História My Werewolf Lover - Imagine V - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Imagine, Imagine Bts, Imagine Kim Taehyung, Imagine V, Jikook, Namjin, Romance, Yoonseok
Exibições 293
Palavras 1.070
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Fluffy, Lemon, Musical (Songfic), Romance e Novela, Sobrenatural, Terror e Horror, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi gente!
Voltei com mais uma fic!
Dessa vez com o nosso fofíssimo TaeTae! <3

Bom, para aqueles novos nesse tipo de fic:

S/N = Seu Nome
N/C = Nome Completo
C/F = Cor Favorita
C/C = Cor de Cabelo
C/O = Cor de Olho
T/P = Tom da Pele
T/C = Tamanho do cabelo
Cm/F = Comida Favorita

Isso é o básico!
Mais pra frente eu vou adicionar mais coisas assim, mas eu vou explicar o que quer dizer!

Capítulo 1 - A mudança e o lobo.


Fanfic / Fanfiction My Werewolf Lover - Imagine V - Capítulo 1 - A mudança e o lobo.

S/N POV

Pois é...
Nova casa, nova vida.

Ah! Que falta de educação a minha... Não me apresentei certo?
Eu me chamo N/C. Tenho cabelos C/C e T/C, meus olhos são C/O e minha pele é T/P.

Bom, sobre isso de nova casa, nova vida...
Infelizmente, a pouco tempo, minha avó por parte de mãe faleceu...
Ela deixou uma grande herança para trás junto a sua casa perto de uma pequena vila, e meus pais ambiciosos queriam pegar tudo para eles. Mas minha avó deixou um testamento, e nele dizia que eu iria herdar tudo.

Meus pais, se é que posso chamá-los assim, tentaram me obrigar a passar a herança para eles, mas o advogado da minha avó impediu eles.

Na justiça foi resolvido que eu moraria sozinha na casa, por já ter 18 anos, e que meus pais deveriam ficar bem longe de lá se não quisessem ir para a cadeia.
Parece que minha avó não queria eles por lá, já que no testamento pediu para proibir a entrada deles na propriedade.

Então hoje o advogado da minha avó me levou para a casa que sempre amei na minha infância, e me ajudou a trazer as caixas com as minhas coisas para dentro. Ele viria uma vez a cada duas semanas para verificar como iam as coisas, e por mim não teria problema.

Passei quase a manhã toda e boa parte da tarde guardando as minhas coisas e passando outras da vovó para o porão.

A casa tinha um sótão espaçoso e aconchegante. Lá havia uma janela média e redonda, que dava vista para a parte da frente do terreno.

Passei alguma horas arrumando o sótão, limpando tudo; colocando livros nas prateleiras vazias; coloquei um grande tapete peludo no chão; coloquei duas poltronas bem confortáveis lá, com uma mesinha branca ao lado de cada uma e um pequeno abajur em cima das mesinhas; espalhei almofadas pelo chão e em um canto do sótão coloquei travesseiros e cobertas guardados, caso quisesse dormir lá.

Seria o lugar perfeito para passar o dia lendo bebendo algo quente.
Estamos no começo do outono, então ficaria bem frio por aqui.

Olhei para a janela do sótão e vi o galpão abandonado da minha avó. Lembro de que quando era pequena ela dizia que haviam monstros lá dentro, mas eles não eram maus. As vezes eu entrava lá e achava algum dos carneiros que o vizinho deixava solto no terreno da vovó, claro que ela deixava e eu vou continuar deixando.

Já eram 19:30 quando eu acabei de arrumar tudo. Fiz o jantar para hoje a mais algumas noites, assim não pracisaria cozinhas todos os dias, tomei um banho, escovei os dentes, coloquei o meu pijama comprido C/F e deitei na cama de casal do meu novo quarto, pegando no sono quase que instantaneamente.

-Quebra de tempo-

Acordei devagar com algum barulho alto que vinha do lado de fora da casa.
Levantei devagar da cama e me dirigi até a janela do quarto, tirando devagar a cortina do caminho e espiando o lado de fora.

O barulho parecia vir do galpão.
Já era tarde, então o vizinho já havia recolhido os carneiros...
Pensei na ideia de ser um ladrão, mas jamais ouve um assalto ou furto por aqui.

Vou até a cozinha e pego uma lanterna em uma das gavetas, saindo para fora de casa, indo em direção ao galpão.

Quando chego lá o barulho para.
Abro a porta devagar e entro lá dentro tremendo.

Eu devo ser muito idiota mesmo...
Uma garota de 18 anos escuta um barulho vindo de um galpão pequeno e velho e vem ver o que é! Que clichê de fime de terror.

Assim que vejo que não tem nada penso que seja lá o que estava fazendo aquele barulho havia ido embora.
Mas eu estava errada...

Me viro para sair do galpão, quando ouço um estalo atrás de mim, o que faz meu sangue gelar em minhas veias...
Ouço um rosnado baixo atrás de mim e sem pensar duas vezes saio correndo de dentro do galpão.
Mas depois de correr um pouco para fora eu acabo tropeçando e caindo no chão, perdendo a lanterna na queda.

Me viro para cima, já que caí de barriga, e olho para o galpão, ainda no chão.

A luz da Lua cheia iluminava a noite, e ela me ajudou a ver o que estava no galpão...

Um lobo... Enorme...

Sua pelagem era de um castanho que jamais havia visto em um lobo, e seus olhos castanhos escuros brilhavam a luz da Lua.
Ele era lindo. Majestoso eu diria.
Podia ver que ele era forte, porém me parecia muito magro.

Ele se aproximou devagar de mim, e pensei que ele iria me atacar, então fechei os olhos.
Mas ele não o fez.

Abri meus olhos devagar, me deparando com seu focinho perto do meu rosto.
Me levantei devagar, e ele só me acompanhava com o olhar.

Assim que estava de pé decidi fazer uma loucora e fazer carinho nele. Não sei o porque, mas sentia que precisava fazer isso.
Aproximei minha mão dele e deixei que ele a cheirasse, para depois passar ela por sua cabeça, fazendo carinho de leve.

Pensei que ele fosse me morder, mas derreteu-se no meu carinho.
Nunca vi um lobo tão dócil.

Mas ele me parecia um pouco fraco...
Devia estar com fome...

Disse para ele me esperar lá, que já voltaria. Fui até a cozinha e peguei carne para ele. Não sei de onde me surgiram esperanças de que ele ainda estaria lá fora, esperando que eu voltasse, de certo já havia ido embora.

Porém, quando sai de novo, ele ainda estava lá, mas dessa vez observava atentamente a Lua cheia no céu estrelado.

Me aproximei dele e dei a carne para ele.
Realmente estava com fome, devorou a carne como se não comesse a dias.
Quando me levantei falando que pegaria mais carne para ele o mesmo me parou com o olhar, como se dissesse "Já estou satisfeito."
Então sorri e sentei-me ao seu lado, para observar a Lua com ele.
Alguns minutos depois ele deitou-se ao meu lado e apoiou a cabeça no meu colo, então comecei a fazer carinho nele novamente, observando como ele se derretia com meu toque.

Sorri e voltei a observar a Lua novamente.
Ah sim... Sem dúvidas, essa noite, a Lua estava linda.

Ei vó... Acho que fiz um novo amigo...


Notas Finais


Espero que tenham gostado!!!
Bjos de coxinha! :3 <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...