História My Little Angel - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, Kris Wu, Lu Han, Sehun, Tao
Tags Baekyeol, Chanbaek, Shotacon, Taehyung
Visualizações 1.187
Palavras 3.536
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Festa, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Demorei mais volteei xD

Capítulo 5 - Capítulo V


Fanfic / Fanfiction My Little Angel - Capítulo 5 - Capítulo V

 

Abriu a porta do seu apartamento e o trancou. Sua cabeça estava explodindo e seus olhos inchados de tanto chorar. Acendeu as luzes e se arrastou lentamente até a sala. A imagem de Baekhyun subindo as escadas com o rapaz abraçando sua cintura não saía da mente de Chanyeol. Os olhinhos cinzas e confusos junto ao rosto delicado e corado dele. O modo como ele ficou tímido quando Tao e Taehyung conversavam, era demais para o Park. As palavras que o garoto de programa chinês usou também lhe perseguiam, porque era apenas a verdade. Suspirou alto e caminhou até o sofá, tomando um susto quando viu um ser pequeninho encolhido no sofá.  

 
 

- Jihyo? - A menina estava tremendo e suando muito. Chanyeol pegou-a no colo e tirou os cabelinhos escuros dos olhos dela. - Cadê sua mãe Jihyo?  

- E-Ela disse que ia sair rapidinho e não voltou mais.  

- Como assim?  

- Eu não sei papai Ela deixou um papelzinho na mesa. Eu tô cansada appa. 

- Não dorme meu amor. Você tá queimando em febre! - o moreno estava desesperado. - Calma bebê, eu vou ligar pro tio Kris me ajudar.  

 
 

O mais alto colocou a cabeça da menor novamente no sofá e pegou o celular no bolso, sem tirar os olhos de sua filha. Ligou uma, duas, três vezes e o chinês não atendia. 

 
 

- Porra Yifan! - socou a parede atrás de si.  

- Alô? - o chinês atendeu num tom irritadiço. 

- Kris! Por favor cara! Me ajuda a Jihyo está com febre e a Jimin sumiu! Por favor cara, eu sei que a gente brigou e que eu sou um babaca, mas eu não sei o que fazer!  

 
 

O loiro ficou parado ouvindo o desespero na voz do amigo. Ele adorava Jihyo e ficou preocupado com ela, e por mais puto da cara que ele estivesse com o amigo, jamais o deixaria na mão.   

 
 

- Eu já chego aí.  

 
 

A ligação foi encerrada e Chanyeol suspirou alto. Olhou pra pequena e viu que ela o encarava com os olhinhos tristes e cansados. Ele estava com as bochechinhas vermelhas.  

 
 

- Appa, cadê a omma? Ela está demorando. 

- Ela... Ela já volta. Quer comer alguma coisa?  

- Eu quero um cobertor. Eu tô com muito frio papai.  

- Ok, eu vou pegar.  

 
 

O mais alto caminhou até o quarto dela e pegou uma manta rosa do Anna do Frozen. Viu que tudo estava organizado em perfeita ordem e nenhuma sombra de Shin Jimin no apartamento. Queria saber onde a mulher tinha se metido e por que deixou a menina sozinha em casa. Era o cúmulo da irresponsabilidade! Caminhou até o quarto de sua esposa e viu a perfeita ordem, exceto pela porta do closet aberta.  

Caminhou lentamente até lá e arregalou os olhos ao ver o dela closet vazio. Nem mesmo os milhares de sapatos que ela tinha estavam lá.  

 
 

- Meu Deus... 

 
 

Voltou correndo pra sala a intenção de ler a carta, mas viu que sua filha estava dormindo.  

 
 

- Jihyo! Não durma meu amor, por favor. 

- Eu tô com soninho appa. - ela coçou os olhos. 

- Não durma. Adivinha quem vai vir? O tio Kris! Ele vem te visitar então você precisa ficar acorda.  

 
 

A menina sorriu.  

 
 

- Eu gosto do tio Kris. Quando ele vai me levar pra China appa?  

