História My little Omega - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Neo Culture Technology (NCT)
Personagens Chenle, Doyoung, Haechan, Hansol, Jaehyun, Jaemin, Jeno, Jisung, Johnny, Kun, Mark, RenJun, Taeil, Taeyong, Ten, Winwin, Yuta
Tags Abo, Alfa, Beta, Donghyuck!bottom, Mark!top, Markhyuck, Ômega
Visualizações 92
Palavras 1.285
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oies.
Jogo a bomba e saio correndo.
Boa leitura🌈🍒

Capítulo 10 - Passado


Fanfic / Fanfiction My little Omega - Capítulo 10 - Passado

Doyoung acordou mais cedo que seu habitual. Soava frio e suas mãos tremiam enquanto seu coração batia em um ritmo acelerado. Se sentou na cama e olhou para o despertador vendo que acordou meia hora adiantado. Como não conseguiria mais dormir, se levantou e seguiu para a cozinha.


Seu dia seria longo,ultimamente às coisas estavam difíceis para o Kim. Sua preocupação com Jaehyun,seus problemas com Taeil,ajudar Taeyong e ao mesmo tempo cuidar de Donghyuck. Tudo o deixava tenso. Não conseguia dormir,extremamente tudo o preocupava.


Pegou o celular vendo algumas chamadas perdidas de Taeil,suspirou e colocou o celular encima da bancada.


Fez o café da manhã enquanto assistia algum documentário na televisão. Escreveu um bilhete avisando para Donghyuck que iria trabalhar,como sempre fazia.


Sua manhã estava sendo normal.


Tomou um banho demorado se vestiu e ficou esperando ao menos o relógio marcar seis e meia. Estava animado como todos os dias. Tentava não se abalar com tudo o que estava acontecendo.


Desceu para o estacionamento do prédio finalmente iniciando seu dia. No caminho para o trabalho decidiu passar em um café, apenas para comprar um doce que Donghyuck gostava.


Sentiu algo ruim,porém decidiu prosseguir e ignorar. Não foi uma de suas melhores escolhas.


O sinal estava no vermelho. Doyoung estava,assim como outros motoristas, que eram pouco aquela hora da manhã, esperando o sinal abrir.


Quando simplesmente sentiu uma pancada e a última coisa que ouviu foi alguém gritar.


[...]


-Alô?- Taeil se arrumava para ir levar a ômega ao trabalho quando seu celular tocou chamando à atenção da mesma que parou o que fazia para ouvir a conversa.


-Moon Taeil?- Uma voz feminina pergunta do outro lado.


-Sim,quem é?- Se sentou na cama percebendo o olhar da ômega sobre si.


-É do hospital central senhor,sinto lhe informar que Kim Dongyoung acaba de sofrer um acidente grave- Taeil setiu como se seu mundo estivesse desabando. A ômega curiosa com o que acontecia começou a perguntar para o Alfa.


-O quê? Como? Ele,o estado dele é grave?- Se levantou da cama. Sua expressão era de total desespero.


-É grave,ele perdeu muito sangue, precisamos que algum familiar venha até aqui- Taeil pegou às chaves do carro ignorando totalmente às perguntas que a ômega fazia para si. Terminou a conversa com a mulher e seguiu para o hospital.


Se sentia culpado por fazer o ômega sofrer tanto e por tudo o que estava acontecendo.


No caminho ligou pata para Taeyong, não teria coragem de avisar para Donghyuck o que havia acontecido, ele não conseguiria.


Não demorou muito para chegar no hospital, teve que resolver alguns detalhes com a mulher na recepção mas logo o deixaram entrar.


-Senhor Moon,por favor me acompanhe- A mulher baixinha guiou o Alfa até uma sala e disse para que esperasse o médico responsável por Doyoung chegar.


O que não demorou muito para acontecer.


-Olá, Moon Taeil- Um Beta de cabelos negros e nariz empinado entrou na sala com alguns papéis em suas mãos.


-Olá…- Esperou o homem se apresentar.


-Meu nome é meio grande, sem formalidades, me chame apenas de Ten- Apertou a mão do Alfa e voltou a ficar sério.


-Como ele está?- Taeil perguntou inquieto.


-É bem grave,ele teve uma fratura no braço e precisamos de uma transfusão de sangue com urgência, conhece algum familiar dele?- O Beta pergunta.


-Não, a família dele mora longe e eles praticamente o expulsaram de casa- Passou uma de suas mãos por seus cabelos em sinal de nervosismo e suspirou pesado.


-Avise aos parentes dele por favor,preciso ver meus pacientes agora,qualquer novidade ou dúvida me chame- Se direcionou à porta.


-Posso vê-lo?- Taeil pergunta antes do Beta sair.


-Infelizmente no momento não, avisarei quando puder,com licença- Fez uma breve referência e saiu da sala.


Taeil chorou como nunca em sua vida. Sentia culpa,raiva de si mesmo. Um misto de sentimentos e um aperto no peito que o impedia de simplesmente respirar.


