História My Seductive Boss - Capítulo 13


Escrita por: ~ e ~gmedeiros379

Postado
Categorias Big Bang
Personagens D-Lite (Daesung), G-Dragon, Seungri, T.O.P, Taeyang
Tags Big Bang, Gri, Nyongtory, Todae, Yaoi
Visualizações 25
Palavras 3.516
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Lemon, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo-Ai, Shounen, Universo Alternativo, Yaoi, Yuri
Avisos: Bissexualidade, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


;-;

Capítulo 13 - Parabéns pelo debut!


Fanfic / Fanfiction My Seductive Boss - Capítulo 13 - Parabéns pelo debut!

Lee Seunghyun on

Passei a tarde toda tentando conversar com o Jiyong, mas ele havia desligado o celular. Tentei falar com os meninos, mas eles também estavam me ignorando então decido ir para a empresa onde poderia encontrá-los, só que não foi isso que aconteceu.
Já na parte da noite o T.O.P hyung me ligou perguntando onde eu estava e eu disse que estava na empresa, ele estava sério e frio. Eu ainda consegue ouvir de longe o Dae falando algo como "Hyung, não vá fazer besteira".

Senti uma onda de sentimentos ruins me invadir, então pouco tempo depois T.O.P chega batendo a porta do escritório com tudo o que fez eu ter um sobressalto na cadeira da bancada.

-É BOM VOCÊ TER UMA BOA EXPLICAÇÃO PARA ME DAR, PORQUE O JIYONG NOS LIGOU DESESPERADO E FOI BATER NO HOSPITAL QUASE EM COMA LEE SEUNGHYUN! - T.O.P estava com um olhar furioso como poucas vezes havia visto.

Estava em choque, ele disse que o Ji foi para o hospital quase em coma?

-Eu não sabia disso Choi, ele me evitou o dia todo e não sei o porquê...

-Fala sério Seungri, ele falou que encontrou uma caixa antiga e que tinha escondido atrás do espelho uma foto de um tal de Eunhyuk. Vai dizer que você não está traindo ele?! Você é um idiota e não quero que você chegue perto dele e nem de nós, eu pensei que você tinha mudado mais vejo que estava errado!

-T.O.P espera...

Vejo a porta ser fechada com força e eu ficar sozinho no meu escritório, lembranças antigas retornaram e eu só queria chorar. Ligo urgentemente para meu tio e ele viria hoje mesmo cuidar da empresa, iria me afastar por um tempo.
 


(...)
 


Durante a semana fui até a casa dos meus pais olhar alguns cadernos anotações que tinha, via minhas fotos com o Eunhyuk, eu ainda era muito novo. Tinha diversos recortes sobre ele e letras também, letras que tinha feito com ele, resumindo lembranças que nunca queria ter mais contato e ter esquecido. Coloquei todos aquelas coisas em uma mochila e principalmente uma antiga carta que ele havia feito para mim.
 


(...)
 


Depois de alguns minutos chego na empresa e encontro Choi em sua sala, o mesmo me olha com menos ódio e com um toque de preocupação.

- Eu só quero alguns minutos do seu tempo hyung, quero que veja algo, mas antes tenho que explicar o que aconteceu.

-Seungri onde você se meteu? Você perdeu o casamento do TaeYang e se afastou da empresa, o que há com você?

-Eu só fiz o que você pediu, mas eu não deixei de ir ver o casamento do meu amigo, eu estava na igreja e vi os cinco lá no altar. - Falei um pouco triste. - Eu sei que o Ji não irá querer olhar na minha cara, mas eu tenho que contar para alguém quem é Eunhyuk. - Vejo o semblante de T.O.P mudar ao pronunciar o nome, mas antes que ele fale o interrompo. -Ele era meu irmão, Lee Hyukjae era seu nome! - Jogo minha mochila na cadeira que ficava em frente à mesa de trabalho do hyung.

Ele estava em choque pelo que eu falei e tirei a foto que o Jiyong havia visto, foi a última foto que ele tirou.

-Aquela caixa tinha sido um antigo presente que eu tinha dado para ele, mas que ele reenviou três dias depois com aquela mensagem. - Entrego para o T.O.P e logo me viro de costas para ele e vou em direção a porta. - Leia tudo que contém nessa mochila e você entenderá o porquê de nunca ter falado dele para ninguém.

Saio da empresa sem ninguém me impedir. No caminho passei rapidamente pela sala de treinamento onde Ji estava, mas logo vou embora quando ele vê meu reflexo.

