História My Possessive Criminal - Third Season - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Justin Bieber
Visualizações 230
Palavras 2.370
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Hentai, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


boa leitura.

Capítulo 21 - Two more.


                             Cassidy Bieber POV’s

 

  Quando ouvi o grito da Brooke, empurrei o corpo de Justin para o outro lado recebendo suas reclamações. Vesti minhas roupas as pressas, pois se fosse algo com o bebê e Justin chegasse primeiro, as coisas iam ficar difíceis.

 

       Assim que cheguei ao quarto, Brooke estava no chão, sentada e com a mão na barriga. Ela reclamava de dor há alguns dias, mas se eu a levasse ao médico, Justin ficaria sabendo, conseqüentemente ele iria querer saber de estarmos visitando um obstetra ou algo assim. Brooke também não ajudava, fazia de tudo que eu disse para não fazer, às vezes eu ate achava que ela estava querendo causar um aborto, mesmo com ela negando quando eu a questionava.

 

         – O que você fez desta vez, garota? – resmunguei me aproximando. Ouvi passos e quando olhei para porta, Justin acabava de entrar.

 

          – Eu não sei, minha visão escureceu e eu senti uma pontada – choramingou apertando o braço a sua volta.

 

           – Vem vou te levar ao médico – Justin disse ao se aproximar.

 

           – Não – Brooke disse sem esconder seu pânico – Eu... Eu to bem, pai, só foi uma tontura e eu nem jantei, deve ter sido isso – se levantou rapidamente do chão e quase iria cair novamente se eu não a segurasse – Eu consigo sozinha – me afastou dela tentando se equilibrar.

 

             – Ah é mesmo? Você nem consegue dar dois passos sem meter a cara no chão – Justin debochou e a segurou pelo braço – Cassidy, pega um casaco e os sapatos dela, estou te esperando no carro – pegou Brooke no colo e ela me olhou de olhos arregalados – Não se esqueça de trocar de roupa.

 

             – Hm... Justin, não é melhor deixar com que ela descanse e vermos isso amanhã e...

 

              – Parece que vocês duas tem algo com o hospital – arqueou uma sobrancelha – Ou é com o que eu vou descobrir lá? – fitou nós duas de modo sugestivo e logo saiu do quarto carregando a Brooke.

 

                              Justin Bieber POV’s

 

               Eu podia sentir o nervosismo das duas daqui. Brooke foi rapidamente atendida e, eu e Cassidy, ficamos na sala de espera e ela parecia inquieta demais. Eu estava me segurando para não gritar com ela para que ela me contasse logo que Brooke estava grávida antes que eu ficasse sabendo por um médico qualquer.

 

              Eu tinha que descobrir quem era o filho da puta que se meteu com a minha filha. Ele iria aprender a prestar bem mais atenção onde ele enfia o pau dele. E se ele não quiser assumir, a coisa vai ficar feia pro lado dele.

 

             O celular da Cassidy começou a tocar e quando ela atendeu, era Jacob perguntando o que tinha acontecido. Pouco tempo depois a recepção estava lotada, os caras estavam aqui junto com as amigas da Cassidy, toda a família reunida para presenciar eu estrangulando a Brooke. Ryan e eu já havíamos trocado informações sobre o garoto. Ryan também me alertou que Jane também tinha contato com ele, pois ele era amigo dela e de Brooke quando elas freqüentavam o mesmo colégio. Então, Ryan chamou Jane para ir comprar algumas coisas com ele na lanchonete do hospital, assim ele tentaria arrancar algo dela.

 

             – Justin – tirei minha atenção do celular para olhar para Cassidy – Você não acha que eles estão demorando a nos dar noticias? – perguntou e se sentou ao meu lado.

 

             – Devem estar esperando ela ficar estável – dei de ombros recebendo um olhar ressentido dela que logo desviou fitando o chão de modo fixo.

 

              – E se aconteceu algo com o bebê? – murmurou mais para si mesma, então ela percebeu que pensou alto e arregalou os olhos ficando tensa.

 

              – Que bebê? – perguntei fingindo desconfiança.

 

             – A Brooke ainda é meu bebê – cruzou os braços me olhando de esguelha. Respirei fundo cansado daquele joguinho de tentar me enganar.

 

             – Acho que você se esqueceu com quem é casada, não é mesmo? Eu sinto cheiro de mentira a quilômetros – me aproximei de seu rosto – Acha que não sei o que está acontecendo? Pois eu sei. Só quero ouvir saindo da sua boca pra que eu possa jogar na sua cara que a culpa é sua por deixar sua filha soltinha demais só por ela ter vinte e um anos – meu tom frio fez os olhos dela lacrimejarem e se afastar rapidamente e colocar a mão na boca.

 

            – Você mudou de perfume? – fez uma careta e eu trinquei os dentes ficando irritado.

 

             – Não mude de assunto, porra – virei seu rosto para mim.

 

             – Não estou brincando, eu vou vomitar. Me solta – franzi o cenho quando vi seu rosto ficando pálido e ela levantar e correr para o banheiro próximo ao sofá onde estávamos sentados.

