História My Stuffed Bunny – (Imagine Jungkook) - Capítulo 26


Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jungkook, V
Tags Babygirl, Bts, Bunny, Hetero, Imagine, J-hope, Jungkook, Madhatter_baby, Psicopata, Romance, Sobrenatural, Suspense, Taehyung, Você
Visualizações 384
Palavras 2.080
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura :v

Capítulo 26 - Reencontro.


Fanfic / Fanfiction My Stuffed Bunny – (Imagine Jungkook) - Capítulo 26 - Reencontro.

Pela janela, dava para ver a noite chegando. Eu ainda estava muito confusa, não conseguia me lembrar de nada sobre ontem a noite. A minha preocupação se alimentava mais ainda quando eu pensava nos dois indivíduos mais bem próximos de mim nesse momento.

Escuto a porta do meu quarto sendo batida em um leve "tock tock" e em seguida a voz de Jungkook se presencia.

— (S/n)? — permaneci em silêncio e senti o mesmo se distanciar da porta depois de alguns longos minutos esperando alguma resposta minha, me deixando só.

Me levantei da cama, observando a estrada do lado de fora. O carro de Taehyung vinha até minha casa, parando o carro e saindo. Ele estava vestido com roupas bem bonitas, mas não chegava totalmente ao ponto de ser tão chique ou tão sem classe. Seu corpo era acompanhado por uma camiseta e uma bermuda, apenas.

Eu continuava parada em frente da janela, tomando coragem para sair e não ser pega por ambos pelo meu corpo totalmente marcado. O temporal estava quente lá fora e eu realmente preferia ir com um casaco do tamanho do mundo para o nosso 1° -2°- encontro.

Descretamente sai do meu quarto sem que ninguém perceba. Em minhas mãos, levava um vestido preto, não decodato, por conta das marcas que também estavam presentes em meus seios, um colar de pérolas brancas e sapatilhas negras, completando com as minhas roupas íntimas. Me "arrastei" até o banheiro, trancando a porta quando entro e enfim, tomando meu banho.

Depois do banho, me arrumei com as roupas que eu tinha pegado. Pela minha ilusão ao espelho, o preto disfarçaria minhas marcas pelo corpo e meu cabelo solto, não mostraria as marcas em meu pescoço. É sim, estava dando certo, eu não via sequer uma marca em todo meu corpo.

Saí do banheiro, indo até a sala com cuidado para não me mexer muito e acabar expandindo as marcas. Taehyung estaria me esperando lá fora neste momento, como tinha dito para mim. Cheguei na sala, vendo Jungkook apreciar um canal de culinária na TV com um sorriso malicioso e o olhar obscuro presente em seu rosto, enquanto acariciava as orelhinhas daquele bendito coelho que eu fiz na minha infância.

Sua expressão logo muda quando percebe que eu estou lá, me dando um sorriso meigo.

— Oh, acordou agora? — assenti, forçando um sorriso. — dorminhoca! — fez biquinho.

— Não se pode mais dormir nesta casa, Jungkook?

— Você me deixou sozinho a tarde inteira... — se referiu à amanhã também.

— Me desculpe, Kook... — seu sorriso volta ao seu rosto de novo.

— Tá desculpada! — diz sem pensar duas vezes.

Ele me olha dos pés a cabeça, notando as minhas vestes.

— (S/n)... você vai a algum lugar?

— Sim. Vou sair com o Taehyung.

— Ah, com o menino que estava te esperando aqui fora? — assenti. — ele foi embora.

— Oque? Por que?

— Eu sei lá. — deu de ombros e voltou sua atenção para a TV.

— Droga... — murmurei.

— Disse algo?

— Não... Nadinha...

Depois de alguns minutos, observando aquela mesma cena de Jungkook quando cheguei aqui, notei que realmente eu estava com fome. Uma fome brutal, afinal, eu não tinha comido absolutamente nada desde que acordei. Não sou o tipo de pessoa que sempre presencia uma fome dessas.

Fui até a porta, pegando a chave que sempre estava pendurada em um "cabidinho" ao lado da porta e a abri, saindo.

— Está indo aonde?

— Jantar fora.

ficou pensativo por alguns minutos, todavia, desligou a TV e se levantou, vindo até mim.

— Irei acompanha-la então.

Pelo menos, eu teria uma companhia, alguém com quem conversar. Seguimos a rota pela estrada até uma certa "feirinha" que tinha pelo local. Várias lojinhas abertas de várias coisas, mas oque mais me deixou feliz foi em sentir o cheiro bom de hambúrguer vindo de uma tal, daquelas lojinhas. Apenas segui de pressa o cheiro, porém logo fui interrompida por Jungkook que entrelaçou nossos braços. O garoto estava tímido e desconfortável com aquela gente toda, olhando ao redor, as pessoas, principalmente meninas, me olhavam invejadas por aquilo.

— Ei, oque que há? — perguntei.

— Nada.

