História MyM - A História continua.. - Capítulo 50


Escrita por: ~

Postado
Categorias Rebelde
Personagens Alma María Rey Gómez, Diego Bustamante, Franco Colucci, Mia Colucci Cárceres, Miguel Arango Cervera, Roberta Alexandra Maria Pardo Rey
Tags Diego Bustamante, Elite Way School, Família Colucci Rey, Josy Luján, Mia Colucci, Miguel Arango, Roberta Pardo, Téo Ruiz Palácios
Exibições 74
Palavras 2.949
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Ficção, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Vou me limitar a não dizer nada ok?
Deixo com vocês....
BOM CAPÍTULO <3

Capítulo 50 - Aún hay algo de amor


Fanfic / Fanfiction MyM - A História continua.. - Capítulo 50 - Aún hay algo de amor

[POV] ROBERTA (PARDO) REVERTE REY
- O noivinho vai ficar aqui isolado deixando que resolvam as coisas do seu casamento por ele? – Encontrei Miguel sentado no sofá da sala de TV, distraído mal me viu chegar.
- Ah, oi! – Puxou a almofada pro seu colo pra que eu pudesse me sentar – Já estão falando sobre isso?
- É a Mia tá lá embaixo falando pelos cotovelos sobre vestidos, e flores, e doces, com a minha mãe e a sua... – Rimos e Miguel apertou os olhos fingindo desespero.
- Já tô vendo que essas três vão me deixar louco com essa história de casamento!  - Coçou a cabeça e eu ri.
- Botou aliança no dedo da Barbie, agora aguenta... – Dei um tapinha na testa dele que fez careta – Mas vocês tem sorte sabia? Aliás, você tem sorte... Não é segredo pra ninguém que a Mia mataria por você.  – Sorrimos um pro outro e Miguel abaixou o olhar.
- Deixa eu adivinhar, você e Diego brigaram de novo? – Me perguntou antes de lançar um olhar de reprovação pra mim que fiquei boquiaberta indignada.
- Mas eu nem disse nada caramba..
- É mas... Quando começa a elogiar a minha relação com a Mia assim, já sei que tem coisa! – Apontou o dedo pra mim.
- Você é um saco Miguel... – Dei duas bofetadas no braço dele – Ai que raiva!
-Não, sou seu melhor amigo e te conheço bem o suficiente pra saber que algo aconteceu. – Cruzou os braços – Fala, o que houve agora? – Me encarava com um sorriso divertido e segurei o riso com raiva antes de falar.
- Nada, não brigamos, ainda...É que... Ai não sei, já sentiu como se todos os seus gostos e manias não batessem em nada com o da outra pessoa? – Cruzei os braços com o olhar perdido.
- Roberta eu namoro com Mia Colucci, já viu alguma vez eu passar horas revirando o armário atrás da roupa ideal? – Me fez rir.
- Ai não, eu to falando sério, é como se... O mundo do Diego não fosse o mesmo do meu e ahhh... Ainda tem aquela secretária dele que ronda ele mais que urubu atrás da presa!
- Sabe o nome disso princesinha? Ciúmes! – Falou em tom de reprovação e eu o encarei. – Mas... todo mundo sabe que você é fogo e o Diego gelo, mas isso não quer dizer que seja ruim.
- Não? – O olhei na dúvida.
- Bom, já parou pra pensar se vc e Diego fossem tão iguais que chegaria uma hora que enjoariam um do outro?
- Miguel como é que vc faz com a Mia? Como...Como ainda não enlouqueceram um com o outro? – Perguntei impaciente e Miguel apertou meu nariz.
- É ai que tá Robertinha, a Mia me completa em pontos que eu jamais imaginei existir em mim, e sei que eu também a faço descobrir pontos nela que jamais notou, e é isso, um completa o outro.
- Não, comigo não dá certo! – Cruzei os braços emburrada e Miguel se levantou.
- Os melhores relacionamentos, são os que saem faísca, pensa nisso! – Bagunçou meu cabelo e saiu, me deixando sozinha e pensativa.

