História My little white - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Tokyo Ghoul
Personagens Ayato Kirishima, Hideyoshi Nagachika, Ken Kaneki, Nishiki Nishio, Touka Kirishima
Tags Ayatoxkaneki, Drama, Hidexkaneki, Sadomasoquismo
Exibições 70
Palavras 1.275
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Meus amores, que saudades D:
Não me matem por favor
Então, como eu havia dito, estou terminando o ensino médio/técnico e ainda fazia pré vestibular. Estava lotada de coisas.
Dai o ENEM veio (altas depressões) e acabei demorando muito pra postar, me desculpem, sinceramente.
MAS AGORA VEM A NOTÍCIA BOA (eu acho)
EU ESTOU DESOCUPADA AGORA.
Só tenho provinhas ocasionalmente, então vou poder postar toda semana como eu queria.
Hoje o capítulo é pequenininho, por que o próximo é só sobre o passado do Ayatinho. Vocês vão entender por que ele é assim.

Boa leitura <3

Capítulo 7 - Capitulo 7


Fanfic / Fanfiction My little white - Capítulo 7 - Capitulo 7

Kaneki abriu os olhos, sonolento, olhando em volta. Seus olhos focaram em Hide, que o observava deitado ao seu lado, seu peito nu e o lençol cobrindo seu quadril, deixando muito pouco para a imaginação. Tentou se mexer, sentindo uma pontada no quadril, enquanto imagens do que havia acontecido explodiam em sua mente, causando um rubor forte em suas bochechas. 

- Você estava me observando dormir. - comentou o perolado.

- Sim, algum problema? - o ruivo riu ao responder.

- Além de ser terrivelmente assustador? - um sorriso de canto preencheu os lábios rosados de Ken.

Hide não respondeu, no lugar puxou Kaneki de volta para seu peito, apertando-o enquanto o beijava calmamente, sem pressa. 

- Podemos ficar assim pra sempre? - perguntou no ouvido do amigo.

- Infelizmente não. Até por que, estou com fome. 

Os dois riram e se levantaram, o ruivo ajudando o perolado que rosnava irritado por sentir aquelas dores e o culpava por causa-las. Kaneki foi até o banheiro com dificuldade e quando se olhou no espelho, seus olhos se arregalaram com a quantidade de marcas deixadas por todo o seu corpo. Como tinha ficado assim? Amaldiçoava Hide.

Possessivo. Era a única palavra que poderia descrever aquelas marcas. 

Entrou no box com dificuldade, apoiado na parede, ligando o chuveiro e relaxando sob a água quente que percorria seu corpo. Pensou em como sua vida tinha mudado tanto em um único fim de semana. Uma semana atrás, neste momento, estaria aconchegado nos braços de Ayato, lendo, enquanto o azulado jogava video game. Pensava se todos aqueles momentos tinham sido simplesmente uma mentira. Um jogo para o Kirishima. Seu peito se encheu de dor ao lembrar.

Tão logo quanto a dor veio, o deixou, quando braços o rodearam, prendendo-o contra um torax firme. 

- Estava com aquele olhar vazio de novo. - Hide sussurrou baixinho no ouvido de Kaneki. 

O perolado suspirou, apoiando a cabeça para trás, encostando-a no ombro de Hide. O ruivo beijou-o com carinho, sem nenhuma malicia.

Ficaram naquele abraço por minutos, até que finalmente sorriram um para o outro e com isso desligaram o chuveiro.

- Namora comigo. - o Nagachika pediu.

Tomado pelo choque do pedido repentino, Kaneki demorou alguns segundos para rir levemente. 

- Quem pede alguém em namoro no chuveiro? 

- Eu sou autentico ok? - o ruivo disse fazendo bico.

Kaneki sorriu, sua cabeça se encheu de possibilidades e medos. Seu principal medo era ser abandonado novamente.

- Neki. 

Levantou os olhos e seu coração disparou ao ver o mais bonito sorriso a sua frente.

- Quero te fazer feliz. Mesmo que você não aceite, vou estar sempre ao seu lado.

Poderia ser loucura, mas ele não tinha como dar outra resposta.

Confiava em Hide.

- Sim, eu aceito.

                                                                              - - - - - - - - - - - -- - - - - - - - - - - - - - - 

Ayato passava as mãos pelos cabelos, nervoso. Tinha estragado tudo. Ele sabia que era tudo sua culpa, que o seu Ken tinha razão em estar bravo com ele. Porém isso não lhe dava o direito de correr para os braços do garoto que mais odiava no momento. 

Ele sempre soube que Hideyoshi Nagachika amava Kaneki. Seu olhar dizia tudo, era pura devoção para com seu perolado, assim como o olhar do próprio azulado. Eles nunca se deram bem, eram rivais e no fundo Ayato sabia que ele não era o único que queria possuir cada pedaço do perolado. 

