História My Sweet Sin - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Sabrina Carpenter
Personagens Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Justin Bieber, Personagens Originais
Tags Celebridades, Drama, Ficção, Justin Bieber, Novela, Romance, Sabrina Carpenter
Exibições 165
Palavras 2.414
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi demorei mais voltei 😊😊 gente esse capítulo me deu trabalho ein.... mais finalmente ele ficou do jeito que eu queria ...

Bom no final do capítulo ( nas notas finais ) eu irei dar uma má notícia pra vocês então eu peço que por favor leiam as notas finais .

Sem mas delongas , tenham uma boa leitura 📖📖📖

Capítulo 18 - My little girl ❤


Fanfic / Fanfiction My Sweet Sin - Capítulo 18 - My little girl ❤

             Notas finais , Notas finais ....

                
              Narrador 

    A menina se levantou num pulo , não acreditara no que acabara de ouvir . O seu  " pai " estava na porta seria isso verdade ? Ou é só uma brincadeira de mal gosto de alguém? Com toda certeza não era uma brincadeira , ela se dirigiu as escadas a subiu de dois em dois degraus , entrou em seu quarto , caminhou até o closet e trocou de roupa . Até por que ela não receberia o seu " Pai " de pijama .

  Justin ainda estava estático na  sala , ele não sabia o que pensar , ou fazer ela havia pedido pra ela ajudá-la a encontrar o seu pai mas lá no fundo ele não queria que ela o encontrasse por que certamente ela passaria a viver com ele , e ele não suportaria a idéia de não tê-la ali com seu sorriso contagiante , sua timidez que não se vai mesmo depois de tudo que já fizeram , não suportaria ficar sem aqueles mares azuis que tanto lhe chamaram a atenção desde a primeira vez que ele a viu no orfanato , ele não suportaria perdê-la . E sabia que priva-la de ver , falar e conhecer o pai era egoísmo.  E não era uma pessoa egoísta mais se tratando de Elizabeth ele seria tudo e qualquer coisa. 

- Senhor Bieber? Senhor ? - ele despertou de seus devaneios e passou a olhar para a mulher a sua frente que mantinha um semblante confuso .

- Sim ! - diz ríspido. 

- O que eu digo para o Homem lá fora ?

   Ele não sabia se o deixava entrar ou se o mandava embora . Não queria que ele entrasse, pois se ele entrasse seria um passaporte certo pra ela ir embora . Ela por um momento se pôs a pensar nela , ela já sofrerá demais na vida e ele não queria ser o motivo de mais sofrimento pra ela , ela queria conhecer o pai sempre quis conhecê-lo e talvez ele tivesse as respostas que ela tanto buscou saber . E por um resquício de sensatez ele tomou a sua decisão :

   - Mande-o entrar - ele diz e Marie corre até a porta , assim que chega a mesma ela a abre e permite que o tal senhor entre . Ele passa pela porta permitindo que Marie a feche , os dois caminham até a sala onde ela deixa o senhor pede licença e volta a seus afazeres.  

   Felipe encara Justin por um breve momento e Bieber faz o mesmo, depois de algum tempo se encarando os dois finalmente se pronunciam :

    - Senhor Bieber , sou Felipe Conner - diz e estende a mão em forma de comprimento e rapaz também estende a sua mão. 

   - Não vou me apresentar , por que presumo que o senhor já me conheça. 

           ***************************************

                            Felipe Conner 

  Minhas mãos tremiam , minha boca estava seca , e pequenas gotas de suor se faziam presentes em minha testa . Acho que nem em minha primeira cirurgia eu estava tão nervoso assim , mais também não é pra menos depois de anos eu Finalmente irei conhecer a minha filha !! Mais e se ela não gostar de mim ? Ou se ela não me perdoar ? Não , não posso pensar nisso fui explicar tudo a ela e com certeza ela irá entender .  

  Olhava para todos os cantos daquele escritório afim de amenizar a minha tensão e o meu nervosismo o que não estava dando certo , a porta do escritório foi aberta me fazendo encará-la , minha filha atravessou a mesma . Assim que a vi meu coração disparou , Deus não posso ter um ataque agora . Ela é linda realmente muito linda , não posso acreditar em como ela é parecida com a mãe, os olhos , a cor dos cabelos , e o sorriso igualzinho o da mãe . Eu olho pra ela e não consigo entender o porquê de Jessica ter dado ela pra adoção , como ela pode ser capaz de fazer tal coisa .

  Saio de meus devaneios ao sentir pequenos braços me rodeando , ela estava me abraçando sem nem pensar duas vezes eu retribui o seu abraço, anos de procura , de saudade , de frustração por não encontrá-la e anos de amor foram dados ali naquele abraço. Só Deus sabe o quanto eu esperei por esse momento , o quanto eu sonhei com esse dia , finalmente finalmente eu estava com a minha garotinha.

