História My sweet girl. - Capítulo 57


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Lesbicas, Originais, Yuri
Visualizações 111
Palavras 1.454
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Boa leitura

^ ^ ♡
( ● 3● ) /
_/

Capítulo 57 - Quadragésimo sexto



(Point of view autora / Narradora )

Beatriz assistia algum desenho que passava na tv,não fazia ideia de que era aquilo,ou o nome, só sei que a mesma estava gostando de assistir. Biah estava ainda encucada por sua namorada ter lido seu diário. Ela mastigava algum salgadinho crocante enquanto estava vidrada na televisão. A mulher estava entediada,então apressou-se em arranjar algo mais interessante pra fazer imediatamente. 

> Já sei!- exclamou a para si mesma enquanto uma lâmpada se acendia acima de sua cabeça. 

Sentou-se na cama, pegou Flor no colo, e um ossinho que a mesma roía,e foi em direção á sala, apanhar seu celular que descansava em cima do sofá. Discou o número de Aldrey.

Chamando...

Chamando...

Ninguém atendeu. Seu cenho franziu confusa, a mesma nunca demora á atender, então supôs que possa estar ocupada.

A menor chamou mais uma vez , e finalmente a voz rouca da ruiva se fez presente do outro lado da linha arracando um sorriso da mesma,que se acomodou mais no local onde o aparelho celular estava a momentos atrás. 

> Al? Sou eu a Biah.

> Ah, oi Beatriz, o que houve?- perguntou curiosa, ela não estava com a mesma animação de sempre, havia algo estranho.

> Nada, eu só queria conversar, estou sozinha junto com Flor .- respondeu mordendo o lábio inferior, a menor mal podia esperar para contar á Aldrey o que ganhara de presente de sua amada.

> Ah... mas espera, quem é Flor?- perguntou mais confusa ainda.

> Ela é uma cadelinha maravilhosa, Layla me deu de presente faz poucos dias, na verdade, ela é meio que nossa filha entende?- falou e logo pode ser ouvida sua risada contagiante.

> ESSA É A GAROTA QUE EU ENSINEI! Que orgulho que eu tenho dessa emburradinha.- a risada de Beatriz ecoou pela sala.

> Como assim? - perguntou a menor brincando.

> Ela me pediu uma ajudinha pro tal "pedido de namoro perfeito", daí eu dei umas ideias pra ela antes de eu vir embora, e ela ainda me ligou pra perguntar algumas coisas.- Falou descontraída.

A Mulher ficou estática, depois de sua amiga ter falado aquilo, ela percebeu o quanto ela considerava essa relação importante. Na verdade ela sempre soube...

> Biah? - a menor logo acordou de seus pensamentos.

> Ah, me desculpe eu estava pensando, mas enfim, como está entre você e Jenny?- perguntou, foi espontâneo, afinal era também por esse motivo que ligara .

> Ah Beatriz, estão indo bem...- falou meio receosa, era perceptível seu desânimo. A menor arqueou a sobrancelha com a resposta. Sua amiga soava suspeita. Algo estava acontecendo.

> Vai Aldrey, pode falar, o clima que está pintando entre vocês já é bem nítido. - disse enquanto sentia a cadelinha abocanhar seu mindinho, ela não mordia forte, a mesma adimirou a cena em êxtase por conta da fofura. Pôde-se ouvir um suspiro do outro lado da linha.

> Depois de tudo, nós não nos falamos muito, e está sendo como se nada tivesse acontecido. - Falou meio desanimada.

> Como assim " está sendo como se nada tivesse acontecido? " Não podem fugir disso e simplismente ignorar tudo que aconteceu.- Beatriz já estava sem entender e muito inconformada com a situação.

> Acho que é melhor assim, não daria certo,isso vai passar um dia...eu...- fez uma pausa, e suspirou, a ruiva parecia tentar raciocinar o que estava sentindo.

> por quê não daria certo? Vocês duas são amigas há muito tempo, se conhecem muito bem, tem pais livres de homofobia que apoiam abertamente a homossexualidade. Aldrey, pare de fugir, isso que está sentindo só vai se intensificar,acredite.

A ruiva ainda permanecia em silêncio. Ela parecia tomar coragem para pronunciar as próximas palavras.

> Isso não é o problema, na verdade eu que não queria sentir isso, eu não queria mudar a nossa relação assim, nós éramos praticamente irmãs, e conforme o tempo foi passando, eu fui começando á estragar tudo, depois vi que ela também estava sentindo o mesmo, mas ainda sim era arriscado demais pra mim...demorou para eu aceitar que realmente estava amando ela demais, porém, não do jeito que eu planejava... foi assim...tudo muito repentino sabe? E-eu tenho medo...

a ruiva sentiu enorme peso deixar suas costas.

> Não tenha medo, vocês duas são jovens, lindas, e o mais importante, se amam, é somente isso que importa, e acredite, depois quando você se entrega, tudo parece fazer mais sentido na sua vida, você passa a ganhar mais uma propósito pra lutar, e por mais que seja difícil, ela vai estar lá pra te confortar e permanecer do teu lado pra qualquer coisa . 

