História My Vampire - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Miley Cyrus
Personagens Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Justin Bieber, Miley Cyrus, Personagens Originais
Tags Justin Bieber, Miley Cyrus, Vampiros, Violet Reynolds
Exibições 171
Palavras 2.246
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Fantasia, Festa, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Cheguei de novo, babys ❤
POV's só da Violet hoje, é isso.
Boa leitura.

Capítulo 9 - Everything Is Overdue


Fanfic / Fanfiction My Vampire - Capítulo 9 - Everything Is Overdue

" E se seu passado voltasse inteiro para te assombrar? " ~MV

        Violet Reynolds POV

- Violet. - Disse baixo - Eu voltei. -

Não conseguia acreditar naquilo, não esperava por isso tão cedo. Não nesse momento.

- Não vai abrir para mim entrar? - Perguntou com um sorriso no rosto.

- O que você está fazendo aqui? - Perguntei irritada.

Eu estava irritada. Ele não podia voltar assim, sem mais nem menos.

Ver ele partir me machucou e vê-lo voltar fez com que uma chama de insatisfação surgisse em mim.

- Essa é minha casa não lembra? Eu sou seu pai, exijo respeito. - Disse firme.

Apenas ri e contendo algumas lágrimas avisei:

- Ok. Está aqui o seu respeito, papai. - Forçei minha voz para soar como uma criança falando e virei de costa, saindo dali o deixando sem reação.

- Violet! Abra já esse portão! - Bradou.

- Foi você quem foi embora, não eu. Se alguém aqui merece respeito é mamãe. Ela sim, mesmo com seus problemas se manteve firme - Suspirei - E você, pode entrar, está aberta. Mas, sua primeira ação é pedir desculpas á mamãe. - Ele riu entrando.

- Não irei pedir desculpas a ninguém. E você, está merecendo uma lição! - Revirei os olhos e parei bem na frente de papai.

- Achei que ia sair para esfriar a cabeça ao invés de voltar a agir como um completo babaca! -

Eu não tinha medo. Pela primeira vez não temia o que ele pudesse fazer.

Mas, papai não reagiu, apenas me abraçou sussurrando:

- Senti sua falta. - Só você.

- Eu nunca saí daqui. - Sussurrei de volta.

- Violet, isso não me atinge, sei que você está irritada e com razão. Só quero que não mude você mesma por conta de um sentimento tão ruim. - O quê? Papai estava usando as frases de vovó e se encaixava perfeitamente para ele.

- Isso é jogo sujo. - Disse vovô me puxando, o assunto não era comigo - Você não pode simplesmente abandonar sua família e voltar quando der na telha. - As palavras de vovô pesaram sobre papai, era visível.

- Mas, estou aqui para consertar meu erro agora... - Vovô o interrompeu:

- Acho que é tarde. - Que porcaria estava acontecendo?

- Nem sempre é tarde como pensamos. - Retrucou papai. Mais uma frase de vovó.

- Deveria saber que uma das outras frases de sua mãe era: " Não espere o sol se pôr para pedir desculpas, pode ser tarde. ". Ao menos saiba com quem está lidando. - Bufei e fui até papai dizendo:

- Estamos todos errados aqui. - Os dois me fitaram - Papai demorou, mas pelo menos está aqui agora e você senhor Reynolds - Me referi a vovô - Deveria saber que outra frase de vovó era " Nem sempre o tarde em dias, é tão tarde como pensamos. ". Acho que todos aqui aprendemos com essa situação. -

Me afastei deles e subi pegando minha bolsa, depositei um beijo na bochecha de mamãe e passei reto por papai, seguindo com vovô para a escola.

...

- Ah... Violet. - Chamou vovô. Olhei para ele antes de cruzar a rua - Só... Não se preocupe com seus pais, eles irão se resolver. - Assenti e adentrei na escola.

Eu sei que isso não acontecerá, mas posso fingir que acredito. Posso fingir que está tudo bem.

- E aí, Violet! - Gritou Bianca - Soube de seus pais, sinto muito. - Disse irônica.

- Não sinta. Eu também não sinto, aliás, se eu fosse você procuraria saber mais das fofocas. MEU PAI JÁ VOLTOU PARA CASA! - Falei alto para todos ouvirem.

- Isso é mentira. - Ela sussurrou - Seu papai - Bianca deu ênfase á palavra "papai" - estava com minha mãe esse tempo todo. -

Arregalei meus olhos sentindo meu rosto arder.

Papai havia feito mesmo isso? Traído mamãe, mesmo sabendo de suas condições?

- Mas olha que legal, somos irmãs... - Interrompi-a me contendo para não gritar:

- Nunca seremos irmãs! - Bianca riu e passou por mim, alisando meu cabelo.

- Bom, de qualquer forma você deveria considerar essa opção, nos veremos bastante nos próximos anos, maninha. - Ela beijou meu rosto rapidamente e se foi.

Está tudo desmoronando, está tudo caindo sobre mim.

Quero minha família de volta, quero voltar no tempo, isso não tem sentido nenhum.