Subo em minha moto e vou o mais rápido que posso para a vila onde meu pai nasceu, estava frio e com a chuva ficava mais forte esse clima, vou para o meio do campo lembrando daqueles últimos recortes que fiz e da mensagem que meu irmão havia me mandado antes de tudo acabar.

 



*Flashback on*

Estou em casa sem fazer nada quando recebo uma mensagem um tanto esquisita do meu hyung.

 

 

“Olhe o que deixei para você embaixo do colchão do meu quarto.”

 

 

 

Vou até o quarto dele e não encontro nada diferente nele. Não sei bem o motivo disso, mas faço o que ele me pediu e embaixo do colchão encontro um pedaço de papel, devia ser aquilo.
 


 “Olá baixinho, espero que esteja se alimentando bem e tendo boas noites de sono enquanto estou afastado. Bom, eu só queria que soubesse que eu te amo e que eu posso esta sendo muito egoísta nesse momento, mas eu espero que você me perdoe pelos meus atos chatos e egoístas...
Com amor, Eunhyuk.”

 

 

 


                                                 Quebra de tempo

 

 

Já era de noite quando um policial foi até minha casa, meus pais não estavam ali para recebê-los então eu me prontifiquei de fazer isso, está chovendo então disse para eles entrarem.

-Aqui é a casa do senhor Lee Hyukjae? - Um dos policiais pergunta.

-Sim, eu sou o irmão dele, mas meus pais estão em uma viagem. Aconteceu alguma coisa com o meu hyung? - Pergunto já preocupado.

-Desculpa meu jovem, infelizmente seu irmão foi encontrado morto em um prédio abandonado, ele sofreu uma overdose de remédios controlados.

*Flashback off *

 

 


Eu chorava muito com essas lembranças, ele foi um egoísta fazendo aquilo, ele não me falou nada... Eu poderia ter ajudado, mas na verdade tudo foi por minha culpa, meu irmão era apaixonado por mim e eu era muito novo para saber dessas coisas.

-Porque tudo tinha que sumir das minhas mãos assim, porque eu não posso ser feliz com quem eu quero? – Falo baixo para mim mesmo com minha cabeça entre minhas mãos.

 

 

 

Kwon Jiyong on

Vejo Seungri rapidamente pelo reflexo do espelho e sou tomado pela angústia. Engulo em seco ao vê-lo sair Dalí batendo a mão na quina da porta. Eu estava me sentindo extremamente mal por tudo que aconteceu, por ele ter escondido aquilo de mim, ter mentido pra mim, me enganado... Mesmo assim, eu sentia muito a falta dele, mas não podia fazer nada, era melhor assim.
Acabo me desconcentrando e meu rendimento está uma porcaria. A coreógrafa reclama comigo e peço desculpas, afirmando estar indisposto e por alguma razão ela me libera. Talvez ela tenha visto Seungri ali também e percebeu tudo.
De qualquer forma, fui até o vestiário e tomei um banho rápido. Já estava saindo do local quando encontro com T.O.P com um semblante sério.

-Hyung?!

-Acho que a gente tem que conversar Jiyong.

O acompanho até sua sala e me sento na cadeira em frente à sua mesa. Vejo uma mochila e papéis revirados, lá estava a tal foto de Eunhyuk. Respiro fundo e desvio o olhar.

-Por que me trouxe aqui hyung?

-Sabe Ji... Somos amigos de infância. Não acredito que deva ser eu a te contar, mas compreendo o motivo de Seungri não ter te explicado tudo...

-Explicado o que?

T.O.P me conta uma história quase que surreal sobre o irmão de Seungri, que se eu não estivesse sentado, teria fraquejado as pernas e caído ali mesmo. Tantas informações começaram a girar a minha cabeça e fiquei tonto, mas mesmo assim levanto da cadeira e vou em direção à saída.

-Aonde você vai? – T.O.P pergunta às minhas costas.

-Vou encontrar ele.

Não digo mais nada e sigo até o estacionamento, pegando o meu carro e indo logo para a casa de Seungri.
 

 


(...)
 

 


-Droga... - digo para mim mesmo quando vejo que ele não está em casa.

Surpreendente, eu ainda possuía a chave reserva e a usei para entrar quando ele não respondeu quando eu chamei por fora.
Um relâmpago iluminou o céu e me perguntei aonde ele estaria, eu realmente tinha que conversar com ele.
Saí daquela casa e procurei por toda Seul em busca do mais novo, não obtendo sucesso. Começa a chover forte, mas não me importo, só queria acertar tudo de uma vez e acabar com aquela angústia.
Depois de quase desistir, uma ideia me passa pela cabeça. Dou partida no carro e tento me lembrar o caminho da vila que o pai dele nasceu, onde ele havia me pedido em casamento.

