História My source of life. - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Exibições 97
Palavras 1.133
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Luta, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 3 - Capitulo 3


Pov Annabeth

Por insistência da Silena eu marquei uma consulta em uma psicóloga, e aqui estamos nós sentadas em uma das confortáveis cadeiras do consultório esperando o meu nome ser chamado.

_Annabeth Chase – A secretaria da doutora disse, e eu me levantei. – Por favor acompanhe-me.

_Te espero aqui Annie. – Sil disse e eu sorri em resposta.

Segui a senhora de meia idade ate uma porta branca e ela a abriu me dando passagem, eu entrei  e agradeci, logo ouvi a porta se fechando então olhei para frente e vi uma mulher de aparentemente quarenta anos me olhando com um sorriso.

_Boa tarde Annabeth. – Ela disse me estendendo a mão que eu rapidamente peguei.

_Boa tarde doutora Scott. – Respondi-lhe com cordialidade. Ela indicou que eu me deitasse no diva branco da sal e assim eu o fiz, logo em seguida a vi se sentando em uma cadeira a minha frente.

_Muito bem, vamos começar. Por qual motivo esta aqui? – Ela me pergunta.

_Na verdade eu não sei bem. Minha amiga que insistiu para que eu viesse. – Eu disse e explique minha historia para ela.

_Bom...Sua amiga tem razão em muitos casos de violência  a vitima acaba adquirindo algum ti pó de depressão, mas no seu caso você pode prevenir isso fazendo alguns esportes, por exemplo. Muitas mulheres que estão no começo de uma depressão ou tendem a ter uma, usam uma gravidez para se manter de pé. – A medica fala.

_Eu sempre quis ter um filho, e especialmente nessa fase da minha vida ele seria a minha luz. – Eu falei sincera.

_Se você se considerar capaz de cuidar de uma criança sozinha, você poderia fazer uma inseminação artificial. – Falou. – Isso fica a seu critério, mas enfim, eu não vou lhe passar nenhum remédio, apenas lhe recomendo fazer alguns esportes, talvez aulas de luta.

_Muito obrigada Doutora. – Eu disse e ela sorriu, em seguida eu sai da sala indo para recepção e encontrando Sil.

(...)

Ontem depois que saímos do consultório da Doutora Scott, eu contei tudo que nós falamos lá dentro para a Sil, que me apoiou totalmente a fazer a inseminação artificial. Tanto é que ela gritou que seria madrinha de uma menininha e que ela a mimaria muito e eu apenas ri, compartilhando com ela a minha felicidade, tudo que eu sempre quis foi ser mãe, mas morando onde eu morava era tudo que eu não queria. Mas agora eu tenho a chance de ter a minha princesinha ou o meu principezinho. E neste momento eu estava entrando no consultório de um medico especializado em inseminação artificial.

_Boa tarde Senhorita Chase. – O medico disso educado.

_Boa tarde Doutor Colins. – Respondi do mesmo modo.

_Bom... Senhorita em que posso ajuda-la? – Pergunta, sentado em sua cadeira atrás da mesa, a minha frente.

_Eu queria fazer a inseminação artificial, mas eu sou virgem, e isso me deixa de certa forma com medo e ao mesmo tempo na duvida se faço ou não, mas a minha vontade de ser mãe é enorme. – Eu falo meio sem graça de estar falando sobre isso com um estranho.

_Compreendo. Olha eu não costuma oferecer isso para os pacientes, mas se a senhorita assim desejar, podemos fazer do seguinte modo. Em geral usamos um tipo de estojo que é penetrado na vagina da paciente ate certo ponto, mas no seu caso que ainda é virgem, eu posso o fazer sem penetrar o suficiente para romper o hímen, então como o espermatozoide é pequeno ele pode chegar ao útero sem haver uma penetração do objeto em questão. – O medico falou.

_Perfeito. – Respondi feliz.

Pov Percy

Eu simplesmente não podia acreditar no que estava acontecendo, eu tinha sido apunhalado pelas costas por um dos meus homens. Apesar de que eu seja um mafioso, eu ainda respeito a família, assim como praticamente toda a população russa. E na minha máfia, eu digo que se você tem um filho, independente de com quem seja, você tem que cuidar dele, pois ele é sangue do seu sangue. E agora eu descobri que um dos meus homens me dopou, fez o tal procedimento e doou meu espermatozoide para uma clinica americana. O sentido disso era me enfraquecer diante aos outros, mas eu vou fazer o que minhas regras e os meu modo de pensar me manda. Eu vou achar o meu filho e trazê-lo para a Rússia. Eu sabia que o bebe ainda estava na barriga da mãe, então ele viria junto, só espero que ela não seja casada, isso complicaria tudo. O meu plano é manter ela aqui se quiser ficar perto do filho, e ficar com o meu filho e manda-la de volta para o marido quando o bebê nascer, se assim ela desejar.  

(...)

Pov Annabeth

3 semanas depois

Três semanas haviam se passado, eu estava a duas semanas fazendo faculdade de medicina, e estava amando tudo, eu também comprei um apartamento, e depois de duas tentativas no método que o medico indicou, eu finalmente estou grávida. Era uma sensação fantástica saber que tinha um serzinho crescendo no meu ventre, era o que eu pensava enquanto andava na rua e alisava meu ventre plano. Porém uma coisa inesperada aconteceu, eu senti um pano ser colocado no meu nariz, depois senti um cheiro forte e por fim cai na inconsciência.   

(...)

Eu abri meus olhos sentindo minha cabeça doer, assim que minha visão se clareou eu entrei em desespero por não reconhecer o lugar que eu estava. Eu me encontrava deitada em uma cama de casal de um quarto enorme. Na mesma hora eu comecei a chorar, e abracei meus joelhos, enquanto milhares de pensamentos me invadiam a mente.

“Será que o meu ‘noivo’ me encontrou e me sequestrou?”

“Não, não poda ser”

“Eu não posso deixar que machucassem meu filho”

“Será que eu nunca vou ser feliz?”

Eu pensava enquanto o meu choro aumentava.

Pov Percy

Meus homens tinham acabado de me informar que a mãe do meu filho estava no quarto de hospedes, então imediatamente eu fui para lá. Eu não deixaria que ninguém a machucasse com o  meu filho em seu ventre.

Assim que me aproximei do quarto ouvi o choro da mulher, imediatamente abri a porta, mas eu não estava preparado para o que eu vi a seguir. Sobre a cama de casal estava uma pequena mulher, de corpo curvilíneo bem mostrado pela calça jeans colada ao corpo, os cabelos longos e loiros faziam uma cortina no seu rosto que estava apoia nos braços sobre o joelho.  E quando ela levantou a cabeça e me encarou com olhos cor de chocolate, cheios de medo, ela me mostrou o seu rosto de anjo, vermelho e inchado pelo choro.  Em um movimento rápido ela se levantou da cama e se afastou de mim, me olhando com muito medo, ela parecia apavorada.

Continuo?????? 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...