 

             – O que houve com ela? – Sophie perguntou me olhando confusa.

 

              – Eu não sei, ela ta toda estranha – bufei.

 

              – Espero que não tenha a feito chorar – seu tom de ameaça me fez rir.

 

              – Ou o que? – a enfrentei e ela deu um passo em minha direção sendo segurada pelo Chaz.

 

              – Não se meta Sophie – ele a repreendeu.

 

              – Não se meta o caralho, eu já cansei desse...

 

              – Justin, a Cassidy desmaiou no banheiro – Bonnie gritou fazendo todo mundo olhar e eu levantei correndo daquele sofá.

 

                                     Brooke Bieber POV’s

 

           Tudo que me lembro é que, assim que cheguei ao hospital, fui dopada para não sentir mais dores. Abri meus olhos depois de constatar o silêncio que reinava no quarto, também sabia que eu não estava sozinha e rezei internamente que não fosse meu pai ou que ele já soubesse da notícia que iria ser avô novamente. Ele iria me matar, assim como tentou matar Jac.

 

           Levei um susto ao ver que quem estava comigo era o tio Ryan e a cara dele a me ver acordada, não foi das melhores. Ele estava sério e não disse uma palavra se quer. Com certeza ele sabia sobre eu estar grávida, conseqüentemente eu soube que meu pai também estava ciente.

 

          – Hm... Oi – murmurei me sentindo estranhamente envergonhada.

 

              – Oi – respondeu seco.

 

              – Cadê o Justin e a Cassidy? – perguntei.

 

              – Seu pai e sua mãe – frisou – Estão em outro quarto. Sua mãe teve um ataque emocional ou sei lá o que, e quase teve um aborto espontâneo – contou com sarcasmo e eu arregalei os olhos.

 

               – Um o que? – quase gritei.

 

               – Não se finja, Brooke. Aposto que era mais um segredinho de vocês – rolou os olhos – Só se prepare, seu pai só foi lá dar uma olhada nela, mas ele está é louco pra falar com você. Ele está amando saber que a filha dele deu pra um marginalzinho qualquer e ainda arrumou um filho – seu deboche fez meu sangue ferver, mas nem pude retrucar, pois meu pai abriu a porta e me olhou com um semblante sem emoção alguma.

 

              Pude sentir o clima pesar e meu coração parar de bater por um segundo e depois ficar tão acelerado que eu duvidava se o hospital inteiro não estivesse o ouvindo bater. Respirei fundo tentando me acalmar, afinal eu já era maior de idade e tinha minha própria vida, quem decidia as coisas era eu, certo? Errado. A quem eu queria enganar? Meu pai era Justin Bieber, um maníaco por controle. Eu estava muito fodida, isso com certeza.

 

             – Bom, eu vou indo. Tenho que resolver aquela parada ainda hoje – tio Ryan se levantou da poltrona e fez um toque com meu pai que murmurou algo para ele que assentiu, logo saindo do quarto.

 

               Justin caminhou até a pequena mesa onde tinha uma jarra de água e copos. Reparei nas flores, presentes e um grande balão roxo escrito “Parabéns mamãe de primeira viagem!”, me fazendo engolir em seco. Droga, eu não podia chorar agora. Hormônios de merda.

 

            – Três meses, uh? – levei um leve susto quando sua voz soou de repente – Iria esconder de mim até quando? – perguntou e deu um gole em sua água sem tirar os olhos de mim.

 

            – Eu ia contar, mas você é todo estourado, não queria que me odiasse – encolhi os ombros. Justin assentiu lentamente e colocou o copo na mesa novamente.

 

              – O que eu mais odeio no mundo, são mentiras. Eu sou o rei delas, às vezes eu minto para o bem e proteção de vocês, mas ninguém, exatamente ninguém me faz de otário, Brooke – seu tom de voz aumentou – Além de esconder, você estava tentando matar a criança e a si mesma? O médico disse que você não tem todos os nutrientes para agüentar uma gravidez, estava usando cinta para apertar a barriga e ainda por cima tem vestígios de álcool no seu organismo – agora ele estava gritando e ainda deu um murro na mesa. Desviei o olhar me sentindo culpada.

 

             – Eu estava nervosa, comecei a agir sem pensar – justifiquei sentindo que não conseguiria segurar as lagrimas – Eu não tinha coragem de pedir ajuda pra você nem pro pai do bebê, então eu pedi para Jane, ela acabou contando pra Cassidy e fiquei cada vez mais nervosa. Não pensei nos riscos, estava ocupada demais em não deixar ninguém perceber – comecei a chorar, mas meu pai não se abalou, ele estava em modo de raiva para reparar nisso.

             

              – Isso não é desculpa – balançou a cabeça e me olhou por um momento soltando um suspiro – Mas então o pai dessa criança existe? Onde ele está agora? – cruzou os braços.

 

               – É lógico que existe, não sou uma vagabunda qualquer. E não haja como se já não soubesse a ficha inteira dele – respondi me lembrando do que o tio Ryan disse – E bom... Ele também não sabe sobre o bebê. A gente saiu algumas vezes e fazem exatos três meses que não nos vemos, ele nem deve se lembrar de mim – mordi o lábio inferior com medo de agora sim ele me jogar pela janela.

