História My Magic Life - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Aventura, Magia, Mistério, Romance
Exibições 9
Palavras 2.538
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Escolar, Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Eaê, people! Gaby aqui trazendo mais um capítulo! Enfim... Não tenho coisas pra falar hoje.... Fiquem logo com a fic! Beijos de mel e fui! 💋🍯💋🍯

Capítulo 3 - Dia "normal" e um... quase beijo?


P.O.V VIOLET

 - Violet! Alaric! O café da manhã já está pronto - Crystal disse, com a voz abafada pela porta - Vão logo, antes que vocês comecem a se atrasar.

Eu estava quase voltando a dormir, quando sinto ser pega no colo por alguém, enquanto eu ainda estava completamente enrolada até a cabeça pelo meu cobertor.

Tirei o cobertor do rosto, enquanto era carregada. Vi Alaric andando em direção do banheiro, enquanto me carregava em seus braços fortes.

Comecei a me sentir sem graça por causa daquele ato dele, o que me fez começar a me debater, o que apenas o fez me segurar mais fortemente.

- Alaric! Me solta agora! - Exclamei, enquanto ainda me debatia.

- Não - Ele falou, simplesmente - Você ouviu. Temos que nos apressar antes que nos atrasemos. Não quer levar mais uma bronca da professora, quer? - Ele provocou.

 - Me solta! Agora! Não vou pra escola nem que me leve arrastada! - Falei, começando a me estressar.

 - Isso é um desafio? - Ele me colocou no chão bem na frente da porta do banheiro, e me prensou sobre a mesma. Se aproximou lentamente do meu ouvido, enquanto ficava cada vez mais corada, e continuou, num tom baixo: - Nós, Guerreiros das Tropas Reais, somos ensinados desde pequenos a sempre aceitar os desafios que a nossa princesa os impõem, principalmente se ele fica no posto de Guardião e Servo. 

 Eu travei no mesmo instante com a sua aproximação, completamente corada. Precisei de alguns segundos para processar o que ele havia falado. 

 - Considere um desafio, então - Falei, em tom autoritário, para esconder minha timidez que eu senti. 

 Ele se afastou de mim, e vi seus olhos piscarem dourados, antes dele sorrir de canto. Droga! Havia esquecido que ele podia ler minha mente. 

 - Aceito teu desafio, Vossa Alteza - Ele falou, num rom formal, dando uma reverência exagerada. Parecia que tudo aquilo fora ensaiado milhares de vezes - Se a tua vontade é essa, assim o farei. Sendo seu Guerreiro Guardião e Servo, não lhe posso negar uma ordem, sendo o teu desafio, sendo a mesma coisa.

Não pude deixar de rir. 

 - Tá bom, o que foi tudo isso? - Eu perguntei, ainda encostada na porta.

 - Discurso que todos das Tropas Reais têm que aprender, se quer se tornar um verdadeiro guerreiro, fora todo o treinamento de anos a fio - Ele explicou, abrindo um sorriso de lado assim que volta a sua postura normal - Eu treino desde que tinha 2 anos, e já tenho obtidos quase todos os postos das Tropas Reais. Falta apenas o de mais alta classe na Tropa. Mas... - Ele desvia o olhar - Esse é mais complicado de conseguir.

 O olhei confusa, deixando minha cabeça cair de lado. 

 - Por que mais complicada? - Perguntei, inocentemente. Ele suspirou. - Primeiro, o guerreiro tem que proteger e servir a algum membro da Família Real, tendo êxito em sua missão. Assim, pode conseguir a total confiança da Família Real. Quando este momento chega, o membro da Família Real deverá eleger o cargo ao guerreiro, o nomeando como um Oficial das Tropas Reais - Ele explicou - Porém, há uma tradição, que impede que alguns guerreiros possam chegar a esse nível tão alto. E essa tradição impede que eu chegue a este cargo. 

 Ele olhou para o chão, parecendo remoer algumas coisas. Não achei justo que Alaric nunca fosse conseguir chegar onde ele queria. Ele parecia tão animado falando isso. 

 - Alaric... - Comecei, mas não sabia o que falar. 

 Senti um aperto no meu coração, quando o vi olhar triste para mim. Não queria que ele se sentisse assim. 

 Mas essa sensação logo foi embora quando ele abriu um sorriso. 