- Vamos marcar de ir no fim desse ano que tal?  

- Mas será que a omma vai deixar? Ela não gosta do tio Kris e nem do tio Sehunnie. - ela fez um biquinho. - Por que appa? Eles são tão legais.  

 
 

Jimin odiava os dois amigos, porque acharem que eles eram ás companhias para Chanyeol. Shin tinha alguma porcentagem de razão no fim das contas. Os dois foram surpreendidos com o toque da campainha.  

 
 

- Espere aí.  

 
 

O moreno caminhou até a porta e a abriu, dando de cara com Kris e Zi Tao abraçados de lado. 

 
 

- Que bom que chegaram! Ela tá muito quente. - o Park sentiu seus olhos se encherem de lágrimas.  

 
 

Wu engoliu seco ao ver o desespero nos olhos do amigo e até Tao se sentiu tocado.  

 
 

- Trouxemos alguém que pode ajudar. Eu não tenho muita experiência e nem o Tao. - Yifan e ZiTao se afastaram, revelando o loirinho com a cabeça baixa e levemente corado.  

- Baekhyun? 

- O-Oi Chanyeol. - o loirinho engoliu seco.  

- Appa! - os quatro se assustaram ao ouvir um gritar da pequena na sala.  

 
 

Park voltou correndo, sendo seguido pelos outros. A menina estava sentada assim como foi deixada antes, tossindo muito.  

 
 

- O que foi filha?  

- Eu... Eu quero água appa... Tio Kris!  

 
 

Jihyo estendeu os bracinhos e o chinês a pegou no colo, acariciando os cabelos dela. 

 
 

- Minha pequenina! 

- Tio Kris! Que saudades de você. - menina apertou as bochechas do mais alto. - Quem é esse ali? A menor apontou para o de cabelos azul. 

- O nome dele é Huang Zi Tao. Ele é chinês e é meu... 

- Eu sou amigo do tio Kris.  - Tao sorriu.  

- Você tá dodói? - Kris perguntou e ela assentiu. - Onde dói? Você precisa ficar bem, como viajaremos pra China?  

- Eu quero ficar boa logo tio Kris. - ela fez um bico.   

- Você vai ficar logo, sabe porque? Eu trouxe um amigo que vai cuidar de você.  

 
 

O chinês apontou pra Baekhyun que assistia tudo no canto da sala com um sorriso tímido nos lábios. A menina arregalou os olhos e ficou olhando pro loiro completamente encantada.  

 
 

- Ele parece o anjinho que passa no meu desenho, tio. - ela disse ainda sem tirar os olhos dele.  

 
 

Chanyeol que estava sentado no sofá sorriu ao ouvir a filha, e não deixava de concordar com ela. Byun estava diferente, parecia mais angelical do que já era. Não usava suas roupas sensuais de trabalho, vestia uma blusa de lã verde água com uma camisa polo rosa por baixo. Usava uma calça jeans escura e um tênis branco. Ali estava o verdadeiro Byun Baekhyun, o garoto de dezessete anos inocente que ele devia ser sempre.  

 
 

- Sim, ele é um anjinho, ele vai cuidar de você, pode ser? - Tao sorriu acariciando a bochecha da menina.  

- Eu gostei do seu cabelo. - Jihyo sorriu mexendo no cabelo do chinês mais baixo. - Appa, você deixa eu pintar meu cabelo de azul igual o tio Tao?  

- Só quando você crescer.  

 
 

Jihyo começou a tossir.  

 
 

- Me dê ela. - Baekhyun pediu e sem ao menos questionar a pequena Jihyo e jogou em seus braços. - Onde ficar o quarto dela?  

- Eu te levo lá. - Kris acompanhou o menor e a menina até o quarto dela, deixando Tao e Chanyeol sozinhos na sala.  

- Sente-se Zi Tao.  

 
 

O azulado se sentou ao seu lado e olhou o apartamento vendo o quão lindo era.  

 
 

- É muito bonito.  

- Obrigada, isso que eu nem tomei banho. - Park respondeu.  

