História My Little Doom - Capítulo 8


Escrita por: ~ e ~MariBortottinha

Postado
Categorias Divergente
Personagens Beatrice "Tris" Prior, Ezekiel "Zeke" Pedrad, Personagens Originais, Shauna, Tobias "Quatro" Eaton, Uriah
Visualizações 108
Palavras 2.093
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá pessoinhas Tia Mari aqui 😅

Primeiramente, perdão mil perdões por não ter postado ontem, como havíamos era combinado! 😳😳

Mas eu vim hoje hehehe...
Nossa amores eu nem vou prolongar por aqui, eu estou um pouco antissocial (isso é vida de estudante)! Então eu não tenho muito o que falar haha...

Só boa leitura, há deixarei um recadinho nas notas finais.
Boa Leitura 😉❤

Capítulo 8 - Capítulo 8


Ao fim da festa, nos despedimos de Zeke e Shauna e voltamos para casa.

Meus pés estão doendo bastante.

Tobias abre a porta de casa e eu entro, sendo seguida por ele. Apoio uma mão no sofá e tiro os meus sapatos com a outra, segurando-os com o dedo indicador e o médio. Assim que a planta do meu pé entra em contato com o chão gelado a dor alivia um pouco.

- Está tudo bem? - Tobias pergunta segurando minha cintura.

- Sim, somente meus pés que estavam doendo. - Respondo sorrindo.

Ele pega os sapatos dos meus dedos e passa seu braço sob meus joelhos e minhas costas, me carregando para o andar superior.

- Tobias, não precisa. Eu estou bem. - Digo rindo.

- Sshhh. - Ele me responde sorrindo.

Ele abre a porta do meu quarto e me coloca sentada na cama, ele se agacha a minha frente e sorri.

- Obrigado por ter me acompanhado essa noite. - Ele diz sorrindo e acariciando minha coxa que ficava a mostra pela fenda.

- Não precisa agradecer. - Respondo sorrindo.

Tobias sorri e olha em meus olhos por alguns instantes e logo sorri.

- Tome um banho, vai ser melhor para relaxar. - Ele diz se levantando e seguindo até o banheiro.

Guardo as sandálias no closet e quando volto ao quarto Tobias não está mais. Fecho a porta do quarto e entro no banheiro, trancando a porta também. Tiro o vestido e estendo sobre a grande pia.

Olho o meu reflexo no espelho o vejo a minha cintura vermelha. Toco devagar e está sensível. Os apertos de Tobias.

Caminho até a banheira que estava quase cheia, por Tobias tê-la ligado. Entro devagar e me sento. Sinto a água me abraçar em um grande abraço quente e sorrio encostando minhas costas e cabeça na borda.

Sem que eu permita, as lembranças do beijo submergem minha mente. Me lembro da sensação de ter seus lábios quentes juntos dos meus. Levo minha mão aos lábios e sorrio.

Droga, Beatrice!

Olho em volta e suspiro. Tomo meu banho correndo, visto um pijama qualquer e corro para o quarto de Tobias.

Bato na porta recebendo um suave " entre".

Abro a porta e ele está sentado na cama, encostado na cabeceira, com uma perna sobre a outra, lendo um livro sob a luz do abajur, a única que iluminava o quarto.

- Daddy.

- Olá, Baby. - Ele diz sorrindo.

- Posso te pedir um favor? - Pergunto meio hesitante, medrosa.

- Claro! - ele se ajeita na cama, fecha seu livro com marcador ao meio, colocando-o sobre seu criado mudo preto e bate ao seu lado na cama para que eu me sente.

- São dois na verdade.

Ele assente.

- Tem alguma pomada? - Pergunto.

- Sim, tem várias, mas para que? - Me pergunta com o cenho franzido.

- Ahn... machucado?  Vermelhidão? - Eu realmente não sei qual pomada seria melhor.

- O que houve, Baby?

- Nada...

Não vou dizer que foi ele que me machucou. Vai magoá-lo.

Ele magoou você. Mas é ingênua mesmo!

- Beatrice! - Chama a minha atenção e eu sinto medo por míseros segundos.

- Tudo bem.

Me ajoelho na cama e levanto a blusa do pijama. Tobias franze o cenho ao olhar para minha cintura.

Ele passa a mão com cuidado e um suspiro escapa dos meus lábios.

- Fui eu que... - ele não termina e eu assinto envergonhada.

Ele me puxa para os seus braços e me abraça forte.

- Me perdoe, Tris. Desculpa, amor. De verdade. Eu não sei o motivo disso. Me desculpe. - Ele diz olhando em meus olhos e os seus transbordam pesar e arrependimento.

