História My perfect maid - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Itachi Uchiha, Sasuke Uchiha
Tags Itachi, Itasasu, Lemon, Sasuke, Yaoi
Exibições 788
Palavras 4.425
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Cross-dresser, Homossexualidade, Incesto, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 1 - Capítulo Único


— Itachi...

Mesmo a voz manhosa não foi o suficiente para convencer Itachi a parar o que fazia. Naquele dia, seus pais não estavam na mansão, e tinha conseguido dar uma folga, um tanto quanto suspeita, para a maioria dos funcionários. Além disso, as ordens eram claras: ninguém deveria, em hipótese alguma, incomodar nem ele nem Sasuke. Sem telefonemas, sem visitas, nada!

— Nii-san...

Ergueu o rosto, lentamente, ciente do que veria. Sasuke se contorcia, com o rosto corado e a respiração acelerada. Nada seria mais belo que aquilo. Suspirou, esfregando os lábios contra o membro endurecido escondido pela calcinha fina e agora um pouco transparente por conta da saliva. Lambeu novamente a extensão do membro, as mãos de Sasuke apertaram as cortinas rubras que o mantinham preso, e o gemido baixo que ele soltou lembrou a Itachi um gato manhoso.

Riu baixo e se afastou um pouco para que o vestido voltasse a cobrir até metade das coxas do irmão. Deslizou os dedos pelos saltos pretos, da ponta arredondada até à base do calcanhar. Prendeu a respiração e mordeu os lábios ao apertar as panturrilhas sob a meia calça branca. Sasuke se remexeu, inquieto como sempre, tentando se equilibrar nos quinze centímetros do salto agulha que usava. Beijou a renda ao redor dos joelhos e sentiu a barra do vestido tocar-lhe a testa.

Manteve os olhos nos do irmão enquanto acariciava-lhe as coxas. Apertou-as com certa força, sem conseguir conter o desejo que lhe fazia o membro pulsar.

Por Deus, há quanto tempo não ficava a sós com Sasuke? Há quanto tempo não podia submeter o irmão mais novo a suas fantasias e brincadeiras? Há quanto tempo não o tinha daquele modo tão indefeso e a seu total alcance? Há quatro meses, vinte e dois dias, dez horas e não sabia dizer com precisão os minutos.

Levou as mãos às nádegas do caçula e as apertou com força enquanto se erguia devagar. Arrastou o rosto pelo abdômen, tórax e, então, pelo pescoço de Sasuke. A respiração dele fazia barulho em seus ouvidos, e o subir e descer do peito o atiçava ainda mais. Beijou a pele exposta vagarosamente. Distribuiu beijos, molhados, do ombro à base do ouvido e chupou-lhe o lóbulo.

— Itachi...

Ah, agora ele não o xingava como havia feito durante horas enquanto tentava convencê-lo de usar a fantasia...

Ouviu o barulho do salto quando Sasuke deu um passo para trás e não resistiu a colar o corpo ao do irmão. Tocou a cintura e então dedilhou dali até os braços erguidos. Segurou as mãos amarradas de Sasuke e gemeu baixo de antecipação.

Riu ao afastar-se completamente, distanciando-se cerca de cinco passos do irmão mais novo para admirá-lo. Sasuke estava amarrado quase que em “X” se não fosse pelas pernas livres. O vestido branco e preto que tinha encomendado era sob medida e colava-se ao corpo de Sasuke da forma que nenhum uniforme de empregada deveria se colar. Na cabeça, havia um enfeite de renda branco, apenas para contrastar com o cabelo negro dele. Os lábios avermelhados tremiam enquanto as pernas se fechavam o máximo que podiam agora que já não estava mais ajoelhado entre elas. O vibrador que havia colocado no irmão antes de a brincadeira começar era fino, mas o suficiente para desestabilizar Sasuke devido ao tempo em que já estava em seu interior. Mas a melhor parte eram as lágrimas. Ah, sim... As lágrimas que se acumulavam nos olhos negros perdidos em meio ao prazer.

Que ironia... Riu. Sasuke havia lutado tanto para não usar a fantasia e agora estava li, mordendo a própria língua para não implorar para Itachi fodê-lo enquanto a usava.

