História Meu Adorável Ômega - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Abo, Fluffy, Jigguk, Jikook, Jimin!bottom, Jimin!bottom Squad, Jimin!ômega, Jimin!uke, Jungkook!alfa, Jungkook!seme, Jungkook!tops, Kookmin, Lemon, Litwick, Muito Fluffy, Namjin, Otp, Passivamin, Taeseok, Vhope, Yaoi, Yoongitah
Visualizações 5.862
Palavras 1.599
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi, +470 favoritos, como se respira?

AHSISUS, SOCORRO, AI MEU DEUS, MUITO OBRIGADA PELOS FAVORITOS E COMENTÁRIOS, AMO VOCÊS!

Boa leitura ♥

Capítulo 11 - Não se afaste, Jimin. Mesmo que todos lhe queiram longe dele


Fanfic / Fanfiction Meu Adorável Ômega - Capítulo 11 - Não se afaste, Jimin. Mesmo que todos lhe queiram longe dele

Jungkook sentiu sua semi-ereção doer, ao ser apertado dentro daquele grosso tecido da calça jeans que vestia, o mesmo palpitava por atenção, isso era fato. O moreno, movido pelo grande calor do momento, virou o rosto do ômega com cuidado, alcançando os labios cheinhos deste, os selando com força, enquanto friccionava o pênis ereto contra o bumbum farto alheio, buscando alguma maneira de aliviar aquele breve incômodo, na mesma medida em que se contenta a ao ouvir as lamurias baixas do ruivo.

– H-Hyung, o seu cheiro está muito forte... – Comentou em voz baixa, como se revelasse um grande segredo, respirando fundo em seguida, a fim de sentir melhor aquele aroma amadeirado vindo do alfa. – É tão bom. – Praticamente gemeu numa baixa entonação, em puro deleite.

O lúpus sorriu ladino com tal confissão do ruivo, aproximando os lábios de ambos novamente, aproveitando para pressionar mais seu membro dolorido em oposição as nádegas avantajadas do Jimin.

Por fim, soltou grunhido baixo e rouco, dentre o ósculo desajeitado.

– Kookie… – O olhou corado ao descolarem as bocas mais uma vez, tendo o lúpus direcionando os seus labios ao ombro do ômega, depositando algumas carícias com a língua aveludada ali, naquela região tão sensível. – Tem algo dur-… – O mordiscou com demasiada pressão. – A-Ah… – O Park lamuriou baixinho, apertando os seus olhos simultâneamente.

Jungkook, sem dar muito ouvidos, adentrou a camisa do mais novo e apertou sua cintura deste, recebendo o um arfar em troca. Percorreu toda extensão da sua pele alva e macia, até chegar em um dos mamilos, onde o mesmo pressionou com os dedos gélidos, molestando-os lentamente por um curto segundo, conseguindo arrancar outro resmungo do ômega, que já se sentia o corpo abordar uma temperatura calida. 

Ah, Jungkook definitivamente não se importaria de mudar aquela coloração esbranquiçada do ômega. 

Retirou suas mãos imediatamente dali e guiou os dígitos até a reta de botoes da camisa fina do Park, abrindo alguns já impaciente, logo fazendo menção de areancá-la do corpo pequenino, sendo impedido por Jimin, que respousando sua mãozinha rechonchuda sobre a do lupus, apertando-a a fim de chamar sua atenção.

– Kookie, está ouvindo isso? – Perguntou, tentando pará-lo, afinal, estavam num lugar público e por mais que aqueles toques lhe provocada em sensações estupefatas, Jimin ainda assim, se sentia um tanto assustado com todas aquelas coisas e sentimentos lhe despertando de repente.

– Não. – Mentiu, o calando com um beijo, tentando fazer com que o garoto esquecesse de qualquer coisa e voltasse a prestar atenção somente nele.  Sabia, sim, que o seu celular estava vibrando alto e constantemente no bolso da sua, mas prefiriu ignorar, já que por agora, tinha algo mais importante para se ocupar. 

– K-Kookie, é sério. – Insistiu entre o beijo, afastando Jungkook de si, com a respiração pesada devido as ações anteriores. – Acho que é o seu celular.