  Senti algo molhando  minha camisa e sim , ela estava chorando e sem que eu percebesse lágrimas caiam de meus olhos molhando o meu rosto e caindo em seus cabelos .

  - Minha menina , não sabe o quanto eu esperei pra lhe dar esse abraço, não sabe quantos anos eu passei esperando por esse momento e agora que ele chegou eu não consigo nem acreditar que isso é verdade .

   Separamos o abraço e ela me encarou enxugando os olhos .

  - Você também não sabe o quanto eu esperei por esse momento , o quanto eu sonhava em conhecer o meu pai , em poder abraçá-lo . Também não imagina as perguntas que eu tenho , o porque de você não está presente em meu nascimento? O por que de você nunca aparecer ou ligar pra mim ou pra mamãe ? Não imagina o quanto foi difícil ficar desde os cinco anos presa num orfanato me perguntando o por que dos meus pais me abandonarem ? - ela diz e vejo mais lágrimas caírem de seus olhos , suas palavras me atingiram em cheio , ela não imagina o quanto essas suas palavras me magoaram . Eu me culpei todos esses anos por ter permitido que ela sofresse tanto .


  - Me desculpe querida , me perdoe por todos esses anos sem .. sem estar perto de você, mais é justamente pra me esclarecer que eu vim até aqui hoje , por isso eu peço que você se sente .

  Pedi e assim ela fez , me aproximei dela , respirei fundo e tomei bastante coragem , olhei em seus olhos e comecei a falar : 

   - Eu vou começar do começo okay ? - ela assentiu - Eu e Jessica nos conhecemos desde de crianças, nos dois éramos muito amigos estávamos sempre juntos . Nos fomos crescendo e com o passar dos anos a amizade foi se tornando amor , e quando estávamos no ensino médio eu resolvi dar um grande passo eu pedi a sua mãe em namoro , começamos a namorar e esse namoro durou cerca de três anos até nos formamos , e no dia do baile de formatura nos decidimos dar um grande passo bem ... nos ... nos fizemos hum bem você não precisa saber desse detalhe o problema é nos não usamos uma proteção mais eu não me importei até por que sua mãe me disse que tomaria a pílula e eu acreditei que ela faria isso , uma semana se passou e nos estávamos voltando pra casa dos meus pais , assim que eu cheguei em casa minha mãe me  entregou uma carta da faculdade e nessa carta dizia que eu havia sido aceito na universidade de Ciências e Medicina em Londres , eu havia ganhado uma bolsa de estudos de 6 anos pra cursar medicina e a medicina sempre foi a minha paixão e eu não podia desperdiçar essa chance então eu fiz o que achava certo , eu tinha planos de me casar com a sua mãe e pra isso acontecer eu precisava ser alguém na vida , eu queria ser digno de sua mãe queria dar a ela tudo do bem e do melhor...

  - E então você aceitou ir pra Inglaterra ? - ela pergunta e eu assinto. 

  - Eu fui pra Inglaterra , eu sempre mantinha contato com  sua mãe, eu sempre perguntava como ela estava , como todos estavam e ela sempre me respondia que todos estavam muito bem , mais toda vez que ela dizia que estava bem eu notava um tom triste em sua voz e quando eu perguntava o por que de sua tristeza ela me dizia que era apenas saudade então eu deixava pra lá, um ano se passou e sua mãe não atendia mais as minhas ligações, nem respondia os meus e-mails, tentei me comunicar com ela até com cartas e nada. Eu pensei que ela não me amava mais e essa confirmação veio no dia seguinte , eu recebi uma carta que partiu o meu coração, me lembro de cada palavra usada naquela carta .

    "  Querido Felipe , peço que me perdoe por não atender as suas ligações ou responder os seus e-mails, mas eu não tenho coragem o suficiente de lhe olhar no rosto .
      E por isso estou recorrendo a está carta , eu espero não que sofra com o lhe escrevo aqui . Eu não posso mais e não quero mais me casar com você. Todo esse tempo que pasamos separados me ajudou a perceber que eu não te amo como achei que amava , eu não o amo como homem , mas sim como um amigo . Peço que esquece de todos os nossos momentos juntos , de todas as nossas juras de amor por que elas não foram reais e agora eu vejo isso , éramos muito jovens e imaturos e fizemos muitas coisas sem pensar e uma delas resultou na minha desgraça! 
   Por isso eu quero que você me esqueça,  esqueça que eu existo e não volte a me ligar , escrever ou qualquer outra coisa que você tente fazer . Eu não te amo mais e quero que você siga a sua vida .

