História My Sweet Gangster - Jeon Jungkook - Capítulo 35


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Bts, Colegial, Jeon Jungkook, Jungkook, Kookie
Visualizações 239
Palavras 1.587
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Escolar, Festa, Lemon, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


AVISO: Voltei amores!!! Mil desculpas por ficar tanto tempo sem postar... Estava viajando e não tive tempo para escrever... ;-; Mas agora estou de volta... Uhuuuuu!!! #Saudades

Boa Leitura!!! ❤

Capítulo 35 - 34- High Speeds


Fanfic / Fanfiction My Sweet Gangster - Jeon Jungkook - Capítulo 35 - 34- High Speeds

Jungkook P.O.V’s

     Se passou quase um mês após o episódio da delegacia, fiquei muito tempo de castigo por conta disse, mas enfim consegui me acertar com meu primo. Yugyeom foi embora, prometendo voltar nas férias. Retirei a bota ortopédica do pé, e já voltava aos poucos a praticar esportes no colégio, o que era bom, já que no próximo mês teremos o torneio entre colégios. A disputa de capitão do time estava em aberto, já que fiquei alguns meses afastado, por conta da fratura, Sehun me substituiu, e o time rapidamente se adaptou a sua forma de jogar.

     -Faremos o seguinte. Colocaremos em votação, e os rapazes do time escolheram o capitão. –O professor de educação física disse tentando evitar uma briga.

     -Não é necessário professor, a vaga é de Jeon, eu apenas o substitui. –Sehun me entregou a braçadeira de capitão sem problema algum, nunca fomos rivais e isso é um ponto a mais para nosso time.

     -Tudo bem, senhor Oh, se decidiu assim. –O velho deu um sorriso de alivio. –Bem-Vindo de volta ao time senhor Jeon.

     -Obrigado, professor. –Apertei a mão do mesmo e segui juntamente com Sehun até a quadra.

     Depois de conversar com toda a equipe, começamos um intenso treinamento. Hora ou outra uma dor me incomodava, mas o médico disse que seria normal, meus músculos estavam se adaptando novamente. Durante uma pausa, segui até a arquibancada, Dahye provavelmente estaria na biblioteca, já que garotas não costumam jogar em nosso meio. Estava distraído quando uma garota desconhecida se sentou ao meu lado, mas não dei muita atenção à mesma.

     -Oppa, não seja mal, converse comigo. –Ela insistia, sua voz melosa me causava ânsia.

     -Tenho namorada. –Minha resposta saiu séria.

     -Que mal há nisso, eu não sou ciumenta. –A garota riu, sua risada era ainda pior que sua voz.

     -Você não é, mas eu sou. –Ouvi a voz de Dahye, e agradeci aos céus por isso. –Some daí, o deixe em paz, ele tem dona.

     -Não vi seu nome gravado nele. –Essa garota só pode estar querendo morrer.

     -Mas pode ver minha mão gravada em sua fuça se não sumir daí, agora. –Dahye se aproximou bufando, a garota insistia em ficar ao meu lado.

     -Oppa, me defende. –A desconhecia se agarrou ao meu braço.

     -Ficou maluca, eu tenho amor ao meu amiguinho, sou muito jovem para ser castrado. –Tirei as mãos da mesma de meu braço e me afastei.

     -Vai deixar meu namorado, ou precisarei tirar você daí? –Minha namorada ainda esperava uma reação da garota.

     -Eu pago mensalidade assim como você, tenho direito a qualquer lugar deste colégio. –Ela rebateu, então vi Dahye partir para cima da mesma.

     -Resposta errada. –Minha namorada puxou o cabelo da desconhecida, a empurrando arquibancada abaixo.

     Não foi fácil separar as duas, mas com a ajuda dos garotos do time, afastamos uma da outra. Segurei Dahye em meus braços, a força que a mesma fazia era impressionante, se bem que costumam dizer que quem está com raiva, triplica a força. A situação apenas se acalmou com a chegada da diretora, resultando em todos em sua sala. Depois que os pais de ambas as garotas foram chamados, fizemos uma reunião de quase uma hora, fui obrigado a contar tudo o que aconteceu, e por sorte, minha garota não foi advertida, apenas voltou com um aviso.

     [...]

     Estávamos em meu quarto, Dahye dormia tranquilamente abraçada a minha camisa, aproveitamos que meus pais não estavam para colocar alguns assuntos em dias, digamos que terminamos completamente marcados, mas minha garota não estava mais com tanta raiva. Preparei um lanche rápido, e assim que ia subindo ás escada minha mãe chegou, me dando um beijo no rosto, e seguindo para a cozinha. Continuei o caminho para meu quarto, então entrei trancando a porta.

      Ouvi o barulho do chuveiro, mas quando tentei abrir a porta do banheiro, constatei a mesma trancada, Dahye havia feito de propósito. Minutos depois a mesma saiu vestindo uma calça de moletom que havia roubado de meu closet e uma camiseta qualquer, ela iria dormir em minha casa, seus pais iriam a um jantar de negócios, e senhora Choi estava novamente de folga. Me aproximei a abraçando pela cintura, beijando levemente seu pescoço.

     -Por que trancou a porta? –Perguntei beijando a ponta de sua orelha.

     -Queria privacidade. –Segurei o riso, minha namorada sempre tão complicada.

     -Privacidade por quê? Tudo que tem aqui, já foi visto e marcado por mim. –Falei de forma maliciosa, prendendo sue olhar através do espelho em nossa frente.

