História My Quarterback - Capítulo 3


Escrita por: ~

Visualizações 323
Palavras 2.237
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


VOLTEEEI!
Vocês não sabem o quanto me surpreenderam com o tanto de comentários do nada, li todos e respondi todos e ri com vários.

Obrigada mesmo e espero que gostem desse capítulo enooooorme!

Capítulo 3 - Não foi por querer...


— Tudo bem eu ser chamada no colégio por uma briga sua com Justin, mas sujar meu carro com tinta já é o limite Cassie. — minha querida progenitora reclamava enquanto eu arrumava os papéis, que peguei no banheiro, embaixo na minha bunda e perna.

— Eu vou ter que dizer quantas vezes que não é minha culpa?  Se Bieber não tivesse colocado aquele balde de tinta e ela não tivesse caído em cima de mim seu carro estaria limpinho. — explico tirando pedaços de papel grudado na minha mão e jogando janela a fora. 

Ela bufa e coloca a mão no queixo enquanto conduzia o carro com a outra mão. A Senhora Rocker não tinha dado uma suspensão mas fez eu e Bieber ajudar — por duas semanas — os professores, preferia a suspensão. Bufo e estico minha costas para não encostar no banco, eu com certeza demoraria uma hora ou mais para tirar aquela tinta, Bieber me paga.

— Daqui a pouco você vai explodir — minha mãe diz rindo fazendo eu revirar os olhos e cruzar os braços — Você e Justin sempre se deram bem quando criança, nem sei por que essa reviravolta agora, jurava que seriam namorados. — termina e eu me engasgo com sua confissão. 

Como assim namorar com o Bieber? Eu nem aguento olhar para aquela gazela por dois minutos sem revirar os olhos ou bater, imagina namorar. Tudo bem que já tivemos uma relação boa, mas aquele garoto se revoltou contra mim quando eu bati na cara dele depois de ter colocado chiclete no meu cabelo. Ele queria o que​? Eu tive que cortar meu cabelo para não ficar uma mecha maior que a outra, ele tava tão grande. 

Com o carro parado na garagem de casa eu abro a porta e faço questão de sair e chegar logo na porta sem ninguém me ver, algo que não deu certo quando eu escuto a voz de Jazmyn vindo do seu jardim. Tinha esquecido de contar um detalhe da minha maravilhosa vida, Justin Bieber era o meu vizinho e eu tinha que aguentar as suas festas toda vez que sua mãe viajava com as crianças. 

— Cassi, por que você tá toda suja e meu irmão também? — ouço sua voz fina e me viro com um sorriso forçado, não podia ser ignorante com uma criança, né?

Olho para a garagem dá casa ao lado e o carro dele já estava lá e pude ver que a maçaneta estava suja de tinta. Volto meu olhar para Jazmyn que dava a volta na cerca e se aproximava de mim. 

— Seu querido irmão inventou de pregar uma peça em mim, que resultou em nós dois sujos. — resumo toda a história e claro que não falo da parte de eu ter batido no seu irmão. 

— E por que ele chegou xingando você de tudo quanto é nome? — pergunta de novo e eu jurava que estava sentindo uma gota de tinta escorrer pela as minhas costas. 

— Ele me chamou de quê? 

Ela mexe no seu cabelo enquanto fazia uma carinha pensativa que logo troca de lugar para uma alegre por se lembrar.

Ela levantou um dedo e começou a dizer — Ele te chamou de puta, vadia, arrombada, desgraçada e... Galinha sem pena — termina de falar com os seus cinco dedinhos levantados na minha direção e eu jurava que estava chocada por ele ter me xingado e de Jazmyn ter se lembrado. 

— Ok, ok. Não precisa mais dizer princesa — dou um sorriso nervoso e olho para a minha mãe saindo do carro com sua pasta — Avisa ao seu irmão que ele me paga, agora vou entrar e tirar toda essa tinta. 

— Aviso sim, tchau Cassi! — ela sai saltitando enquanto acenava para mim e eu acabo de volta. 

Um doce, nem parecia que era irmã de um demônio. 

— Não toca na maçaneta! — minha mãe alerta quando já estava com a mão perto dá porta. Eu bufo e espero ela procurar a chave na pasta e abrir a porta, quando abre eu passo primeiro subindo as escadas correndo ao som de suas reclamações que um dia vou cair. 

Passo pela porta do meu quarto agradecendo que já estava aberta, fecho com o pé e vou tirando a roupa mas paro ao notar que a cortina estava aberta. Olho pro lado e dou de cara com sua janela soltando a respiração ao notar que estava fechada, volto a tirar a roupa e ir para o banheiro que nunca desejei tanto. 

