História My Sweet Irish Boy - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Personagens Originais
Tags Niall Horan, One Direction, Romance
Exibições 45
Palavras 1.366
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oiii, tudo bem com vocês? Espero que simm! Espero que gostem deste capítulo! Boa leitura!

Capítulo 19 - Lost


"Respirei fundo e abri a porta, passando pela mesma, e fechando. Mas ao ver minha mãe, realmente desejei não ter entrado naquela sala." (Niall Horan)


* Niall Horan *

Ela estava deitada na cama, a feição deprimida, o corpo magro e fraco. Olheiras fundas se destacavam na pele pálida. Caminhei lentamente, os lábios levemente abertos com o choque. Faziam dois meses desde a última que em que a vi, e ela estava bronzeada, forte, alegre.

- Niall, querido... - sua voz saiu mais como um sussurro. - O que faz aqui?

- E-eu vim te visitar, mãe. - falei enquanto puxava uma cadeira e me sentava ao seu lado, pegando uma de suas mãos e a segurando com minhas duas. Estava gelada.

- Mas eu ia viajar pra ver você, eu ia fazer uma surpresa... - sorri.

- Mas eu quis te fazer uma também! - ela riu levemente, e me alegrei ao ver aquilo. Notei meu pai e Greg no canto da sala, sorrindo. - Como estão as coisas? 

- Ah, não me deixam nem andar pelo hospital. - ela disse bufando, ri internamente, ele sempre foi teimosa, minha mãe.

Ela ficou alguns momentos observando o nada, não pude ler sua expressão. Foram longos minutos de silêncio, tanto de mim, dela, do meu pai, e de meu irmão. O rosto dela ficou mais triste, ela se virou para mim, e soltou minhas mãos.

- Sabe, eu ia visitar meu filho semana passada. - ela disse me olhando, os olhos brilharam. - Você me lembra ele, é bonito, meu filho, muito bonito. Pena que ele não arranjou uma garota, deve estar esperando pela certa. 

Olhei confuso para meu pai, ele estava com a cabeça abaixada, e meu irmão com lágrimas nos olhos. 

- Tenho certeza que ele é. - falei sorrindo para ela, ela sorriu, assentindo. - Ele com certeza achar. - ela sorriu e apertou minhas mãos, sorrindo. - Você poderia chamar o médico, por favor? - ela perguntou.

- Claro.

Me levantei, e fiz um aceno de cabeça para meu pai, ele me seguiu para fora do quarto.

- Por quê não me contaram que a memória dela estava falhando? - perguntei seco.

- Pensamos que...

- Minha mãe está perdendo a memória! - esbravejei. - Vocês pensaram o quê? Não vamos falar para o Niall, ele é novo, não vai saber lidar! - falei mudando minha voz. 

- Não está sabendo lidar agora! - ele gritou na minha cara. - Sai daqui, moleque. Vai dar uma volta, e vem pra cá quando estiver tranquilo! - ele disse bravo, os olhos me fuzilando.

Bufei e me virei para trás, caminhando de volta para a sala de espera. Os meninos me observaram enquanto eu passava andando apressado pela sala, provavelmente tinham ouvido os gritos. Anna não estava lá. Saí do hospital, e vi ela sentada na calçada, apertando o casaco fino contra o corpo. 

- Você daria uma volta comigo? - perguntei enquanto me abaixava. Ela virou a cabeça para o lado.

- Claro. - ela disse com um leve sorriso. Estendi a mão e a puxei. 

Tirei a jaqueta que eu estava usando e entreguei para ela.

- Você vai ficar com frio. - disse ela, sem pegar a jaqueta.

- É só até chegar no carro para pegarmos os sobretudos. - falei dando de ombros, ela pegou, percebi que ainda estava incerta, e fomos caminhando até o carro. Peguei as chaves e abri, tirando os casacos de dentro. Ela me entregou o meu, e vestiu seu sobretudo preto, e eu vesti o meu, também preto.

- Parecemos agentes secretos. - ela disse rindo.

- Agente Horan ao seu despor. - falei enquanto fazia uma continência, ela riu e pegou minha mão.

- Eu exijo que devemos andar pela cidade. - disse ela firme e rindo ao mesmo tempo.

- Sim, senhorita! - falei meio cantarolando.

Ela enroscou um braço no meu, e saímos do hospital andando.