— então solte meu braço. — toquei em seu braço entrelaçado ao meu, e sua mão a tocou a minha como forma de impedir aqui. O olhei, querendo uma explicação.

— Por que não podemos ficar assim? — suas bochechas se "rosaram" e seu olhar estava desviado do meu.

— Porque... — procurei uma resposta coerente. — e-eu simplesmente não quero... — gaguejei um pouco ao respondê-lo. — o maior respirou fundo.

— então, que tal fazermos assim? — tirou seu braço entrelaçado ao meu e apenas com seu dedinho indicador, entrelaçou ao meu dedinho indicador também, e depois olhou para mim. — oque achou? Podemos andar assim?

— Oh... — sorri, olhando aquilo, tamanha era sua fofura.

— Vamos? — não o respondi.

Dessa vez, calmamente ele me guiou até a lanchonete em que vinha aquele cheirinho. Nós nos sentamos nas cadeiras que tinham a frente do balcão, ainda de dedinhos entrelaçados. A moça logo veio nos atender e anotou nossos pedidos, agora estávamos esperando ambos lanches chegarem.

Um cara se sentou ao meu lado, vendo seu rosto, para minha surpresa, ele também era familiar, mas o ignorei, por receio que não seja quem eu estava pensando. Ele tinha feito o mesmo pedido que o meu, quando tinha acabado de fazer seu pedido, Jungkook começou a me chamar a minha atenção pelo simples fato de está flertando com a atendente da loja, a mesma que anotou nossos pedidos.

— Ou! — chamei sua atenção e ele simplesmente fingiu que eu não estava ali. Jungkook mordeu seu lábios inferior com vontade, o umedecendo, observando aquela vadia rebolar descretamente a sua bunda para ele. — com licença! — chamei a atenção da atendente e de Jungkook também, ela veio até mim como se nada estivesse acontecendo. "Ah, como a vadiasinha é sinica!" Pensei.

— posso lhe ajudar em mais alguma coisa senhora? — sorriu maliciosa, prestando a atenção para Jungkook. Nem na minha cara a menina olhava.

— gostaria de ver o cardápio. —coloquei nossos dedinhos entrelaçados encima da mesa, fazendo com que ela olhasse para isso com pelo menos um pingo de inveja. Ela, ao notar aquilo, olhou para mim com desgosto. — por favor. — forcei um sorriso, entortando um pouco a minha cabeça.

— Só um estante. — disse com um pouco de ignorância no tom, mas forçando um sorriso sinico e saindo dali.

— Por que fez isso? — perguntou Jungkook, sussurrando no meu ouvido.

— porque sim.

— Aish... — olhou para nossos dedinhos entrelaçados e eu os soltei, dando de vista a menina com o cardápio na mão e o lanche de ambos, a paguei e comecei a me deliciar com o meu hambúrguer, Jungkook, novamente, flertando com a atendente, um pouco mais intensamente.

— Ah.. que saco! — pensei um pouco alto de mais. O cara ao meu lado deu um pequeno sorriso nasal, o encarei, mastigando a minha refeição.

— Consigo te entender perfeitamente, sabe? — deu um gole em sua bebida. Apontei para mim como forma de perguntar se ele estava falando comigo. — sim... — me respondeu, sorridente.

— A sua pergunta foi para mim? — assentiu. — Oh... — olhei para Jungkook, ficando mais irritada ainda por fazer expressões absurdamente sexys, me deixando molhada, mas que não eram para mim, e sim para a puta da atendente. "Aish... Jungkook, francamente!" Pensei novamente. Cruzei as minhas pernas como forma de evitar aquilo, atacando meu sanduíche.

— seu namorado realmente é cuzão. — disse baixo para mim.

— Ele não é meu namorado. — disse de bica cheia, saindo mais como um som doque como uma palavra, porém estava entendível para seus ouvidos, quanto para de Jungkook é o resto.

— não? Então por que sentir ciúmes por ele? — olhou para Jungkook, sem nenhuma expressão. Engoli oque estava mastigando e olhei para o meu hambúrguer sem rumo algum.

— ele é apenas um conhecido de infância. Não chega a ser o ponto de um ciúmes, já que não sinto absolutamente nada por ele. Ele é só um parasita em minha vida. Ele faz oque quiser, afinal, não somos nem o cúmulo de próximos.

— você me deu essa satisfação toda por apenas um parasita? — olhou para meu rosto, tirando as palavras da minha boca. — olha, me desculpe, mas parece que você está mentindo para si mesma.

— puff.. — dei uma risada falha. — ele não faz meu tipo, e além do mais, fui reencontra-lo esses dias. Não tem como eu guardar alguma coisa desde muito nova, mesmo desde nova não sentindo nada.

— Ah, é?

— te devo satisfações da minha vida agora? — franzi o cenho.

— Ok, foi mal. Também, oque uma pessoa como eu tem haver com a sua vida? — murmurei um simples "ata", iniciando uma outra mastigada em meu hambúrguer. — não sei... Mas, você me lembra alguém.