Paro em frente ao espelho e faço uma careta ao notar meu estado, eu tinha tinta até dentro do meu ouvido. Passo as mãos nos meus cabelos e é difícil eu separar por causa da tinta estar seca. Levo as mãos ao meu rosto e o cubro dando um grito de raiva. 
Paro de enrolar no espelho e vou tomar meu banho, se eu demorasse mais iria me sentir uma galinha sem pena.

Saio do banheiro sentindo como estivesse nascido novamente, dou um sorriso ao sentir meus dedos escorrendo pelo meu cabelo limpinho. Saio do banheiro e faço questão de fechar a cortina ao notar a luz do quarto ao lado acesa. Abro meu guarda roupa e escolho um short e uma blusa branca soltinha, visto eles depois de colocar minha calcinha e sutiã da mulher maravilha. 

Quando terminei de pentear meus cabelos dona Carla entra no quarto devagar, quando me vê dá um sorriso e se aproxima. 

— Conseguiu mesmo tirar toda a tinta. — diz olhando meu cabelo penteado o bagunçando. 

— Obrigada em! — soou irônica e arrumo de novo o cabelo. 

—  Pattie nos convidou para jantar lá — diz olhando para seu anel como se não quisesse saber minha reação.

Pattie é um doce, uma boa mulher e eu não duvido que esse jantar é um pedido de desculpas pelo o que seu filho fez comigo. Mas como eu estava com fome eu não iria recusar esse jantar e sabendo que Pattie cozinha bem, agora que eu não desisto mesmo. 

— Tudo bem. — digo passando meu perfume e eu seguro a risada ao ver a reação da minha mãe através do espelho. 

— Sério? Caramba! Eu pensava que não iria querer ver a cara dele nem tão cedo. — diz surpresa.

— Mãe, eu já estava com fome e em saber que Pattie nos convidou a minha barriga gritou por sua comida. — digo a verdade passando a mão por minha barriga, a acariciando. 

Sua risada é alta e eu sinto um tapinha seu no meu ombro. Ela segura e me empurra até a porta do meu quarto, me levando até o andar de baixo.

— Então vamos comer logo a comida dá Pattie. — diz pegando as chaves da casa. 

Saio até a varanda e espero ela fechar a porta, quando fecha eu sigo até a casa dos Bieber's ao seu lado com ela ainda rindo dá minha resposta. Subo os poucos degraus dá varanda e bato na porta, daqui de fora eu já sentia o cheiro da comida. Quando a porta se abre eu sou chicoteada pelo cheiro maravilhoso do jantar e eu chuto que seja macarronada, dou um sorriso quando volta para a realidade e vejo Jazmyn na porta com o rosto todo sujo de molho. 

Me abaixo e beijo seu rosto melecado a fazendo rir. Entro na casa e olho ao redor, fazia tanto tempo que não entrava aqui mesmo que fosse tão perto da minha casa. Logo a vejo sair da cozinha com seus cabelos amarrados em um rabo de cavalo e seus olhos ainda mais claros, aquela mulher era uma deusa. 

— Como você cresceu Cassie, eu te via de longe mas não notei que cresceu tanto! — diz vindo me abraçar. 

— A vida está fazendo todos ficarem mais velhos mas para a senhora parece que não, continua linda como sempre. — digo a fazendo rir e corar. 

— Para de besteira Cassie, vem vamos comer pois o jantar já está pronto. — diz mostrando a direção da cozinha como se eu não soubesse. Fui na frente com Jazmyn enquanto minha mãe conversava com Pattie ainda na sala. 

Quando chego na cozinha meus olhos se iluminam com a visão da macarronada na travessa a minha espera. Jesus, eu precisava atacar essa comida. Ajudo Jazmyn a sentar na cadeira, ela ainda era nova tinha lá seus cinco anos mas já era grandinha, quando término me sento ao seu lado. 

As duas mulheres entram na cozinha e minha mãe se senta ao meu lado na cabeceira da mesa mas Pattie não se senta ao notar que faltava alguém. Ela dá um sorriso e pede licença indo até a sala e gritando o nome de Justin, não demora muito e estava de volta. 

Já estava na minha sexta garfada quando aquele ele chega na cozinha. Eu juro que tentei mas não consegui e deixei meus olhos passearem por todo seu peitoral desnudo com as suas tatuagens, levo meu olhar ao seu rosto e seu cabelo todo desarrumado e o rosto inchado mostrando que ele tinha acabado de acordar. Ele era um filho da mãe lindo demais. 