Caminhamos sem destino pelas ruas de Dublin, fazia tanto tempo desde a última vez que estive aqui, que nem reconhecia alguns lugares, tendo que olhar as placas das ruas em que eu virava. Anna estava vislumbrada pela paisagem, eu não ligava mais tanto, mas como todo turista, ela estava maravilhada, e o brilho nos seus olhos me deixava mais calmo. 

- Ei, vem. - mudei nossa direção para um bosque que eu amava quando pequeno.

- Onde estamos indo? - ela perguntou.

- Segredo. - falei, ela sorriu, e fomos caminhando em meio às árvores.

Chegamos no local, e estava exatamente como eu me lembrava.

As árvores estavam verdes, vivas. Dentes-de-leão se espalhavam pelo campo aberto, o som do rio que corria mais à frente deixava o ar com um cheiro natural, uma mistura de terra e plantas. Pássaros cantavam nas árvores, e era possível ver o movimento rápido de esquilos de vez em quando.

- Isso... isso parece um conto de fadas, Nialler. - ela disse sorrindo e se virando para mim.

Eu sorri e peguei um dente-de-leão, entregando para ela em seguida. A garota sorriu e soprou.

- Qual foi desejo? - perguntei.

- Se eu te contar, não vai se realizar. - ela deu um sorriso brincalhão, e se sentou no chão. 

Me juntei a ela, que logo apoiou sua cabeça em meu ombro, enquanto eu passava o braço em volta de seu corpo. O vento batia levemente contra nós, fazendo Anna se aconchegar mais em mim. Ficamos em silêncio, em um silêncio agradável, sem perceber o tempo que passava, e a noite que chegava.

[...]

- Niall, está escuro. - Anna disse apertando minha mão e chegando mais perto do meu corpo.

- Eu tenho certeza que esse é o caminho, passei minha infância inteira andando por aqui.

- Isso faz o quê? Dez anos? - ela perguntou, não respondi, apenas continuei tentando iluminar o caminho com a lanterna do celular, Anna fazia o mesmo. - Minha bateria vai acabar. - ela disse aflita.

- Calma, meu amor. - falei parando de andar e segurando suas mãos.

- Nós estamos perdidos, Niall! Perdidos no meio do nada! Você me disse que esse bosque só tem um lado que leva pra cidade! E a gente não tá desse lado! - ela gritou, e na hora, a bateria de seu celular acabou, deixando o lugar mais escuro, apenas com a luz do meu.

- Se acalma! - falei alto, mas sem gritar.

- Eu vou achar esse maldito caminho, Niall! Dá aqui. - ela arrancou o celular da minha mão e saiu andando em meio às árvores. 

A segui sem reclamar, eu sabia que ela ia fazer um escândalo se eu dissesse qualquer coisa. Ficamos andando por mais de meia hora, e pra surpresa de todo mundo, não achamos o caminho, ficamos apenas mais perdidos.

Meu celular se desligou, e ficamos na escuridão da noite, as folhas das árvores cobriam a luz da lua.

- Merda! - ela xingou enquanto colocava o celular em minha mão.

Tateei o ar até encontrar uma árvore. Me encostei, e deslizei até sentar no chão.

- O que você tá fazendo? - ela perguntou.

- Sentando, ué.

- Levanta, Nialler! - ela disse, eu fiquei a olhando. - Niall!

- Anna. - falei, e ela ficou quieta. - Você precisa relaxar, ok? Vem. - puxei sua mão, e ela se sentou ao meu lado com cuidado.

- Eu tô com medo. - ela murmurou depois de alguns segundos.

- Eu sei. - falei e beijei sua cabeça. - Vamos tentar dormir, e quando estiver claro, conseguiremos achar o caminho de volta.

- Ok. - ela disse.

Envolvi meus dois braços em volta dela, e ficamos encolhidos, encostados no tronco da árvore. Em pouco tempo, Anna estava dormindo, mas não consegui pregar os olhos por um segundos. Eu conhecia esse bosque, e sabia que não era tão seguro assim, para se passar a noite sem sequer um celular com bateria. Os pensamentos começaram a chegar em minha mente em uma velocidade incrível, mas o mais importante era "Você não vai dormir, Horan, você vai proteger essa garota. Vocês vão achar o caminho de volta quando o dia amanhecer. Você vai apresentá-la para sua mãe.".


Notas Finais


Gostaram??? Por favor, deixem um comentário ou sugestão, se tiverem alguma crítica, e não quiserem colocar nos comentários, sintam-se à vontade para me mandar uma mensagem, quero saber a opinião sincera de vocês.
Beijooos, até o próximo capítulo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...