História My Little Omega - Versão JvTista. - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Felipe "Febatista" Batista, João Victor Negromonte Queiroz "Jvnq"
Personagens Felipe "Febatista" Batista, João Victor Negromonte Queiroz "Jvnq"
Tags Abo, Alfa, Beta, Febatista, Felipe Batista, João Victor, Jvnq, Jvtista, Lemon, Ômega, Pwp
Exibições 131
Palavras 1.397
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Fluffy, Lemon, Shonen-Ai, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Essa fanfic é no universo ABO, quem não conhece, pesquise sobre!
É também uma fanfic modificada, que eu fiz pra versão JvTista, antes ela (Continua sendo) TaeJin, vou deixar o link da original nas notas finais.
Espero que gostem.
Boa Leitura!

Capítulo 1 - Chapter One - Cio


My Little Omega

Capítulo Único:

Chapter One – Cio

Autor Pov’s On

 

João Victor se dirigia a sua casa. Estava um pouco cansado de seu trabalho. Mesmo que queira dizer que ele ficou o dia todo sentado, corrigindo, assinando e fazendo documentos. Suspirou longamente, sorriu fracamente. Finalmente iria para casa, ver seu pequeno e lindo ômega.

 

João Victor é um alfa de certo 20 anos, casou-se a pouco menos de um ano, logo após seu primeiro cio, por conta de seus pais. Mas não saberia que seu destino iria ser tão generoso consigo. Quando conheceu seu ômega, descobriu que este era sua paixão de colégio. E aí facilitou algumas coisas. Menos por um simples fato; Felipe Batista não gostava de ter um casamento arranjado, ele odiava João Victor com todas as forças. Mas o tempo foi passando e ajeitando tudo em seu devido lugar. E ele foi aceitando isso, e aos poucos se viu apaixonado pelo grande alfa bobão e brincalhão.

 

Pode sorrir abertamente ao ver o portão de sua casa. Estacionou o carro em sua garagem, e dirigiu-se para fora do mesmo, entrando em casa. A mesma estava silenciosa, fazendo o alfa estranhar o fato, Batista sempre foi uma pessoa animada, mesmo que as vezes apenas com ele ou com seus amigos.

 

Subiu as escadas, indo de encontro ao corredor de quartos. Antes que pudesse avançar mais um pouco, sentiu um cheiro adocicado e muito bom, não enjoativo. Aquilo fez com o que o alfa avançasse para mais perto do quarto que dividia com Batista. Quando iria tocar sobre a maçaneta, ouviu gemidos baixos. Eles chamavam por seu nome, tomado por curiosidade, abriu a porta encarando uma cena muitíssimo tentadora; Batista estava sobre a cama, com os olhos fechados, lábios entre abertos, que ora buscavam ar, e ora gemiam manhosos o nome de João Victor. O menor tinha três dedos dentro de si, se estimulando enquanto chamava o nome do alfa.

 

 Nem preciso comentar o fato que João Victor ficou sem fala ao observar aquela cena. Era deveras interessante e excitante. O cheiro viciante do menor estava o deixando louco, e queria ir até o mesmo logo e o tomar como seu, mas estava encantado demais com aquela cena.

 

- J-J-João, hm. – O menor gemeu, apertando os lençóis com a mão livre.

 

O acastanhado mordeu seu lábio inferior com força, sentindo o gosto metálico tomar sua boca. Sua calça apertava cada vez mais, causando uma sensação ruim no membro do alfa. Suspirou, fechou a porta com cuidado, e se aproximou mais do ômega, sentindo-se atordoado pelo cheiro inebriante.

 

- Está brincando sem mim, Sweet? – João abriu um sorriso, ao ver o menor apenas gemer em respostas.

 

Não precisava ser um sábio para ver que o pequeno ômega estava no cio. Seu primeiro cio. Batista o encarou com desejo, sentindo sua mente nublar. Apenas queria João dentro de si, o fodendo. Era apenas o que desejava agora, e nada mais.

 

- Daddy, eu preciso de você, por favor. Isso incomoda. – O menor choramingou.

 

João Victor apenas sorriu, antes de se livrar de suas peças de roupas incomodas. Se pôs em cima de Batista, selando seus lábios nos dele de forma apressada. Logo se separando em seguida, indo em direção ao pescoço branquinho do mesmo, deixando selares, mordidas e chupões, fazendo o pescoço alvo se tornar avermelhado.

 

Batista ofegava cada vez mais ao sentir a língua quente de seu alfa deslizar por seu pescoço, lhe causando uma ótima sensação, seus suspiros e gemidos estavam cada vez mais altos quando TaeHyung avançava para outra parte do menor.

 

O alfa foi fazendo uma trilha de beijos pelo abdômen de Batista, que apenas fechava os olhos, e aproveitava ao máximo a caricia. O acastanhado levantou seu rosto apenas observando as expressões de seu pequeno ômega, e sorriu. Levou suas mãos até a cintura do menor, e a apertou, deixando seus dígitos nela. Mordeu o pescoço de Batista, com a ação repentina, fez com que seus membros despertos se encontrassem, fazendo ambos gemerem com o contato.