[POV] MARINA CARCERÉS
- Não acho que me precipitei, na verdade acho que demorei ou que talvez... Nunca tivesse que ter tirado a guarda da Mia do Franco e trazê-la pra cá... – Haviam quase 3 horas que Reverte e eu estávamos num bistrô conversando numa mesa para dois próximo a janela.
 O restaurante já estava praticamente vazio, e o clima intimista do lugar incomodou um pouco no inicio, era estranho estar ali com ele depois de tantos meses de mensagem e horas no telefone, a presença dele realmente me despertava algo, e por despertar algo tinha medo de pensar que talvez aquilo fosse a minha chance de seguir com uma vida que sempre tive medo.
 Inúmeras vezes pensei que aquilo não passasse de uma amizade e que por certo Reverte tinha se identificado por também ter perdido tantos anos longe de sua filha, mas inúmeras vezes também sentia o peso de quando passávamos dias sem nos falar, e como uma adolescente meu coração quase saia pela boca quando atendia o telefone e do outro lado da linha era a voz dele. Me permitia pensar por alguns segundos que talvez Marina Cárceres finalmente estivesse se deixando levar, mas reprimia lá no fundo da alma toda e qualquer possibilidade de desenvolver algum sentimento por ele.
 Mas ele estava ali, ele pegou um avião, atravessou o oceano e pousou em terras espanholas de surpresa só pra poder me ver, num momento em que sabia que tantas confusões e inseguranças passavam pelo meu coração. Minhas pernas tremiam involuntariamente o tempo todo, e acho que por segurança todo e qualquer assunto era focado em Mia.
- Marina? - Chamou minha atenção quando percebeu que parei de prestar atenção no que ele dizia.
- Hã? – Ri baixinho – Desculpa eu, me distrai nos meus próprios pensamentos e...O que dizia?
- Dizia que se eu não conhecesse a Mia diria que acredito que ela com certeza teria puxado a beleza da mãe, mas como a conheço, tenho certeza! – Cruzou os braços debruçando-se de leve sobre a mesa deixando-me sem reações, molhei os lábios e sorri tímida.
- Como? – Ele sorriu e meu coração passou a bater de um jeito que há tempos não sentia.
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
- E foi assim que, bom que eu me reaproximei da Roberta! – Caminhávamos devagar lado a lado em volta do grande lago ao centro do condomínio onde moro, Reverte com as mãos no bolso me contava como por fim se deu seu reencontro com Roberta.
- Nossa, nunca pensei que Alma Rey te privaria do convívio com a sua filha! – Respondi encarando o chão.
- Não eu... não a culpo! Ela só tinha dezesseis anos e acredito que ao se ver grávida e sozinha com certeza pensou que eu não assumiria. – Respirou fundo e sorriu – Eu tinha acabado de completar dezoito e, era bem irresponsável... – Falou desconfiado e rimos juntos – Mas Alma fez o melhor que podia pra que nunca faltasse nada a Roberta e tenho um orgulho imenso da menina incrível que Roberta se tornou e... Bom eu sou pai, sou suspeito pra falar mas, ás vezes me pego por horas olhando suas fotos e não entendo como eu, pude fazer uma filha tão linda! – Rimos de novo.
- Isso eu não posso negar, Roberta é muito bonita, assim como a Alma! – Desviei o olhar pensativa, e uma pontada de ciúmes me incomodou.
- E então? O que pensa em fazer? Creio que o noivado da Mia e do Miguel não vai demorar muito pra acontecer e... Acredito que não queira perder o noivado da sua filha não é? – Voltamos a caminhar devagar, e hesitei alguns segundos antes de responder, mordi os lábios nervosa.
- Sinceramente? – O encarei com o olhar triste e ele acenou que sim com a cabeça – Me dá tontura só de pensar em imaginar meu reencontro com Mia e... Eu não sei, – Dei de ombros – o Miguel não deve gostar muito de mim e, creio eu que começarei com o pé esquerdo não me dando bem com meu genro!  - Reverte riu e me fez rir.
- Não se preocupe, Miguel é um bom garoto e... Não vou mentir, tem um gênio forte e pode ser que no começo se mostre resistente quanto a sua aproximação da Mia, não por você, mas talvez por medo de que você a leve pra longe dele de novo. – Colocou as mãos em meus ombros – Mas, cabe a você conquistar a confiança dele e... a da Mia! – Levantei o olhar a ele que esticou o braço apontando em alguma direção – Já estamos em frente a sua casa! – Apertei os lábios, olhei para minha casa e ri baixinho. Me virei em sua direção.
- Obrigada por hoje! – Falei baixo num tom leve, e ele colocou uma mechinha do meu cabelo atrás da orelha.
- É sempre um prazer! – Sorriu dando um passo a frente deixando nossos corpos muito próximos, inclinou o rosto de modo que sua respiração cruzava com a minha.
 E me beijou.