Kaneki Ken despertada isso nas pessoas quando se aproximava de mais. Ayato tinha percebido isso com o passar do relacionamento. Todos a sua volta se afeiçoavam tanto ao garoto que criavam um tipo de obsessão para com ele, que só crescia a medida que passavam mais tempo junto ao garoto.

Era perigoso esse tipo de coisa, atraia maniacos e pessoas nada equilibradas, assim como ele.

O Kirishima sabia que não era uma pessoa normal, sabia que o que tinha vontade de fazer, o que fazia, não era certo. Se lembrou de um dia em que um garoto da faculdade se aproximou de mais de Kaneki, hipnotizado pelo perolado, obcecado. Aquilo não agradou o azulado, principalmente quando percebeu que o Ken estava com medo e logo depois lhe confidenciou estar sendo perseguido pelo tal garoto. 

O azulado fez o que tinha que fazer. 


                                                                                              - - - - - - - - - - - -- - - - - - - - - - - - - - -  

 

- P-Por fa-favor... A-AAH... Pa-Pare... - o garoto implorava se arrastando para longe de seu agressor.

Segurando o taco de beisebol que pingava gotas escarlates, o Kirishima observava o repugnante garoto se arrastar, completamente ensanguentado e com inúmeras fraturas. As ruas daquele bairro permaneciam silenciosas, menos quando o garoto gritava. O bairro perigoso era um lugar perfeito para aquilo que planejava fazer, aquilo que iria acalmar o que tinha dentro de si. 

- Sabe por que esta aqui? - se agachou na frente do garoto puxando seus cabelos com força, arrancando um grito de dor e fazendo-o olhar para si. - Sabe por que eu estou fazendo isso?

- P-Por fa-favor m-me de-deixa i-ir. - o garoto manteve-se implorando sem parar.

- Ah, não vai responder? Tudo bem. Vamos falar sobre outra coisa então. Sabe o Kaneki? Aquele garoto que você estava perseguindo? O MEU namorado? - perguntou chutando o garoto para longe, arremessando-o na parede. - Ele costuma me mostrar muitos livros interessantes. Em um deles, eu descobri que o corpo humano tem 206 ossos. Muito interessante não é? - pegou-o pelo pescoço deixando-o pendurado no ar. - Você não vai morrer tão facilmente, não vou te dar esse gostinho. Vai pagar por ter assustado ele. Vou quebrar bem devagar a metade dos seus ossos e você vai contar junto comigo. Vamos começar? - sorriu puramente sádico.

O garoto tremia pendurado nas mãos de Ayato. Nunca tinha sentido tanto medo na vida. Já não tinha voz para pedir socorro, este que nunca chegaria graças a popularidade do bairro. Era um lugar perfeito para um assassinato. Ninguém sairia de casa para ajuda-lo. Julgava que os moradores já estivessem acostumados com os gritos a noite. 

- 1. - Ayato começou jogando-o no chão, quebrando um osso do dedo indicador do garoto, que gritava sem parar. 

Pernas, braços, costelas, pés, mãos... Lentamente o garoto ia sentindo tudo quebrar. 

- 103. - o azulado sorria sádico enquanto quebrava o osso do pulso do garoto. - Acabamos. Como foi?

Jogado no chão, imóvel, enquanto lagrimas banhavam seu rosto, caindo dos olhos petrificados, o garoto respirava lentamente. No final, depois do que ele achava ser o osso de número 86, parou de gritar. O choque o deixou petrificado, não estava sentindo mais nada.

- Que chato. Podia dizer alguma coisa. Ultimas palavras? - o azulado tirou algo do bolso da calça, mostrando um canivete extremamente afiado, que reluzia a luz do luar. 

O garoto permaneceu em silencio, fechou os olhos e rezou pela terceira vez naquela noite. Sentiu quando a lamina encostou em sua jugular e logo já não mais vivia. 

Ayato se levantou e olhou para seu trabalho bem feito. Suspirou cansado.

- Kaneki deve estar preocupado. - ele pensou enquanto andava para casa carregando seu taco nas costas.
                                                                                     

                                                                               - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 

 

Se perguntava quando ele tinha ficado daquele jeito. Assassino. Selvagem. Sem controle. Talvez o seu passado seja o principal contribuidor para aquilo.

Hideyoshi devia tomar cuidado. 

Ayato estava pronto para caçar. 
 


Notas Finais


QUEM LEU O MANGÁ E PEGOU A REFERENCIA BOMBASTICA? \o/

Espero que tenham gostado

Semana que vem tem mais, o passado do Ayato

Vamos saber por que ele ficou assim

Comentem <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...