Meu pai não podia ter feito isso comigo, muito menos com mamãe.

Droga.

...

- Senhorita Reynolds, você não deveria estar em aula? - Assenti á diretora - E por que então está aqui? - Perguntou nervosa.

- Eu não estou me sentindo muito bem, sabe? - Disse calma.

- Sei sim, mas se não é algo relacionado a saúde, sugiro que volte para sua sala. - Sorri fraco e continuei sentada no gramado - Eu quis dizer que é uma ordem. Vá logo! -

Levantei do chão, passei a mão por minhas roupas e segui para o corredor pegar meus livros.

Assim que abri o escaninho me assustei ao olhar no pequeno relógio, iria bater o sinal para a última aula já.

Decidi que não iria assistir á mesma e dei meu jeito para sair da escola.

...

Andava pela rua sozinha, não havia uma movimentação se quer naquele horário. Perigoso? Talvez.

Mas me sinto melhor pelo fato de estar dia, os perversos atuam durante a noite.

Minha vida estava um caos, eu nem mesmo gostaria de voltar para casa, mas era necessário, eu não posso ignorar o que está acontecendo, muito menos desistir.

- Violet! - Uma voz me chamou.

Pulei levando um susto e coloquei a mão em meu peito apertando-o, assim que vi que era a senhora Rosenburg, mãe de Audrey.

- Desculpe pelo susto. - Assenti e dei um sorriso fraco a abraçando, ela não tinha culpa de nada do que Audrey fez - Audrey está na sua casa? - Perguntou.

Balancei a cabeça negativamente.

- Não a encontro em lugar algum, eu colocaria no jornal, mas Audrey estava saindo com homens. - Senhora Rosenburg dizia tudo meio chorosa.

- Espera... Como é? - Franzi o cenho.

- Audrey é prostituta. - Disse em um sussurro. Coloquei as mãos em minha boca.

- Desde quando? - Pedi ainda pasma.

- Desde a oitava série, mas só descobri á uma semana, ela queria coisas que eu não podia dar e então começou a se prostituir para tê-las. - Apenas assenti.

A culpa era minha. Eu nunca deveria ter mostrado esse mundo á ela.

Fui eu quem inconscientemente a levei para o mundo da prostituição.

Mas, eu também não tenho muito, nossa situação é razoável, mas não chega aos pés do que Justin tem. Droga. Pensei nele.

Eu estou me concentrando para fazer o que ele pediu: Ficar longe dele.

- Ah... Senhora Rosenburg, me desculpe... Tenho mesmo que ir para casa, caso eu tenha notícias de Audrey eu entro em contato. Passar bem, com licença. - Disse contendo minha apavoração.

Ela assentiu e continuou andando por aí, feito uma louca.

Audrey é prostituta. Audrey é uma... vadia.

Desde a oitava série, Oh meu Deus. Como pude ser tão cega? Isso não faz nenhum sentido.

Eu sou tão burra assim? Tão ingênua, talvez? Sou uma pessoa que se convence com pouco?

Eu nunca me intriguei, achei que eram coisas dos pais de Audrey, eles eram separados.

O pai de Audrey é um bêbado, nojento e idiota e a mãe, é trabalhadora e muito honrada, apesar de tudo.

Eu não entendo, apesar de sua ignorância, Audrey não parecia ser disso.

Me sinto cega por tudo, por meu pai, por Audrey, por mim mesma e por tudo.

Por que está tudo caindo sobre mim?

- Parece perdida... - Uma voz masculina disse.

Olhei para ver quem era e era Ryan.

- Não. - Disse fria apertando o passo, tudo que eu menos queria era conversa com ele.

- Qual é! Eu te falei de Austin... - Parei assim que ouvi seu nome.

- Você fez sua parte depois que ele morreu, isso não muda nada, a não ser aumentar minha culpa! - Quase gritei. Sentia meus olhos marejados.

- Culpada pelo quê? - Perguntou segurando meu braço.

- Pela... morte dele. - Tentei segurar minhas lágrimas, mas foi impossível.

- Você não teve culpa, ele que foi um babaca e afrontou... - Ryan se calou.

- O que você sabe? - Arquei o cenho.

- Sei que você deveria ficar bem longe de Justin, para o seu bem. - Sussurrou contando seu segredo: Justin - É, sério, não fique no caminho dele. - Ri.

- Eu não tenho medo de morrer. Ainda mais por Justin. Se ele fez algo... - Ryan me interrompeu:

- Eu não disse que Justin fez algo, só falei que ele é desprovido de discernimento e que pode muito bem te fazer arrepender-se de entrar em seu caminho. - Revirei os olhos.

- Tudo bem, eu preciso ir. Todo mundo resolveu me parar hoje! - Reclamei.

- Talvez seja porque você pela primeira vez não está acompanhada. - Ri.

- Você não deveria estar na escola? - Ele riu também.

- Você também, não? - Assenti e continuei caminhando, mais um pouco daquilo e eu acabaria ficando até outro dia.

...

- Oi. - Disse entrando em casa.

Vovô, mamãe e papai me olharam arcando o cenho.