 

João Victor apenas se abaixou novamente, ficando na altura das coxas do outro, deixando mordidas um tanto fortes e marcantes, fazendo Batista gemer coisas desconexas. O alfa segurou o membro do outro pela base, fazendo o ômega gemer arrastado, apertando cada vez mais os lençóis brancos. O envolveu com a mão, começando a fazer movimentos lentos, torturando cada vez mais o moreno, que gemia alto e sôfrego. Aumentou a velocidade, fazendo Batista ficar com a respiração ainda mais desregulada, João Victor tinha seus dedos sujos pelo pré-gozo que escorria do membro do outro. Em pouco tempo, e também em um gemido rouco, altamente estridente Batista se desfez na mão de TaeHyung, que apenas sorriu calmo ao mais novo, que o olhava com um olhar de suplica, enquanto respirava rapidamente. Apenas para provocar, o alfa levou seus dedos sujos pelo sêmen do menor, até os lábios, e os lambeu lentamente, ouvindo Batista novamente:

 

- Daddy, me faça seu, por favor. – Batista implorou, com os cabelos grudando na testa.

 

- Certo, sweet, irei parar de te torturar. – João selou seus lábios nos de Batista em um singelo e rápido selinho.

 

O acastanhado se posicionou na entrada alheia, que escorria lubrificante natural. João Victor esfregou seu membro contra, ouvindo muxoxos e gemidos desconectos de Batista, que apertava os lençóis. Sem demora, o alfa penetrou-o com força, adentrando totalmente o menor, que apenas gemeu alto, se sentindo completo. O acastanhado deixou um suspiro escapar por seus lábios, e sorriu mordendo o lábio inferior, espalmando duas mãos ao lado da cabeça de Batista, e começando a investir contra o outro com força e rapidez.

 

Batista gemia alto, sem qualquer tipo de pudor. O menor estava tomado pelo prazer. Sua boca estava avermelhada, e dela saiam gemidos e palavrões altos. O ômega mantinha seus olhos fechados. Levou seus braços ao redor das costas do outro, começando a arranha-las deixando a marca avermelhada de suas pequenas e finas unhas, e tirava também alguns fiapos de pele. Batista envolveu suas pernas contra a cintura de João, facilitando ainda mais as coisas.

 

O acastanhado gemia alto, e falava palavrões enquanto investia cada vez mais forte e rápido contra o menor.

 

- Grite meu nome. – João mandou com a voz rouca, mordendo o lóbulo da orelha do outro.

 

- JOÃO! – Gemeu arrastado e manhoso, ao sentir João pressionar um ponto mágico em si.

 

João Victor apenas gemeu em resposta ao ouvir seu nome ser pronunciado de uma forma tão pornográfica. O quarto era repleto por gemidos e barulhos eróticos. A cama rangia a cada movimento que ambos faziam, o barulho dos corpos se chocando deixavam a cena ainda mais pornográfica.

 

O alfa levou sua boca no pescoço do outro e deixou uma fraca mordida, ouvindo Batista gemer algo em seu ouvido, o que fez o alfa delirar. O loiro estava perto de vir, sua respiração tinha ficado ainda mais desregulada, assim como a de João que conseguiu intensificar ainda mais os movimentos, passando a surrar a próstata do outro, que gemia rouco, e arranhava ainda mais as costas de seu alfa, as castigando-as.

 

Em um gemido rouco e prolongado, ambos se desfizeram ao mesmo tempo. Batista sobre o abdômen de João, e este dentro de seu interior. Antes que pudesse se retirar, ficou parado. Eles tinham formado o nó. O acastanhado apenas respirava desregulada mente. Seus olhos mudaram de cor, evoluindo a um vermelho sangue, suas presas cresceram um pouco. Levou sua boca ao pescoço de Batista, o mordendo. Estava marcando-o como seu. Suas presas perfuraram a pele pálida do outro, que gemeu sofrido, o loiro sentia as gotículas de sangue saindo de onde seu alfa tinha mordido. João retirou as presas, e lambeu o local da ferida, capturando o sangue que estava ali, logo após depositou um beijo sobre o mesmo.

 

Assim que o nó se desfez, se retirou de dentro do outro, se colocando ao lado do mesmo, o puxando e o abraçando, sussurrando algumas palavras carinhosas. Batista apenas se aninhou no mesmo, dormindo rapidamente pelo cansaço. Aquele só foi o começo do cio de três dia do menor. Onde João passaria ao seu lado.

 

Ele amava o acastanhado mais que tudo, e agora a marca poderia esfregar na cara de qualquer um que duvidasse deles. Agora eles realmente tinham um relacionamento sério, não apenas a base de aparências, e sim de amor e carinho.


Notas Finais


Comente
Favorite
E compartilhe
Se quiser fazer uma autora feliz :)
Fanfic Original: https://spiritfanfics.com/historia/my-little-omega-6429647


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...