 [POV] MIGUEL ARANGO
- E o terno do Miguel pode ser... AZUL! – Mia berrou empolgada - O Miguel fica lindo de azul, azul marinho, bem escuro! – Descia as escadas até a sala principal.
- O que tem o Miguel? – Me joguei no sofá ao lado de Franco.
- Ai gatinho bebê que bom que chegou... – Correu sentando-se no meu colo me enchendo a bochecha de beijos antes de continuar – Sua mãe, Alma e eu estamos planejando todas as coisas da cerimônia!
- E do noivado! – Alma acrescentou.
- Hm – Soltei um grunhido de reprovação soltando o peso da cabeça para trás – E, precisa de tudo isso ai mesmo? Por que... Porque não fazemos uma cerimônia mais simples só com a nossa família e amigos mais próximos? Pode até ser  aqui no jardim! – Mia arregalou os olhos incrédula e eu sorri nervoso agarrando sua cintura dando beijinhos em sua bochecha – Hein?
- MIGUEL! – falou entredentes me dando uma bofetada e fazendo força com os braços pra que eu a soltasse – É Ó-B-V-I-O, que o casamento de Mia Colucci tem que ser o evento do século! – Me deu um tapinha na testa e fechei os olhos inibindo o riso, e ouvi Alma, Franco e minha mãe rirem ao fundo.
- Desde pequeno o Miguel nunca gostou de festas, tinha que fazer suas festinhas de aniversário na marra! – Mamãe reclamou cruzando os braços me encarando irônica.
- Totalmente o oposto da Mia, me deixava com os cabelos em pé cada vez que planejava as comemorações de seus aniversários! – Franco completou e me Mia sorriu satisfeita.  
- E então? – Perguntei fazendo referencia ao caderninho que Mia tinha em mãos.
- Bom...Amanhã iremos visitar três buffets e temos reunião com o organizador de eventos, porque claro precisamos de um buffet para o noivado e um para a cerimônia... – Arregalei os olhos preocupado e Mia continuou empolgada – E não se preocupe que meu Daddy te deu o dia de folga na empresa pra que você possa acompanhar eu, sua mãe e a Alminha!
- Me deu o dia de folga é? – Encarei Franco desconfiado que riu ao ver minha cara de decepção.
- Se você tem que culpar alguém, culpe a Mia! – Franco ergueu os braços em defensiva e todo mundo riu.

[POV] DIEGO BUSTAMANTE
- Se eu não te conhecesse, diria que toda essa sua irritação comigo é TPM! – Cutuquei Roberta que ouvia de longe no corredor a conversa dos outros na sala, se virou a mim assustada e sorriu prendendo os braços em volta do meu pescoço por fim.
- Me perdoa? – Fez cara de preocupada mordendo os lábios e eu ri encostando minha testa na dela.
- Pelo quê? – Perguntei ainda perdido.
- É verdade que você me irrita o tempo todo, e... Eu acabo descontando em você mas, se você não fosse assim, do jeitinho que é, talvez não fossemos a Roberta e o Diego! – Me deu um selinho rápido.
- Já te disse que gosto de você assim, marrenta e tudo! – Lhe devolvi o selinho – E ainda que brigue comigo todos os dias, termino todos eles tendo cada vez mais certeza do quanto eu te amo! – Nos beijamos. – E... O que aconteceu pra você amolecer assim tão rápido? –Perguntei desconfiado e Roberta riu coçando a cabeça.
- Bom, digamos que desabafei com alguém... – Me abraçou e ri.
- Obrigada Miguel! – Respondi e a ouvi gargalhar.

[POV] INGRID CARCÉRES
 A porta principal bateu, e quando cheguei ao corredor, encontrei uma Marina deslizando as costas pela porta inibindo o sorriso de olhos fechados.
-E então? Como foi? – Perguntei andando em sua direção.
- AI! – se assustou – AI MAMÃE QUE SUSTO, QUER ME MATAR? – Corou colocando as mãos sobre o peito.
- Ele não é o... – Olhei por detrás da cortina da janela e pude ver de relance o rapaz entrar no carro.
- Empresário da banda dos garotos? Pai da irmã da Mia? Ex-namorado da Alma Rey? – A olhei e Marina me respondia de olhos fechados franzindo o cenho como quem se desculpava.
- É! – Respondi baixinho ainda sem entender. – Marina, como que...
- Mamãe, podemos conversar sobre isso depois? Eu estou exausta e...Tudo o que eu quero é dormir! – Se apoiou na mesa ao centro tirando os saltos. – Boa noite! – Veio até mim me dando um beijo na bochecha e seguiu corredor adentro.
 A observei sumir pelo corredor me perguntando internamente o que teria acontecido entre Marina e aquele rapaz durante toda a noite.
- Senhora? – A voz de Marián me chamou a atenção.
- Sim?
- Telefone pra você! – Peguei o telefone de sua mão e dei permissão pra que ela se retirasse – Obrigada querida... Alô?
- Vovó? – A voz doce de Mia me fez sorrir largo.
- Oi, oi meu amor, como você está?
- Oi vovó, estou bem e a senhora?
- Melhor agora que você ligou minha princesa. O que me conta?
- Ai, desculpa te ligar assim tão tarde, sei que por conta do fuso-horário ai já é quase de madrugada mas... Estava ansiosa pra poder te falar! – Sorri.
- Mia, você pode me ligar à hora que quiser, sempre irei atendê-la! – Respirei fundo demonstrando minha animação – E então?
- Bom, queria que você fosse a primeira, a saber, que, Miguel e eu noivamos dentro de um mês e meio... – Meu coração gelou por um segundo – Vovó? A senhora está me ouvindo?
- Oi, oi meu amor, estou, estou sim! – Passeei os olhos pela sala voltando novamente minha atenção a conversa com Mia – Que... Que maravilhoso meu amor, estou tão feliz por você!
- Ai vovó não é incrível? A senhora vem não é? – Sorri encarando o chão.
- Vou, é claro que vou querida. Não perderia o noivado da minha única neta por nada!
- Ai que bom, faço questão que a senhora fique hospedada aqui em casa hein? Bom, nos falamos! Te amo vovó, um beijo, byeee! – O telefone ficou mudo, me perdi em meus pensamentos e não consegui me despedir.
 Um turbilhão de pensamentos me invadiram a cabeça e tive a plena certeza de que enfim, iria reencontra-lo.