Se sentia culpado por ter deixado o ômega. E tudo o que tinha por alguém que ao menos sábia se realmente o amava.


[...]


Taeyong estava pensando em como dizer aquilo para Donghyuck, estava à caminho da casa do Kim. Mark estava junto para ajudar e Jisung estava na casa de um amigo.


-Mark,por favor,ajude ele- disse Taeyong sem tirar os olhos da rua.


-Vou ajudar,ele vai ficar muito mal,mas vou fazer o impossível para ajudar- Mark se sentia mal apenas por imaginar a expressão chorosa do ômega, odiava o ver triste.


Chegaram no prédio e subiram o mais rápido possível para o apartamento em que moravam. Taeyong bateu na porta duas vezes e não demorou muito para ser aberta por um Donghyuck sorridente.


Queria que àquele sorriso continuasse ali.


-Podemos entrar?- Mark se pronunciou sorrindo fraco para o mais novo que estranhou tal ato vindo do mesmo.


-Sim,só não reparem a bagunça, é que o Omma foi trabalhar e eu ainda estava arrumando- Se sentou no sofá e indicou para ambos fazerem o mesmo.


-O quê fazem aqui tão cedo?- Perguntou curioso.


-Viemos dar uma notícia- Mark respondeu se sentando ao lado do ômega.


-Donghyuck, por favor,seja forte,por ele- Taeyong procurava às palavras certas para dizer.


-Vocês, estão me deixando assustado, o quê aconteceu?- Encarou ambos esperando uma resposta.


-Doyoung, sofreu um acidente de carro esta manhã e está no hospital, o estado dele é grave- Taeyong suspirou ao ver os olhos de Donghyuck marejarem.


-Não, ele não,é mentira!- Se negava em acreditar que àquilo estava acontecendo. Mark o abraçou tentando confortá-lo. Se sentia horrível por ver o ômega chorar daquela maneira e não poder fazer nada.


Ficaram um tempo no apartamento até que receberam uma ligação de Taeil. Foram para o hospital,o caminho foi silencioso.


Quando chegaram Donghyuck foi o primeiro a entrar sendo acompanhado por Mark,Taeyong ficou para preencher alguns papéis na recepção.


Taeil explicou tudo o que estava se passando para todos,já que estava lá a mais tempo.


Taeil só não poderia doar por ter uma doença genética no sangue. Mark e Taeyong por terem tipos sanguínos incompatíveis ao do ômega.


Donghyuck era o último que iria tentar.

Estavam sentados aguardando a resposta da mulher.


-Você não poderá doar por seu tipo sanguíneo ser incompatível com o do paciente- A mulher baixinha entrou na sala de espera entregando o resultado da análise para o ômega.


-Mas,como assim?- Perguntou. Taeil e Taeyong se entreolharam. Se esqueceram do fato de Donghyuck não ser filho legítimo do Kim,porém era tarde.


-Você é algum amigo do paciente?- A mulher pergunta.


-Eu sou filho dele- Olhou para a mulher sem entender o que acontecia.


-Mas isto é impossível,Kim Dongyoung e Moon Taeil tem tipos sanguíneos totalmente incompatíveis ao seu- A mulher olhava para Donghyuck indiferente.


Às verdades estavam aparecendo, às peças finalmente se encaixando e pessoas que faziam parte da vida do ômega aparecendo.



Donghyuck estava confuso,não sábia o que pensar. Não era mais uma criança, sábia muito bem o que se passava ali.


Se levantou e correu o máximo que pode ouvindo Mark o chamar. Ignorou e continuou, se sentia sem rumo. Havia acabado de descobrir que às pessoas que o criaram podiam não ser seus verdadeiros pais. Era muita coisa em um dia só.


Por não olhar por onde andava acabou no chão juntamente com outra pessoa.


-Me desculpe, eu me distraí, se machucou- Uma voz doce pergunta fazendo o ômega encarar o dono da voz.


-Não, está tudo bem,eu não estava olhando por onde andava- Se levantou com à ajuda do Beta de sorriso bonito.


-Mesmo assim me desculpe- Sorriu.

-Me chamo Ten,e você?- O ômega se abaixou para pegar uma das folhas que o mais velho deixou cair.


-Lee,Donghyuck- Sorriu entregando a folha para o mais velho. O sorriso do Beta morreu,foi como se tivesse visto um fantasma.


-Lee Donghyuck, esse colar…-  olhou para o pescoço do ômega ainda em choque. Donghyuck não entendia nada.


-É você…- O Beta sussurrou para si mesmo olhando para o mais novo.- Preciso ir- Saiu em passos apressados deixando um Donghyuck ainda mais confuso para trás.


O passado finalmente estava reaparecendo. Às coisas poderiam melhorar e piorar a qualquer instante.


-Encontrei o seu filho…

Continua...


Notas Finais


Quero que vocês escolham ou dêem a opinião de vocês sobre quem são os pais do Donghyuck.
Até logo. Vou dormir,mentira.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...