História My sugar Cat - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Got7
Personagens Jackson, J-hope, Mark, Rap Monster, Suga, V
Tags Bebidas, Drama, J-hope Top, Lemon, Vhope, Violencia, Yoongi Bottom, Yoonseok
Visualizações 51
Palavras 1.443
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Fantasia, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olha olha quem postou?
Oeeeh, como vai?
Ksksksks
Espero que gostem ^^

Capítulo 5 - Estranho


—Hoseok! Me responde! O que houve com você?

A voz do gatinho era aguda, ele estava assustado comigo e eu não queria assusta-lo ainda mais. Eu não queria ter que dizer que seu pai era na verdade um assassino de híbrido e que estava na cidade. Não, ele não entenderia o perigo, iria querer vê-lo. Os anos se passaram, mas ele ainda era muito inocente. Seu pai ainda era seu pai que gostava de brincar.

—Yoongi, fica quieto!

Gritei olhando para ele fingindo estar bravo. Ele só parava assim, quando sabia que nem a sua fofura me faria ceder, e essa raiva só apareceu uma vez e nem foi com ele. Meu pai tinha encontrado o tal comprador para um híbrido tentou tirar Yoongi de mim, eu nem lembro do que chamei meu pai, só sei que foi uma briga feia e ainda consegui proteger o baixinho do tal comprador.

—Por-por que tá falando assim comigo~

Sua voz foi aos poucos embargando num choro, eu não gostava de vê-lo chorar, além de ser extremamente irritante, ele ficava todo vermelho e suas orelhas abaixavam, era a cena mais dolorosa que eu poderia ver, e ainda por cima seria culpa minha.

—Nã-não... Eu só... Aish, Min Yoongi!

Bati a mão com força no volante e então respirei fundo.

—Eu só preciso viajar e pretendo te levar comigo...

—Mas eu tenho prova essa...

—Yoongi! Estamos entendidos?

Eu olhei para ele que se concentrava em suas mãos já um pouco maiores do que eu me lembrava hoje de manhã. Suas orelhas estavam abaixadas e eu via as lágrimas descerem silenciosas por seu rosto incrivelmente branco.

Decidi ficar em silêncio, precisei morder o lábio, mas preferi deixá-lo triste do que animado pelo pai.

Então, não demorou para chegarmos em casa. Eu saí do carro primeiro para poder avisar as empregadas sobre a viagem sem previsão de volta. Yoongi não falou nada, apenas passou por mim e subiu as escadas até o seu quarto.

Engoli em seco e o seguinte logo depois de ouvir a porta se fechar delicadamente.

Bati algumas vezes, mas ele não respondeu, então apenas abri. Ele estava deitado na cama com metade do seu uniforme, ou seja, usava apenas a camisa, enquanto ficava apenas de cueca sem suas meias.

—Não está chateado comigo, né bichano?

Ele apenas virou de costas para mim.

Okay, à alguns meses venho percebendo as mudanças dele, seu corpo estava diferente é mais encorpado, mesmo ainda sendo bem magro. Perceber foi apenas o que fiz. Pensar nele durante a noite foi algo que sempre tentei interromper e me masturbar... Não precisamos falar sobre isso.

—Hey...

—O que está acontecendo? Desta vez tente não mentir para mim...

Me interrompeu.

—Eu já disse eu vou...

—Não, não é esse o motivo.

Ele se sentou e pegou seu bichinho de pelúcia para abraçar, eu me sentei na beira de sua cama.

—Yoongi, apenas vamos viajar, não precisa se preocupar com isso... Não quer viajar?

—Você está mentindo!

Ele arranhou meu braço novamente.

—Você não deveria tentar mentir para mim...

—Por que acha que eu estou mentindo para você?

Ele deu ombros.

—Instinto.

Querra injusta.

—O fato de você ser metade gato não te faz um pequeno gênio...

—Se não me dizer o que está acontecendo, eu não vou com você!

—Okay, okay! Bom... Um assassino de híbridos está em Seul... Não quero que fique aqui, por isso vamos embora por um tempo...

—Eu sei disso...

Olhei para ele um pouco confuso.

—Umas garotas tentaram me assustar com isso, mas foi inútil, eu moro com você... Que já me protegeu do próprio pai... Do que eu teria medo?

Olhei para ele com um pequeno sorriso se formando. Eu estava quase surtando e ele completamente calmo sobre o assunto.

—Isso não muda a minha escolha, vamos partir amanhã de manhã, mantenha tudo arrumado, roupas, brinquedos, se quer a mamadeira não a esqueça... Essas coisas, hm.

Ele suspirou pesadamente e assentiu, fiz carinho em sua cabeça e me levantei, mas antes mesmo que eu saísse de seu quarto ele segurou o meu pulso.

—Você não cuida mais do Yoongi...

—Eu estou fazendo exatamente isso, gatinho...

—Não... Você não faz mais meu leite, não dá banho em mim e nem me troca, é mesmo o meu dono?