[POV] MIA COLUCCI
Toc Toc
- Animada? – Miguel bateu na porta do meu quarto que estava aberta e me encontrou sentada com as pernas em X na cama, acabará de desligar o telefone com a minha avó e estava perdida em meio a um monte de revistas de casamento. Sorri.
- Estava falando com a minha avó! – Deu a volta na cama e se recostou nos travesseiros fazendo carinho nas minhas costas.
- E então? Quando terei enfim o prazer de conhecê-la? – Sorriu pra mim e meu coração balançou.
- Ela vem pro nosso noivado. – Falei confiante e ele me deu um beijinho na testa. – Sabe que... – mordi os lábios – Tudo isso parece um sonho, um sonho lindo... – Fechei os olhos e Miguel passeou o nariz pelo meu rosto antes de me beijar.
- Você planeja tudo, e... E eu só apareço no altar pra dizer que te aceito como legitima esposa tudo bem? – Ele riu e gargalhei baixinho voltando a beijá-lo. – Legitima esposa...Eu to sonhando? – Perguntou ainda de olhos fechados e sorriu. Segurei seu rosto com as mãos e ele abriu os olhos.
- Te amo! – Falei olhando fundo em seus olhos.
- Te amo! – Respondeu me beijando de novo. – Hmm.. – Soltou seus lábios dos meus – Eu já vou... Já tá tarde e, amanhã de manhã eu tenho aula!
- Ahhhh – Fiz biquinho e Miguel bateu de levinho no meu lábio me fazendo rir – Não vai não! – Fiz voz de bebê e ele também fez bico.
- Não? – Perguntou roçando de levinho seu nariz no meu.
- Não. – O abracei forte e ele beijou minha bochecha. – Você vai me deixar sozinha! – Ele sorriu, e avançou sobre mim na cama me fazendo gargalhar.
- Ounnn, minha princesa vai ficar sozinha, coitadinha! – Falava entredentes me fazendo cosquinha.

>>>>>>>>>>>>>  1 MÊS DEPOIS...  <<<<<<<<<<<<<<

[POV] MARINA CARCERÉS
 Acordei num quarto de hotel, as janelas entre abertas faziam os tecidos brancos das cortinas voarem. Estava sol, e me espreguicei encontrando-me sozinha e nua na cama king size, coberta por lençóis brancos. No criado mudo ao meu lado estavam o relógio e a carteira dele e fechei os olhos reprovando a minha atitude por um segundo, e repreendi a mim mesma com um “Ai não Marina” interno.
- Bom dia! – A voz de Reverte me chamou, meu coração gelou e abri os olhos encontrando-o sentado ao meu lado em trajes íntimos. Sorriu.
- Bom dia! – Me sentei tapando o peito com o lençol. Cocei os olhos e ri – Por quanto tempo eu dormi?
- Bastante, aquela garrafa de vinho te derrubou! – Respondeu apertando meu nariz. – Por isso, tem que comer alguma coisa, porque saco vazio não para em pé...
 Correu até a ponta oposta do quarto, buscando na mesa uma bandeja com suco, pães, frutas e uma rosa num vasinho de vidro. Coloquei uma mecha atrás da orelha e o encarei sorrindo.
- E... Isso chegou pra você hoje cedo! – Me entregou um envelope dourado envolto num saquinho delicado de plástico, e no fundo já sabia o que era, as letras “MyM” grafadas por sobre a cera de vela vermelha fizeram calafrios dominarem meu estômago.

                                                                                   “ Franco Colucci e Helena Arango Cervera,
                                          cordialmente o(a) convidam para a oficialização dos votos de noivado de seus filhos:
                                                                            Mia Colucci Carcéres e Miguel Arango Cervera
                                                                          Onde lhes darão sua benção e votos de carinho.”

-Chegou a hora e...Eu não vou te deixar perder o noivado da sua filha! – Reverte segurou minha mão e o encarei completamente insegura.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...