-Já está tarde... - eu falei para mim mesmo olhando o céu escuro carregado de nuvens de chuva pelo vidro do carro com os limpadores de pára-brisas​ funcionando.  - Espero que meu palpite esteja certo.

(...)
 


-Seungri? - Falei para o mais novo que estava sentado na chuva com o olhar baixo.

Ao ouvir tais palavras, o de cabelos escuros levantou o olhar para mim e grandes gotas de água escorreram no seu rosto.

-Podemos conversar? - Pergunto e o mais novo assente, mas não se levanta. - Vamos sair daqui, você vai pegar um resfriado.

Estendo a mão para ele, que está fraco. O coloco dentro do meu carro com dificuldade, o apoiando pelo ombro e o levo para casa praticamente desacordado. Passo numa farmácia e compro algumas coisas que supus que ele precisaria.
Ao chegar em sua casa, o levo até seu quarto e coloco roupas secas nele, que já está recobrando a consciência, mas está com febre.

-Ótimo, você pegou um resfriado. - Falo com um meio sorriso e ele corresponde com um igual.

-Obrigado Ji hyung. - Ele fala com a voz embargada e não respondo nada.

Ele acaba dormindo depois de um tempo e eu me sento em uma poltrona próxima à cama, o observando dormir. Eu não queria deixá-lo sozinho, mas também aproveitei a noite em claro para pensar em tudo que tinha acontecido.
 


(...)
 


Já era de manhã e depois de um tempo, Seungri acordou. Primeiro ele estranhou o ambiente, mas ao me ver, abriu um sorriso.

-Você deve estar com um torcicolo por ter dormido aí. - Ele fala.

-Eu não dormi. - Digo simplesmente, com a cabeça encostada na mão direita. - Seungri, T.O.P me contou sobre seu irmão... - desviei o olhar - Hyukjae.

-Você entende que eu não queria te contar por motivos pessoais e...

-Eu entendo. - Falei rispidamente o interrompendo. - Eu não acho que você deva se sentir culpado pela morte do seu irmão.

-Vai ficar tudo bem entre a gente? - Ele falou, mas minha resposta demorou a vir. - Ji...

-Seungri, mesmo depois de ter pensado tanto, eu ainda não consigo entender nossa situação. Você havia prometido que não ia esconder nada de mim.

-Eu sei Jiyong, mas tente entender!

-Eu já disse que entendo. Só acho que a gente tem que dar um tempo, pelo menos até eu saber que posso confiar em você de novo. - Me levantei da poltrona e me dirigi à porta do quarto.

-Ji, espera!

Sinto Seungri me abraçar por trás, afundando a cabeça em meu ombro

-Não vai, por favor... - ele disse às minhas costas.

-Saeng, não torne as coisas mais difíceis, por favor... - digo com uma dor no peito e me solto de seus braços. - É melhor assim, hm? - Me viro para encará-lo. - Melhoras.

Ao dizer essas palavras, passo pela porta e vou até o meu carro.

"Aquela angústia deveria ter passado, mas se é mesmo o melhor para nós dois, por que eu me sinto tão mal?"

 

 

 

Lee Seunghyun on

 “Será que eu o perdi realmente?”

 

Eu só me toquei que ele havia saído realmente quando ele passou a porta de entrada da minha casa.

-No final das contas acabei me tornando igual ao meu irmão, alguém egoísta... – Suspiro pesadamente e jogo minha cabeça para trás.

Pego meu telefone e ligo para o T.O.P, ele precisa cuidar do Ji já que não estou mais perto dele.

-Alô Seung, você está dispensado hoje eu quero que cuide do Jiyong, os meninos também podem ir. - Falo de uma forma meio fria.

-Seungri, qual é a sua? Dispensar a gente do nada? – Ele faz uma pausa, como se estivesse pensando em algo. – Seungri o que aconteceu? Onde Jiyong está e onde você está? - Ele pergunta da sua forma preocupada de sempre.

-Eu estou bem só preciso que cuide do Jiyong, eu acho que o perdi de vez, então por favor cuide dele...

Desligo o celular e vou me vestir para ir à empresa, pego o antigo baú e retiro todas as coisas que lembram meu irmão e as deposito novamente naquele caixote, havia a foto que eu estava com o Ji então a coloco em um porta retrato que tinha no meu quarto e saio.
 