Beatriz tentava de alguma forma fazer tudo aquilo entrar na cabeça de sua amiga, Aldrey só tinha medo, e a mesma estava tentando combatê-lo junto com a ruiva.

> Nossa, você deve ser bem experiente...- Disse rindo sem vontade.

> Não precisa ser experiente, só precisa fazer o que seu coração pede, as vezes , ele é igual uma criança birrenta,  temos que atender todas as suas vontades por mais que você saiba que é errado e que é proibido,precisa ser do seu jeito, ou o mesmo irá chorar e berrar, e enquanto você não o fizer, ele não te deixará em paz, porém, no final, você não se arrepende, pois ambos vão estar apaziguados. - disse Biah acariciando a cadelinha em seu colo.

> Estou largada no chão frio do meu quarto agora com este seu discurso maravilhoso.- disse e a menor gargalhou.

> Aldrey sempre comediante... mas enfim, você precisa resolver isso logo, se Lay souber disso, ela vai até aí puxar a orelha das duas, e eu vou deixar.- disse levantando ambas as sobrancelhas. Aldrey deu risadas do outro lado da linha.

> Tudo bem, eu vou falar com Jenny... - suspirou derrotada.

Sua voz parecia tranquila,mas ainda havia receio.

> Faça isso, não vai se arrepender.- disse Biah mais animada.

Logo a mesma escutou a porta ser destrancada, e aberta logo em seguida, revelando uma Layla sorridente. Porém, a menor ainda não esqueceu o que a maior fizera com ela mais cedo, havia contas para ser acertadas. Biah olhou seu celular, e Al já havia desligado.

> Layla, temos que conversar.- disse, tudo apontava que ela realmente fez o que fez, mas ela precisava que a mais velha admitisse, pois Beatriz ainda considerava a opção de que fosse só uma conhecidência tudo que ocorreu.

> o quê? Aconteceu algo? Não gostou do presente? - perguntou se aproximando mais de Biah. A mulher colocou Flor no chão, ia ser mais difícil do que imaginava.

> É sobre isso, e sim eu gostei, mas como sabia que eu gostava de temaki? Eu nunca te falei que gostava.- perguntou fuzilando a mesma.

> Intuição?- disse com um sorriso suspeito.

> Para! Eu sei que leu meu diário. - foi direto ao ponto, a mesna congelou.

> Não li não.- disse teimosa cruzando os braços.

> Você leu,admita.- falou se aproximando mais de Layla que se esquivava.

> m-e o-b-r-i-g-u-e.- ela insistia que não, sua teimosia só fazia Beatriz querer agarrá-la mais ainda. Ela adorava quando Layla a desafiava.

> é melhor falar por bem, do que por mal.

> Não vou falar nada.- disse sem ligar.

As mãos da mais nova foram até as costelas da maior fazendo cócegas, ela se contorcia no sofá, a mesma implorava para que Beatriz parasse, mas Layla optou por desafiá-la, agora estava sofrendo as consequências. Porém ela havia esquecido que a mulher havia lido seu diário.

> Eu sei o seu ponto fraco!- Beatriz disse ainda fazendo os movimentos.

> E eu agora eu sei o seu também amorzinho.

um sorriso malicioso agora dançava em seu rosto, ela foi descendo sua mão até a calcinha e adentrando a mesma, fazendo movimentos na intimidade da menor, que parou imediatamente as cócegas, seu corpo estava fraco.

> V-você me paga! Ah. - exclamou deitando-se em cima da mais velha, gemendo sentindo seus dedos massagearem seu clitóris. E logo em seguida penetrando-a com os dedos e estocando forte, enquanto a menor gemia. Rebolando em seus dedos, a menor só tinha forças para isso, Layla estava fazendo do jeito que a mesma adorava, aquilo a fazia alcançar o orgasmo em pouquíssimo tempo.

> E eu sei exatamente como te torturar também.- disse enquanto retirava os dedos e parava os movimentos.

Biah quase chorou naquele momento, seu gemido ecoou pelo cômodo, a vontade que ela tinha naquele momento, era de fazer picadinho de sua namorada.

> Mas eu vou ser boazinha, irei terminar o trabalho desta vez.

E assim o fez, Biah caiu em esparmos em cima da maior.

> não faz mais isso por favor.-  pediu. Olhando nos olhos da mais velha, ainda ofegante.

> Isso foi por me fazer cócegas mesmo sabendo que eu odiava, e por nunca me contar o que beijou uma garota por acidente em uma partida de vôlei, foi muito show.- disse rindo de leve.

Beatriz se arrependia amarguradamente por ter trazido aquele diário pra cá.


> Agora estamos quites.-

 




Notas Finais


Layla má
Aldrey confusa.
E eu?
No chão.

BJS DA LY


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...