     -Gostaria de saber o porquê de você ser tão pervertido ás vezes. –Minha namorada parou analisando minha expressão divertida. –Não é normal a mente de um ser humano que pensa besteira vinte e quatro horas por dia.

     -Eu não penso besteira vinte e quatro horas por dia. –Falei em tom de ofensa. –Só quando estou com você.

     -Quer dizer que eu sou a responsável por desencadear sua impuridade? –Dahye manteve o tom de divertimento.

     -Você desencadeia o amor, seu corpo desencadeia minha impuridade. –Falei beijando seu pescoço novamente.

     -Você é terrível, Jeon. –Minha namorada se virou selando nossos lábios. –Estou morrendo de fome. –Meu bebê pervertido.

     Depois de nos beijar por um longo período, nos sentamos na cama para comer o que eu havia preparado. Logo em seguida, nos deitamos para aproveitar o resto da tarde de sexta assistindo a um belo filme de terror, um gênero pelo qual sou completamente apaixonado, e descobri que minha namorada é completamente louca.

     Quando anoiteceu, minha mãe nos chamou para o jantar, meu pai também já havia chegado, e tudo estava a mil maravilhas. Jantamos conversando sobre a semana de cada um, e sobre o torneio que começaria na segunda. Teria apenas o fim de semana, para me preparar psicologicamente para o primeiro jogo. Dahye ajudou minha mãe a arrumar algumas coisas na cozinha enquanto permaneci na sala com meu pai, pegando algumas dicas de como me acalmar antes de algo importante, e digamos que o velho realmente tinha ótimos conselhos.

     Tínhamos uma festa para ir de madrugada, mas deveríamos sair sem que meus pais percebessem. Esperamos que os mesmo fossem dormir, para começarmos a nos arrumar, não demorou a sairmos de casa. A noite estava um pouco fria, possibilitando as ruas vazias, um prato cheio para a diversão da noite, seria a primeira vez que levaria Dahye a uma disputa de carros. Sei que ela se amarra em altas velocidades, mas não sei até que ponto suporta quebrar regras. Jimin disse que não iria, na verdade havia abandonado nossa vida antiga assim como Taehyung, estavam focados em seus relacionamentos e eu os entendia perfeitamente, Yoongi também desmarcou, disse que tinha outro compromisso, possivelmente com Lilly, os únicos que estariam seria Namjoon e Hoseok, Jin estava viajando com a família.

     Encontrei os garotos no local marcado, embaixo da velha ponte. Dahye se agarrou ainda mais ao meu braço, estava estranhando o local repleto de jovens e com algumas fogueiras acesas em pontos estratégicos. Um local sombrio, deserto, mas um ponto onde possivelmente não chegariam policiais, e onde não corríamos risco de atropelar um inocente. Sabíamos que estávamos infringindo pelo menos uma dúzia de leis, mas o que não fazemos por um pouco de adrenalina.

     -Por que a trouxe, Jeon? Aqui não é lugar para minha prima. –Hoseok disse entre os dentes.

     -Vai com calma, Jung. Dahye quis vir. –O afastei pelos ombros. –Eu irei protegê-la, não se preocupe.

     -Acho bom. –Ele caminhou a nossa frente, deveria pagar a taxa de inscrição.

     Depois de tudo organizado, nos dirigimos aos veículos. Namjoon ficaria apenas observando, Hope iria correr de moto e eu enfrentaria o adversário em meu Jaguar. Hoseok venceu a corrida sem nenhum problema, e saiu exibindo seu premio em dinheiro vivo, minha garota havia se familiarizado ao ambiente, mas ainda não havia percebido o olhar de algumas garotas sobre ela, pura inveja, já que havia dispensado todas elas por conta de minha namorada.

     -A próxima corrida é a minha, quer me acompanhar amor? –Perguntei abraçando a mesma pela cintura.

     -Claro que não, se quer se arrebentar, faça isso sozinho. –Hoseok a puxou, para seu corpo.

     -Você venceu essa, Jung. –Selei os lábios da mesma, e segui até meu carro.

     -Boa Sorte, amor. –Ouvi Dahye gritar enquanto ligava os motores do jaguar.

     Dei partida e em menos de um minuto venci a corrida, voltei com meu premio também em dinheiro vivo. Algumas das garotas que cercavam a pista tentaram se aproximar, mas caminhei ainda mais rápido e selei os lábios de Dahye, para mostrar a elas que eu estava acompanhado, e muito bem acompanhado por sinal.

     -Ei, Jeon! Sinto falta de você em minha cama amor. –Yoona se aproximou, era uma das que dispensei, mas que amava arrumar confusão. –Meu colchão está tão frio sem você.

     -Quer que eu esquente, posso jogar fogo nele. –Dahye disse me abraçando ainda mais forte.

     -Não falei com você garota. –Yoona a provocou.

     -Mas falou com meu homem, se orienta piranha, ou vai conhecer o inferno mais cedo. –Minha namorada disse fazendo todos rirem da cara da garota. –Te garanto que lá é bem quentinho.

     -Vai pagar caro. –A garota correu para um canto qualquer.

     -Estou esperando, pode vir. –Minha namorada disse firme, nunca pensei em vê-la daquela forma. –E o senhor é bem famoso, não é?

     -Desculpe, amor. –Selei os lábios da mesma.

     -Deixa eu ver você dando idéia para uma delas, vai ficar sem seu bem mais preciosos. –Ela me soltou caminhando em direção ao carro, engoli seco apenas por imaginar a dor. 


Notas Finais


Alguém aí, ciumenta (o) a nível Dahye?

Beijos e até o próximo capítulo!!! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...