História My New Hope - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Chandler Riggs, The Walking Dead
Tags Chandler Riggs, Romance, The Walking Dead
Exibições 133
Palavras 1.665
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Científica, Luta, Romance e Novela, Sci-Fi, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Terror e Horror, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


AAAAAEEEEOOOOOO VOLTEI
To pensando em mandar três capítulos por semana, o que voces acham???
Esse capítulo ta calminho mas eu gostei dele entãaaaoo....
BOA LEITURA!!!!

Capítulo 3 - Igreja


Depois de voltarmos para o acampamento, todos começamos a caminhar. Rick estava a procura de algum meio de transporte então ficávamos sempre na parte da floresta mais perto da rodovia. O sol havia dado uma leve folga e ainda me sentia um pouco sem jeito de ficar com tantas pessoas, apesar de parecerem legais. As únicas pessoas com quem havia falado eram Glenn, Maggie, Rick, Daryl - se é que aquilo podia ser considerado conversa - e Carl.

Ainda assim era ótimo ouvi-los conversar, Abraham fazia piadas obscenas o tempo todo, e isso me divertia. Era reconfortante os sorrisos que via, isso mostrava que mesmo estando nessa época eles ainda tinham algo parar achar graça.

Carl não parava de me encarar, e isso me incomodava de um jeito bom. Não sabia se era por ser uma pessoa nova ou por ser a única garota da idade dele. Ele só podia estar louco de cogitar a ideia de que um dia numa realidade distante iríamos ter alguma coisa. Ele não fazia a mínima ideia de quem eu era, e eu não queria conhecê-lo melhor.

Glenn de um em um minuto virava para trás, só pra ter certeza de que eu estava ali. Eu não o culpava, também ficaria o dia inteiro o encarando se pudesse, ele é o único que me lembra a minha família, o único que me lembra minha casa. Ouvimos um grito:

        ⁃       SOCORRO, SOCORRO, ALGUÉM ME AJUDA!

Todos paramos em nosso lugar, e vejo Carl se virar para seu pai:

        ⁃       Pai, vamos lá. Vamos lá. - Rick não se move. - Anda logo.

Rick assente e todos corremos até a voz. Que perda de tempo. Um homem careca estava em cima de uma pedra enquanto zumbis agarravam seus pés. Acabamos com os bichos rápido.

        ⁃       Acabou, fiquem de olho. - disse Rick. - Pode descer.

O homem desce e parecia estar mal, não me diga que ele vai vomitar.

        ⁃       Você está bem?

Ele levanta um dedo e vomita, viro meu rosto.

        ⁃       Desculpa, é... estou... obrigado. Sou Gabriel. - falou o homem.

        ⁃       Tem alguma arma?

        ⁃       Pareço alguém que teria uma arma?

        ⁃       Não estamos nem aí para o que você parece. - diz Abraham.

        ⁃       Apesar de parecer mais inofensivo que o bebê. - revido sem pensar e vejo Carl esboçar um sorriso.

        ⁃       Não tenho armas, de nenhum tipo. A palavra de Deus é a proteção que preciso. - responde ele me fazendo dar uma risadinha.

        ⁃       Não era o que pareceu. - diz Daryl tirando as palavras da minha boca.

        ⁃       Pois é, mas eu pedi ajuda e a ajuda veio. - deu uma pausa. - Vocês tem comida? Ou o que for. De onde venho acabou tudo.

        ⁃       Quer umas nozes? - ofereceu Carl.

        ⁃       Obrigado. - Gabriel agradece pegando algumas. Seu olhar se vai até Judith. - É uma linda criança. - como ninguém se move ele prossegue. - Vocês tem acampamento?

        ⁃       Não, você tem?

        ⁃       Eu tenho uma igreja.

        ⁃       Ah levanta as mãos pra cima. - diz Rick sem paciência e começa a revista-lo. - Quantos zumbis já matou?

        ⁃       Nenhum na verdade. - diz ele. Só pode ser brincadeira.

        ⁃       Vira aí. - ordena Rick e ele se vira. - E quantas pessoas já matou?
 