– Deixa tocar. – Puxou a cintura do ômega mais uma vez, na tentativa de colar novamente os corpos.

– A-Atende, Jungkook! Pode ser importante.

O alfa então bufou ao ser empurrado de novo e revirou os olhos com tamanha insistência da pessoa que o ligava, logo enfiando a mão no bolso de qualquer jeito e por fim, pegando o celular.

– Quem é?! – Questinou com raiva assim que atendeu, por ter sido interrompido.

– Jungkook, é o Namjoon. – Disse rápido e Jungkook desejou matar lentamente o loiro; torturá-lo até que ele dissesse que já chega. – O Jimin por algum acaso está aí com você? Ele sumiu.

– Está sim, por quê?

– Porra, Jeon. Por que não avisou nada? Jin estava morrendo de preocupação. – Resmungou. – Pode trazê-lo? É perigoso para um ômega tão jovem como ele, ficar fora de casa à essa hora.

O moreno franziu o cenho e afastou o celular, olhando quantas horas eram no visor. Meia noite e meia. Realmente, estava muito tarde.

– Jimin está comigo, Kim Namjoon. Acha mesmo que ele correria perigo? – Rolou os olhos passando, a palma da mão no rosto impaciente, ouvindo um suspiro do outro lado da linha. Namjoon preferiu ficar quieto, sabia que o lúpus já estava ciente da sua resposta. – Tudo bem, já estou levando-o. – Desistiu, tentando relaxar o seu lobo que até então,  o permanecia agitado, enquanto simultâneamente, olhava Jimin, que parecia não entender nada daquilo.

– Okay, Jin agradece. – Retrucou de maneira simples. – Vou desligar.

O moreno não esperou o outro falar mais nada e o próprio encerrou a chamada.

 Levou a mão nos fios do cabelo e os puxou, frustrado e um tanto irritado por ter sido atrapalhado naquele momento tão quente.

Ergueu o olhar e encarou Jimin novamente, sua camisa estava amassada e com alguns botões abertos, seus cabelos bagunçados e seu rosto num tom avermelhado.

Seu pescoço também estava vermelho e esboçava marcas que vom toda a certeza, amanhã estariam totalmente visíveis e roxas.

– Vem, vamos para casa. – Estendeu a mão e ele assentiu, logo a pegando-a. – Seu presente fica para outro dia. – Murmurou.

O alfa suspirou e xingou Namjoon mentalmente com todos os palavrões existentes no mundo enquanto caminhava, mas por outro lado, também o agradeceu desesperadamente, pois se não fosse ele naquele momento, Jungkook poderia estar cometendo um grande erro agora. 

Um erro delicioso, convenhamos.

Não que ele se arrependa da possibilidade de morder cada pedacinho daquele derme pálida, enquanto o fazia rebolar sobre o seu pau, longe disso, aliás.

Entretanto, ainda era cedo e claro, haveriam muitas outras e melhores oportunidades.

***

Jimin

– SEXO! – Taehyung sobressaltou da cama gritando e com os olhos arregalados. – VOCÊS QUASE FIZERAM SE-

Hoseok puxou o ômega acastanhado e tapou ligeiramente a sua boca com a palma da mão, o fazendo se debater entre os seus braços.

– Taehyung! – Jung o repreendeu e logo o soltou, o mesmo levantou as mãos num sinal de rendimento e respirou fundo. 

O alfa entre nós enfiou os dedos nos fios do seu cabelo e depois desviou o olhar para mim, que apenas assistia tudo aquilo sem compreender nada.

– Eu vou contar pra ele. – Tae ousou, apontando para mim com o seu indicador. 

– Não! – Hoseok o encarou feio.

– Hobi, alguém tem que contar. De qualquer maneira, cedo ou tarde ele vai descobrir mesmo. – Inspirou fundo, dando de ombros.

– Calma Tae, as coisas não s-

– Calma? – Arqueou suas sobrancelhas. – Já viu o estado do pescoço dele? – Hobi negou e em seguida, se aproximou de mim, analisando todas as marcas no meu pescoço, ombros e rosto feitas por Jungkook na noite anterior. – Qualquer um esperto o suficiente pode fazer isso com ele de novo.

