História My Lover Is a... Spirit?! - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Erza Scarlet, Gajeel Redfox, Grandeeney, Gray Fullbuster, Happy, Igneel, Jellal Fernandes, Juvia Lockser, Levy McGarden, Lucy Heartfilia, Natsu Dragneel, Wendy Marvell
Tags Fairy Tail, Gale, Gruvia, Hentai, Jerza, Nalu
Exibições 47
Palavras 1.677
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Hentai, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Espero que gostem... !

Desculpe por qualquer erro de grafia, estou revisando o máximo possível!!

E novamente: estão livres para criticar, eu recebo todas as críticas como algo construtivo :)))

Boa leitura a todos!!!!

Capítulo 2 - O Que Tem de Errado Nessa Casa?


O Que Tem de Errado Nessa Casa?

***

Eu abro uma grande janela e entro em quarto médio, com uma cama grande e dois armários. O adentro calmamente, olhando em volta e em seguida suspirando.

Lentamente me dirigo há ponta da cama e me sento, colocando as duas mãos sobre as minhas pernas, as quais estavam tapadas por uma longa saia azul bebê, com pérolas e babados.

Depois de um longo tempo esperando, começo a fcar impaciente, retirando um pouco da postura e passando a apoiar meu rosto na minha mão direita.

Lucy - Ai, ai... - Bufo - Vou embora. - Me levanto sentindo-me decepcionada, indo na direção da janela. Me apoio na mesma, observando o grande campo com árvores grandes e muitas flores. O vento soprava em minha face, fazendo com que meus cabelos dourados balançacem levemente. - Bom, vamos lá... - Preparei-me para saltar, porém ouço a porta se abrir.

Olho para a mesma, sorrindo.

Lucy - Você veio... - Não conseguia esconder a alegria, sendo que a segundos atrás estava segurando as lágrimas.

??? - Luce!!! - Um garoto alto, de cabelos róseos e que usava apenas um pijama simples e um cachecol, apareceu em frente a porta - Sinto muito, demorou mais do que imaginava... - Disse com um tom de voz entristecido 

Lucy - Tudo bem... - Falei me aproximando - O que importa é que você está aqui, comigo. - Passei a mão carinhosamente em seus cabelos, o fazendo corar.

Ele apenas deu um sorriso doce como resposta, e eu o retribui.

***

Acordei com alguns leves raios de Sol tocando meu rosto, me fazendo abrir os olhos um pouco incomodada.

Eu estava com uma sensação ótima, acho que nunca havia dormido tão bem em toda a minha vida. Parecia que tinha adormecido sobre uma nuvem! Por isso acordei com as energias completamente renovadas.

Eu coloco a costa da mão na frente dos olhos, impedindo que o Sol os tocasse e me sento calmamente, apoiando a coluna na cabeceira da cama. Dou um longo bocejo e esfrego as vistas, para em seguida ficar encarando a parede, pensativa. Puxei o cobertor até meu peito, juntei as minhas pernas ao meu corpo e apertei o tecido levemente.

Essa cama, me parecia tão familiar... Aliás, o quarto inteiro me parecia muito familiar. Parecia que já tinha ido ali milhares de vezes, que já havia dormido naquela cama, que já tinha aberto aquela janela muitas vezes... Mas não conseguia decifrar o porque disso.

Até a coberta continha um odor conhecido!

Apenas... Sentia que aquele lugar era especial... Me sentia acolhida ali.

Aquele sonho, também... Aparentava ser muito real. Real até demais.

Lucy - Bem... - Pensei - Chega de ficar parada, melhor eu ir preparar o café da manhã. Afinal, quero ir passear o mais cedo que puder! - Me animo, tentando esquecer todas aquelas sensações estranhas. - Vamos lá!

Sentei na borda da cama e calcei minhas pantufas, fui rapidamente fazer minhas higiênes pessoais e em seguida fui indo em direção da cozinha. ( Ou apenas procurava por ela )

Passei por vários corredores enormes, um mais chique que o outro. A maioria estava enfeitado com pinturas, esculturas e vasos com flores já mortas. Eu me perguntava o quão antigo aquele lugar era, e o porque de ninguém tê-lo alugado anteriormente. Já tinha ouvido relatos de que era uma mansão onde moradores da época um pouco após do descobrimento da América habitavam, o que o deixava ainda mais interessante. Então, se a mansão é linda, histórica e tudo mais, pra que escolher outra? ( E ela nem era tão cara assim )

Após andar por muitos corredores que pareciam não ter fim, finalmente a encontrei.

Ela era um pouco simples, apenas com as coisas necessárias. Eu a adentrei e começei a procurar por algo, quando lembrei que ainda não tínhamos ido no mercado.

Lucy - Merda, eu to morta de fome... - Eu segurava minha barriga, que roncava desesperadamente. - Melhor eu ir logo, antes que eles acordem...

Sai da cozinha, para ir novamente ao meu quarto. Mas... Onde era o meu quarto?

Lucy - A burra aqui não memorizou o caminho... - Me xinguei internamente - Agora, é na sorte!

Virei há esquerda, e fui seguindo reto. Dobrei umas duas ou três vezes, algo me dizia que aquele era o caminho certo. Não demorou muito para eu chegar em frente ao meu quarto, novamente. Estava me sentindo um gênio de localização...

Lucy - Ioch! - Abri a porta rapidamente - Tenho que me arrumar! - Disse a mim mesma, super animada.

Na noite anterior eu já havia arrumado minhas roupas, então fui em direção dos armários, cantarolando qualquer coisa que aparecia na minha mente.