— Está tudo bem, otouto? — perguntou em tom divertido enquanto retirava o suéter escuro que vestia, restando apenas uma camiseta comum.

Sasuke o encarou irritado, orgulhoso. O vermelho nas bochechas entregava sua vergonha por estar tão exposto e naquela fantasia, mas o a ereção que mantinha sob o vestido depunha contra ele próprio.

— Já chega, Itachi... — pediu, sôfrego, quando, ao se mexer, o vibrador se deslocou e tremeu perto de sua próstata. — Nii-san...

Itachi fingiu pensar enquanto caminhava até uma parte do quarto para pegar seu celular. Manteve Sasuke no foco e fez questão de registrar no mínimo cinco fotos daquela cena antes de procurar por uma música e colocá-la no volume máximo perto da porta.

— Assim, mesmo que passem no corredor, não irão nos ouvir hoje. Quer dizer — Sorriu de canto. —, não irão ouvir os seus berros, otouto.

Sasuke bufou e virou o rosto na direção contrário do irmão. Prendeu a respiração quando o vibrador tocou sua próstata e o fez se contorcer. Inclinado para frente como podia, choramingou e fez de tudo para não gemer como Itachi queria. As pernas estavam bambas, e o salto só dificultava a missão de permanecer em pé. Tudo bem que o irmão o queria de salto alto, mas tinha que ser um tão alto?

Itachi voltou a se aproximar e segurou o queixo de Sasuke entre o polegar e o indicador. Teve que fazer um pouco de força para lhe erguer o rosto e sorriu malicioso enquanto assistia a uma lágrima descer pela face delicada. Sasuke o olhou, com raiva, mas, mesmo assim, beijou a lágrima na altura da bochecha e lambeu o trajeto. Sentiu o irmão tremer e suspirar, e isso só lhe dava a certeza de que podia prosseguir com a brincadeira.

— Sabe, otouto, você ficou lindo assim — sussurrou rouco e enfiou a mão sob a saia do vestido para apertar-lhe a ereção. — Mas está quieto demais... Sabe como eu amo quando geme como uma puta, não sabe, Sasu? Quando implora pelo meu pau, quando se esfrega nele como uma cadela no cio... Ah, eu realmente amo isso...

Sasuke corou violentamente e tentou afastar-se quando o tom rouco, baixo e perigoso lhe atingiu os ouvidos. Itachi o olhava de cima, com superioridade e um sorriso cafajeste. Apesar da hesitação que nascia quando o irmão usava aquele tom consigo, era impossível negar a excitação que crescia junto. O corpo todo havia se arrepiado, e Sasuke se encolheu automaticamente, submisso. A mão de Itachi em seu queixo o obrigou novamente a encará-lo e, nesse momento, gemeu mais alto do que gostaria quando a mão por debaixo de seu vestido abaixou a calcinha que vestia e libertou sua ereção.

— Isso mesmo, gatinho, geme... Ou então vou te fazer começar a gritar.

Os olhos negros não deixavam Sasuke duvidar daquelas palavras, porém, ainda assim, era orgulhoso e, se Itachi amava atiçá-lo, ele dava tudo para provocar o irmão um pouco mais.

— Gritar? Não consegue nem me fazer gemer, aniki, quem dirá gritar. Que foi? Perdeu a prática?

Itachi desfez o sorriso e lambeu os lábios enquanto a face tornava-se rígida. Soltou Sasuke e ergueu a saia do vestido dele em um movimento bruto.

— Acho que sua boca deve ser a única parte do seu corpo que pensa assim, otouto — debochou. — Mas vamos testar sua testar sua teoria. Todo mundo tem o direito à dúvida, não?

Sasuke arregalou os olhos quando Itachi tirou o cinto da própria calça. Pensou em protestar, avisar o irmão que estavam indo longe demais, contudo se deteve assim que viu o cinto envolver seu quadril como forma de manter a saia do vestido presa e, assim, à mostra seu membro, coxas e bunda.

Itachi arqueou a sobrancelha, divertido com o medo do outro. Apertou o membro de Sasuke e o manuseou de leve enquanto se ajoelhava. Fez questão de manter a calcinha no meio das coxas dele a fim de evitar que Sasuke abrisse demais as pernas e se desequilibrasse. Mordeu de leve a região da pélvis e, então, lambeu a área em volta da ereção.