O mais velho suspirou.

– Você deveria tomar mais cuidado com esse alfa. – Me alertou. – Ele pode acabar lhe machucando de verdade e seriamente.

– Concordo. – Taehyung se pronunciou.

– Aish, Tae – Emiti num tom frustrado por ver que eles não nutriam nenhum tipo de confiança em Jungkook. – Jungkook não é perigoso como vocês pensam e eu tenho dezessete anos, não precisam se preocupar tanto assim. O Jimin não é idiota. – Bufou, enquanto revirava os olhos, abaixando-se somente para amarrar os cadarços do tênis. – Sem contar que você vive cheio de marcas e ninguém nunca reclama de nada.

– O-Oras, eu... – Tae corou e olhou para Hoseok como se pedisse ajuda, mas o mesmo apenas riu e se manteve calado. – E-Eu... Aish, Jimin, faça o que quiser! – Bateu o pé e saiu com o rosto avermelhado, tanto de raiva quanto de vergonha, ou talvez um mix dos dois juntamente à outros sentimentos que eu não soube identificar.

Aspirei o ar demoradamente.

– Tudo bem, eu vou atrás dele – Hobi comentou, levantando-se da cadeira. – Jimin, avise a Minzy que não poderei ir trabalhar hoje, por favor.

Assenti e logo o vi caminhar na direção do seu ômega.

Terminei de arrumar os meus sapatos e me levantei da cama. Peguei o moletom que havia ganhado do Jungkook, a mochila e desci as escadas, me deslocando até a porta ligeiramente e posteriormente saindo por esta, fechando a casa em seguida, indo depois para a floricultura, afinal, hoje é quarta-feira e eu tinha de trabalhar.

***

Fui o percurso inteiro chutando algumas pedrinhas e latas de refrigerantes que apareciam no meio do meu caminho, enquanto pensava seriamente, também, nas palavras do Hoseok.

Eu deveria me afastar?

Não, o Yoongi hyung disse que se gostamos de alguém nunca devemos desistir dela. E ele, sim, está certo.

– Por que todo mundo quer me ver longe dele? – Murmurei confuso para mim mesmo.

Parei e abri a porta do estabelecimento assim que cheguei no mesmo. Entrei na floricultura e joguei a mochila no canto oposto ao balcão como sempre. Seguidamente, peguei o avental e fui checar se Minzy havia chegado.

Olhei nas sessões, nos fundos e na estufa, mas ela não estava.

Aish.

Voltei para o balcão e levei um susto ao me deparar com um alfa carregando algumas caixas com sementes.

Ele era um ladrão?

Ai, meu Deus.

– Ah... P-Posso ajudar? – Perguntei hesitante e ele rapidamente se virou para mim, colocou a caixa que carregava em mãos em cima da prateleira e posteriormente, sorriu.

Ele tinha uma estatura alta, cabelos tingidos de castanho claro e um sorriso muito bonito.

– Eu trabalho aqui. – Proferiu, após soltar um riso nasalado, voltando a organizar as sementes.

– Trabalha? – Ele assentiu, parecendo-me bem convicente. – Mas eu trabalho aqui há um bom tempo e nunca te vi antes, oras essa. – Cerrei os olhos para ele, cruzando os meus braços juntam.

– Sou o Yugyeom, substituto temporário da Minzy. Comecei hoje. – Riu e me olhou. Como assim substituto?  – E você é...?

– Park Jimin... – Sorri minimamente, sem graça por ter imaginado que ele pudesse ser algum ladrão ou algo assim. Depois, desviei o meu olhar, ele deu a volta no balcão e se aproximou de mim, segurando meu queixo a fim de me fazer fitá-lo. – P-Prazer. – Senti que ruborizava, talvez em retruque a toda aquela ação repentina.

E ele pareceu me analisar.

– O prazer é todo meu, gracinha. – Sorriu ladino.


Notas Finais


Não me matem, hehe e-e
Até o próximo, xuxus ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...