- Tudo bem. Logo passa. - Dou-lhe um pequeno sorriso.

- Eu vou pegar a pomada. Espere só um pouco.

Ele levanta indo até o seu quarto. Logo volta com uma bisnaga azul na mão. Tobias me pede para deitar na cama e assim faço. Suas mãos levantam um pouco o tecido da minha blusa e ele coloca um pouco da pomada na minha cintura, fazendo um movimento gostoso, massageando e aliviando um pouco a minha dor.

- Logo a dor vai melhorar. Eu prometo. E qual a outra coisa que queria me pedir?

- É... Será que eu poderia ligar para uma amiga do casarão? - Pergunto, quase uma súplica.

- Baby...- ele mexe a cabeça lentamente, apenas para um lado, como se estivesse com medo de me dizer "Não ". Suas mãos continuam na minha cintura.

- Daddy, por favor! Por favor.

- Meu amor... é que... podem te tomar de mim, entende? - Ele diz.

- Eu sei do que está fala do Daddy, mas pense comigo, eu estou vivendo bem aqui como jamais vivi lá. Estou sendo bem tratada e bem cuidada. Qual motivo eu teria para pedir a volta? E ainda por cima posso ser comprada por alguém que me maltrate. Você não faria isso, faria?

- Claro que não! - ele responde como se fosse uma ofensa.

- Então! Logo não tem motivo para eu ir embora. Por favor. - Cantarolo a última parte.

- Tudo bem. - Ele suspira- Posso ouvir a conversa?

- Daddy...

- Parei. - Ele levanta as mãos em rendição - Vai lá no meu escritório e pegue o telefone. Mas vá para o seu quarto, não fique lá. - Ele me diz.

- Obrigada, Daddy! - digo pulando para mais perto dele e o abraçando.

- Não tem de quê. - Ele sorri acariciando meus cabelos.

Saio do quarto e corro até o seu escritório. Seguro a barra e empurro a grande porta. Olho em volta procurando o telefone e o avisto sobre a mesa. Retiro-o da base e saio da sala.

Volto para meu quarto, mas antes de entrar dou duas batidinhas na porta de Tobias para ele saber que já estou aqui.

Fecho a porta do quarto e me sento na cama.

Disco o número do prostíbulo e peço para falar com Kaylan.

- Alô?

- Kaylan? - digo animada e sinto meus olhos marejarem.

- Meu amor! Que saudades, meu Deus! Como estas? - ela diz eufórica.

- Eu estou bem e você? - uma lágrima escorre, quente, por minha bochecha.

- Estou ótima. E então? Como ele é? Ele trata-te bem?

- Kaylan, não estou aqui a muito tempo, faz três semanas, mas ele me parece ser um homem bom. - Digo e ela ri.

- Ele é velho? - me pergunta.

- Não! Ele tem 25 anos.

- Olha só! E como ele é fisicamente? - ela me pergunta.

- Lindo! Ele é alto, muito mais alto que eu. Ele tem olhos azuis escuros, maxilar forte, nariz fino, lábios grossos, e barba. Ele é lindo!

- Meu Deus! - ela ri- Ele não te maltratou, não é? Ele te forçou a algo?

- Não. Ele não me maltratou, nem me forçou a nada, mas... nós nos beijamos. - Digo com vergonha.

- Tris! Tu és danada mesmo, uh?!- rio- Mas foi bom?

- Muito! O beijo dele é muito bom. Kaylan...

- Uh?

- Você acha errado eu começar a gostar dele? - pergunto.

- Está a gostar? - ela pergunta surpresa.

- Não! Claro que não! Tem tão pouco tempo. Mas sei lá. Me conhecendo como conheço, se ele continuar a me tratar assim eu vou acabar gostando. - Digo e ela ri.

- Sim! Lembro-me de suas quedas pelos guardas do casarão. - Ela diz e rimos.

Me levanto da cama e pego um creme na penteadeira. Tiro a calça do pijama, ficando apenas de calcinha e blusa.

Pego um pouco do creme e espalho na minha perna.

- Aquilo era humilhante, ainda mais quando Anderson disse ao Jean que eu achava ele bonito.

- Anderson é ridícula! Tinha que ver o escândalo que ela vez quando você foi comprada no recorde. - Ela sussurra.

- Mas agora estamos livres dela, eu e você.

- Sim, graças a Deus! Não suportava aquela menina.

- Ninguém gostava dela na verdade. Acho que só os chefões, já que eles ficaram de mau humor depois que ela se foi, se é que me entendes. - Ela diz e eu rio.

- Estamos parecendo duas velhas fofocando sobre a vizinhança. - Digo e Kaylan solta uma gargalhada.