 
 

O chinês revirou os olhos.  

 
 

- Não tô falando de você! E você é feio. Seu apartamento é maravilhoso.  

- Obrigado. - o moreno sorriu de leve. - Quer alguma coisa pra beber?  

- Um café pode ser?  

- Claro, vamos até a cozinha.  

 
 

Os dois caminharam em silêncio. Enquanto Chanyeol tirava o casaco, esquentava a água e pegava o resto das coisas, Huang analisava o local, achando tudo muito lindo.  

 
 

- Tem um bom gosto sabia?  

- Na verdade quem escolheu tudo foi a minha mãe e Jimin. - o moreno respondeu. 

- Sabe onde ela pode estar?  

- Não tenho a mínima ideia. O closet está vazio e quando eu cheguei a minha filha estava na sala ardendo em febre. Ela disse que ia sair junto com a bebê pra dormirem na casa de uma amiga dela... Eu não sei.  

 
 

Chanyeol suspirou alto e se escorou na pia.  

 
 

- Ela sabe sobre o Baekhyun? 

- Não. Pra ela eu só curto mulheres.  

- Entendi.  

- Obrigada por trazerem ele. - Chanyeol olhou pra janela da cozinha, vendo os prédios do outro lado.  

- Eu só deixei que ele viesse por causa da pequena, não por você. - Tao cruzou os braços e ativou seu modo arisco. - Quando ficamos doentes o Baekkie que cuida de nós todos. Ele prepara uns chás horríveis, nós quase vomitamos, mas logo melhoramos.  

- É, eu já tomei um chá que ele preparou. - o Park sorriu ao lembrar. - Ele é tão cuidadoso. 

- Baekhyun é realmente um anjinho.  

 
 

Chanyeol começou a passar o café enquanto Tao o olhava.  

 
 

- Aquele cara... Pensei que Baek ia ficar o resto da noite com ele.  

- Não. Parece que o pai dele passou mau e ele teve que ir ajudá-lo. - Zi Tao respondeu.  

- Erm... Com licença. - os dois viraram e viram Baekhyun na porta da cozinha. - Eu preciso preparar um chá pra ela.  

- Ah sim. Pode ficar à vontade, eu só não sei onde ficam as coisas pra preparar o chá. - Park coçou a nuca.  

- Que decepcionante. Não sabe nem das coisas da sua própria casa. - Tao revirou os olhos.  

- Eu não passo muito tempo aqui.  se defendeu. - Toma seu café.  

 
 

O moreno entregou a xícara para o chinês que agradeceu e bebericou o café.  

 
 

- Pelo menos café você sabe fazer. - brincou. - Vou ver se meu neném quer café.  

 
 

Huang saiu da cozinha deixando os dois a sós. Um silêncio se instalou no cômodo, deixando Baekhyun desconfortável. Não sabia porque tinha aceitado ir ali no apartamento do moreno, mas depois que viu a pequena Jihyo soube que devia ter ido sim. A menina estava ardendo em febre e precisava de cuidados e chá pra melhorar. Fora que ela era um princesa e Baek adorou o brilho no olhar que ela tinha, mesmo doente. 

 
 

- E-Eu vou fazer o chá.  

- Claro! Eu vou ver a Jihyo.  

 
 

Os dois deram um passo juntamente, acabando por ficarem perto um do outro. Chanyeol viu os olhinhos cinza do menor se arregalarem. Sentiu vontade de abraçá-lo forte e beijá-lo, mas se conteve. Se afastou dele e caminhou relutante para fora da cozinha.  

O loiro suspirou e engoliu seco, se concentrando em achar os ingredientes pro chá.  

 
 

-;- 

 
 

Chanyeol chegou no quarto e viu que Jihyo parecia estar melhor. A pequena estava brincando de boneca com Tao enquanto Kris dava risada. Sorriu ao ver que a filha tinha pego uma amizade rápida com o chinês do cabelo azul.  

 
 

- Appa! O tio Tao está brincando comigo! - ela contou feliz. 