Sasuke não conseguiu não olhar. Precisava assistir àquilo. Os beijos molhados que Itachi distribuía naquela área tão sensível o faziam quase verbalizar sua ansiedade. Quase... Mas não fez. Manteve-se firme, e o sorriso pervertido de Itachi antes de abocanhá-lo o fez se desequilibrar no maldito salto.

Gemeu. Não havia como manter a voz presa à medida que a sucção em seu membro se tornava mais forte. A pressão era pequena no começa e aumentava conforme a boca se aproximava da base. Quente... O calor que envolvia sua ereção subia pelo abdômen, abraçava o coração idiota e se acumulava em seu rosto. O suor começou a descer pela têmpora, e os braços doíam toda vez que tinha que se segurar com mais força porque as pernas cediam.

— Aniki... — chamou, baixo.

Itachi soltou-lhe o membro com um estalo e lambeu os testículos com cuidado. Colocou cada um na boca só para ver Sasuke jogar a cabeça para trás e gemer mais alto. Conseguia sentir as pernas tremendo, e o barulho do salto contra o piso ficava mais frequente com Sasuke procurando uma posição melhor. Em um pequeno ato de bondade, passou os braços atrás das coxas do irmão e, em um impulso, ergueu o corpo dele. Apoiou cada perna em seus ombros e piscou para Sasuke antes de lamber o pré-gozo que saía pela glande.

Sasuke puxou os braços na tentativa de se soltar. Queria tanto afundar as mãos no cabelo de Itachi, soltá-lo daquele elástico horrível, poder ditar o ritmo com que a língua percorria seu membro! Queria tanto... Para piorar, sentado daquele modo, o vibrador parecia se intensificar. Seu corpo todo aparentava vibrar na mesma frequência, pronto para o ápice, enquanto os lábios de Itachi se fechavam em volta da glande e a língua a acariciava.

As lágrimas passaram a descer pelo rosto, e os gemidos saíam bem mais altos e frequentes. Se segurasse as cortinas, conseguia movimentar o quadril contra a boca do irmão e fazer isso foi como dar a vitória a Itachi! O aperto em suas coxas aumentou tanto que chegou a doer, os olhos negros não desviavam dos seus e isso o constrangia ao mesmo tempo em que rendia por completo sua mente.

O corpo converteu-se em espasmos. Não sabia o que fazia ou o motivo, só tinha noção de que precisava de mais, muito mais, muito, muito mais.

— Itachi! Onegai, nii-san...

Embora não devesse, Itachi atendeu ao pedido e acelerou a sucção. Comprimiu as bochechas ao máximo e chegou a sentir a glande tocar-lhe a úvula. Impulsionou-se para frente a fim de encostar o corpo do irmão na parede, e, assim, conter-lhe os movimentos afoitos.

Sasuke arregalou os olhos. De alguma forma, com aquele movimento, o vibrador acertou novamente sua próstata e o fez soluçar antes de gritar ao atingir o ápice. Cada parte de si explodiu em deleite, a mente se desligou por completo e deixou-o perdido em um nirvana temporário enquanto o sêmen enchia a boca do irmão mais velho. Com os olhos fechados, não viu Itachi engolir a prova de seu prazer, mas sentiu a língua dele percorrer sua pélvis a fim de não perder sequer uma gota.

Itachi gemeu ao chupar uma última vez o membro que agora amolecia. Sorriu consigo mesmo e se levantou. Sasuke estava aéreo e tentava recuperar o fôlego. Enquanto isso, soltou os nós que prendiam os braços dele às cortinas e teve que ser rápido para segurá-lo. Pegou-o no colo e o carregou até a cama. Viu os olhos se abrirem e se aproveitou para se inclinar e beijar com carinho os lábios doces.

Posicionou Sasuke no centro da cama e ajoelhou-se ao lado dele. Girou um pouco o irmão para que deitasse de lado e, então, revirou com cuidado o vibrador dele assim como o cinto que prendia o vestido. Voltou a calcinha ao devido lugar e passou as mãos demoradamente pelas nádegas de Sasuke.

