História My obsession - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Exibições 41
Palavras 1.546
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Festa, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 3 - Capítulo 3


Fanfic / Fanfiction My obsession - Capítulo 3 - Capítulo 3

*Juliana

Acorda garota. Ouvi uma voz irritante bem distante...

-vamos preguiçosa levanta. Minha tia sacudiu-me, me fazendo despertar.

Fechei os olhos fortemente quando a luz do meu quarto entrou em contato com meus olhos me incomodando.

-Porra tia esta muito cedo ainda. Falei passando as costas das minhas mãos nos meus olhos.

-Olha como fala comigo pirralha; já são oito e meia! Assim ira se atrasar para escola. Levantei-me voando, não porque amo a escola, mas sim porque não posso mais chegar atrasada! E também por que estou louca para ver os meus amigos, as pessoas que eu mais amo na minha vidinha de merda.

Sair correndo direto pro banheiro, deixando minha tia sozinha no quarto. Despi-me apressada, fiz um coque no meu cabelo e entrei no chuveiro a água estava morna, relaxando meu corpo causando uma sensação maravilhosa; sai do chuveiro depois de cinco minutos; não podia me atrasar pro colégio, as minhas notas não era umas das melhores, não podia me dar o desfrute de leva advertência.

 Peguei uma toalha no gancho pra me secar, logo depois me enrolando  e saindo do banheiro. Quase morri do coração quando abro a porta do banheiro e dou de cara com a minha tia de braços cruzados.

-Ai tia... Que susto. Coloquei a mão no peito. O que você está fazendo aqui ainda?

-Juliana agente precisa conversar.

-Sobre o quer? Perguntei.

-Bom, vou logo ao ponto, você terá que arrumar um emprego. Ela fez uma pausa e continuou. Depois que você chegou aqui às dispersas aumentou muito, então eu irei começar a cobrar aluguel.

-O QUE? E serio isso ou e uma pegadinha de mau gosto? Você vai-me cobra aluguel?  e isso mesmo tia?

-Sim e serio. Você achava que iria morar aqui de graça a vida toda. Falou com desdém.

-Mas tia eu só tenho 17 anos, não sou formada quem a senhora acha que ira me contratar? Perguntei irônica e angustiada ao mesmo tempo.

- Não sei Juliana, isso e problema seu... A única coisa que eu sei e que você tem que trazer dinheiro para essa casa também!

-Mas. Tentei protestar.

-Estamos entendidas dona Juliana?

-Esta bem! Irei procurar alguma coisa. Agora a senhora pode, por favor, sair do meu quarto. Falei irritada.

-Você quer dizer meu quarto né?! Por que pelo o que eu sei essa casa e minha; e você só mora de favor aqui. Falou com deboche

-Tia Ana eu não quero briga, por favor, da licença. Tentei ao máximo ser educada, estava me segurando para não da umas voadoras na cara da aquela égua. Ela não falou mais nada apenas saiu batendo a porta.

Sentei na cama me sentindo péssima, eu era uma pobre infeliz mal-amada, não tinha mais uma casa, nem um quarto pra chamá-lo de meu, e o pior não tinha mais as pessoas que eu mais amava na vida  minha mãe e meu pai, senti uma lagrima cair sobre minhas bochechas. Levantei-me e olhei meu reflexo no espelho, eu não podia me desanimar. Sequei meus olhos, não ira mais chorar, não me ia dar o papel de vitima na minha própria história.

Vesti meu shortinho curto e minha blusa mostrando a barriga, calcei meu tênis e retoque meu batom e pronto eu estava pronta para causa novamente.

Andei até a poltrona do meu quarto, peguei a minha mochila e sair batendo a porta; ouvir a minha tia gritar: "Quebra que você compra outra".

Sair bufando, passei direto pela sala indo para porta da frente não ia tomar café nessa casa, ela poderia muito bem ter colocado  veneno pra me morrer e ela se ver livre de me. Abrir a porta e sair, indo pro ponto de ônibus.

Cheguei ao colégio 20 minutos atrasada, vendo o corredor totalmente vazio, sair correndo para minha sala 2°A. Bati na porta e ouvi um entre.

-Atrasada de novo senhorita Juliana. Jaime meu professor de matemática falou. Ele é um homem velho, barbudo, feio e gordo uma mistura perfeita não acha? Ah perfeita para filme de terror.

-Desculpa professor o ônibus atrasou.

-Sempre a mesma desculpa, isso não tem graça dona Juliana.

-Deve ser porque e verdade. Mas pode deixar, na próxima vez vou falar que Sócrates me sequestrou me levando pro além  e depois me deixou no corredor da escola. Ai o senhor terá um desculpa mais divertida. Falei irritada fazendo todos da sala rir.

-Já para sua cadeira mal-educada.  Falou o barrigudo estressado. Revirei os olhos e fui para minha cadeira que ficava atrás de Harry e do lado da Demi.

-O que foi isso? Perguntou Demi do meu lado.

-Não estou no meu melhor dia. Dei de ombros

-porque você esta assim toda estressada?

-No intervalo eu te falo. Falei encarando o quadro a minha frente. -Cadê a anãzinha? Referi-me a Ariana.

