História My mistery. - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Emma Swan, Regina Mills (Rainha Malvada)
Tags Swan Queen
Visualizações 89
Palavras 1.019
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 14 - Secrets.


Fanfic / Fanfiction My mistery. - Capítulo 14 - Secrets.

Já era tarde quando Regina recebe uma mensagem de Ruby lhe lembrando de sua despedida de solteiro que seria no mesmo dia.

–Droga!– ela me puxou as pressas para o quarto para arrumarmos nossas coisas.

Assim que estava tudo arrumado, voltamos de viagem a caminho de casa., ruby exigia a presença de Regina naquela festa, havia convidado todos tanto as mulheres como os homens, como uma boa amiga ela não pensou duas vezes antes de interromper a viagem e voltarmos para casa, não fiquei brava, Ruby estava começando uma nova etapa de sua vida e merecia isso, mas também não estava em clima de festejar.

–Você está bem? Tem certeza disso?– Ela sussurrou esperando que eu voltasse atrás quando neguei. 
–Eu estou bem e sim, tenho sim, vai logo que já está atrasada e se divirta, amor.– beijei seus lábios com calma, depositando minha confiança nisso e sai do carro deixando Regina boba, talvez porque o beijo havia sido bom ou talvez porque chamei ela de 'Amor', de qualquer forma, gostei de arriscar.  Tão pouco ela havia partido e eu já estava dentro de casa, sem Regina perto de mim tudo parecia bem menor e frio, de qualquer forma era bom estar em casa, poder andar descabelada e de calcinha sem ter ninguém fazendo meu café para atrapalhar isso, se bem que seria muito bom ter alguém para fazer meus cafés. 
Caminhei até a cozinha e liguei a cafeteira, tinha que controlar esse vício, mas algum dia que não fosse hoje, coloquei ele em uma xícara imensa, voltei para o quarto vestida apenas com uma camiseta grande e me sento entre as confusões de roupas que tirei da mala. 
Estava tudo escuro, o barulho da garoa ecoava pelo quarto e já estava no quinto gole de café quando olhei para o lado e pude avistar a carta de Granny e como ela estava amassada de tanto esperar por mim, foi quando pensei, minha vida estava tomando um rumo bom ao lado de Regina, não tinha o porque de ter tanto medo daquilo, a saudade dela doía sim mas eu tinha que aprender a superar. Então apanhei a mesma nas mãos e coloquei o café no pequeno armário, rasguei a embalagem e passei a ler.

Bom, quem hoje em dia ainda faz cartas não é mesmo, pequena menina? Ainda bem que estou fazendo um belo rapaz escrever para mim, então não sou bem eu. 
Mas, se eu nem consigo escrever uma carta já tem como notar o quanto estava mal não é mesmo?  Se você esta lendo e chegou em suas mãos, então quer dizer que não estou mais aí com você. Digo, hipoteticamente, pois sempre estarei aí com você e cuidando de você. 
Tem muitas coisas que você não sabia sobre mim Emma, coisas com quais você deveria saber e eu sinto muito estar te falando isso só agora que é tarde, mas acredite em mim, foi melhor assim. 
Veja, eu nunca fui a melhor mãe do mundo, errei com minha filha uma, duas, três vezes. Eu nunca estive do lado dela para dizer como era bonita ou até mesmo para não deixar que ela se relacionasse com alguém tão sem noção quanto o namorado dela. 
Mas no fundo, eu tinha orgulho da minha filha, pois ela era independente e por mais que eles fossem jovens e ainda sem noção eles se amavam muito e deram para mim o maior presente da minha vida, minha neta! Que chegou em meus braços com 10 meses de vida, tendo 70 centímetros e pesando 8,500, quando ela decidiu partir em uma viagem rápida e isso lhe custou a sua vida. Sim, eu fiz péssimas escolhas com minha filha e me arrependo muito, mas com minha neta eu estava disposta a fazer diferente. Eu não podia cuidar dela como filha, não cuidei nem da minha e muito menos tinha condições financeiras para isso. Então, assim que ela esteve no seu primeiro orfanato, eu estava lá, fiz de tudo para manter ela em segurança, eu cuidava dela e até ensinei ela falar (sim, isso inclui o vovó) além de que eu me certifiquei que ninguém a adota-se, afinal, eu não podia vê-la partir. Até que minha Menina fez dezoito anos e como sua mãe ela era completamente capacitada e independente. Concluiu os estudos, arranjou um apartamento e um emprego importante, era uma adulta formada, mas para mim não era o suficiente, ainda queria ela perto de mim então foi aí que me esforcei para arranjar um emprego aonde ela morava e consegui.
Estava perto da minha pequena menina, cuidei dela, juntei os pedaços de seu coração quando alguma garota idiota o quebrava e impliquei com ela. Sim, impliquei. Queria que ela soubesse que era ainda melhor do que achava que era, mais forte também e que eu estaria ao lado dela se precisasse desabar. Até que descobri meu tumor, mas escondi isso até o fim. Não queria que fosse uma trégua para deixar minha Pequena menina sozinha, então lutei contra ele, mas como é notório, eu perdi. Mas isso não é o fim! Eu sei que ela está completamente apaixonada por alguém, eu conheço ela, posso sentir também que esse alguém é capaz de amá-la. 
Então, eu gostaria que acima de qualquer coisa, ela fosse sincera com esse alguém e contasse. Para que cuide dela com todo o amor que ela merece e como eu já não posso fazer mais. Acho que contei tudo oque tinha para contar e se tem algo que não está aqui, é porque não é importante.

Eu amo você minha neta, espero que possa me perdoar pelos segredos, sei que errei com sua mãe mas tentei fazer o certo com você e por favor, aprenda a se amar acima de qualquer coisa pois merecemos isso. "

Estava quase para me afogar em minhas próprias lágrimas quando recebi essa pedra em minha cabeça de uma só vez, mas não estava brava.

–Eu te amo velha implicante e sim, eu te perdôo vó.– sussurrei e abracei forte a carta com um sorriso nos lábios de quem já podia enfim, superar.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...