não superou né?

— Como eu poderia? Ele está sempre com a Ares e a Juve, e ainda, aquele filho da puta me persegue.

— Desculpa.

— Hina, o que ele fez pra você?

— Talvez um dia eu te conte. Talvez um dia…

— Sabe que se quiser conversar pode me chamar, né?

— Sei.

Fechei meus olhos e respirei fundo, queria esquecer o que o Toneri me fez, mas sempre alguma coisa ou alguém me lembra do que ele fez.

Deitei novamente com a cabeça no colo do Naruto, e comecei a pensar, tudo estava melhorando muito, mas ao mesmo tempo que estava melhorando, muitas coisas estavam ficando horríveis para mim.

— Está pensando em que Hina?

— Nada de mais.

— Tem certeza?

— Uhum.

— Sabe que pode confiar em mim.

— Uhum, mas é que eu não quero falar agora sobre esses pensamentos.

— Tudo bem. Quando você quiser conversar, pode me chamar.

— Uhum.

— Hina, amanhã minha mãe vai te levar no médico.

— Eu sei. Estou com medo.

— Fica tranquila. A doutora Nohara é uma das melhores médicas do país.

— Hum. Cadê a Hana?

— Saiu faz um tempo.

— Hum.

— Você está muito pensativa hoje.

— Eu quero me vingar daquele desgraçado que fez mal pra minha irmã.

— Hina, vingança nunca é uma coisa boa.

— Eu sei. Mas ele já fez tanto mal pra mim… E agora pra Hana…

— Ele vai pagar pelo que fez a você e a sua irmã, Hina.

— Mas ele fez minha irmã sofrer.

— Ele vai pagar Hime. Acredite em mim. Ele vai pagar.

— Mesmo assim. Eu nunca vou aceitar o fato de que ele matou meus pais e me separou do meu irmão.

— Hina, você sabe pra onde ele mandou seu irmão?

— Não. Mas talvez tenha em algum dos documentos que eu encontrei no meio de algumas coisas que eram da minha mãe.

— Vamos ver. Talvez tenha o lugar que ele mandou seu irmão.

— Será mesmo?

— É uma possibilidade.

— Mas e se não tiver?

— A esperança é a última que morre, não é mesmo?

— Tem razão. Vem comigo.

Nós fomos até o quarto e eu peguei uma pasta com alguns papeis. Começamos a ler as partes mais importantes, até que eu digo:

— Parece, que não tem…

— Espera, e esse aqui?

Peguei o papel e comecei a lê-lo.

“ Hoje, dia 12/01/2005, mando Hyuuga Neji, meu sobrinho, filho de meu único irmão, Hyuuga Hizashi, para Nova Iorque. Lá ele fará um intercâmbio até os 18 anos, e assim que o terminar, voltará para o Japão, porém não terá direito à parte da Byakugan que pertenceu ao meu irmão. Enquanto estiver nos Estados Unidos, Neji não poderá ter contato com Hyuuga Hinata ou com Hyuuga Hanabi. Ele estudará em uma escola particular, na qual já foi feita sua matrícula e todas as mensalidades estão pagas.

Responsável legal: Hyuuga Hiashi.”

— Ele está em Nova Iorque, Naruto-kun. Ele está em Nova Iorque.

— Eu te falei que nós poderíamos encontrá-lo, não falei?

— Falou. Eu estou tão feliz, será que finalmente eu vou encontrar meu irmão?


Notas Finais


A ideia não foi minha, foi dos meus amigos: Jonatan, Gustavo e Natália.
Ah, e as datas todas são o Gustavo que escolhe.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...