 


(...)
 

 


Já na empresa pergunto sobre os meninos e a recepcionista me falou que assim que o Ji chegou eles saíram, me senti aliviado com isso. Fui até a sala de T.O.P e peguei a mochila que continha os papéis, então logo depois pego minha moto que havia pedido para irem buscar, vou para um lugar logo de Seul e pego um isqueiro para colocar fogo naquelas coisas.

-Espero que esteja curtindo o inferno irmão, você tornou minha vida em um parcial inferno após partir, mas agora você não fará mais parte da minha vida e nem das minhas memórias! – Falo com mágoa olhando a cena.

Jogo o isqueiro e deixo tudo queimar, então volto para a empresa me trancando em meu escritório e voltando a ser o Lee Seunghyun que se atolava em diversos documentos e noites mal dormidas.
 

 


(...)
 

 


Haviam se passado três semanas do ocorrido e não tinha melhorado muita coisa, mal saia do escritório e meu estado estava deplorável. Jin estava lá para me auxiliar em tudo que eu precisasse, mas tudo que eu podia fazer sozinho eu fazia, precisava ocupar minha cabeça com alguma coisa. Estava mais pálido que o normal e as olheiras já estavam bem profundas, meu corpo criou uma repulsão por comida e o resultado foi perca de peso. Os meninos estavam preocupados, mas eu falava que estava me tratando, falava às vezes com o Jiyong, mas não era sempre sobre trabalho, só que sempre agora tinha sentimento de culpa em cada palavra que eu dizia.

 

 

(...)

 

 

Era mais um dia de trabalho, chegava cedo para evitar falar com alguém, mas por algum motivo quando chego me deparo com T.O.P sentado na minha cadeira.

-Bom dia hyung, como você está? - Pergunto meio cansado, sabia em que aquilo iria levar.

-Eu estou bem Seungri, mas eu quero saber de você saeng. Você por acaso já se olhou para ver como está?

-Não comece novamente com isso hyung, por favor! - Falo cansado dessa situação. - Você sabia que isso iria acontecer, eu só tenho a imagem de uma pessoa forte, mas eu não sou.

-Seungri você praticamente não vai resistir por muito tempo, você só está pensando em você e não em nós, você está se tornando igual ao...

Ele para quando iria falar o nome do meu irmão, paro onde estava e já sinto uma ardência nos meus olhos.

-Igual ao Eunhyuk, eu sei. Por favor, me deixe sozinho hyung.

Ele se aproxima de mim e me abraça não muito forte

-Não irei a lugar nenhum, vou pedir para o Dae trazer algo leve para você comer, venha dormir um pouco.

Ele me encaminha para o sofá me deitando e rapidamente acabo dormindo, mas não por muito tempo já que acordo em meio a um pesadelo.

 

 

 

Kwon Jiyong on

Depois de alguns testes finais, finalmente vou debutar solo. Deveria estar dando pulos de alegria, mas desde aquele episódio com Seungri que venho ficando mais pra baixo, embora não deixasse transparecer isso para os outros além dos meus amigos.
Daesung traz alguns papéis para eu assinar, mas ele está com uma aparência de preocupado.

-Parabéns pelo debut Ji hyung! - Ele fala com um sorriso fraco.

-Obrigado Dae... - respondo com um sorriso semelhante.

-Você vai falar com o Seungri?

-Sim, eu vou. - Desvio o olhar para os papéis e assino. - A reunião é hoje à tarde, não é mesmo?

-Não foi isso que eu quis dizer... - levanto meu olhar para ele. - Sim, a reunião é daqui a pouco tempo, mas você e o Seungri... Acha que tem chances de se acertarem?

-Eu também queria saber a resposta pra essa pergunta Dae. - Digo torcendo um lábio, chateado.

Entrego os documentos ao mais novo e vou em direção à sala de Seungri quando vejo T.O.P saindo dela e me cumprimentando, indo em direção ao namorado. Não escuto muito das palavras, mas pelo o que eu entendi, Seungri está muito mal, e isso faz com que doa meu coração.

-Seungri...? - Digo parado à porta - Posso entrar?

 

 

 

Lee Seunghyun on

Escuto a voz calma do Ji e meu corpo relaxa um pouco o olho meio sem graça.

-Claro que pode hyung, por favor, senti-se. - Deixo um sorriso tímido aparecer.