Sasuke se esfregou contra os lençóis e se virou na direção do irmão. Os olhos negros brilhavam de desejo enquanto percorriam o corpo de Itachi e reparavam na ereção tão bem demarcada pela calça escura. Apoiou-se nas mãos e ergueu-se para engatinhar até o outro. Cada movimento era observado com atenção e, por isso, lambeu os lábios devagar demais para sanidade do irmão.

Para os outros, Itachi estaria indiferente ao que fazia. Mas não para ele. Conhecia ver os pequenos detalhes que entregavam o real estado do irmão. As mãos ao lado do corpo não estavam cerradas, mas apertavam o lençol com certa força para evitar que ele o puxasse de vez para seu colo, a expressão estava séria, porém os olhos negros tão fixos em si revelavam o interesse e o desejo dele.

Assim, colocou uma mão em cada coxa de Itachi e sorriu malicioso ao se ajoelhar na cama. A distância era mínima, e fez questão de diminuí-la ainda mais quando se sentou no colo de Itachi e passou os braços em volta do pescoço dele.

Manha... Itachi simplesmente adorava quando o irmão mais novo arrastava o rosto contra seu pescoço e rebolava em seu colo daquele modo extremamente manhoso.

— O que foi, gatinho? Quer algo? — perguntou e forçou o quadril de Sasuke contra sua ereção.

Como resposta, Sasuke sorriu ao mover-se para frente e para trás, arrastando todo o quadril pelo membro do outro, sentindo cada parte do irmão.

— Me beije... — sussurrou enquanto soltava o cabelo de Itachi.

Itachi arranhou as coxas de Sasuke conforme os beijos e as mordidas dele subiam por seu pescoço. Mas, quando aquela boca avermelhada parou sobre a sua, afastou-se.

— Nii-san! — Sasuke protestou.

— Cale a boca — respondeu ríspido ao puxar-lhe o cabelo da nuca. — Não sei se sabe, otouto, mas não é comum beijar putas. Vai saber onde elas colocam essa boca, não é? — perguntou enquanto arrastava o polegar entre os lábios dele.

Sasuke se encolheu novamente com o tom usado e sentiu o membro passar a endurecer novamente. O modo como Itachi segurava seu cabelo fazia seu coro cabeludo arder, e tentou se afastar de propósito só para obriga-lo a usar mais força.

Itachi riu baixo ao sentir a ereção de Sasuke contra a sua.

— Ainda por cima é uma puta masoquista.... O que eu faço com você, otouto? Vamos, cai fora, ajoelhe-se no centro da cama.

Sasuke optou por obedecer e fez como ordenado. Olhou com certa raiva para o salto e chegou a tocá-los com o intuito de tirá-los, mas a camisa de Itachi arremessada com força contra seu rosto deixou claro a negação.

Itachi retirou os sapatos e as meias e desceu o zíper da calça antes de voltar para a cama. Sentou-se encostado na cabeceira, com as pernas esticada e levemente abertas. Chamou Sasuke com dois dedos e não perdeu o sorriso safado que o irmão lhe deu.

— Ajoelhe-se do meu lado — mandou.

Sasuke arqueou a sobrancelha enquanto parava ajoelhado do lado esquerdo de Itachi. Entendeu o que o irmão queria e gemeu de antecipação quando os dedos dele contornaram a ereção ainda sob a cueca.

— Venha. Eu sei que você gosta, então dê alguma utilidade a essa boca, sim?

Só faltou assentir com a cabeça... Sasuke lambeu os lábios e se inclinou com certa pressa. Afastou um pouco o tecido da calça de Itachi e gemeu ao ver a cueca molhada bem na região onde estava a glande. Chupou, sem se importar com o tecido e suspirando desejoso. Deixou os dentes rasparem de leve ao longo da extensão e abaixou a cueca assim que a mão de Itachi pousou sobre sua cabeça. Libertou o membro ereto e, diferente de Itachi que gostava de tortura-lo, não perdeu tempo.

Itachi gemeu alto quando assistiu sua ereção toda sumir na boca de Sasuke. Mordeu os lábios, apertando os fios negros do cabelo sedoso com a mão esquerda enquanto a direita percorria as costas de Sasuke.