        ⁃       Nenhuma.

        ⁃       Por que?

        ⁃       Porque Deus é contra a violência.

        ⁃       O que você fez? Todos nós fizemos alguma coisa.

        ⁃       Eu sou um pecador. Eu peco quase todos os dias mas os meus pecados eu confesso a deus, não a estranhos.

Todos ficamos em silêncio.

        ⁃       Disse que tem uma igreja? - pergunta Michonne e o padre assente. - Nos leve até lá.

O padre nos guia até a igreja, sem parar de falar um minuto. Não sei se podia confiar nele. Depois de alguns minutos andando vemos uma igreja, devíamos estar no interior pois aquela era bem pequena. Gabriel tira uma chave do bolso e quando estava prestes a abrir a porta Rick o impede.

        ⁃       Podemos dar uma olhada? Não é bom darmos sopa pro azar.

Gabriel lhe entrega a chave e Rick abre a porta. Algumas pessoas entram na igreja e quando ia sair de meu lugar para entrar Glenn me lança um olhar que dizia "parada". Ele entra e me deixa lá fora, esperando que nem uma idiota. Mas depois de alguns minutos e eles finalmente saem.

        ⁃       Eu passei algum tempo sem entrar pela porta da frente, se encontrassem alguém lá eu ficaria surpreso.

        ⁃       Obrigada por isso. - diz Carl a Gabriel.

        ⁃       Achamos um microônibus nos fundos, não liga. Mas acho que posso concertar em um ou dois dias. O padre falou que não precisa dele. Parece que achamos um transporte. Entende o que está em risco aqui não? - Abraham diz.

        ⁃       É, eu entendo. - responde Rick.

        ⁃       Agora que podemos respirar? - diz Michonne.

        ⁃       Se respirar relaxamos e sempre acontece alguma merda.

Olho pra Glenn que sussurra "não se meta". Obviamente foi o que eu não fiz:

        ⁃       Precisamos de suprimentos, sem suprimentos não vai existir o depois.

Todos me olham.

        ⁃       É isso mesmo. Água, comida, munição. - Rick diz entrando na igreja.

        ⁃       O microônibus não vai a lugar nenhum. - diz Daryl entrando também. - Vou trazer uns feijões em lata.
 
Acompanho meu irmão que para ao lado de Abraham.

        ⁃       De um jeito ou de outro vamos fazer o que Rick disser, não vamos nos dividir de novo.

Entramos na igreja e jogo minha mochila no banco, era bom estar sob um teto novamente. Mesmo que seja o teto de uma igreja. Todos deixavam as mochilas em algum canto enquanto Rick analisava uma enorme quantidade de latinhas de comida organizadas em uma linha reta embaixo da mesa. Rick se vira para Gabriel com uma cara curiosa.

        ⁃       Onde achou tanta comida? - pergunta Rick.

        ⁃       Todo ano tinha a coleta de alimentos, e isso aconteceu bem depois dela. Eu peguei tudo, menos a do depósito aqui perto. Está tomado.

        ⁃       Quantos?

        ⁃       Meia dúzia, talvez um pouco mais. - responde.

        ⁃       Podemos cuidar disso. - diz ele.

        ⁃       Vamos ficar. - troveja Abraham. - Concertar o ônibus.

        ⁃       tudo bem. - concorda Rick e se vira para o resto do grupo. - Eu, Michonne, Daryl e Sasha vamos para lá.

        ⁃       Vou procurar armas, pode ter algumas na cidade. - disse Glenn.

        ⁃       Leve a Maggie, a Tara e a Nina com você.

Dou um sorrisinho e vejo meu irmão concordar.

        ⁃       O resto do grupo fica aqui. - diz Rick e se vira para o padre. - E Gabriel vem comigo.

        ⁃       Eu prefiro ficar aqui, não me dou bem com os bichos.

        ⁃       Você vem com a gente e pronto.

[...]

        ⁃       Falta muito? - pergunto pela décima vez.