Ele fez suas orelhinhas abaixarem e um olhar extremamente triste, mas... O que eu poderia fazer, seu corpo me atraia, dar banho não era mais uma opção e eu andava ocupado demais para parar e fazer seu leite quente. Engoli em seco e tirei sua mão de mim com delicadeza.

—Você já é grande, pode tomar banho sozinho... Sobre o leite, eu já te expliquei que eu não...

—Você não gosta mais de cuidar de mim, Hyung... Você está me esquecendo...

Ele choramingou se levantando. Eu realmente não sabia como agir, ele sabia que era no seu drama que me ganhava. Eu nunca consegui dizer não para ele.

—Por que não ama mais Yoongi?

Respirei fundo e ele veio até mim ronronando e esfregando seu rosto em meu peito enquanto me abraçava.

—Da banho em mim, Hyung...

Pediu olhando para mim com os olhos brilhantes demais para recusar.

—Mas um banho rápido, eu tenho muita coisa pra fazer ainda e...

Ele sorriu muito animado e pulou em meu colo, cruzando suas pernas em volta da minha cintura. Prendi a respiração e por um segundo eu não sabia se tocava ou não a sua bunda para segura-lo até o banheiro, mas ele parecia tão inocente quanto a situação que eu decidi que aquilo não faria diferença para ele.

Ele me abraçou e eu o levei ao banheiro. O caminho já foi bem difícil, seu membro ja desenvolvido se esfregava em minha barriga, me causando perda de consciência durante esse segundo do caminho.

Apertei seu bumbum quase implorando para que ele parasse de de mexer em meu colo, mas ele gemeu com o susto e isso só piorou a situação.

—Ga-gatinho... Não pode se mexer assim, faz o Hyung se sentir... Mal...

—Desculpe... Só fiquei animado...

Sorriu e eu suspirei aliviado, ele parou e seu rostinho tímido me fez voltar a consciência vendo que era errado me sentir excitado com ele.

Ao chegar no banheiro o soltei no chão o mais rápido que pude, ele mesmo ligou a banheira e se virou para mim com os braços estendidos.

—Que é?

Perguntei sem saber o que ele queria.

—Você que tirava as minhas roupas, Hyung!

Ele parecia indignado. Eu apenas respirei profundamente e me agachei até ele. Comecei tirando sua camisa, era mais fácil me controlar com ele apenas de cueca, mas infelizmente eu precisava tirá-la também.

Devagar segurei a barra e comecei a abaixar, devagar, com medo da minha lucidez desaparecer.

—Hyung?

Limpei a garganta e apenas tirei sua cueca me levantando rapidamente.

—Aish... Você está estranho.

Revirou os olhos e ficou de costas para ver a temperatura da banheira. Não consegui tirar os olhos da sua entrada completamente exposta. Rosada e virgem. Eu estava me aproximando quando ele se virou para mim.

Sorriu feliz e então entrou.

—Não vai tirar sua roupa?

Perguntou e eu desisti. À aquela altura eu realmente percebi que auto-controle deveria estar estampado na minha testa. Me despir rapidamente o vendo brincar com a água de maneira adorável. Entrei e ele sorriu me olhando com aqueles olhinhos pequenos.

—Faz tanto tempo assim?

—Hm?

—O sabonete!

Eu parecia tão desconfortável e ele simplesmente ignorava o fato de estar nus. Tentei esconder, acho que ele estava ficando chateado.

—Vem aqui...

Pedi e ele se aproximou sentando no meu colo. Okay, eu fiquei excitado demais e ele percebeu e ainda rebolou para tentar identificar o que o cutucava.

—O que é?

—Nada! Só... Vamos acabar com isso.

—Não gosta mais de tomar banho comigo?

—Gosto... Só... É difícil...

—Desculpe...

Pediu se afastando e pegando o sabonete para começar a se limpar. Suas orelhas estavam novamente abaixadas, e, naquele momento, eu desisti de ser o certinho da história.

Eu queria ouvi-lo gritar. Queria saber que eu seria para sempre o seu primeiro, seria o único também.

—Gatinho... Eu queria te mostrar uma forma de carinho diferente.

Ele me olhou animado, suas orelhas se levantaram e ele se aproximou.

Sem paciência o segurei pelo braço o trazendo até mim para enfim selar seus lábios com certa necessidade. Algo que eu esperava sentir desde que ele parecia ter 15 anos. Ele não sabia o que fazer, deu para perceber isso, pois tentava imitar os movimentos que eu fazia com a língua em sua boca, mas ele estava desajeitado demais é isso era simplesmente mais um de seus charmes cativantes.

Parei o beijo sem ar e ele me olhou sem entender.

—Esse carinho é mais... Íntimo pequeno... Primeiro preciso que resolva um problema entre as minhas pernas... Acha que consegue?

—Que problema, Hyung?

Continua?


Notas Finais


Seeemm Lemonn!!
Sou dessas ksksksks
Bjsss, Nabis, boa noite ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...