— Empina, gatinho.

Sasuke lambeu a glande como se saboreasse um doce conforme abaixava o tronco e empinava o quadril. Sentiu o vestido ser levantado e não demorou para que o irmão envolvesse seu membro e passasse a masturbá-lo. Fechou os olhos com força. Tentava não gemer e se concentrar, porém Itachi não mostrava um pingo de piedade e acelerava os movimentos com a mão.

Itachi sorriu depravado. Forçou a cabeça de Sasuke contra seu membro e assumiu o controle do oral. As mãos dele apertaram sua coxa em busca de apoio, mas, mesmo assim, não parou. Forçava Sasuke a ir cada vez mais fundo enquanto se deliciava com a visão dele se contorcendo, tentando livrar seu corpo das carícias e não engasgar.

As pernas estavam mais abertas, o quadril começava a se abaixar e a mover-se contra a mão de Itachi e Sasuke gemia com a ereção dele entrando e saindo por seus lábios sem cuidado algum. Sem muita força, tentava erguer o quadril, já prevendo que Itachi o castigaria se não o fizesse. O enfeite em seu cabelo estava caído sobre o colo do irmão, e já não sentia a calcinha, que agora estava sobre os lençóis, rasgada. Mas, além de tudo isso, havia um agravante, os gemidos de Itachi.

O som saía rouco e lhe perfurava, entrava sem permissão em seu corpo e o fazia sentir mais prazer do que deveria. Um arrepio subia pelas suas costas, seus pelos se eriçavam, seu membro pulsava na mão alheia. Mesmo com a ereção de Itachi em sua boca, gemia em resposta. Amava chupar o irmão justamente por aquilo, só a voz de Itachi embargada de prazer o excitava.

Chupou com mais força, com fome, com gula. O gosto salgado em sua língua o fez fechar os olhos, deliciado, mas foi somente quando o gozo atingiu sua garganta em jatos fortes que gemeu e, pela segunda vez, atingiu o clímax.

Itachi ainda mantinha a cabeça de Sasuke contra sua pélvis. Vê-lo engolir o que podia e continuar a chupá-lo até que não houvesse mais nada era simplesmente a prova de que iriam para o inferno de tão bom que era. Sorriu prepotente ao perceber a outra mão melada. Soltou Sasuke. O irmão apoiou a cabeça em sua coxa e tentava controlar a própria respiração. O corpo jazia largado na cama, e o vestido levantado oferecia uma ótima visão da bunda dele.

— Limpa — mandou ao oferecer a mão melada a Sasuke.

Exausto, Sasuke abriu os olhos com a mesma lentidão que a boca. Chupou-lhe cada dedo e segurou o braço de Itachi para auxiliá-lo quando a língua foi à palma. Quando terminou, Itachi já o olhava com o mesmo desejo de antes, e sorriu com o que aquilo significava.

— De pé.

— Itachi, não po-

— De pé, agora.

Sasuke estreitou os olhos e se sentou na cama. Não iria ficar de pé naquela merda de salto depois de gozar duas vezes. Itachi estava pensando o quê? Se não conseguia se equilibrar naquele “sapato” antes, imagine agora!

— Sasuke... — Itachi o segurou pela nuca. — Não me desobedeça, otouto...

— Os saltos!

— Eu sei. — Itachi o olhou irônico.

Sasuke o encarou, incrédulo. Bufou, esticando as mãos para tirar os sapatos e enfiá-los na garganta de Itachi. Contudo, Itachi foi mais rápido. Puxou Sasuke pelo uniforme de empregada e não se importou de ouvir a costura rasgando. Arrastou o irmão para fora da cama sem cuidado e o jogou contra a parede mais próxima. Seu corpo contra o dele o impediu de cair quando as pernas vacilaram, e sua boca a beijá-lo com fervor impossibilitou a sequência de xingamentos e palavrões que Sasuke se preparava para disparar.

Sasuke arfou. As pernas de Itachi entre as suas lhe davam apoio e o coração enfim comemorava por poder sentir o gosto da boca dele. Perdeu a vontade de reagir. Os braços se erguera automaticamente para abraçar o corpo maior enquanto a boca se abria para que as línguas se encontrassem.