 - Enfim. Ainda tenho que cumprir com seu desafio, não é? - Ele falou. Alaric se aproximou um pouco, tocando a maçaneta da porta. 

Quando percebi o que ele iria fazer, já era tarde. Alaric abriu a porta, o que me fez desequilibrar e cair para trás, já que eu estava apoiada na mesma. 

 - Isso foi para te ensinar a não me desafiar mais - Ele riu - Te dou, no máximo dez minutos para tomar banho e se trocar - Ele sorriu, irônica e maliciosamente - A não ser que queira que eu te ajude a tomar banho e colocar sua roupa. 

 Me levantei enfurecida, batendo a porta na cara dele. Ouvi ele rindo, e ainda falou, antes de se afastar:

 - Seu tempo está correndo, princesinha. É bom se apressar.

 Me olhei no espelho. Certamente, ultrapassei até a última cor do vermelho, depois dessa. 

*** 

 Realmente, Alaric não estava brincando quando disse que iria me levar arrastando para a escola. Ele estava segurando a minha mão fortemente, mas sem me machucar, apenas dando leves puxadas de vez em quando quando eu insistia em parar. 

 No meio do café da manhã, Crystal disse que Alaric passaria a morar lá em casa. Ele disse que não precisava, e que não queria incomodar a "hospitalidade" da minha irmã, mas Crystal insistiu tanto, que ele acabou cedendo. Motivo para isso? Agora ele iria poder me vigiar 24 horas por dia. E o mais importante: Por que me senti feliz quando ela informou que Alaric ficaria lá em casa?

 Logo que chegamos na escola, todos estavam nos encarando e cochichando. Mas quem não iria. No dia anterior, o "novato" defende a "esquisita" da "princesa" da escola, e ainda os dois chegam juntos no dia seguinte, e ainda mais de mãos dadas. Quem não iria pensar algo, depois disso?

 - Violet, está prestando atenção no que eu disse? - Chamou Alaric, passando as mãos na frente do meu rosto, né tirando dos meus devaneios. 

 - Foi mal. Estava um pouco alheia. 

 Seus olhos piscaram dourados, e olhei ao redor, com medo que alguém mais percebesse. Ele riu. 

 - Relaxa, princesa. Não é qualquer humano que consegue ver meus poderes ativos. A não ser que use uma magia um pouco mais forte que apenas ler mentes. 

 Suspirei. 

 - Nunca vou conseguir esconder algo de você, não é? 

 - Talvez - Ele respondeu - Dificilmente vai conseguir agora, mas sei quando despertar definitivamente seus poderes, vai conseguir me impedir de ler sua mente. 

 - O que quer dizer com isso? 

 Ele suspirou, frustrado. 

 - Realmente, acabei de confirmar que essa sua falta de memória é bem mais irritante que você mesma - Ele disse, e eu fiz uma careta, nervosa - Violet, seus poderes vem dos elementos e do seu coração. Quando você conseguir dominar seus poderes, meus poderes da mente vão ser anulados pelo seu do coração. 

 - Como você sabe quais são meus poderes? - Perguntei, enquanto andávamos em direção dos nossos armários. 

 Ele para, subitamente, fazendo um olhar misto de surpresa, tristeza, desacreditado e nervoso. 

 - Isso não importa - Falou ele, friamente. 

 Me assustei com a típica mudança do seu humor. Mas já estava se tornando rotina, o que eu poderia esperar?

 Ele olhou para mim, suspirando. 

 - Vamos logo, baixinha. Não quero chegar atrasado na aula por sua causa. 

 Logo meu rosto passou de surpreso para raivoso. Apenas ele conseguia me tirar do sério de uma hora para a outra. 

 - Não sou baixinha. Você que é muito alto... 

 Ele riu.

 - Tá bom. Claro que é. 

*** 

 A primeira aula foi de Artes, com a professora Patrícia. Como já conhecíamos ela desde o 6° Ano do fundamental, ela não falou muita coisa de como seriam aplicadas as suas aulas. Então, para compensar a aula, ela passou um trabalho em duplas para entregar naquela mesma aula. 

 Não haveria ninguém para fazer comigo, se não fosse pelo Alaric se manifestar, coisa que apenas serviu para mais murmúrios e risadas do grupinhos de populares da sala. 