- Bem a cara dele fazer isso. - Tirou sarro. - Ele também parece um bonequinho. Só que de vodoo com os olhos puxado. 

- Como uma menina tão linda e educada pode ser filha de um cara como você? Você é feio e mau educado Chanyeol. Eu tenho pena dela. - o mais novo revirou os olhos. Kris riu alto da discussão dos dois. - O Baekkie tá vindo?  

- Ele está preparando o chá.  

- Papai você deixa eu ficar com aquele Anjinho? Ele é igualzinho o da televisão e você prometeu que ia comprar um pra mim! - a menina cruzou os braços olhando seriamente para o pai.  

 
 

Kris Wu e Zi Tao caíram na gargalhada. Realmente a pequena Park era uma graça, e estava agindo como uma adulta. Estava falando como se quisesse um brinquedo de uma loja.  

 
 

- Agora eu quero ver Chanyeol! - Kris secou uma lágrima. - Eu também acho que você deveria ganhar aquele "Anjinho" Hyo. Teu pai te deve um Anjinho né?  

- Yifan você não está me ajudando! - Chanyeol suspirou. - Filha, aquele anjinho... Não tem como comprá-lo.  

- Mas eu quero! Ele cuida de mim papai! Ele é muito bonitinho e tem o olho prateado igual o anjinho da televisão. - Jihyo continuou.  

- Sabia que seu pai também gosta do anjinho Jihyo? - Tao pegou a mão da menina e sorriu. - Seu pai ama aquele anjinho.  

- Viu appa, você tem que comprar aquele anjinho! Eu deixo ele dormir com você também!  

 
 

A menina dizia tudo na inocência de uma criança que era. Chanyeol engoliu seco e massageou as têmporas. Realmente a sua filha tinha gostado do menino Byun.  

 
 

- Eu trouxe o chá. - o próprio apareceu no quarto com uma xícara do Frozen nas mãos. Jihyo abriu um sorriso enorme ao vê-lo.  

- Anjinho!  

- Olha... - Baek se sentou ao lado dela na cama. - Beba tudinho pra você melhor rápido, ok? 

- Eu só bebo esse negócio se você me prometer uma coisa Anjinho.  

 
 

Byun ficou um pouco assustado com a esperteza daquela garota, não parecia ter cinco anos.  

 
 

- O que você quer pequena? 

- Quero pizza.  

- Ótimo, então eu vou ligar pra pizzaria. - Chanyeol já ia pegando o celular. 

- Eu não terminei de falar papai. - ela balançou a cabeça. - Eu quero que o Anjinho fique aqui até eu acordar amanhã de manhã.  

 
 

Baek arregalou os olhos, assim como o pai da garota. Kris e Tao se seguraram pra não dar mais algumas gargalhadas. Chanyeol, olhou pro dois chineses os repreendendo.  

 
 

- Eu juro que não falei nada pra ela.  

- Nem eu. Ela é sua filha Park Chanyeol! - Wu riu baixinho. - É malandrinha igual você. 

- Aish! 

- Jihyo, escuta. Eu tenho que ir embora. Amanhã eu trabalho sabia? - o loirinho tentou convencê-la.  

- Sem trato Anjinho. - ela empinou o nariz. - Eu quero que o Anjinho fique comigo até quando a mamãe voltar. Cadê ela papai? 

 
 

Park arregalou os olhos assim como Kris e Tao, já que ambos não sabiam onde Jimin estava. Não poderiam ficar enrolando a pequena, ela era esperta demais e ia descobrir que a mãe tinha sumido.  

 
 

- Olha, eu fico com você até amanhã, pode ser? - Byun tentou distraí-la. 

- Eba! - a pequena quase pulo no pescoço do loirinho e o abraçou. Baek retribuiu o abraço rindo da animação dela.  

- Mas você tem que beber o chá. 

 
 

A menina assentiu e bebeu o líquido, torcendo o nariz.  

 
 

- Aish! É ruim anjinho! Credo. 

- Tem que beber tudinho pra ficar boazinha.  

