História My Love Serial Killer - I'm Already Arrested - Capítulo 29


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook, Personagens Originais
Exibições 63
Palavras 1.526
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Lemon, Mistério, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oiiiiiuuu!
Demorei????
É curto?????
Desculpem-me pelos erros ortográficos.
Boa leitura! Obrigada pelos favoritos! 😘😘😘😘😘😘

Capítulo 29 - Chapter XXIX - Realise, You


Fanfic / Fanfiction My Love Serial Killer - I'm Already Arrested - Capítulo 29 - Chapter XXIX - Realise, You


Kim TaeHyung On

— Jungkook anotou o pedido. O seu sorriso já não estava mais presente. Ele parecia inquieto.
- Bom... Amanhã... Você quer sair? Óbvio, depois do trabalho.

- “Aishhhh... Que vergonha.”

— O seu rosto pareceu ser iluminado por um raio de Sol.
- Claro. — Senti o meu rosto ferver ao perceber como ele estava feliz. - Vamos jantar juntos. Você me liga.
- Certo, então.

— Andei até a minha mesa.
- Appa. Quando a Omma vai voltar? — Engoli em seco.
- Ah... Isso... Vai demorar. Mas fique tranquila. Você vai ficar comigo, e com o Jimin Oppa.
- Okay.
- Como foi na escola? Divertiu-se?
- Appa... É muito chato. Nós ficamos apenas pintando desenhos, que nem por nós foram desenhados. Ouvimos músicas sem sentido... Eu não vejo a hora de ir para o 1° ano. — Falou com um tom de aborrecimento.
- Dishhh... Você sabe o que vai fazer no 1° ano, por acaso?
- Claro que eu sei. Eu vou ler livros e aprender contas matemáticas, como adição, subtração, divisão e multiplicação.
- Ua. Desse jeito, você vai acabar a faculdade com doze anos.
- Quanto mais cedo, melhor.
- Ya. Até parece que eu estou falando com uma menina de dezessete anos.
- Eu sei que sou muito inteligente.
- Dal... Eu vou dizer mais uma vez. Você pode ser um gênio, mas até um gênio tem humildade.
- Sim... Eu vou ser humilde, Appa. — Sorriu fofa.
- Aigoooo... quanta fofura! — Beijei a sua bochecha.

— Esperamos mais alguns minutos e Jungkook trouxe-nos o pedido.
- Oh, eu ia pegar, Jungkook.
- Tudo bem, Tae. Aproveitem.
- Appa. Eu quero o que tem mais chocolate.
- Okay, Dal.
- Com licença. — Jungkook saiu e voltou para o balcão. Um cliente veio, e fez o pedido com ele. O mesmo fez o café. Eu não conseguia desviar o meu olhar de si.
- Appa. — Ronnie tirou a minha atenção.
- Sim?
- Você não vai comer?
- Ah... Vou sim.

— Comemos calmamente, Ronnie estava mais quieta que o usual. Terminamos e eu paguei. Dirigi-nos até em casa.

Em casa

— Não aconteceu nada demais. Eu também não discuti mais com o Jimin. Eu e ele fizemos a janta, e nós dois mais a Ronnie jantamos juntos.

— Após o jantar, escovamos os dentes e nos deitamos cedo, pois eu teria trabalho e Ronnie não deveria dormir tarde. Nós os três dormíamos na mesma cama. Porém, eu estava planejando fazer um quarto para Ronnie, ou nos mudarmos, eventualmente, pois o apartamento era pequeno para três pessoas, e depois Ronnie cresceria e ia querer ter privacidade. (Parei) Eu não tinha muito dinheiro sobrando, mas tentaria começar a economizar para a casa nova.

Sábado, 13 de setembro de 2020

4:39

- Mommy... I want to see you... I miss you... Come back to me... to us... — Uma voz sofrida rasgou nos meus ouvidos até alcançar a minha mente, fazendo-me acordar do meu sono. Ronnie. — Ela apertava o seu ursinho de pelúcia, que era o único brinquedo com o qual realmente se divertia. O seu rosto brilhava por contas das lágrimas derramadas por si.
- Ronnie... — Abracei-a. Eu podia evolver todo o seu corpo nos meus braços.
- Mommy... — Ela não parecia se acalmar.
- Ronnie... — Jimin acordou e chamou por si.
- Ronnie, vamos conversar? — Perguntei gentil, tentado me preparar para as minhas próprias palavras.
- I want my mom. — Pronunciou no meio das suas lágrimas.
- Ronnie. Vamos conversar em uma língua que eu entenda, por favor. — Ela saiu do meu abraço e sentou-se na cama.
- Eu quero a minha mãe...
- Ronnie. — Jimin pronunciou e em seguida bufou. - Nós precisamos dizer uma coisa...
- A minha mãe... Ela morreu?
- O-o que?

— Ela realmente superou as minhas expectativas. Não que eu achasse bom ela pensar nessas coisas, mas ela sabia. Não. Nem eu sei o que é a morte. Mas ela tinha uma noção. Uma noção que não poderia mais ver aquela pessoa, e por isso estava sofrendo.
- Oh, Ronnie. — Abracei-a. Jimin fez o mesmo. Abraçamo-nos os três.