Não importava os fetiches, as fantasias, os jogos, o beijo de Itachi sempre deixava escapar o que ele realmente sentia. E era por isso que Sasuke amava beijá-lo, não havia um outro momento em que se sentisse tão amado e desejado... Mesmo sendo urgente, mesmo sendo um pouco bruto pelas provocações anteriores, o beijo de Itachi o envolvia por completo e seduzia para sempre seu coração.

Os lábios arderam, podia senti-los quentes, mas não parou mesmo assim. Deixava-se conduzir e suspirava apaixonado toda vez que as bocas se afastavam em busca de fôlego. As mãos de Itachi tentavam abaixar as alças do vestido, e não o impediu. Continuou deslizando sua língua contra a dele, chupando-lhe os lábios sempre que podia. Arranhou os ombros de Itachi, feliz quando ele conseguiu descer seu vestido até a cintura. O calor da pele dele contra a sua o fez sorrir, excitado. Apertou-lhe as costas, beijou-lhe os ombros e choramingou quando Itachi apertou seus mamilos. As unhas curtas arranhavam sua pele, e um gemido satisfeito preencheu o quarto quando a língua rodeou os botões rosados.

— Nii-san, onegai, onegai, onegai...

— Onegai o que, Sasuke? — Itachi sussurrou rouco contra o ouvido dele. — Hum? Quer que eu te foda? É isso? É claro que quer. Já tá duro de novo, não está, Sasuke? Posso sentir.

— Aniki... — choramingou ao virar o rosto corado.

— Vergonha, Sasu? — debochou e ergueu a saia do vestido. — Que tal ser uma boa puta e se virar, otouto? Prometo te foder direitinho se fizer isso.

Sasuke mordeu o lábio inferior e gemeu quando a boca de Itachi cobriu a sua em um beijo rápido e estalado. Virou-se de costas e apoiou as duas mãos na parede. Itachi o segurava pela cintura, e Sasuke sentiu-se observado.

O salto alto empinava ainda mais o quadril de Sasuke. Itachi havia escolhido aquilo propositalmente. Tocou-se, acariciando o próprio membro com a visão que tinha do irmão mais novo. Corado, de costas, apoiado na parede, o vestido rasgado na parte de cima e descido até a cintura enquanto a saia estava erguida, a meia calça um pouco desfiada, os saltos ressaltando os glúteos... Puta que pariu, Sasuke era o próprio inferno!

Abaixou a calça e a cueca e as chutou para um canto qualquer. Colou o corpo ao do irmão e ofereceu dois dedos à boca dele. Sabia que Sasuke preferia que usasse lubrificante, mas o pote estava no quarto dele e não sairia dali para busca-lo.

Sasuke umedeceu bem os dígitos e prendeu a respiração quando os dois invadiram seu interior de uma única vez.

Arranhou a parede, mas rebolou, querendo aprofundar o contato, com pressa. Itachi abraçou sua cintura com o braço livre e beijou-lhe a nuca. O terceiro dedo doeu, e a respiração acelerada de Itachi em suas costas lhe indicava que o controle do irmão já estava se esvaindo. Abriu um pouco as pernas, quase caindo no processo, e empinou-se um pouco mais. Os dedos se abriam em si, entrava e saíam tornando cada vez mais difícil conter os gemidos.

— Sasuke...

— Não sei o que... tá esperando...

— Abusado. — Retirou os dedos de dentro de Sasuke e apertou-le as nádegas com força.

Abriu as bandas e as arranhou, esfregando a ereção no vão. Sasuke gemeu e fechou os olhos. Itachi segurou-lhe firmemente pela cintura com uma mão e posicionou o membro com a outra. Entrou, sem pressa, em Sasuke, desejoso por sentir cada parte dele ser recebida pelo canal estreito que se contraía na tentativa de expulsá-lo.

— Itachi! Ah, caralho...

Soltou o ar dos pulmões quando se enterrou por inteiro e juntou sua mão a dele na parede.

— Não me enrola, aniiki...

— Nem em sonho eu faria uma coisa dessas...