- Você vai ficar comigo até eu melhorar anjinho? - Jihyo perguntou,  levando as mãozinhas nos cabelos brancos dele. 

 
 

Baekhyun sorriu encantado com a pequenina. Ela era extremamente dócil, inteligente. Era muito parecida com o pai e talvez isso era uma das coisas que mais gostava nela.  

 
 

- Eu vou cuidar de você Jihyo.  

 
 

-;- 

 
 

Depois de uma hora conversando e brincando, finalmente a pequena Jihyo tinha dormido. Nesse tempo Kris e Tao já tinham ido embora. Baekhyun a cobriu e selou sua testa. Fechou a cortinas do quarto encostou a porta. Suspirou alto tomando coragem pra caminhar até a sala e ver Chanyeol. Nunca imaginou que estaria ali no apartamento dele, e principalmente cuidando de sua filha.  

Nesse momento Byun deveria estar transando ou servindo algum cliente da EXOPLANET. Depois que Taehyung saiu as pressas por conta de seu pai, Baekhyun ia descer pra voltar a trabalhar, quando viu Kris desesperado. O chinês contou o que tinha acontecido com Jihyo e pediu ajuda. Mesmo não querendo no início Baek cedeu, afinal era uma criança e ele adorava crianças. Jamais deixaria que ela ficasse doente por conta de um desentendimento  que tinha com o pai. 

Engoliu seco e foi andando lentamente até a sala. Tudo estava em silêncio, a não ser pela televisão ligada com o volume bem baixo. Se aproximou mais e viu que o moreno estava sentado com o pescoço jogando pra trás e com os olhos fechados. O loiro sorriu minimamente ao ver a expressão serena, porém cansada do mais alto, ele conseguia ficar lindo até mesmo dormindo.  

 
 

- Pode tirar uma foto se quiser.  

 
 

Tomou um susto ao ouvir a voz rouca dele soar pelo cômodo.  

 
 

- A-Achei que estivesse dormindo.  

- Estou descansando apenas. Sente-se Baekhyun. - pediu.  

- E-Eu estou bem. 

- Sente-se Baekhyun. - Chanyeol elevou um pouco do tom, intimidando o adolescente que apenas obedeceu, sentando-se no sofá ao lado dele. - Ela está bem?  

- Sim. A febre baixou e ela está dormindo.  

 
 

Park sorriu ainda de olhos fechados.  

 
 

- Eu não sei nem como te agradecer.  

- Não precisa.  

- Precisa sim. Provavelmente estava ocupado demais.  

- Não estava.  

 
 

Os dois ficaram em silêncio por alguns segundos. Baek olhava cada canto da sala, analisando as fotos e decoração. Tinha uma foto onde Jihyo estava com uma mulher que provavelmente era sua mãe.  

 
 

- Em cima da mesa tem um papel, será que poderia pegá-lo pra mim? - o mais velho pediu. 

 
 

Sem pestanejar o menor caminhou até o móvel marrom e sofisticado, pegando a folha de papel dobrada.  

 
 

- Sente-se e leia.  

 
 

O loiro arregalou os olhos sem entender, mas apenas assentiu, voltando ao lugar que estava.  

 
 

- Erm... Chanyeol, espero que não me odeie depois que ler esta carta... - Byun parou e olhou pro mais velho que nem se moveu. 

- Continue, sem parar. 

- Chanyeol, espero que não me odeie depois que ler esta carta. Estou indo embora por um tempo. Eu preciso pensar na minha vida e em todo tempo que eu perdi com você. Foram cinco anos vivendo por você, te amando, te adorando e cuidando de você, e em troca eu não recebi nem um pingo da sua consideração. Você me tratou todos esses anos como uma mera estranha que você foi obrigado a conviver, mas no final da contas eu não te culpo tanto, mesmo você não fazendo o mínimo esforço pra tentar me amar, seu bastardo idiota.  - o loiro parou novamente, vendo um sorriso debochado brotar nos lábios do Park. - A única coisa que nós dois fizemos de bom na porcaria de vida que tínhamos foi a Jihyo. Ela é o eu tesouro mais precioso e eu à amo demais, nós passamos muito tempo juntas e agora é a sua hora de cuidar dela devidamente. Acho que agora chegou a hora de eu me valorizar. Espero que ao contrário do que fez comigo, você dê atenção, carinho, amor e cuide dela. Diga à ela que eu voltarei. Eu te odeio seu bastardo idiota.  