Lucy - " Ei fada, onde está indo? Irei reunir todas as luzes e iluminar o seu amanhã... " - Cantava, mexericando nas minhas coisas - " Oh yeah, consegue ouvir essa voz? Oh yeah, já estou rouco de tanto gritar... Oh yeah, até seu coração pode escutar... Oh yeah! Oh yeah! " - Parei quando achei a roupa que procurava.

Era uma blusa regata lilás, um short curto escuro e tênis pretos. ( Claro que as roupas íntimas também )! Eu retirei minha camisa do pijama, sentindo um pouco de frio passar pelo meu corpo. Quando tirei a bermuda, me senti um pouco contrangida. Apesar de estar sozinha ali, estava com vergonha de ficar sem roupas, como se alguém estivesse me observando fazendo isso.

Me encolhi um pouco, sentindo arrepios por todas as partes.

Lucy - O que eu to fazendo? - Perguntei a mim mesma, inconformada. -  Eu estou sozinha aqui, para que ficar dessa forma...? Pareço uma retardada, meu Deus.

Continuei sentindo aqueles arrepios intensos pelo meu corpo todo, mas me forçei a me vestir normalmente, como se nada tivesse acontecido.

Depois de ficar pronta, penteei um pouco o cabelo e fui para a entrada da mansão. Quando estava prestes a abrir a porta, sinto algo segurar minha mão, então eu me assusto e me viro bruscamente.

Lucy - QUEM...?! - Berrei, mas depois senti meu rosto corar ao ver meus amigos me encarando surpresos - Ah... Pessoal, são vocês...

Levy fez uma careta - Quem achou que fosse? - perguntou, um tanto confusa com minha reação.

Lucy - Eu... - Respirei fundo - Não sei...

Gray - Como assim?

Lucy - Sinto a presença de alguém desde ontem a noite, só que nunca tem ninguém... - Me confundo com minhas próprias palavras. 

Juvia coloca a mão na minha testa, nervosa - Tadinha, está delirando...

Lucy - Não estou, não! Eu juro que senti!

Levy suspira - Ok, ok... Quando voltarmos do mercado conferimos a casa toda, para ter certeza de que só tem nós morando aqui. Tá bom?

Lucy - ... Tá bom... - Abro a porta - Ei, como sabiam que eu ia ao mercado? - Indagei curiosa

Gajeel - Porque não tinha nada na cozinha...- Disse indiferente, com as mãos atrás da cabeça. - E estamos famintos.

Levy - Menos o Jellal e a Erza, já que ela trouxe bolo de morango. Mas nem nos deixou chegar perto, acredita? - Falou indignada, e eu apenas ri

Lucy - Erza sendo Erza... - Sai pela porta, sendo seguida pelos outros.

...

...

...

Levy e eu estávamos na sessão dos doces, conversando um pouquinho.

Levy - Mas... Me diz, Lucy, você viu um fantasma, foi isso? - Perguntou

Lucy - Eu não vi nada, só senti! - A corrigi

Levy - Hum... - colocou a mão no queixo enquanto pensava - Essa mansão é antiga, pode ser um espírito... - Tentou ser assustadora

Lucy - N-não diga uma coisa dessas! - Falei mais alto - Não acredito nessas coisas.

A azulada riu um pouquinho, me fazendo ficar irritada - Quando nós éramos crianças, você dizia a mesma coisa, mas ficava toda medrosa quando contávamos histórias de terror ou algo do tipo! Ah, lembra quando... - Não pode terminar, pois foi interrompida

Lucy - Não lembro! - Exclamei - Levy, Levy... - Suspirei, me acalmando ( ou tentando ) - Isso é passado, agora sou uma pessoa completamente nova, muito mais madura e responsável. - Falei confiante. - Não me assusto facilmente.

A pequena apenas ergueu uma das sombrancelhas, sem acreditar em uma palavra do que eu havia dito. - Hm. Vou fingir que acredito.

Eu só dei uma risadinha - É verdade! Sou super corajosa! - Coloquei as mãos na cintura

Levy riu - Tá, senhora. Super corajosa... - Andou mais pra frente - Só tenha cuidado com essa aranha aí no seu cabelo.

Lucy - AAAH!! - Sem pensar, começei a bagunçar todos os meus fios - Onde? Me diz, Levy!!

A azulada solta uma gargalhada - Digo não...

Lucy - Pare de ser igual ao Gajeel e volte a ser aquela baixinha fofa e legal, por favor! - Disse ainda procurando pela maldita aranha, chamando a atenção de várias pessoas por ali.

Levy - O que você quer... - Ficou mais séria - Ah, esqueça. E eu só digo onde está se você confessar que é super medrosa.

Lucy - Le- chaaaan! - Choraminguei

Levy - Vai, confessa.

Lucy - Mas...

Levy - ... - Cruzou os braços

Lucy - Você ta passando tempo demais com o Gajeel... - Me rendi - Ok, eu sou uma medrosa.

Levy virou levemente a cabeça - Só medrosa?

Lucy - Eu sou super medrosa!! - Falei, a deixando satisfeita - Agora, cade a aranha??

A azulada balança a cabeça calmamente - Ai, ai, Lucy... Você é mesmo muito inocente... A aranha não existe.

...

...

...

Depois de eu ter pagado um belo de um micão no meio do mercado, de Levy ter se engasgado de tanto rir e nós termos terminado de comprar tudo... Chamamos dois táxis e fomos novamente para casa. Meu estômago já estava descontrolado de tanta fome.

Levy - Agora, podemos conferir os fantasmas... - Falou sarcasticamente - Né, Lu-chan?

Eu bufo - Vai te catar, Levy...

FINAL DO CAPÍTULO

 

 

 

 

 


Notas Finais


Bem, continua! Eu acho que ficou um pouco corrido, mas é que eu preciso ir dormir.

Espero que tenham gostado! ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...