 De vez em quando, sentia os músculos de Alaric ficarem tensos, o que me fazia sorrir, assim que eu via seus olhos mudando rapidamente de cor. 

 - Sabe? - Chamei a atenção de Alaric para mim, em um meio sussurro - Acho que não precisa usar seus poderes o para saber o que aquela cobra está falando... - Fiz uma cara pensativa. 

 - E nem preciso mais usar para saber quando VOCÊ está pensando - Ele sorriu - Pago seu lanche hoje para saber o que está pensando. Juro que não uso meus poderes.

- Quais poderes você havia dito que u tinha mesmo? - Perguntei. 

 Ele me olhou confuso.

 - Elementos e coração. Por quê? - Que coisa - Fiz uma cara frustrada - Como eu queria ter controle dos meus poderes, pelo menos no de água. Poderia estragar a chapinha mal feita daquela patricinha agora mesmo.

 Nós dois rimos, e logo Alaric me encarou, com um sorriso. 

 - É. Talvez. 

 P.O.V ALARIC 

 As outras aulas passaram bem rápidas. Em Educação Física, o novo professor, Tiago, deixou escolhermos qualquer tipo de aula que quiséssemos fazer ao longo do ano, entre cinco categorias: Esporte, dança, luta, jogos e brincadeiras, e ginástica. 

 Ele colocou na lousa as ideias da sala, e depois fez uma pequena votação sobre quais a gente iria fazer. Em esportes, acabou ganhando natação; Dança, foi escolhido zumba; Luta, se destacou Muay thai; Jogos e Brincadeiras foi truco (Apenas quero ver... Violet me disse que qualquer jogo de carteado é proibido na escola...); E ginástica foi escolhido musculação. Como a primeira modalidade, todos votaram por ser Truco a primeira, e o resto da aula foi livre. 

 Logo em seguida, foi geografia, com uma professora nova... Laina, eu acho. Enfim, todos ficaram bagunçando, e a professora acabou não dando nada, mesmo que tentasse. Eu e Violet ficamos conversando roda a aula. Ela ficava me perguntando sobre tudo do Mundo Mágico, e eu respondia o que eu sabia. Às vezes, ela começava a se sentir um pouco zonza, e colocava as mãos na cabeça ou a apoiava na mesa. Sempre tinha que conter o impulso de a colocar em meu colo e acariciar sua cabeça até passar. 

 Pelo visto, o selo da Crystal estava passando lentamente, coisa que causava esse mal estar em sua cabeça. Queria arrancar logo o selo, mas Crystal advertiu que, caso o Selo fosse retirado de uma vez, Violet poderia sofrer algum trauma na cabeça, lugar onde estava o selo. A última coisa que eu queria era ver a Violet sofrendo por algum erro meu... Já havia vacilado com ela suficientemente ontem...

 O intervalo chegou rapidamente. Como já havia prometido, eu iria pagar o lanche daquela garota irritante. Estávamos na fila. Estava um pouco extensa, mas dava para aturar. 

 Fiquei conversando com Violet na fila, esperando nossa vez. Chegando a nossa vez, eu e ela escolhemos o que comemoramos, e escolhemos comer no pátio da escola. Estávamos indo para os bancos do pátio, quando alguém acabou esbarrando na Violet, a fazendo derramar todo o suco de uva que estava segurando em cima dela mesma. Apenas vi Skye rindo. 

- Olha por onde anda, sua esquisita! - Falou ela, com suas cachorrinhas que ela chamava de amigas rindo junto com ela. 

 Tentei manter a calma, mas estava difícil. Não aceito que ninguém fale assim com a Violet. Principalmente ela sendo alguém que eu poderia acabar num estalo de dedos. Mas, de todo o jeito, ela podia ser uma Shadow, criatura, ou até mesmo a Maga mais forte do mundo, me desceu a vontade de acabar com ela naquela hora. 

 Quando já estava quase conjurando minha espada, ouvi uma fungada da garota ao meu lado. Voltei meu olhar para a Violet, e vi que ela estava chorando. Por pura vergonha que estava sentindo naquele momento. Todos estavam olhando para Violet naquela situação, alguns cochichando um para os outros, e outras pessoas rindo da situação. 

