História My Proud Boyfriend - Capítulo 12


Escrita por: ~ e ~Girl_of_jimin

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook, V
Tags Bangtan Boys, Boyfriend, Bts, Proud, Taekook, Vkook
Exibições 299
Palavras 2.215
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oooooooi minha gente!!
Então, fui pontual, não fui? Que orgulho ^^
Esse cap tem 2.000+ palavras, mas não se acostumem, foi necessário, não queria enrolar mais pro pai do Kook aparecer
Ah, recomendo que leiam escutando Paper Hearts, o cover do Kook.
Boa leitura! :3

Capítulo 12 - Paper Hearts


Fanfic / Fanfiction My Proud Boyfriend - Capítulo 12 - Paper Hearts

-FOLGADO!

 

*Jungkook ponto de vista*

 

Estou de frente para o espelho dando nó na minha gravata verde. Estou pronto, agora a caminho da casa de Jimin, que vai ir comigo ao pub, junto com Yoongi.

Fazia um tempo que eu não cantava lá, estava ocupado de mais com a empresa Jeon’s.

 

*Taehyung ponto de vista*

 

Estou no meu quarto, atirado na cama, olhando pro teto...

 

AH!

QUE TÉDIO!

 

Passei o dia todo conversando com Jin, claro, depois das viadagem com o Kook. Alias, ele está sendo mais carinhos comigo, mas de qualquer jeito não vou ficar muito alegre, vocês sabem né... ele é meio bipolar.

Opa! Celular tocando, vou correndo atender.

É o Seok.

 

-Alô?

 

-Oi Tae, o que tá fazendo?

 

-Admirando o teto, por que?

 

-Que bom, queria saber se quer ir comigo no pub perto da praça. Fique sabendo que vai ter uma atração especial hoje.

 

-Hum...okay, vamos.

 

-Beleza, passo ai em vinte minutos.

 

-Tá, tchau.- Desligo a chamada.

 

Confesso que eu não ia aceitar, mesmo estando no tédio, também estou com preguiça de sair. Mas não vou passar o dia todo nessa casa.

Tomo uma ducha modo flash, visto uma camisa social branca, uma gravata listrada um tanto solta no pescoço, dando um ar rebelde, uma jeans azul e um tênis branco.

Em 15 minutos já estou pronto, desço as escadas e vejo sra.Yuna mexendo em uma estante na sala.

 

-Nossa Tae, está bonito! Desculpa a curiosidade, mas aonde vai?- Ela diz sorrindo e sorrio também.

 

-Eu vou num pub com meu amigo.

 

-Se divirta, mas, tente voltar antes das dez horas, pode ser? Jung-hee volta essa noite de viagem e queria que o conhecesse.

 

-Desculpa, mas quem é Jung-Hee?

 

-Meu marido, pai do Kook.

 

-Ah, tudo bem então. –Digo, por fim saindo da casa.

 

Vejo Hoseok escorado no carro mexendo no celular, abro o portão e vou até ele. Ele esta vestindo uma causa jeans azul, uma blusa branca com alguns detalhes e uma jaqueta verde com as mangas pretas de couro. Que garoto lindo! Não sei como ainda não namora.

 

-Vamos?

 

-Vamos.

 

Entramos no carro e não demora muito para chegarmos lá.

Adentramos o local, que por sinal cheira muito bem por conta dos vários incensos de uma fragrância que eu não sei o nome, tem um clima muito bom. Não tem muita iluminação no local, um balcão no canto com alguns bancos ocupados e do outro lado um atendente servindo algumas bebidas um tanto forte, mas ninguém aparamente estava bêbado. Varias mesas e cadeiras no centro do local, com pessoas conversando, namorando e até mesmo algumas sozinhas. Posters nas paredes com algumas bandas antigas de rock e artistas americanos. E por ultimo um pequeno palco que estava vazio.

Eu e Hoseok fomos até o bar pegar algumas bebidas e nos sentamos numa mesa perto do palco, iniciado uma conversa aleatória.

 

 

*Jungkook ponto de vista*

 

Chego na casa de Jimin, que está no portão junto ao esverdeado, que dormiu na casa dele ontem. Yoongi entra no banco do carona e Jimin atrás.

 

-Todo mundo quer te ver, fazia tempo que você não se apresentava.- Yoongi diz.

 

-É bom saber disso, um incentivo, mesmo que eu esteja ciente de que canto bem.- Sorrio ladino.

 

-Cala boca, zé ruela.

 

Chegamos lá e os garotos sentaram-se em uma mesa reservada um pouco distante do palco, e eu me dirigi ao palco.

 

*Taehyung ponto de vista*

 

As cortinas vermelhas se abrem no palco, fazendo com que todos aplaudam, um homem de terno e com cabelos grisalhos faz referencia e fica dentro do circulo de luz que está no palco, que por sinal é a única luz que está acesa agora.