            Adeus -- Jessica.   "

     - Aquela carta destruiu o meu coração, todos os meus esforços para ser alguém melhor para ela , todas as humilhações que eu passava naquele lugar pra poder dar a ela uma vida digna tudo , tudo foi por água abaixo. Ela conseguiu me fazer em pedaços , mas depois de muito sofrer eu resolvi que o melhor era aceitar e voltei a me dedicar aos meus estudos e me formei como o primeiro da turma , comecei um estágio em Londres mesmo e logo já era o melhor no que fazia , depois de construir uma bela carreira e juntar bastante dinheiro eu resolvi voltar para casa, e confesso que a primeira coisa que ao chegar aqui foi ir ver a sua mãe na sua casa , eu queria saber o por que , o por que dela ter dito aquilo , mais ela não estava mais lá na verdade ela havia se mudado pra bem longe segundo segundo a minha mãe, minha mãe estava muito estranha, sempre que eu perguntava de Jessica ela fugia do assunto e ficava nervosa , até que um dia eu a escutei falar no telefone com alguém e fui então que eu descobri que eu era pai e quanto eu soube eu fiquei imensamente feliz , só que a minha felicidade durou muito pouco , minha mãe me contou que Jessica tinha dado você pra adoção e eu fiquei muito puto quando escutei aquilo , e desculpe o linguajar, eu comecei a te procurar e procurei sua mãe também e quando a encontrei ela disse que havia te mandado para o Brasil , eu fiquei por vários anos te procurando no Brasil , em cada orfanato de cada cidade e nada . Eu já estava sem esperanças nenhuma de te encontrar , eu me estabeleci aqui e comecei a trabalhar no hospital em que te encontrei aquele dia . 

   - Como você sabia quem eu era ? Como teve a certeza de que eu era a sua filha ? - as lágrimas não paravam de cair de seus olhos .

  Por impulso enxuguei suas lágrimas, já sentindo as minhas começarem a cair. 

  - Sua avó Helena minha mãe me contou que você estava num orfanato daqui e ela me mostrou uma foto sua quando criança e me falou o orfanato em que você estava , e no dia em que nos esbarramos no hospital eu estava justamente indo para aquele orfanato e no momento eu que eu pus meus olhos em você eu tive a certeza de que você era a minha meninha , só eu precisava de uma prova e também eu mal pude falar com você até por que Justin nem ao menos deu um tempo pra isso .

   Ela dá uma risada nasalada e agora percebo que ela já não chora mais , ela olha pra mim e da um amplo sorriso que me faz sorrir também. 

  - Como me encontrou ?

  - Eu tenho os meus contatos , e também não é difícil saber onde Justin Bieber mora .... bem minha pequena eu espero que agora que sabe de tudo você possa me perdoar . Eu sempre quis estar presente com você mais eu passei muito tempo te procurando no lugar errado , eu sei que não deve ter sido nada fácil crescer sem os pais , sem o carinho , o afeto , o amor dos pais e eu me culpo a cada dia por ter deixado isso acontecer . E eu sei que não é nada fácil crescer sem um pai , mais eu peço que me perdoe e eu prometo que nunca mais você irá sofrer de novo eu vou me assegurar de que você seja feliz até o meu último dia de vida . E então você me perdoa ?

    Ela pula em meu colo e envolve os braços  em meu pescoço e eu envolvo a sua cintura , ouço ela dizer com a voz embargada :

  - Mais é claro que eu te perdôo, você é o meu pai e eu aprendi que devemos perdoar . E mesmo tendo alguns minutos de convivência eu posso lhe afirmar que eu te amo , eu te amo muito papai . 

  Ao ouvir aquilo , eu não aguentei segurar minhas lágrimas caíram mais e mais . Eu finalmente estava ouvindo aquilo , ela me ama ,  a minha filha me ama !! 

  - Eu também te amo meu Anjo muito !!

  




   Continua ...........

   


Notas Finais


Muito obrigada pelos favoritos e comentários do capítulo anterior 😊😊😊 na capa é a foto da Liz que o Felipe comentou .

Bem eu queria dizer que eu estava pensando em reescrever a história eu acho que o enredo não está agradando muito a vocês e isso me deixa muito frustrada 😐😐😐😐 eu estou pensando seriamente em deixar a fic .

Eu adoro My Sweet Sin , essa fic é o meu xodo e por isso me parte o coração pensar em deixá-la, as vezes eu acho que vocês não estam gostando muito e pensar que eu não estou agradando vocês me deixa muito triste e é por que eu estou pensando me deixá-la....

Mais uma vez eu agradeço a todos pelos comentários e favoritos do capítulo anterior 😊😊

Beijos 😘😘😘😚 galerinha !!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...