- Pois é, mas tem que colocar o papo em dia, uh?! Tens que me dizer tudo o que aconteceu desde que saíste.

Conto para ela, bem resumidamente os últimos dias enquanto passava creme no meu corpo. Nunca tive esse tipo de vaidade com meu corpo, mas já que tem, não vai custar usar.

- Eita que ele é bichão mesmo, uh?!- ela diz e eu caio na risada.

Fecho o creme e volto a colocá-lo na penteadeira.

- Tris, já sentiu tesão por ele? - ela pergunta e mesmo ela não estando pessoalmente, sinto minhas bochechas esquentarem.

- Eu não sei. As vezes sinto um frio ao pé da barriga, mas acho que não chega a ser tesão. - Digo.

- Ah..., mas tu vais ver, quando passar mais tempo com ele, teu fogo de adolescente vai falar mais alto e tu vai ficar louquinha.

Arregalo meus olhos pela possibilidade e nego com a cabeça.

- Esquece isso, Kaylan.

Ela ri.

- Mas e então? Você acha que seria errado eu começar a gostar dele? - pergunto.

- Olha Tris... Primeiramente acho que deves tomar cuidado. Não conheces bem este gajo, não sabes o que ele tem em mente. Não te quero assustar, mas ele é homem e uma hora ou outra ele vai querer sexo. Mas eu acho que... se confiares nele, não tem porque não gostar. Só tome cuidado, tu és minha irmã e não me perdoaria se algo acontecesse contigo.

- Tudo bem, vou tomar. - Garanto.

- Amo-te, minha miúda.

- Te amo também, Kay. - Digo sentindo meus olhos marejarem novamente.

Desligo o telefone e respiro fundo. Me deito na cama, me virando para o lado.

Sinto uma lágrima escorrer pelo meu olho esquerdo e pinga na cama, sendo seguida por uma do direito, que escorrega pelo meu nariz e pinga na cama também, deixando a colcha em um tom mais escuro de azul, quase preto.

Ouço minha porta ser aberta e a voz de Tobias em seguida.

- Posso entrar? - me pergunta e eu corro para secar meu rosto.

- Uhum.

Ele entra e fecha a porta, se deita ao meu lado e em abraça forte, passando seu braço esquerdo por baixo de mim, ficando de conchinha.

Tobias fica quieto, sem falar nada. A única coisa que escuto é a sua respiração no meu ouvido.

Ele sobe sua mão até meu rosto e acaricia minha bochecha. Ele me puxa para ficar de barriga para cima e seca minha bochecha esquerda, molhada pelas lágrimas.

Não olho em seus olhos. Não quero ver a pena em seu olhar. O que na verdade não deveria ter, já que estou aqui por causa dele.

Ele beija a ponta do meu nariz e acaricia o meu rosto.

- Não, chore. - Ele sussurra.

Não respondo. Continuo de olhos fechados, com as mãos pousadas sobre meu ventre, imóvel, somente meu peito subindo e descendo.

As lagrimas continuam descendo pelas laterais do meu rosto.

Tenho conhecimento de estar vivendo melhor aqui. Mas a saudade que sinto da Kaylan é grande, isso é o que mais me machuca. Seu amor de irmã mais velha, ou de mãe, foi o que me manteve no casarão até esses tempos.

Sei que as vezes pareço bipolar. Não vou negar que gosto de como a minha vida está agora, mas eu também gostava de como a minha vida era antes.

Tenha consciência que ela não continuaria daquele jeito para sempre. Levante as mãos para o céu e agradeça a Deus por ter sido comprada por Tobias. Seu destino poderia ser pior.

Suspiro.

Ainda com os seus braços me envolvendo, ele vira-me mais um pouco, me fazendo deitar de lado, de frente para ele.

Seus braços me apertam contra ele mais uma vez, e Deus! Eu me sinto tão pequena, tão vulnerável, tão... impotente.

- Não chore, meu anjo. - Ele diz acariciando meu rosto.

Ele acaricia minha testa, descendo para o meu nariz, minhas pálpebras, minhas bochechas, meus lábios, meu queixo.

Depois de alguns minutos, com suas carícias e meus olhos pesados pelo choro pego no sono, mas não antes de ouvi Daddy com o tom tristonho.

- Espero que um dia possa me perdoar.


Notas Finais


Eu acho que Kay tem razão, Tris têm que confiar no Tobias...
Me doí o coração nossa pequena tão frágil. 😔

Mas não era sobre isso que eu queria falar... 😅
Titia aqui só aparece no capítulo 11, já que a Tia Sah postará os próximos dois capítulos... Espero que vocês sintam minha falta viu hahahaha...
Brincadeirinha... Amo vocês ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...