— que legal. — respondi seca. — quem?

— eu me esqueci o nome dela... — tocou seu queixo, pensativo. — não, não... Não é. — disse para si mesmo.

— oque ela fazia da vida? — balbuciei, entediada.

— isso eu não sei. — olhou com mais precisão para meu rosto. — ela era esquesita, vivia andando com um coelho assustador na mão, ela quase nunca falava com ninguém, nem sequer saia de seu destino para migrar a outro, era muito na dela, porém, bastante bela e diferenciada para se comparar a sua personalidade quieta. — disse pausadamente.

— Ah, falando assim, até parece que você gostava dela.

— mas era ao contrário, eu a odiava.

— por que?

— ela tinha ferido um amigo meu.

— Oh... Que coisa. Oque ela fez para ele?

— tirando o fato de que ela era sem coração para ele e para todos, de madrugada, sem explicação alguma, segundo meu amigo... — pausou, dando um gole em sua bebida. — ela tentou esfaquear sua cabeça, por sorte, ela atingiu sua mão esquerda.

— engraçado, isso me lembra coisas da minha infância...

Depois de escutar aquilo tudo, eu simplesmente não tinha tomado nenhum pingo de vergonha na cara e ter dito em tal momento que essa pessoa era eu mesma.

— Sério? Como por exemplo? — a atendente chegou com o lanche do menino na mão e o entregou. — opa, muito obrigado! — ele depositou uma mordida em seu hambúrguer. Senti a mão de Jungkook tocar meu ombro.

— Vamos, (S/n)?

— Ah, claro! — olhei para o menino. — tenho que ir, sabe como é, né? — sorri.

— Ok. — sorriu, engolindo o pedaço que tinha mordiscado. — até um outro dia, quem sabe!

— A propósito, qual é o seu nome?

— Hoseok, Jung Hoseok, mas se quiser apenas Hobi ou Hobe, está perfeito!

— hu... gostei de Hobi!

— Vamos logo, (S/n)! — Jungkook disse impaciente.

— Tchau, Hobi! — saí de lá ainda comendo meu hambúrguer, Hobi acenou para mim e continuou a saborear a sua refeição também, oque me fez me lembrar de uma cena da minha infância, uma que nunca será inesquecível para mim.

 

Flashback

 

 

"— Vamos, filhinha? — disse meu pai, abrindo a porta de seu carro.

— Eu não consegui achar ele, Jin! — disse meio triste.

— bom, depois eu lhe compro outro coelhinho... — abrecei ele, chorando. Ele me pegou no colo e me colocou para dentro do carro e fechou a porta do mesmo. — não chore... Eu prometo a você que será o coelho mais lindo de toda a loja! — disse me animando. — que nem você, minha coelhinha! — dei uma risada, enxugando meus olhos.

— Tchau, (S/n)! — disse Tae, acenando animado e triste. — sentirei a sua falta!

Ele era o único a acenar e dizer palavras desse tipo para mim, as outras crianças me olhavam aliviadas, o padre não estava lá para completar, pois estava muito ocupado, como sempre. Jungkook, me mostrou o coelho e pegou a sua patinha, fazendo com que acenasse para mim, foi exatamente isso que desmanchou meu sorriso, porém ele sorria sinicamente.

O carro começou a andar, pegando ainda a velocidade. Hoseok apareceu, empurrando as crianças a seu redor, apontando para mim e disse gritando.

— Quando eu encontrar você, você irá morrer, esquesitona! — a Sra. Charplin o repreendeu de forma fraca e Taehyung deu um tapa em sua nuca, dizendo algo que eu não podia traduzir por tamanha distância por conta do carro.

Tudo aquilo me fez chorar novamente, oque poderia fazer? Era exatamente inútil a minha reação, mas era o suficiente para aliviar a bendita dor que estava sentindo. Jin me olhou entristecido.

— Oh, (S/n)... Eu prometo que lhe darei um coelhinho novo, amorzinho... — tampei meu rosto e Jin apenas disse "coloque o cinto de segurança, por favor, (S/n)." E assim fiz, todavia, continuava chorando. Permaneci assim até chegar em minha nova casa."

                         Flashback

Já estávamos longe da feirinha, andando apenas eu e ele pela calçada que era clareada pelas luzes do lugar.

— Jungkook? — olhou para mim curioso.

— Hum?

— Podemos passar na igreja? Tenho que me encontrar com alguém.

— quem? — meus olhos se marejaram.

                         {...}


Notas Finais


GARAAAAAAY, TAMO NO 100 FVS JÁ :')
TÔ MORTANNNNNNNN
bom, pra celebrar está vitória DE FÉ, todo mundo tá convidado PRA FESTA DA XUXA COM PARTICIPAÇÃO DE D.O GOSTOSO, EU PAGO OS INGRESSOS!

JSBSJSBSBSBBSBSB

Bye-bye guys! 🌚


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...