 

-Senhoras e senhores, boa noite a todos, bom, como tantos esperavam, mais uma vez, Jungkook, no palco da Chernobyl’s!- As pessoas aplaudem e algumas até assoviam e se levantam. Mas, Jungkook?

 

Ahn??

É ele!

Eu e Hoseok nos olhamos, com os olhos quase saltando pra fora.

Jungkook aparece sorridente e fazendo referencia, logo sentando-se em uma cadeira alta que estava dentro do circulo de luz, pegando no microfone que estava de frete para cadeira.

 

-Boa noite, bom, hoje tem musica nova, eu compus semanas atrás, porém, estava sem tempo de cantar para vocês. Ela se chama Paper Hearts.

 

Jungkook pega o violão e posiciona-o nas pernas. Ele fecha os olhos e começa a cantar.

 

Remember the way you made me feel

Such young love but

Something in me knew that it was real

Frozen in my head

 

Porra, além de a letra ser bonita, eu não sabia que ele tinha essa voz toda, tão...relaxante.

 

Pictures I’m living through for now

Trying to remember all the good times

Our life was cutting through so loud

Memories are playing in my dull mind

I hate this part paper hearts

And I’ll hold a piece of yours

Don’t think I would just forget about it

Hoping that you won’t forget about it

 

Ele abre os olhos e os arregala quando me enxerga, mas sem sair do ritmo ou gaguejar. Sorrio pra ele e ele cora, desviando o olhar.

 

Everything is gray under these skies

Wet mascara

Hiding every cloud under a smile

When there’s cameras

And I just can’t reach out to tell you

That I always wonder what you’re up to

 

...

 

Ele acaba a música e se levanta, curvando-se. Eu e Hoseok fomos os primeiros a nos levantarmos e aplaudirmos, mas o resto da plateia não fica muito atrás. Jungkook agradece e retira-se do palco, percebo que ele caminha rápido até a saída, que claro, é para me evitar, esse puto!

 

-Ei, Kook!- Digo caminhando até ele que estava indo até o carro. Ele para e vira-se na minha direção.

 

-Oqu- Interrompo-o.

 

-Nossa, você canta muito bem, Kook! Passei o show todo chorando com esse música, não sabia que você escrevia canções. - Ele cora e fica um amorzinho desse jeito.

 

-É, faz algum tempo. Já é dez e cinco Tae, vamos para casa antes que minha omma ligue.

 

-Sim, mas antes, eu...- Deixo a frase morrer e me aproximo dele, colocando minhas mãos em sua cintura e começando um beijo calmo. Ele fica hesitante, mas logo retribui.

O ósculo prossegue calmo até eu pedir passagem com a língua que ele rapidamente cedeu.

Pela terceira vez posso explorar cada canto da boca dele, com nossas línguas se entrelaçando ferozmente, até que...

 

-Jungkook, mas já?- O garoto diz em um tom de voz alta, fazendo nos separar. Porra! Onde ele colocou a noção dele? Ficar separando casais se pegando...vê se pode!

Jungkook cora lindamente e esfrega a mão na testa, suspirando; um ato de impaciência.

 

-O que foi Yoongi?- Kook pergunta.

 

 

-Ia te perguntar se você ia ficar mais um pouco, mas né.

 

-Não, tenho que ir para casa, meu pai chega hoje, lembra?

 

-Ah, beleza. Vou ficar por aqui mais um pouco, com o Jiminnie.

 

-Tá, vê se não bebe muito, branquelo.

 

-Eu bebo mesmo.

 

Jungkook sorri e vai indo em direção ao carro, faço o mesmo.

 

-Por que não me convidou para vir com você aqui?- Pergunto. Ele sorri soprado e me olha.

 

-Ah Taehyung, nós não temos tanta intimidade assim.- ...Gargalho alto por um bom tempo, mas é pra não chorar mesmo. E ele ainda por cima me olha sem entender!

 

-Você deve tá zoando com minha cara, não é? Como que não temos intimidade, caralho? Depois daquele beijo seu na cozinha, depois de eu te chupar no banheiro, depois de você dormir comigo, depois do papo de namora da Seohyun e você ficar todo vermelho, depois da porra do beijo de três minutos atrás, você tem a cara de pau de dizer que não temos intimidade? Olha, realmente, é difícil de lidar com você. – Digo, ou, desabafo, praticamente já chorando. Ele me olha espantado e eu nego com a cabeça. Quando eu ia sair do carro ele me puxa, eu viro pra ele todo vermelho de chorar.

 

-Desculpa, eu...não pensei direito no que eu disse. Desculpa por te tratar tão mal, e desculpa por não ter te convidado.- Ele diz, abaixando a cabeça. Ergo-a com dedos, fazendo com que ele me olhe esperançoso.

 

-Tudo bem, Kook, tudo bem. Só não negue que me ama.- Sorrio e ele sorri junto.

 

-Idiota.