Volto a realidade quando o vejo se senta na minha frente e me encarar com raiva. Ok, não precisa de tudo isso amor. Ignoro seu olhar e volto a me deliciar com a macarronada enquanto minha mãe conversava com Pattie e Jazmyn se melava com a comida. 

— Justin meu filho, faz um favor pra mim? — sou tirada dos meus pensamentos com a voz de Pattie, já tinha terminado meu prato e nunca me senti tão satisfeita. Ele só vira o rosto na sua direção e a encara esperando ela continuar. — Mostre a Cassie o que eu fiz com o quintal — diz com um sorriso inocente enquanto eu já estava totalmente alerta. 

— Por que a senhora não faz isso? — pergunta e essa era a primeira vez que ouvia sua voz durante o jantar, e ela estava bastante rouca. 

— Por que eu estou mandando você ir! — diz dando um sorriso junto com um olhar ameaçador que até eu me assustei. 

Ele revira seus olhos e se levanta enquanto eu fico sentada sem saber o que fazer. 

— Vai lá querida, você vai adorar ver o que eu fiz! — diz segurando minha mão. 

Dou um sorriso e vou até a sala onde Justin estava, quando cheguei o peguei vestindo um moletom cinza e calçando os chinelos. Praguejei nos meus pensamentos por ele ter colocado o moletom. Qual é? Eu posso não gostar dele mas não posso negar que ele não seja gostoso. 

— Vamos logo. — diz adentrando o corredor e eu só o segui. No final a porta de vidro se destacava e podia ver o que Pattie fez de longe. Bieber abre a porta e me deixa passar primeiro, me fazendo suspeitar dele. 

Passo meu olhar por todo o jardim vendo a piscina que eu vi trazerem com a luz acesa e as flores sendo iluminadas por outras luzes. Tudo bem aconchegante e perfeito, caminho até a borda da piscina e olho lá dentro vendo os azulejos brancos e alguns azuis. Caminho até às flores e me agacho tocando na pétala de uma que estava molhada, dou um sorriso ao me lembrar de ver pela janela dá cozinha seu trabalho para cuidar dessas flores, agora olha como estão lindas. Me levanto e viro para trás vendo Justin na borda da piscina olhando lá pra dentro. 

Me aproximo devagar para lhe dar um susto mas meu plano não deu certo quando eu piso em cima de um brinquedo de Jazmyn e escorrego em direção das costas de Justin o empurrando na piscina, enquanto eu caio de cara no chão. Quando me recupero da dor eu levanto meu rosto e quando vejo Justin dentro da piscina me olhando com ódio sinto meu corpo gelar. 

Dou uma risada nervosa e me levanto quando o vejo sair da piscina tirando o moletom e vindo na minha direção. Ainda estava rindo de nervoso enquanto dava alguns passos para trás, estava com medo do que ele podia fazer comigo mas a visão do seu tanquinho molhado me distraia às vezes. Quando vejo ele já está na minha frente, com o cabelo pingando e respirando fundo enquanto eu engulo em seco.

— Olha... Não foi por querer... — nem consigo terminar de dizer minha frase de desculpas pois sou empurrada nada gentilmente em direção da piscina. — SEU FILHA DA PUTA! — grito quando volto pra cima tirando o cabelo do meu rosto. 

O encaro na borda da piscina rindo de mim enquanto continuava com o cabelo pingando. O xingo de tudo quanto é nome que passava pela minha mente, enquanto subia pela escadinha e ia na sua direção. 

— Você perdeu a noção do perigo? Eu ia te pedir desculpas! — digo bufando de raiva esmurrando seu peitoral enquanto ele tentava segurar minhas mãos. 

— Eu só paguei com a mesma moeda. — diz conseguindo segurar meus pulsos e dando de ombros. 

Grito de raiva e quando vejo eu tenho o empurrado no chão e estava em cima dele dando vários tapas com ele pedindo para eu parar. Suas mãos seguram meus braços e nos vira na grama fazendo eu ficar por baixo com ele em cima de mim controlando o peso. 

— Se acalme babe, eu só me vinguei — diz com seu rosto bem perto do meu. 

Encaro seus olhos pronta para o xingar e voltar a lhe bater mas somos interrompidos por uma voz bastante... Brava?

— O que está acontecendo aqui? — viramos a cabeça em direção a porta e é quando vejo Pattie brava, minha mãe horrorizada e Jazmyn rindo. 

Fodeu. 


Notas Finais


Espero que gostem. Me perdoem por qualquer erro, quando eu tiver tempo reviso tudo.

Beijinhos da Titia Carol sz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...