 
 

O moreno suspirou alto a abriu o olhos, encarando a televisão, mas sem prestar atenção no filme que passava.  

 

- Ela tem razão. Eu sou um bastardo idiota. Eu não sei fazer nada direito.  

 

Byun ficou em silêncio. Se o mais velho quisesse desabafar ele seria todo ouvidos.   

 

- Não seja tão duro consigo Chanyeol-hyung. A situação de vocês era complicada. 

- Eu devia ter me esforçado pela Jihyo. 

- Mas você seria feliz?  

- Não, mas... 

- Ia fazer tudo isso pela sua filha? - Baek perguntou. - Na verdade você já fez hyung. Você morou com ela todos esses anos só pra que JiHyo não ficasse mal. É admirável.  

 

A voz de Baekhyun estava mais dócil, o que era música para os ouvidos do outro.  

 

-  Eu à amo demais.  

-  Ela também te ama demais.  

 

Park sorriu encarando o rosto fino do menor. Cada traço de Baekhyun era único e perfeito. Sentiu uma vontade imensa de beijar os lábios finos e bem desenhados.  

 

- Bom, eu acho que vou indo. 

- De forma alguma. Não vou deixar você sair de madrugada.  

- Eu pego um táxi, sem problemas Chanyeol.  

- Não vamos discutir. Você dorme no meu quarto e eu durmo no quarto da Jimin.  

- Eu posso me arrumar aqui na sala.  

 

Chanyeol revirou os olhos e levantou, puxando o loiro e abraçando sua cintura. Byun arregalou os olhos e sentiu sua bochecha esquentar pela proximidade. 

 

- Não discuta comigo, por favor.  

 

O loiro abaixou a cabeça e assentiu.  

Ambos caminharam até o quarto e Chanyeol foi direto para o seu closet, abrindo-o e pegando seu pijama.  

 

- Eu não tenho muitas roupas que vão te servir. Mas pode pegar o que você quiser ok?  

- T-Tudo bem hyung.  

 

Antes de sair do quarto, o Park olhou para ele e sorriu minimamente. 

 

- Obrigado mais uma vez Baek.  

 

 

-;- 

 

 

Depois de tomar um breve banho, Baek vestiu a única coisa que conseguiu pegar, já que a sua altura não permitia pegar um short ou calça. Colocou a camiseta enorme e branca e terminou de secar os cabelos loiros e estendeu a toalha. Caminhou tranquilamente até o quarto, dobrando sua roupa e as colocando na poltrona.  

 

- Baekhyun?  

 

O menor olhou pra trás e viu Chanyeol escorado na batente da porta com os braços cruzados. Automaticamente ele corou, já que estava com apenas a camiseta cobrindo as suas coxas. O maior achou adorável. De vista pensou até que o menor vestiu apenas a camiseta para lhe provocar, mas não. Baekhyun não era disso, ele realmente era inocente. Park se aproximou aos poucos do menor, que não se moveu. Quando estava próximo pegou o queixo dele com delicadeza, sentindo a respiração do pequeno falhar. Riu baixinho.  

 

- Baekhyun. 

- D-Diga Chanyeol.  

-  Será que o anjinho poderia cuidar de mim também? Dorme comigo esta noite?


Notas Finais


Se eu tô enrolando pra acabar a fic?? não. MAGINA
Hj é níver do Tchutchuco do Chanyeol gentyy *------------*
Baekhyun presenteie ele como eu presentearia ( ͡° ͜ʖ ͡°)

heuhuheuheuhe
Comenteem pessoal <333333333333333333333333333333
Amu vocês chuchus *-*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...