— Ficamos assim alguns minutos, depois os soluços, os choros, os “Omma” emitidos por ela cessaram. Estava dormindo. Levantei-me da cama. Andei até o banheiro. Era a minha vez de chorar.

7:45

— O despertador tocou como sempre fizera, mas naquele dia em especial soava mais barulhento e incomodativo. Calei o aparelho, Ronnie ainda dormia. Resolvi deixá-la dormir mais um pouco. Levantei-me da cama.
- É minha vez hoje. — Jimin começou.
- Eu tenho trabalho.
- Okay. Vai antes, então. Eu vou fazer o café.
- Okay. — Andei até o banheiro. Escovei os dentes, joguei, literalmente, água na minha cara. Tomei um banho quente. O meu corpo estava quase na temperatura de um cubo de gelo. O contacto da água com o meu corpo era relaxante. Tão relaxante, que eu perdi a hora.

- TaeHyung-Ah! Ainda tá vivo? — Ouvi a voz de Jimin. Eu pensei sobre nós dois e como a nossa relação havia mudado. Ou discutíamos um com outro, ou fingíamos estar bem. Ele sempre dizia que eu não conseguia esquecer. Era verdade. Mas naqueles dias, a minha única fonte de energia era saber que Jungkook estava vivo.

— Desliguei o chuveiro e saí. Enrolei-me na toalha. Ronnie ainda dormia. Pus a minha roupa rapidamente.
- Ronnie... Vamos acordar? — Toquei em si. Arrumei os cabelos curtinhos negros que estavam no seu rosto. Aos poucos ela abriu os olhos. - Bom dia... — Beijei a sua bochecha. Ela ajeitou-se na cama.
- Eu quero dormir mais... — Fechou os olhos recente abertos.
- Tudo bem. Mais tarde, eu lhe chamo.

— Fui até a cozinha, onde Jimin estava.
- Eu já comi. Cadê a Ronnie?
- Ainda com sono. Mais tarde eu chamo, quando eu sair.
- Okay. Eu estava pensando em levá-la em algum lugar divertido, para descontrair.
- Pois é. Ela me surpreendeu.
- Não sei se é muito bom, mas também não sei o que ela pensa.
- Não sei...
- Bom, vou tomar um banho.
- Okay. Eu vou comer e depois acordar a Ronnie.
- Certo.

— Comi o café da manhã calmamente, apesar de não estar muito adiantado para o trabalho. Eram 8:15 e Jimin saiu do banho. Fui até o quarto.
- Ronnie. Está na hora de acordar agora. — Ela se remexeu na cama e saiu da mesma.  - Eu vou no banheiro.
- Jimin vai lhe ajudar, Ronnie. Eu tenho de ir trabalhar agora. Mais tarde nós nos falamos.
- Vamos escovar os dentinhos, Ronnie.
- Okay.

— Ela parecia bem. Parecia.

— Calcei os sapatos e vesti o casaco. Jimin estava sentado no sofá, e Ronnie deitada em suas pernas.
- Cuidado no trabalho. — Não entendi o seu tom.
- Até depois.

— Saí do apartamento e entrei no elevador. Desci na garagem e fui até o carro. Dirigi até o trabalho.

No café

- Bom dia, Boss.
- Bom dia, TaeHyung-Ah. Ainda bem que chegou cedo. Ainda não abri o café.
- Certo. Eu vou fazer isso.

— Arrumei as cadeiras e limpei as mesas.

Flashback On

- TaeHyung-Ah... Você se lembra quando brincávamos de vendedor? — Min-Jung apoiou-se na vassoura que estava usando para tirar o pó debaixo das mesas.
- Sim. Eu, você e Jiminnie.
- Isso não é parecido? Servimos os clientes com cafés. A única diferença antes, é que agora o café é de verdade.
- Pois é... A infância é tão boa... Você não tem de se preocupar com nada, apenas em brincar.
- Ronnie nem parece uma criança. Mal brinca. — Eu disse passando o pano na mesa.
- É verdade. Aquela lá só quer saber de ler livros. Agora que aprendeu o Hangul, não tira os livros da frente do rosto.
- Mas isso é bom. Assim ela cria o hábito de leitura. Pessoas que lêem são mais inteligentes.
- E chatas.

Flashback Off

- TaeHyung-Ah! — Uma voz tirou-me das minhas lembranças sobre a minha amiga, que já não estava ao meu lado.
- J-Jungkook...
- Bom dia pra você também.
- Ah, desculpa. Bom dia.
- Tudo bem?
- Tudo.
- Bom, espero que sejamos bons colegas, ou mais que isso. — Estendeu a mão.
- Dish... — Apertamos as mãos.
- Eu vou arrumar as coisas lá dentro, okay?
- Okay.

— Abrimos a loja rapidamente. Às 9:00 já estávamos prontos para receber os clientes. Alguns minutos depois de abrirmos, o movimento começou. O café estava sempre cheio nos fins de semana. Eu não conseguia nem olhar para o rosto de Jungkook.
- Aish... — Eu estava no balcão atendendo um cliente. Ouvi Jungkook falar alguma coisa atrás de mim. Terminei de atender e olhei para trás.
- O que aconteceu?
- Eu me sujei de café. — A sua blusa estava manchada de café. Não, molhada. Eu podia ver o seu tronco através da sua blusa branca, que eu estava agradecendo pela sua cor.


Notas Finais


E aí, gostou?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...