Ele entra um pouco preocupado olhando pra mim e eu devo estar muito ruim mesmo.

-Hyung você deve ter assinado os papéis do contrato. – Falo puxando algum assunto. – Parabéns e seja muito bem vindo ao mundo dos idols GD, então como você está? – Pergunto animado, ele já estava tão perto de debutar que não queria que nada atrapalhasse nem mesmo eu.

-Eu estou bem, mas... Seungri, você está muito pálido, você não quer ir a um hospital? – Percebo o tom preocupado.

-Não precisa é só um período ruim para mim. Sabe hyung eu agora vejo que sou muito parecido com meu irmão, eu queria ter te contado naquele dia, mas... Mas esse é um assunto que me fez tão mal esses anos todos que eu não queria contar e o principal de tudo, em hipótese nenhuma eu queria fazer você sofrer. Infelizmente eu acabei fazendo não só você, mas agora eu vejo que estou fazendo mal para todo mundo da empresa...

Me encolho no sofá e choro baixinho.

-A única coisa que eu não queria perder era você Jiyong, eu te amo tanto que chega a doer. – Falo e deixo me levar pelas lágrimas, sentindo aos poucos minha cabeça girar, é a última coisa que eu lembro.

 

 

 

Kwon Jiyong on

Ver Seungri naquele estado só me fazia ficar pior. Chamei T.O.P pela porta e ele veio correndo ver o que tinha acontecido.

-Isso está acontecendo muito com ele... - T.O.P pensou alto.

-Vai levá-lo ao hospital amor? - Escuto Dae perguntar na porta.

-Não precisa, eu já sei o que fazer.

O mais velho deitou Seungri no sofá da sala e cuidou dele. Ver aquela cena pesava em mim, eu definitivamente não queria viver com aquilo. Perceber o quanto eu e Seungri nos afastamos era pesaroso, ainda mais quando o vi naquela situação, desmaiado. Eu nem tinha sequer consciência do que estava acontecendo com ele, parece que todos sabiam, menos eu.
Observei apreensivo o tempo todo o que acontecia, eu não queria sair dalí de jeito nenhum, mas eu tinha que sair para resolver ainda algumas coisas do meu debut. O manager chamava à porta fechada do outro lado da madeira e eu estava relutante em ir, mas não podia fazer nada.

-Eu mantenho você informado Ji. - Daesung falou com voz amigável e deixei aquela sala com uma sensação muito ruim em mim.

Abri a porta e fechei tentando fazer com que nada transparecesse para o homem que estava ali fora.

-Tudo bem com o senhor Lee? - Ele perguntou.

-Ele só está um pouco indisposto... Vamos?

E assim deixo o prédio tentando ao máximo fazer com que minhas lágrimas não saíssem do lugar.

 

 

 

Lee Seunghyun on

Acordei depois de um bom tempo e vejo que estou na companhia do T.O.P.

-O que aconteceu? Eu estava falando com o Ji e eu... eu acho que... apaguei?- Tento levantar, mas sou impedido pelo mais velho.

-Você está fraco e não pode se levantar muito rápido. Agora respondendo a sua pergunta você desmaiou novamente, senhor Lee.

Fico cabisbaixo com o que ouço, minhas atitudes já estavam indo longe demais.

-Seungri, por favor, olhe para mim. – Ele levanta meu rosto devagar. – Nos deixe cuidar de você saeng, por favor, eu sei que está sendo difícil pra você, mas também está sendo para nós quatro, está sendo muito mais difícil para o Jiyong. – Ele aperta minha mão um pouco forte. – Volte a ser o nosso Seungri, o Seungri pelo qual o Ji se apaixonou e que ainda ama...

A essa altura já estava chorando, tudo que Choi falava era uma facada no meu peito, principalmente por causa do meu Jiyong. Levanto calmamente com a ajuda do T.O.P, pego minha bolsa e me recomponho a força.

-Eu acho que você vai me levar até um hospital e me prender lá correto? – Pergunto enxugando algumas lágrimas e dando um sorriso pequeno.

-Eu tenho certeza e não se preocupe, seu tio irá cuidar de tudo em quanto você estiver no hospital. – Ele vê que eu iria protestar sobre algo, mas ele não deixou. – Você irá cuidar somente do debut do GD, eu vou te ajudar a acompanhar.


Notas Finais


A música de Seungri devia ser aquela de cavaleiros do forró: "doutor, o que é que eu tô fazendo aqui...?" sauhsuahsuahsu
Brincadeira, tadinho do nosso panda </3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...