Lentos e fundos, os movimentos começaram, uma estocada seguida da outra. O suor recobria as peles, e Itachi não conseguia parar de beijar os ombros e as costas do irmão. Precisava de mais, muito mais. Contudo, ainda tinha que aguardar o desconforto de Sasuke passar. Enquanto isso, arremetia-se de maneira tortuosa, o desejo queimando-lhe as veias e enlouquecendo seu coração.

Sasuke rebolou, impaciente. Itachi entendeu, ele sempre entendia. Era só Sasuke começar a sorrir de canto, revirar os olhos, gemer mais arrastado, que Itachi compreendia que já podia se soltar.

A sensação de estar sendo partido ao meio diminuía à medida que os movimentos se intensificaram. Sasuke apoiou-se melhor na parede, tomando certa distância. Assim, colocou os dois braços nela e se inclinou ainda mais. A sanidade de Itachi era algo frágil naquelas horas, e sabia que se posicionar-se daquela forma iria ser como se tirasse a coleira de um cachorro perigoso. Nunca se acostumaria ou se enjoaria da sensação de tê-lo entrando e saindo de seu corpo, com os gemidos roucos ou com os toques luxuriosos.

— Nii-san, eu...

Itachi o puxou pelo cabelo, erguendo-o por completo. Forçou o caçula a virar o rosto e beijou-lhe afobado enquanto saía de dentro dele e o virara.

— Segure-se — mandou.

Ergueu Sasuke em seu colo e, mal as pernas se cruzaram em torno de sua cintura, voltou a enterrar no corpo menor. As bocas colaram-se, os corpos se chocaram, o prazer se intensificou exponencialmente.

Sasuke arranhou os braços de Itachi e a visão escureceu momentos antes do prazer convergir à pélvis. Itachi o beijou naquele momento, sentindo o interior do irmão se apertar e o sêmen sujar o abdômen de ambos. Respirou fundo, sem parar de se mover, gemendo contra os lábios do irmão enquanto o corpo se arrepiava por inteiro.

— Aniki...

Aí já era golpe baixo... Itachi gemeu alto enquanto jogava a cabeça para trás e o ápice o arrebatava. O coração não desacelerou mesmo quando o prazer todo deixou seu corpo. Pelo contrário, Sasuke sorrindo satisfeito antes de rir quando os dois deslizaram até o chão só fez ele bater ainda mais rápido.

Com cuidado, saiu do corpo dele e franziu o cenho, preocupado, ao vê-lo remexer-se desconfortável.

— Está tudo bem?

Sasuke arqueou a sobrancelha e se arrastou até o outro. Sem deixar Itachi reclamar, aninhou-se no colo dele e suspirou feliz.

— Quer ajudar para ir até à banheira? — Itachi beijou-lhe o rosto, carinhoso.

— Quero que tire essa merda do meu pé — resmungou.

Itachi sorriu e tirou os saltos dos pés de Sasuke.

Sasuke perdeu alguns segundos observando o irmão mais velho. Agora que já não estavam jogando, Itachi voltava a ser o que era 99% do tempo. Carinhoso e extremamente cuidadoso.  

— Nunca mais uso isso.

— Não finja que não gostou, Sasu.

— Sexo com você é sempre uma delícia, aniki, mas, a próxima vez que me quiser em cima de um salto, vou enfiá-lo no seu cu.

Itachi revirou os olhos, mas não respondeu. Em vez disso, sorriu sereno e bateu dois dedos na testa do irmão caçula.

Sasuke arregalou os olhos levemente e corou, massageando a região para disfarçar o constrangimento.

E, horas depois, bem... Itachi se lembrou de que os empregados ainda não estavam na mansão, de que seus pais ainda não tinham voltado e de que o Sasuke que lhe sorria sentado na mesa da cozinha era tão pervertido quanto ele...

 


Notas Finais


Ah, como eu queria escrever uma ItaSasu PWP!! Que saudade que eu tava disso ♥
Espero que tenham gostado :)

Reviews?

Fica o link da minha page: https://www.facebook.com/mypieceofdream/
e do meu livro Doce veneno: http://editoradelphi.com/index.php?route=product/product&product_id=50


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...