        ⁃       Dá pra parar de perguntar isso? - revida Daryl.

        ⁃       Olha aqui, eu perguntei pro meu irmão não pra um caipira fedorento.

Ouço Rick dar uma risada.

        ⁃       Nina, para de incomodar o Daryl ou vou deixar ele te acertar uma flecha. - grita meu irmão que estava alguns passos na frente.

Daryl faz uma expressão vitoriosa e eu bufo. Continuamos a caminhar até que começamos a ver as primeiras casas.

        ⁃       O depósito é por ali. - diz Gabriel apontando pra esquerda.

Rick, Sasha, Daryl e Michonne seguem Gabriel e seguimos para o outro lado. Glenn e Maggie caminhavam um ao lado do outro e eu ainda me perguntava como eles se conheceram. Glenn era tudo menos um paquerador.

        ⁃       Como se conheceram? - pergunto.
 
Glenn se vira com um sorriso e volta a olhar pra frente.

        ⁃       Ela apareceu num cavalo, no meio da floresta e salvou a Andrea de um zumbi.

        ⁃       Foi amor à primeira vista? - brinco.

        ⁃       Pra falar a verdade, eu acho que foi. Pelo menos da minha parte.

        ⁃       E da sua parte? - pergunto a Maggie.

        ⁃       Acho que depois dele entrar no poço.

        ⁃       Glenn entrou num poço? - digo totalmente desacreditada. Ele odiava lugares escuros, apertados e principalmente altos.

        ⁃       Com um zumbi dentro. - diz Maggie.

Minha boca se formou em um "O" perfeito e Glenn esboçou um sorriso.

        ⁃       Por que não me contou isso?

        ⁃       Nunca chegou a oportunidade. - diz ele.

        ⁃       Não sabia que tinha um herói na família.

        ⁃       Já eu sempre soube que tinha um problema na família.

Maggie dá um riso e de começo não entendo até Tara rir também. Ia dizer o quão ridículo aquilo foi quando Glenn me interrompe.

        ⁃       Chegamos.

Assenti e segui meu irmão pela rua. Não foi difícil achar um lugar para começar a vasculhar. Era uma loja que supus ser de conveniência, já que a placa não era legível mais. Coloco meu rosto contra o vidro vendo um espaço totalmente destruído e por isso não ia caber todos nós, talvez só um.

        ⁃       Não podemos entrar todos.

        ⁃       Eu vou. - diz Glenn, mas antes que pudesse interver ele prossegue. - Sou mais rápido.

Assentimos.

Ele passou pelo pequeno espaço disponível na porta enquanto todas nós observávamos. Um silêncio total se instalou e me mantive com o rosto no vidro tentando ver algo, mas estava difícil com tanta coisa na frente. Ouço um barulho e me volto a porta, vendo Glenn sair com uma expressão de quem viu um fantasma.

        ⁃       Era um zumbi?

        ⁃       Hm? É...era um zumbi.

        ⁃       Sério? - pergunto desconfiada.

Ele me olha como se fosse me matar e depois suspira.

        ⁃       Eram só umas caixas e um esfregão. - assume envergonhado.

Explodi em uma gargalhada acompanhada por Tara e Maggie.

        ⁃       Háháhá. - ironiza Glenn. - Pelo menos achei dois silenciadores em um freezer.

        ⁃       Regra número um de se vasculhar: não sobrou nada nesse mundo que não esteja escondido. - digo, lembrando do que meu pai um dia chegou a falar.

        ⁃       Vamos. - diz Tara. - Ainda temos a rua toda para olhar.


Notas Finais


ESPERO QUE TENHAM GOSTADOOO <3
ADOREI QUE VOCES COMENTARAM NO CAPITULO ANTERIOR, FIQUEI FOI LOCA ENTÃO DEIXE SEU COMENTARIO SZ
NINA NÃO VAI COM A CARA DO DARYL (QUE NEM EU), AINDA BEM PQ DOIS ANTIPÁTICOS JUNTOS N DA CERTO
DOMINGO SAI OUTRO SZ
BJSSS <33


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...