 Não deu nem tempo de segurá-la, quando ela saiu correndo o mais rápido que podia. Ouvi Skye rindo. 

 - Coitadinha. A bebezinha foi chorar nos cantos. Depois não sabe porquê ninguém quer chegar perto dela. 

 "Agora já chega!" 

 Me virei para Skye, sentindo meus olhos arderem em chamas. 

 - Escute aqui, Skye! Só não faço nada com você, porque você é uma garota. Mas ouse falar ou fazer alguma coisa com com a Violet, que eu te juro que eu acabe com você. E não vai ser regra ou lei nenhuma que vai me impedir de fazer isso - Falei, raivoso, em um tom ameaçador - Espero que tenha me entendido, ouviu bem?

 Ela fez uma cara esnobe, fingindo que não importava, mas vi que ela pegou um pouco de medo, com a ameaça que eu fiz. Ela saiu de lá rebolando exageradamente, achando que chamava atenção de alguém com aquilo. O que só estava funcionando com os garotos da escola. "Como humanos podem ser tão idiotas?", pensei. 

 Me virei em direção onde Violet havia corrido, indo atrás dela. 

 P.O.V VIOLET 

 Ai que raiva! Não acredito que aquela Barbie Falsificada fez aquilo comigo, na frente da escola inteira! Nunca passei tanta humilhação na minha vida inteira! 

 Corri até o terraço da escola. Não havia quase ninguém lá, como sempre, e as poucas pessoas que tinham fingiam que eu nem existia. Sentei em um canto entre duas colunas da escola, encostando minhas costas na parede. Abracei meus joelhos e abaixe minha cabeça, ainda derramando lágrimas de raiva. 

 Não deu cinco minutos, alguém encosta no meu ombro. Levantei a cabeça assustada. 

 - Ei. Sou só eu - Falou o Alaric, abrindo um sorriso, que logo em seguida se fechou, e ele se ajoelhou na minha frente - Você está bem? 

 Em um impulso, joguei meus braços sobre seu pescoço, o abraçando fortemente, escondendo meu rosto em seu pescoço. Senti seu cheiro de lavanda e menta se instalar em meu nariz. Com o gesto repentino, ele acabou se desequilibrado, o que o fez cair para trás, sentando e me levando junto. Logo, ele se ajeitou e com um braço abraçou minha cintura e com o outro começou a acariciar meus cabelos. 

 Nem sei quanto tempo ficamos assim, se foram apenas segundos, ou alguns minutos. Quando me acalmei, me afastei dele, e o vi abrir um sorriso preocupado. 

 - Está melhor? - Ele perguntou. 

 Eu assenti. Alaric levou sua mão até meu rosto, limpando o rastro das lágrimas. Sem nem me dar em conta o que estava fazendo, coloquei minha mão em cima do da dele. Ele pareceu surpreso pelo ato. Não tinha como não ficar. Eu mesma fiquei. 

 Ficamos um tempo nos encarando, até que ele passou sua mão da minha bochecha psra meu queixo e começou a levar meu rosto para perto do dele. Nossas bocas chegaram tão perto uma a outra, que quase se encontraram. Até que Alaric suspirou, levantou um pouco sua cabeça e deu um pequeno selinho em minha testa. 

 - Vamos logo. Acabou de bater o sinal para a aula - Ele falou, sereno, e captei uma pontada de frustração em sua voz. 

 Ele se levantou, dando as costas e começou a andar. Fiquei ainda um tempo parada no mesmo lugar, processando o que iria aconteceu. Alaric iria mesmo me beijar? E o pior: EU estava querendo que ele me beijasse?

 Pois é... Parece que, quando eu menos esperava, minha vida virou de cabeça para baixo, e não sabia nem ao menos dizer quando eu era...


Notas Finais


Foi isso por hoje. Pleace, não me matem! Quis também me jogar de um arranha céu quando escrevi essa última parte...
Enfim, comentem o que acharam, dando dicas e sugestões. Vou responder tudo, então nada de timidez. Bjs e fui!
----------------------------------
Parece que, por mais que tentasse, Violet sempre era igual problemas. Porém, quando tudo parece não ter mais chance de volta, duas pessoas aparecem e ajudam a garota e Alaric, que acaba descumprindo sua promessa. Será que irá surgir uma nova amizade, ou apenas mais problemas para os dois?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...