 

***

 

Entramos na casa; de mãos dadas porque eu me atrevo mesmo, dando de cara com sr.Yuna.

 

-Meninos, não acham que estão atrasados?- Ela diz irônica.

-Desculpe omma, o transito tá horrível hoje.- Jungkook mente e me sinto meio mal por engana-la.

 

-Tudo bem, venham, Jung-Hee já chegou.

 

*Jungkook ponto de vista*

 

Bom, chegou a hora de falar um pouco sobre o meu pai.

Vamos aos tópicos.

1- Meu pai é um grande canalha.

2- Ele é ninfomaníaco.

3- Ele começou a trair minha mãe depois que teve que começar a viajar a negócios.

4- Minha mãe é trouxa e mesmo sabendo disso continua com ele, o amando.

5- Minha mãe na verdade teve três filhos, eu, Kyuna e mais um, mas depois que ele ficou infeliz com ela, obrigou a jogar esse filho fora depois que ele nascesse, que seria o caçula hoje.

6- Depois que eu assumi ser gay na frente da família, ele não aceitou muito bem, até porque difamaria a nossa empresa, e por isso ele me abusa.

 

Bom, agora que vocês já sabem, podemos continuar a historia.

Eu e Tae nos sentamos a mesa, um do lado do outro, minha mãe de frente para o Tae e Kyuna de frente para mim, e meu pai na ponta da mesa.

 

-Oi filho! Quanto tempo, da um abraço no pai.- Como eu odeio esse cara.

 

Obrigatoriamente me levanto eu vou até ele e o abraço, disfarçadamente ele aperta o meu traseiro, fecho os olhos com força, segurando as lágrimas.

Volto ao meu lugar.

 

-Quem é você?- Ele pergunta, se referindo ao Tae.

 

-Ah, me desculpe, eu sou K- Minha mãe o interrompe.

 

-Ele é o Taehyung, ele veio morar aqui porque a mãe dele, minha amiga, e eu pedimos para que ele viesse, já que ela não tem muito tempo de vida.- Minha mãe diz, pronunciando a ultima parte em um tom de voz baixo.

Taehyung a olha sem entender.

 

-Yuna, por que não deixou que o garoto falasse? Enfim, então, novo membro da casa, você trabalha em que?- Meu pai pergunta, expondo todo seu interesse em saber a vida do Tae, mas Tae não parece se intimidar.

 

-Eu estava trabalhando nessa casa, mas senhora Yuna não deixou, já que ia morar aqui.

 

-Humm...e que futuro você acha que vai ter limpando a casa dos outros?- Meu pai diz, sorrindo de canto e dando a primeira garfada na comida.

 

-Na verdade, eu trabalhava aqui apenas porque senhora Yuna me ofereceu uma boa quantia, e eu precisava pagar os exames da minha mãe, mas não adiantou já que ela vai morrer daqui alguns dias.- Taehyung fala rude e sem filtros, fazendo meu pai o olhar torto, ainda bem que Seohyun não está na mesa, não merece ouvir isso.

 

-Lamento, garoto. Mas enfim, você faz algum curso ou algo assim?

 

-Eu faço faculdade de fotografia.- Meu pai ri soprado, negando com a cabeça.

 

-É, não é um futuro dos grandes.- Taehyung o olha com desprezo, e volta a comer.

 

Depois dessa passamos o jantar todo em silencio.

Taehyung e Kyuna foram os primeiros a comer, indo para a sala conversar.

 

***

 

Depois de comer fui correndo para o meu quarto, sabendo que depois que minha omma dormisse, meu pai ia vir no meu quarto, fazendo novamente meu inferno começar.

Vou para o banheiro, pegando a droga escondida dentro de uma gaveta escondida atrás de um quadro.

A Cetamina é um medicamento/droga que eu compro desde que meu pai começou com os estupros; o que já faz um tempo. Ela faz com que o usuário fique anestesiado, aliviado da dor e perca a memoria do que aconteceu depois que ele usou a droga, até o efeito acabar. Os efeitos analgésicos duram 25m, o que da tempo para o meu pai fazer o que quiser.

E por que eu não o denunciei? Bom, primeiro, ele tem muita influencia sobre a policia, já que é o dono da Jeon’s. Segundo, não iriam acreditar em mim, e se acreditassem meu pai poderia muito bem pagar para ninguém fazer nada, além disso, me bater ou até mesmo me matar. Terceiro, eu tenho medo, e odeio essa covardia em mim.

Injeto a droga e coloco a seringa fora. Depois de cinco minutos já não sinto meu corpo e me deito na cama antes de cair. Vejo a porta se abrir e meu pai entrando, logo trancando a mesma.

 

-Quanto tempo Jungkook, senti falta desse corpo, de te tocar.

 

E esse é o real motivo por eu me drogar.


Notas Finais


CABUM!
Desculpem-me!
Até o próximo cap, abraço \o/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...