 

                – Você está me testando Deus? – perguntou olhando para o teto como se estivesse falando realmente com Deus – Eu não criei a porra dos meus filhos assim, eu devo estar pagando meus pecados nesse momento, não é? Eu vou me matar – balançou a cabeça negativamente, respirou fundo e se sentou em uma cadeira – Você sabia que sua mãe está grávida de um mês? – me olhou com os olhos semicerrados.

 

              – Não. Eu juro – levantei as mãos me rendendo – Tio Ryan disse que ela passou mal, ela está bem?

 

              – Sim, está dormindo. Ela teve um colapso de emoções. Ela se manteve sob pressão emocional e desmaiou por estar em processo de aborto, mas os médicos reverteram a situação e ela está em observação – fez careta – É muita criança – bufou.

 

              – Como se sente em saber que será pai e avô, de uma vez só, novamente? – brinquei recebendo um olhar mortal.

 

                – Ainda estou irritado. Não brinque sobre isso. – resmungou me fazendo rir.

 

                    Talvez contar pra ele não teria sido tão ruim.

 

                                          Dois dias depois...

 

                Eu estava nervosa. Mamãe e eu havíamos recebido alta esta manhã, mas meu pai não quis esperar e já foi logo comunicando que Sam estava vindo para que eles conversassem. Eu presenciei meus tios contando ao meu pai que Sam era um dos clientes deles. Fingi estar chocada, como se não soubesse daquilo. Oh, mas eu sabia. Aliás, conheci Sam justamente em uma das boates do meu pai, mas ele não precisava saber disso. Já bastava ele estar todo revoltado com a minha mãe e não estar conversando com ela depois de uma discussão feia que nós tivemos que apartar antes que ele metesse a mão na cara dela por dizer verdades. Um verdadeiro covarde em relação a ela.

 

             Já não tinha mais unhas para roer e quase mordi meu próprio dedo quando vi o carro de Sam passar pelas árvores a rampa de entrada. Eu sabia que meu pai e meus tios – os quais não deveriam estar aqui – estavam armados, então uma palavra errada e meu filho ficaria sem pai. Fiquei o meu quarto por precaução. Eu estava envergonhada, porque em que família isso acontece? Isso mais parecia um daqueles filmes do poderoso chefão, já podia visualizar meu pai colocando a arma em cima da mesa enquanto iniciava o questionário, sem contar Ryan, Chaz e Chris em volta do escritório com suas expressões de assassinos. Como se uma Glock e algumas palavras fossem intimidar Sam.

 

            Lembro de quando Jane e eu andávamos com esses caras, e eu dizia pra ela que isso era o carma da família. A gente ria a beça, mas agora eu só imagino um bando de garotos metidos a gangster fazendo o que meu pai fazia com o meu avô George. Agonizante. Seria o universo se virando contra ele?


 

           – Brooke – levei um susto com a voz de Jacob gritando no meu quarto – Estou te chamando faz tempo – bufou – Papai ta te chamando lá na sala – sorriu maldoso. Rolei os olhos.

 

            – Não faça essa cara, seu filho da puta. Isso não é engraçado – ralhei vestindo meus sapatos e levantando da cama – Aliás, por que essa pressão toda? Quando você engravidou uma garota alheia, ninguém fez um escarcéu desse e olha que você era uma criança – cruzei os braços.

 

            – Bonnie não era uma marginal ou uma vadia – deu de ombros – E eu não escondi de ninguém – provocou – Fiz Jane contar pro papai onde você conheceu esse Sammy, porque você foi irresponsável e levou sua irmã mais nova pro mundo que ela deveria ficar longe, nada mais justo que você pagar por isso – trinquei os dentes, louca pra fazer esse desgraçado engolir os dentes.

 

             – Saia da minha frente, projeto do capeta – ameacei jogar um dos meus saltos nele que saiu do quarto rindo.

 

             Quando consegui controlar minha raiva, sai do meu quarto e fui em direção a sala de estar no andar de baixo. Mas parei nos degraus quando ouvi a voz de Sammy dizer:

 

              – Como ela tem certeza que esse filho é meu? – então senti meu corpo queimar de ódio.

 

              – Lave bem a sua boca pra falar de mim – me pronunciei assim que cheguei à sala – Você não sabe com quem está falando.

 

                – E só mais uma idiotice e eu não terei problemas em eu mesmo desovar seu corpo em um buraco qualquer – meu pai se pronunciou ficando de pé. Vi Sam dar uma leve recuada para trás – Você, com certeza, não deve ter associado o sobrenome da Brooke, não é mesmo? – debochou e Sammy me lançou um olhar confuso. Ah! Ele realmente não sabia onde havia se metido. Prazer, Samuel. Sou Brooke Bieber.


Notas Finais


Bom, é isso pessoal. Espero que vocês estejam gostando dos bônus, de poder ver um pouco mais dessa família doida.

Espero que gostem desse cap♡ não deixem de deixar seu comentário me dizendo sobre o que estão achando. Até o próximo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...