- O que faz aqui a essa hora? - Perguntaram quase em uníssono.

Desviei deles e segui para meu quarto. Se eu encarasse meu pai, não conseguiria deixar o assunto de Bianca para lá.

...

- Filha. - Disse meu pai entrando no quarto e fechando a porta logo depois.

- Eu vou dizer uma vez só: Saia daqui, por favor. - Disse entredentes e contendo meu choro.

- Por que está agindo dessa maneira comigo? - Perguntou sentando na cadeira a minha frente.

- Você ainda pergunta?! - Quase gritei.

- Eu não sei do você está falando. - Balancei a cabeça - Só quero que pare de agir assim e volte a ser a minha garotinha. - Ordenou.

Meu pai não queria que eu crescesse. Mas isso está fora de seu alcance.

- Você traiu mamãe. - Disse sussurrando.

- O QUÊ?! - Papai parecia mais surpreso do que eu, mas não, eu sei que ele estava fingindo.

- Olha, não finja. Eu sei que você estava com aquela loira platinada da Scarlet, mãe da Bianca, enquanto não estava aqui. - Ele abaixou o olhar como se estivesse envergonhado. - Isso irá ficar somente entre nós. Prometa. - Disse fungando.

- É, eu não quero romper com sua mãe. - Sussurrou.

Se não a ama mais, se tudo está tão ruim ele não deveria continuar a machucando. Mas eu não deixarei ele ficar com ela. Só preciso que ela melhore e depois então consiga superar a verdade.

Mas no momento, mamãe não saberá de nada.

- Eu vou te tirar daquele colégio. - Comentou.

- Por que? Pelo contato com minha " maninha "? - Zombei.

- Não. Só vou te tirar, ano que vem você não estará mais estudando nele, aproveite seus últimos tempos. - Fiquei calada.

Papai conseguia ser frio até nesses momentos. Como mamãe pode amá-lo? O amor é cego.

Tenho ainda dois longos meses de aula antes do natal. Logo as aulas acabam e então o que farei? Eu sempre viajava com vovó, mas, ela não está mais aqui.

- Pai... - Chamei-o quase me arrependendo - Eu queria muito, passar esse final de semana na casa de tia Lydia. - Ele fechou a cara - Sei que você não gosta dela, mas ela é minha família. -

Tia Lydia foi quem descobriu a doença de mamãe e a ajudou até não conseguir mais.

Meu pai a proibiu de entrar aqui, porque como ele mesmo fiz ela é uma macumbeira.

O que é mentira, ela é clarividente e isso tem diferença.

Tia Lydia não faz nada por dinheiro, tudo é de graça além de ela ser um amor de pessoa.

- Tudo bem. - Disse me fazendo ficar surpresa. Juro que achei que seria mais difícil. Ele completou - Mas, nada de fazer aquelas loucuras que ela propõe! - Assenti e sorri.

Passar esse tempo com Lydia, me ajudaria muito. Eu precisava ficar bem. Totalmente.

...

Estava sentada em minha carteira, resolvendo o último exercício de química.

As pessoas não paravam de cochichar e mandar olhares para mim, eu teria um ataque por isso.

- Alunos. - A diretora entrou na sala atraindo a atração de todos - Quero avisá-los que não teremos aula amanhã, quarta-feira, feriado como todos sabem, bom descanso á todos. - Disse e no mesmo instante em que saiu pela porta, o sinal tocou.

Guardei meus materiais e sai da sala.

Eu procurava por ele, mesmo sem querer e sem entender eu queria vê-lo, mas parecia que sua vontade era como uma lei e então eu não poderia nem observá-lo de soslaio.

Justin. Justin. Justin.

A verdade é que eu sempre o observei e não vê-lo durante essa semana, foi no mínimo, estranho.

Meu avô, não estava mais me buscando na escola eu estava indo e vindo agora sempre sozinha, papai disse que eu precisava pensar um pouco e eu não tinha tempo para isso.

Mal sabem que minha cabeça está uma bagunça e que toda vez que tento organizá-la me sinto vazia. Completamente.

O que aconteceu com Justin? Ele está bem? Eu poderia ir até a casa dele me certificar disso...

Comecei a caminhar na direção contrária de minha casa, não há quem não saiba onde fica a mansão dos Bieber's.

...

Consegui permissão para entrar e quando parei em frente a porta uma coisa, um sentimento ruim me envolveu.

" Ainda há tempo de fugir. " Balancei minha cabeça e bati na porta " Violet, não faça isso! ".

Talvez fosse muito ousado eu aparecer na casa dele e ainda fazer perguntas depois de tudo o que havia acontecido.

É não foi uma boa ideia, preciso ir embora. Ele pediu para mim não encomodá-lo e Ryan me disse para não cruzar seu caminho.

Virei-me para caminhar e quando dei o primeiro passo, ouvi uma voz dizer:

- Belinda? -

           ...Continua...


Notas Finais


Primeira Coisa: AMO TODOS!
Segunda Coisa: Vou postar o próximo capítulo de #YMMH hoje ou amanhã, espero todos lá! ❤😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...