-Não veio! Ela está com febre. Mais tarde irei passar lá, você vem comigo?

-Vou sim.

-Demetria e Juliana chegam de conversa aí atrás. Ordenou o barrigudo.

(...)

No intervalo

-Anda fala logo o que aconteceu?

Demi me puxou; pegando o refri que eu estava tomando e jogando no luxo.

-Ei, porque fez isso? Eu não tomei café em casa hoje para o seu governo. Fiz cara de irritada.

- Coca cola não e saudável. Deu de ombro. -Agora fala logo o porquê de você está toda estressada?

-Minha tia quer que eu trabalhe.

-O QUE? Você não tem idade para isso.

-Vai tentar convencer ela com isso. Debochei. Aquela vaca esta mais insuportável do que nunca; vive jogando na minha cara que eu moro de favor e agora inventou que eu tenho que pagar aluguel.

- Que Absurdo; eu queria poder fazer algo por você.

-Você já faz muito sendo minha amiga!

-Ah te Amo sua vadia. Falou mim abraçando de lado. Mais eu queria fazer algo pra  te ajudar.

-Bom então me ajuda a achar algum jornal com anúncio de empregos.

-esta bem; vamos à biblioteca, lá deve ter o jornal de hoje. Puxou-me em direção da biblioteca.

-Vadias Gostosas. Harry chegou correndo abraçando eu e Demi ao mesmo tempo.

-Harry viado cadê meu beijo? Falei fazendo beicinho, logo ele mim deu um selinho.

E nos somos amigo mais não tem nada de mal um selinho de vez em quando né?

-E ai, qual a boa? Ele perguntou.

-Eu vou arruma um emprego.  Falei, Harry começou a gargalhar.

-Você pirralha preguiçosa desse jeito.

-Ei, eu não sou Preguiçosa! Eu sou eée tentei achar uma desculpa. – E, sou preguiçosa mesmo. Concordei. Fazendo Harry e Demi gargalhar.

-Param de rir não sou palhaça. Fiz cara de brava

-tudo bem, Harry disse tentando parar de rir. -E serio mesmo você vai procurar emprego?Perguntou já recuperado da crise de risos:

-Sim. Agora mesmo estamos indo para biblioteca ver algum anúncio no jornal. Vem também?

-Não obrigado; biblioteca me dá alergia. Ri.

- ta bem, tchau, vamos Demi. Falei a puxando pela mão.

(...)

-Que tal esse de ajudante de dentista? Demi falou enquanto olharmos o jornal

-Definitivamente não.

- E esse de cozinheira?

-Demi, não sei nem fritar um ovo.

-Aff, assim fica de difícil ju.

-Para de falar e volta a procurar ai, daqui a pouco o sinal toca.

-E secretaria?  O que acha perguntou.

-Hum parece bom, cadê?

-Aqui ô, tem duas vagas; uma na empresa Apple e essa outra de assistente de secretária. Falou.

-Beleza, eu irei passa lá hoje. Falei rasgando o jornal tirando a parte do anúncio e guardando no bolso

-Ei, mal-educada alguém podia querer ler isso ai sabia?

-Pra quê, se o emprego já e meu. Sorrir convencida.

*Justin

-aiw justin.

-Gemi mais baixo vadia, estamos na empresa. Falei dando uma tapa estralada na bunda da Katharine minha secretaria.

-Vai mais rápido bebê, ahhh que delícia. Tirei meu pênis e enfiei com tudo nela. Fazendo a vadia morder o seu próprio lábio com forca por conta da dor.

-Ai Drew você esta me machucando. Bufei, odeio vadias reclamando na hora da foda.

-Cala a boca vadia. Falei saindo dentro dela e metendo de novo com forca e precisão.

-awwwiii gemeu.

-Cadela tem que ser tratada na base da surra; surra de pau. Sorrir da minha própria fala. Sair daquele buraco já arrombado entrando de novo rápido e forte.

-Ai, eu vou gozar jubs, Awwwi a cadela gozou no meu pau.

-Ajoelhar-se. Vou gozar nessa sua boca de puta. Falei autoritário. A vadia obedeceu.

-Humm, gemi gozando na boca da cadela. -Engole tudo. Falei levantando seu queixo, a vadia engoliu e ainda passou a língua nos lábios. - Se veste e vai para sua mesa! Falei vestindo minha calca. Katharine já vestida veio me dar um beijo na minha boca mais eu a impedi com as mãos:

-O que você pensa que ta fazendo?

-Te dá um beijo ué?

-Não beijo vadia.

-Justin eu...

-Eu nada, saia da minha sala agora.

*Juliana

Sai da empresa Apple de cabeça baixa eu nem tinha conseguido fazer a entrevista, pois a vaga já tinha sido preenchida. Enfiei a minha mão no bolso do meu short, tirando de lá o pedaço de papel que continha o outro anuncio, olhei o próximo endereço.

-Empresa Bieber. Eca que nome mais gay. Sorri e fui pro ponto de ônibus, essa empresa era localizada do outro lado da cidade.

Deseje-me sorte.


Notas Finais


Paro ou contínuo?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...